Dons Temporários (3): Curas (2)

Imprimir

Esta é uma série de sermões de John MacArthur sobre dons espirituais e homens especialmente dotados. Veja os links no final deste texto.


Vamos continuar em nosso estudo acerca do dom de curar. Estamos vendo I Coríntios 12 nessa série de sermões, mas não nos fixaremos nessa  passagem nesta manhã. Dentre os dons mencionados no capítulo 12, aparece o dom de curar. O que vou dizer a você hoje é importante,  porque penso que vai ajudá-lo a entender o que está acontecendo ao nosso redor.

Eu penso, e digo isso com honestidade e com toda a força com que posso dizer, e ainda com tanto amor quanto possível, que enfrentamos um dos movimentos dos que mais crescem e enganam na história da igreja. Pentecostalismo é o seu nome tradicional, mas em algum momento passou a ser conhecido como movimento carismático. Creio que a maioria das suas contribuições para a realidade da igreja são ruins, mas existem alguns benefícios que derivam indiretamente disso.

Um deles é que os erros produzidos pelo movimento carismático nos obrigam a realmente examinar a Palavra de Deus para ver se as coisas que estão sendo reivindicadas como vindas do Espírito Santo são, de fato, assim. Isso é bom, pois nos conduz a uma compreensão da Escritura, e isso é vital. É importante, penso eu, que tenhamos discernimento. Nós ouvimos hoje que todos os milagres ainda estão ocorrendo, que todos os dons apostólicos ainda estão acontecendo, que se você está perdendo isso, você está perdendo o que Deus está fazendo.

Oral Roberts promete que, se você investir em seu ministério, ele lhe dará a promessa de Deus de que você obterá um milagre por dia. Existe um livro chamado “Um Milagre por Dia Mantém o Diabo Longe”. Eu recebi no correio esta semana meu “lenço especial de orações por milagres”, e assim vai. Está escrito nesse lenço: “Este é um  lenço de oração especial para um milagre, coloque-o em seu travesseiro e durma nele esta noite. Ou você pode querer colocá-lo em seu corpo ou em um ente querido. Use-o como um ponto de liberação onde quer que você tenha se machucado. Envie-o de volta para mim no envelope verde. Não guarde este pano de oração, devolva-o para mim. Vou levá-lo, orar sobre ele a noite toda. O poder de milagre vai fluir como um rio. Deus tem algo melhor para você , um milagre especial para atender às suas necessidades”.

Esse é apenas um em uma longa lista de exemplos do que está sendo feito pelo movimento carismático por aí. Você liga a televisão e, se conseguir encontrar algo diferente de um programa cristão, terá sorte. Parece que a televisão está sendo inundada pela programação cristã, que é, de muitas formas, uma deturpação do cristianismo bíblico. É uma coisa triste. As pessoas estão reivindicando milagres e curas o tempo todo.

Você precisa ser muito perspicaz para não ser pego no erro e enganado sobre o que é verdadeiro. Nós ouvimos hoje que todos esses dons espirituais ainda estão em operação. Muito está sendo dito sobre cura. Eu ouço isso continuamente. Em todas as cidades que vou e em todos os grupos cristãos com quem falo, as pessoas que chegam e me fazem perguntas estão sempre me perguntando sobre esse assunto de cura.

Elas dizem: “Deus está restaurando esse dom maravilhoso? O que você acha de Kathryn Kuhlman? O que você acha de Oral Roberts? O que você pensa sobre tal cura? E sobre tal programa?” e assim por diante. Tudo isso é muito confuso para os incrédulos, para não falar dos pobres cristãos que não são ensinados nas Escrituras e não sabem o que fazer com tudo isso.

Por isso, nos esforçamos em nossos estudos para tentar ter uma ideia clara do que está acontecendo. Em nosso estudo dos dons de sinais temporários, mencionamos que existem quatro deles: milagres, curas, línguas e a interpretação de línguas. Esses quatro são os dons de sinais milagrosos que foram dados pelo Espírito para autenticar a nova revelação que constitui o Novo Testamento. Uma vez terminado o Novo Testamento, os dons de sinais deixaram de ter uma função. Eles não pertencem à vida contínua da igreja.

Estêvão, em Atos 7, citou os sinais,  maravilhas e milagres feitos no tempo de Moisés. Ele afirmou que aqueles sinais estavam em conexão com Moisés recebendo os oráculos vivos de Deus. É a mesma coisa no Novo Testamento. Quando Deus derramou uma revelação de Sua Palavra, Ele a respaldou com sinais e maravilhas. Esse foi o propósito desses dons milagrosos.

As pessoas de hoje que afirmam ter essas habilidades, que afirmam ver, permitir, conduzir e experimentar curas e mais curas, precisam ser cuidadosamente levadas à prova das Escrituras. A questão não é: “Bem, eu tive essa experiência.”  Esse não é o problema. A questão é: “O que a Bíblia diz?” É sobre isso que queremos falar. Não tenho nenhuma intenção de ferir ou ofender a ninguém.  Eu simplesmente quero lidar com o que a Palavra de Deus tem a dizer sobre isso, como o faço com qualquer outro assunto..

Deixe-me começar dizendo o seguinte: os dons de sinais temporários – curas, milagres, línguas e a interpretação de línguas –  não existem mais hoje. Penso que já vimos suficientemente nas Escrituras, em nossos estudos passados, que isso é verdade. Estudamos o dom de milagres, ou o dom de poderes, como poderia ser melhor traduzido, e vimos que ele era a habilidade de expulsar demônios com uma palavra.

Agora, estamos estudando o dom de curar. Estudaremos o dom das línguas e a interpretação das línguas quando chegarmos aos capítulos 13 a 14 de I Coríntios. Estamos começando, em nosso estudo bíblico, na pessoa de Cristo. Vocês se lembram do nosso último estudo? Vamos revê-lo rapidamente. Dissemos que para entender os dons espirituais, devemos tomar Cristo como modelo ou paradigma, como o padrão para todos os dons espirituais. Ele estabelece as bases para o seu funcionamento.

Nós vimos seis características do poder de curar de Cristo. Número um: Ele curava com uma palavra ou um toque. Número dois: Ele curava instantaneamente. Número três: Ele curava totalmente. Não havia sintomas remanescentes, pois nenhuma parte da doença permanecia. Número quatro: Ele curava a todos. Não havia aqueles que Ele não conseguia curar. Todos os doentes que cruzavam Seu caminho eram curados. Número cinco: Ele ressuscitava os mortos. Número seis: Ele curava doenças orgânicas.

Esse é o padrão estabelecido para o dom de curar. Você diz: “Mas esse foi o padrão de Cristo”. Sim, e é exatamente isso que Ele transmitiu para Seus apóstolos. Veja o Lucas 9. Aqui, nosso Senhor passa para os apóstolos esse poder. Versículo 1: “ E, convocando os seus doze discípulos, deu-lhes virtude e poder sobre todos os demônios, para curarem enfermidades.” Esse é o dom de milagres, o dom do poder.

Tenha em mente que o dom de operar milagres nunca foi a capacidade dada aos apóstolos e seus associados de sair por aí, fazendo milagres naturais, criando comida, andando sobre a água, alimentando uma multidão, fazendo uma árvore secar, ou qualquer coisa assim. Nunca. O dom de operar milagres era simplesmente – e apenas – o dom do “dunamis”, ou seja o  poder sobre Satanás, a capacidade de expulsar demônios.

Note  o final do verso 1, “curar enfermidades“. Jesus deu aos apóstolos o poder sobre a doença, uma capacidade sobrenatural para curar doenças. Os apóstolos tinham esse poder. Isso foi dado aos Doze. Agora vá para Lucas 10:1. Jesus estendeu essas habilidades para outro grupo: “E depois disto designou o Senhor ainda outros setenta, e mandou-os adiante da sua face, de dois em dois, a todas as cidades e lugares aonde ele havia de ir.” Então, Ele escolheu outros 70, enviou-os de dois em dois, para pregar.

Observe, no verso 9, que entre as coisas que Jesus disse a esse grupo de homens, está: “E curai os enfermos que nela houver, e dizei-lhes: É chegado a vós o reino de Deus.”. Ele deu aos Setenta a habilidade de curar os doentes. Isso novamente é o dom da cura. A capacidade de curar doenças e enfermidades. Agora observe, vemos no Novo Testamento que esse dom pertencia a Cristo e a quem Ele concedeu, isto é, aos Doze e  aos Setenta.

Você diz: “Alguém mais no Novo Testamento tinha a capacidade de curar?” Sim. Alguns dos associados dos apóstolos foram agraciados e usados  ​​por Deus com esse dom. Portanto, o dom pertencia a Cristo, Seus apóstolos, aos Setenta e a alguns associados dos apóstolos. Nós nunca vemos nas Escrituras o dom de curar associado a qualquer outra pessoa que não fizesse parte desse grupo. O dom de curar nunca foi mencionado como algo concedido a outros crentes fora desse grupo que mencionamos. É um dom sempre relacionado a Cristo, aos Doze, aos Setenta e aos associados dos Doze, como Filipe, por exemplo.

Nós vemos isso no livro de Atos. Nunca vai além disso. É um dom muito limitado, em termos das pessoas que o possuíam, como ocorre com o dom de milagres, ou poderes, ou a capacidade de expulsar demônios. A esse grupo – Cristo, os apóstolos, os Setenta e os associados dos apóstolos – quando saíram pregando, proclamando o Evangelho do Reino, essa nova mensagem fenomenal e inacreditável, Deus lhes deu a capacidade de curar doenças instantaneamente e totalmente, para convencer as pessoas de que eles eram de Deus e, portanto, as pessoas acreditariam em sua mensagem.

Então, esses dons serviram para autenticar e confirmar a proclamação desses primeiros pregadores. Foi assim que funcionou durante todo o livro de Atos. Se você olhar para Atos 3, verá isso muito claramente. Em Atos 3:1, Pedro e João estão entrando no templo. Então, no versículo 2, “Um certo homem coxo desde o nascimento…“, e em Atos 4:22 nos é informado que ele era coxo por mais de quarenta anos, ele tinha mais de quarenta anos de idade. Ele era congenitamente deformado, nunca havia dado um passo em sua vida. Ele estava na porta do templo, chamada de Formosa, e ficava lá todos os dias, mendigando.

Ele viu Pedro e João, e pediu esmolas a eles. Verso 4: “E Pedro, com João, fitando os olhos nele, disse: Olha para nós.‘” E olhou, esperando que Pedro lhe desse algum dinheiro. No versículo 6, Pedro diz: “Não tenho prata nem ouro; mas o que tenho isso te dou. Em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, levanta-te e anda.” Pedro o tomou pela mão direita e o levantou, sendo que imediatamente os seus pés e tornozelos receberam força, e ele, levantando-se, andou e entrou com eles no templo, andando e saltando, e louvando a Deus.

Todo mundo o viu andando, louvando a Deus, e eles sabiam que ele era aquele mesmo mendigo que ficava sentado mendigando na Porta Formosa do templo. Isso os encheu de admiração e espanto pelo que havia acontecido com aquele mendigo. O homem coxo que foi curado se juntou a Pedro e João, todo o povo correu até eles no pórtico de Salomão.

Observe, a cura atraiu a multidão. Eles ficaram surpresos. Ali estava um homem que eles sabiam que havia sido aleijado por quarenta anos, mas que, instantaneamente, estava andando e pulando. É incrível! E então, vem o verso 12: “E quando Pedro viu isto, disse ao povo…“. O ponto aqui é: a cura foi simplesmente para gerar o espanto que poderia tornar a pregação de Pedro crível. 

E assim, Pedro pregou um grande sermão, versos 13 a 15:

O Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó, o Deus de nossos pais, glorificou a seu filho Jesus, a quem vós entregastes e perante a face de Pilatos negastes, tendo ele determinado que fosse solto. Mas vós negastes o Santo e o Justo, e pedistes que se vos desse um homem homicida. E matastes o Príncipe da vida, ao qual Deus ressuscitou dentre os mortos, do que nós somos testemunhas.

O ponto é que esses milagres eram sinais e maravilhas apontando para a mensagem que eles estavam pregando. Você vai ver esse padrão se repetir em todo livro de Atos. Paulo entra em uma cidade, realiza um milagre, prega um sermão. Pedro entra em um local, realiza um milagre, ressuscita alguém dentre os mortos e as pessoas crêem na Palavra. Esse era sempre o padrão.

Esses dons miraculosos foram dados àqueles que eram proclamadores da mensagem, a fim de referendar a mensagem com confirmação divina, para que as pessoas soubessem que aqueles pregadores do início da igreja não estavam apenas dando sua própria opinião, mas falavam em nome de Deus.

Uma ilustração, dentre outras muitas, que pode ajudá-lo a fixar isso está em Atos 19:10, que diz: “E durou isto por espaço de dois anos; de tal maneira que todos os que habitavam na Ásia ouviram a palavra do Senhor Jesus, assim judeus como gregos“. Então, a mensagem chegou a toda a Ásia.  Versículo 11:  “E Deus pelas mãos de Paulo fazia maravilhas extraordinárias“.  Por quê?  Para confirmar a mensagem, veja: “De sorte que até os lenços e aventais se levavam do seu corpo aos enfermos, e as enfermidades fugiam deles, e os espíritos malignos saíam” (verso 12).

A palavra no texto original grego, traduzida como lenço, significa “faixa de suor“.  E a palavra traduzida como avental tinha a ver com o avental Paulo usava quando estava fazendo tendas.  Em outras palavras, Paulo não saía por aí distribuindo seus lenços e aventais ao povo, a fim de operar milagres. Na verdade, aquelas pessoas foram onde Paulo estava trabalhando e pegaram seus lenços  e aventais, e os colocaram em pessoas doentes.  Aquelas pessoas viram esses tremendos milagres, tão tremendos que elas sabiam que aquele homem tinha poder vindo de Deus.

Em Atos 5:15, Pedro caminhava e as pessoas tentavam cair sob sua sombra para serem curadas. Esse era  o poder que respaldou a pregação dos apóstolos, a qual foi confirmada através desses sinais.  Mas, uma vez que a mensagem foi escrita – o Novo Testamento – os sinais deixaram de ser o agente de confirmação e o próprio livro passou a ser a fonte de confirmação. Ou seja, após a doutrina dos apóstolos ter sido escrita, qualquer pregação tem que ser conferida e confirmada com o que foi escrito. Não há mais a necessidade de sinais para essa confirmação.

Coloque-se no lugar daqueles judeus. A nova mensagem era chocante para eles.  Quero dizer, surgiram aqueles homens dizendo a eles: “Vocês assassinaram o seu Messias!!”.  Você não pode imaginar a potência dessa mensagem, que incluía: “Vocês, judeus, foram postos de lado por Deus e Ele está chamando a igreja dentre os gentios.”  Você não pode imaginar o drama dessa mensagem.  Isso os abalou, literalmente.

Essa foi uma mensagem tão chocante, dramática e tão transformadora, que  suas respostas a ela foram absolutamente surpreendentes.  Você lê em Atos 2:37: “E, ouvindo eles isto, compungiram-se em seu coração, e perguntaram a Pedro e aos demais apóstolos: Que faremos, homens irmãos?”  Aqueles foram os que ouviram com ouvidos espirituais.  Os outros ficaram furiosos e jogaram os apóstolos na prisão.  Eles disseram: “Vocês encheram Jerusalém com essa doutrina! Vocês não podem continuar dizendo isso!”

O impacto que estava envolvido nessa mensagem era tão tremendo, que Deus teve que atestar a verdade dela através de milagres e curas, ou ninguém nunca teria acreditado nela.  Mas, como a mensagem veio junto com aqueles tremendos sinais e maravilhas, eles acreditaram, e 3.000 foram salvos no primeiro dia.

Em Atos 5, mais 5.000 foram salvos, e assim por diante.  Ouvir que eles haviam matado o Messias foi o suficiente para chocar aqueles judeus.  Uma nova era havia chegado, e assim, Deus deu capacidade milagrosa àqueles pregadores, para que todos entendessem que a mensagem era a verdade.

Agora, esse poder de operar curas, dado àqueles homens, se manifestava da mesma forma que Jesus operou esses sinais.  Quero que vocês vejam que eles curavam da maneira exata como Jesus curava, não houve diferença. Quais eram as características da manifestação do dom de curar dado àqueles primeiros pregadores que atestam que sua capacidade de operar aqueles milagres era idêntica às curas que Jesus operou?

Número um: Assim como Jesus, eles também curavam com uma palavra ou toque. Atos 9:32-33:  “E aconteceu que, passando Pedro por toda a parte, veio também aos santos que habitavam em Lida. E achou ali certo homem, chamado Enéias, jazendo numa cama havia oito anos, o qual era paralítico.”  Tratava-se de uma doença orgânica, a paralisia. O texto continua, verso 34:  “E disse-lhe Pedro: Enéias, Jesus Cristo te dá saúde; levanta-te e faze a tua cama. E logo se levantou.’

Esse cara não saía da cama há oito anos. Verso 35: “E viram-no todos os que habitavam em Lida e Sarona, os quais se converteram ao Senhor.”  Por quê?  Porque a pregação foi referendada pelo milagre.  Pedro curou com uma palavra.  Nós também sabemos que, assim como Jesus, os apóstolos poderiam curar com um toque.  Em Atos 28:7, Paulo está na ilha de Malta, ou Melita, depois do naufrágio.  O verso 8 diz: “E aconteceu estar de cama enfermo de febre e disenteria o pai de Públio, que Paulo foi ver, e, havendo orado, pôs as mãos sobre ele, e o curou.”

Aqui o apóstolo Paulo curou com as mãos.  Mais cedo, Pedro havia curado com uma palavra.  Jesus curou com uma palavra ou um toque.  Eles tinham o mesmo poder, a mesma habilidade de Jesus. Eles até declaravam ‘em nome de Jesus Cristo’.  Os apóstolos, como Jesus, podiam curar com uma palavra ou um toque.

Número dois: eles curavam os doentes instantaneamente.  Atos 3:4 a 7, diz: “E Pedro, com João, fitando os olhos nele, disse: Olha para nós. E olhou para eles, esperando receber deles alguma coisa. E disse Pedro: Não tenho prata nem ouro; mas o que tenho isso te dou. Em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, levanta-te e anda. E, tomando-o pela mão direita, o levantou, e logo os seus pés e artelhos se firmaram.

Não houve tratamento de reabilitação para aquele homem.  Ele nunca tinha andado em toda a sua vida. Pedro disse: “Levanta-te “, e a primeira coisa que ele fez foi pular. Ele correu direto para o templo, andando e pulando, louvando a Deus. Não houve reabilitação, não houve terapia, não houve nada, apenas plenitude instantânea.

Número três: os apóstolos, como Jesus, curavam totalmente os doentes.  Verso 34, de Atos 9, Pedro disse: “Enéias, Jesus Cristo te dá saúde“. Não há progressão em qualquer cura apostólica. Todas eram instantâneas. Não havia ninguém dizendo, como ocorre hoje em dia: “Eu fui curado, mas estou melhorando aos poucos… Eu estou me  sentindo cada vez melhor  desde a minha cura”. Não. As curas eram  instantâneas e completas.

Número quatro: os apóstolos, como Jesus, eram capazes de curar a todos. Ou seja, eles não curavam uns e outros não. Não havia um só doente que eles ministrassem cura, que não fosse curado.   Eu quero mostrar isso para vocês, pois é muito importante.  Atos 5:12 diz:  “E muitos sinais e prodígios eram feitos entre o povo pelas mãos dos apóstolos. E estavam todos unanimemente no alpendre de Salomão.”  Milagres e curas.  Vamos ver alguns deles. Versos 14 a 16, de Atos 5:

E a multidão dos que criam no Senhor, tanto homens como mulheres, crescia cada vez mais. De sorte que transportavam os enfermos para as ruas, e os punham em leitos e em camilhas para que ao menos a sombra de Pedro, quando este passasse, cobrisse alguns deles. E até das cidades circunvizinhas concorria muita gente a Jerusalém, conduzindo enfermos e atormentados de espíritos imundos; os quais eram todos curados.

O apóstolo Pedro curou cada um deles.  Não acontecia, no ministério dos apóstolos, o que ocorria com as pessoas que iam às reuniões de cura de Kathryn Kuhlman e saíam de lá doentes.  Ela dizia, para se justificar: “Bem, esse caso aqui  só Deus pode operar”.  No caso dos apóstolos, todos eram curados.  Um  leproso veio a Jesus, em Mateus 8:2, e disse: “Senhor, se queres, tu podes tornar-me limpo“.  E Jesus disse: “Eu quero, seja limpo“.

A operação da cura depende da vontade daquele que tem o dom, ou seja, se quem tem o dom quer curar, a cura será realizada. É por isso que, em Romanos 12, a Palavra diz que se você tem o dom de dar, dê;  se você tem o dom da profecia, profetize;  se você tem o dom de mostrar misericórdia, faça isso.  Se a Bíblia está dando uma ordem para que alguém use o dom que recebeu, existe a suposição de que o possuidor do dom pode controlá-lo a partir de sua própria vontade. Isso é verdade com relação ao dom de curar, bem como quanto a qualquer outro dom.

As pessoas hoje que alegam ter o dom de curar quando são perguntadas porque elas não conseguem curar várias pessoas, elas se justificam dizendo que não depende delas, mas do Senhor, pois se Ele quiser curá-las, elas serão curadas. Isso nos mostra que essas pessoas não têm o dom de curar, como reivindicam ter. Porque se o tivessem, elas teriam o poder em si mesmas para operarem a cura. O verdadeiro dom de curar era exercido pela vontade de quem o possuía, como qualquer dom espiritual.

De volta a Atos 28:9, temos:  “Feito, pois, isto, vieram também ter com ele os demais que na ilha tinham enfermidades, e sararam.” Quem foi curado?  Todo mundo que veio com uma doença.

Número cinco: Jesus e Seus apóstolos curavam doenças orgânicas. Eles não andavam por aí lidando com problemas funcionais, sintomáticos e psicossomáticos, mas com doenças orgânicas reais.  No texto que lemos de Atos, ali estava um sujeito com mais de quarenta anos vivendo aleijado.  Isso era típico nas curas de Jesus e dos apóstolos.  Sempre eram doenças orgânicas.  Eu já lhes disse que  eles não andavam por aí curando dores nas costas, enxaquecas, palpitações do coração, coisas que não eram visíveis ou orgânicas.

Número seis: Tanto os apóstolos, como Jesus, ressuscitaram os mortos.  Isso fazia parte do dom de curar.  Deve ter sido tão empolgante para Pedro, que na maior parte de sua vida fracassou em tudo, poder sair por aí ressuscitando pessoas. Pense!  Atos 9:36, diz: “havia em Jope uma discípula chamada Tabita“, ou Dorcas, e ela morreu, diz o versículo 37.  Pedro veio vê-la, versículo 40, e pediu que todos se retirassem, ajoelhou-se, orou e disse ao corpo: “Tabita, levante-se!”.  Tabita abriu os olhos e, vendo a Pedro, assentou-se, e ele, dando-lhe a mão, levantou-a e, chamando os santos e as viúvas, apresentou-a.viva.

E foi isto notório por toda a Jope, e muitos creram no Senhor” (verso 42). Novamente, você tem aqui a conexão do milagre com o anúncio do evangelho e a salvação. Observe, Pedro ressuscitou os mortos.  Da próxima vez que alguém alegar ter o dom da cura, leve-o ao cemitério e diga: “Vá em frente! Há muitas perspectivas aqui. Ressuscite um morto apenas e isso será suficiente para você provar que tem o dom!”.

Ouça, Jesus e os apóstolos curavam com uma palavra ou um toque, instantaneamente, totalmente, a todos, doenças orgânicas, e ressuscitavam os mortos.  Eu ainda tenho que ver alguém hoje que tenha o poder para  fazer qualquer uma dessas coisas, dessa maneira.  Os apóstolos  estavam confirmando a pregação do evangelho através dos sinais que operavam.  Ouça, amado, uma vez que a Palavra, o cânon do Novo Testamento foi completado, os sinais cessaram.

Josué 5: 11-12 diz isto: “E, ao outro dia depois da páscoa, nesse mesmo dia, comeram, do fruto da terra, pães ázimos e espigas tostadas. E cessou o maná no dia seguinte, depois que comeram do fruto da terra, e os filhos de Israel não tiveram mais maná; porém, no mesmo ano comeram dos frutos da terra de Canaã.” O que esse texto nos diz é que o milagre do maná não era mais necessário quando eles entraram na Terra Prometida, e o milagre parou.  É a mesma coisa.  Quando você pegar este livro, a Bíblia completa, que é alegoricamente a terra de Canaã, você não precisa mais do milagre do maná.

Os dons  milagrosos de operar sinais não são mais necessários, pois  nós temos a Palavra viva.  O dom de curar nunca foi destinado a ser usado apenas para manter os cristãos saudáveis ​​o tempo todo; mas  era para ser usado como um sinal para os incrédulos, para que eles ouvissem o Evangelho.

Deixe-me dar-lhe outro pensamento sobre isso.  Paulo tinha o dom da cura, nós sabemos disso.  Paulo nos mostra o propósito desse dom, porque ele nunca o usou fora de seu propósito.  Por exemplo, veja Filipenses 2:25-27, que diz:

Julguei, contudo, necessário mandar-vos Epafrodito, meu irmão e cooperador, e companheiro nos combates, e vosso enviado para prover às minhas necessidades. Porquanto tinha muitas saudades de vós todos, e estava muito angustiado de que tivésseis ouvido que ele estivera doente. E de fato esteve doente, e quase à morte; mas Deus se apiedou dele, e não somente dele, mas também de mim, para que eu não tivesse tristeza sobre tristeza.

Você diz: “Bem, qual é o problema, Paulo? Por que você não o cura? O dom da cura é algo que você pode usar à vontade. Por que você não o cura?”  Você sabe o motivo?  Porque Paulo não perverteu o propósito do dom para usá-lo em benefício próprio.  O objetivo do dom não era manter os cristãos saudáveis.  Mas era um sinal para os incrédulos.  Veja 2 Timóteo 4:20.  Paulo diz: “deixei Trófimo doente em Mileto“.  Você diz: “Você não tem o dom de curar, Paulo? Então, por que você o deixou doente?”  Porque o propósito do dom não era  manter os cristãos saudáveis; mas era um sinal para os incrédulos ouvirem o Evangelho do Reino.

Timóteo estava doente –  em 1 Timóteo 5 – e Paulo não lhe disse: “Procure alguém que tenha o dom da cura, Timóteo…”.  Porém, ele disse: “Tome um pouco de vinho, Timóteo, pelo bem do teu estômago; tente esse remédio…”.  O próprio Paulo foi afligido por um espinho na carne, mas nunca se curou e nunca foi a outra pessoa (com o dom de curar) para curá-lo.  Por quê?  A razão é que esse nunca foi o propósito do dom.

Ouça, estou tão cansado de ouvir pessoas dizerem que Deus quer que todo cristão esteja bem.  Existe até um livro com o título  “Deus quer você esteja bem”.  Eu poderia escrever uma continuação desse livro, intitulada  “Deus quer você doente”.  Deus até te quer morto às vezes.  Você diz: “Esse livro nunca vai vender…”. Bem, provável que não mesmo. Mas, os propósitos de cura de Deus não devem ser pervertidos e distorcidos, como tem sido feito hoje, de modo que há pessoas buscando e reivindicando cura por toda a parte.

Você quer saber uma boa razão pela qual o movimento carismático cresce tanto?  Porque há muitas pessoas doentes procurando um jeito para ficarem bem. Dennis Bennett, em seu livro “O Espírito Santo e Você” – livro esse que em sua maior parte está totalmente equivocado -, diz: “Deus deixou perfeitamente claro em Sua Palavra que é Sua vontade curar os enfermos, ponto final!”.  A estupidez de uma declaração como essa pode ser confrontada com uma simples pergunta: se é esta a vontade de Deus, por que existem doentes, então?  Seria muito mais simples se as pessoas simplesmente não adoecessem.

Então, as pessoas dizem: “Bem, Isaías 53:5 diz que pelas Suas pisaduras fomos sarados”.  Gente, por favor, não associe esse verso à cura física.  Isso corrompe a mensagem de Isaías 53. Jesus não morreu na cruz para que você não ficasse resfriado.  Jesus não morreu na cruz por nenhuma outra razão, a não ser curar sua alma de suas doenças.  Mas, a cura tem sido a promessa de muitos dos cultos cristãos de hoje, e esses grupos que pregam essas distorções da Palavra crescem muito rapidamente, pois há um tremendo mercado para isso, ou seja, há muitos doentes buscando a restauração da saúde.

Ouça: nem mesmo o pecado foi tirado do nosso mundo. Deus não o fez ainda. Por que, então, deveríamos presumir que o sofrimento teria sido retirado?  Paulo não tinha esse pensamento.  Ele orou três vezes para que Deus removesse o espinho em sua carne, mas o Senhor nunca o removeu, porque queria que Paulo tivesse o espinho.  Deus o queria doente, porque Paulo recebeu muitas revelações e ele poderia ter orgulho disso. Assim,  Deus o manteve humilde através de sua doença. Leia em II Coríntios 12, está tudo lá.

Eu lhe direi: se todo cristão estivesse bem e a saúde fizesse parte da obra de expiação de Cristo na cruz, então todas as pessoas estariam correndo para serem salvas pela razão errada, e toda a imagem de salvação de Deus se tornaria turva.  Deus quer que as pessoas venham a Ele por causa do perdão do pecado e por causa de Sua glória, não para que possam ser saudáveis ​​fisicamente.  Escute isso: que absurdo seria feito acerca de virtudes como longanimidade, paciência e resistência – tão valorizadas no Novo Testamento – se todos estivéssemos sempre bem?

Que estupidez é crer que a salvação proporciona integridade física na Terra, com saúde garantida, a despeito de você continuar com a presença do pecado em seu corpo! Quão tolo seria para Deus decretar que todos nós devemos morrer, mas nenhum de nós pode ficar doente!  Paulo estava doente e deixou muitas outras pessoas doentes. E isso é assim porque Deus quer que algumas pessoas fiquem doentes.

Em Hebreus 12:6, temos: “Porque o Senhor corrige o que ama, e açoita a qualquer que recebe por filho.” Parte dessa correção e desse açoite é, sem dúvida, através da doença.  Ouça o que diz Êxodo 4:11 : “E disse-lhe o Senhor: Quem fez a boca do homem? ou quem fez o mudo, ou o surdo, ou o que vê, ou o cego? Não sou eu, o Senhor?“. Deus os faz.  Deus faz as pessoas surdas, mudas e cegas, porque elas se encaixam em Seus propósitos, como em João 9, versos 2 e 3: “Rabi, quem pecou, este ou seus pais, para que nascesse cego?” Jesus disse: “Nem ele pecou nem seus pais; mas foi assim para que se manifestem nele as obras de Deus.” Deus tem Seus propósitos.

Jesus, Pedro, Paulo e todo o resto dos apóstolos poderiam curar com um simples “eu vou”.  Eles poderiam usar esse dom de qualquer maneira, a qualquer hora.  Isso é verdade para qualquer um dos demais dons de sinais, ou dons miraculosos.  Por que você acha que o capítulo 14 de  I Coríntios foi escrito?  Para estabelecer como seria usado o dom de línguas. E isso mostra que aqueles que tinham esse dom possuíam controle sobre o uso do dom, e por isso precisavam de instruções sobre seu uso.   Você entende?  Esses dons eram usados ​​por vontade de quem os possuía.  Pedro alegou possuir o dom de cura, dizendo isto, em Atos 3: “aquilo que eu tenho, eu te dou”.

Então, quando as pessoas de hoje, que alegam ter o dom de curar, e que justificam o fato de não curarem pessoas doentes que vão a elas, dizendo: “Eu não curo, é Deus”, isso é estritamente uma desculpa, pois o dom de curar descrito na Bíblia era manejado pelo possuidor do dom, ou seja, se Paulo dissesse a alguém para ficar curado, a pessoa ficaria. Não havia tentativa de cura. A cura aconteceria. Então, pessoas que alegam ter o dom de curar e que as vezes funciona e às vezes não, simplesmente é porque não possuem o dom.

A pergunta que ouço o tempo todo é: “John, como você explica o que acontece nesses círculos da igreja em que pessoas alegam ter esse dom?”. Eu ouço isso o tempo todo. As pessoas dizem:  “Eu conheço uma senhora e ela teve um filho…”  ou “a mãe da minha amiga  foi lá…”, e assim por diante.  “Como você explica isso?”, as pessoas me questionam.

Bem, já que nenhum desses curandeiros de hoje pode curar com uma palavra ou um toque, instantaneamente, totalmente, todo mundo, doenças orgânicas, e ressuscitar os mortos;  já que nenhum deles recebeu o dom de curar semelhante ao de Jesus ou dos apóstolos;  já que a Bíblia está completa, a revelação cessou, e não são necessários mais sinais;  já que a Palavra não precisa de confirmação fora de si, pois ela “é suficiente para que o homem de Deus seja perfeito”;  já que suas curas são baseadas em uma teologia defeituosa da expiação e da salvação;  já que eles desautorizam Deus de cumprir os Seus propósitos, que incluem que algumas pessoas devam adoecer;  já que suas vidas pessoais não são conhecidas por manifestarem o fruto do Espírito;  além disso, já que tantos truques e efeitos especiais são frequentemente usados nesses cultos de cura;  já que a evidência da cura é fraca, sem comprovação, e muitos testemunhos exagerados;  já que esses curandeiros não vão aos hospitais onde estão os doentes – como Jesus fez – e eles não podem curar todos que vêm até eles…  deixe-me fazer a seguinte pergunta: Como você explica isso?!?

Você não pode explicar isso biblicamente.  Isso é fraude! Eles estão enganados.  Dando-lhes o benefício da dúvida, talvez eles não saibam que são enganados;  talvez eles sejam honestamente enganados, mas estão enganados.  Você diz: “Você está dizendo que Deus não cura?”  Não. Deixe-me reiterar alguma verdade: Deus responde à oração.  Você acredita nisso?  Segundo, Deus cura em resposta à oração.  Deus cura milagrosamente em resposta à oração.  Deus cura milagrosamente em resposta à oração onde há fé.  Deus cura milagrosamente em resposta a oração onde existe fé e Ele o faz para a Sua própria glória.

Nunca diga que eu não creio que Deus cura.  Eu O vi curar.  Eu O vi curar milagrosamente.  Eu O vi curar milagrosamente para manifestar Sua glória.  Eu O vi curar milagrosamente para manifestar Sua glória em resposta à oração fiel.  Deus cura.  Mas, Deus não cura a todos e Deus já não cura mais através do dom apostólico da cura.  Esse dom cessou.  Eu quero fechar o assunto olhando para isso de outro ângulo.  Por que os cristãos ficam doentes?  Temos que entender isso primeiro, antes de sairmos reivindicando a cura.  Deixe-me dar algumas possibilidades:

Número um, Deus os fez doentes.  Ele queria que fosse assim.  Deus fez o surdo, o mudo e o cego.  Deus permitiu que o homem em João 9 nascesse cego.  Deus queria Lázaro morto, você sabia disso?  Jesus queria ele morto. Tanto é que Ele ficou de longe e só se moveu para Betânia depois que Lázaro havia morrido.  Algumas pessoas estão doentes porque Deus as quer assim.  Você pode ter um bebezinho em sua casa e há algo errado com ele.  Esse é o plano de Deus, e é um presente do amor de Deus, então Ele irá revelar isso para você enquanto você busca a face Dele.

Alguns de vocês podem ter uma deformidade congênita.  Alguns de vocês podem ter uma doença.  Leia o livro Grace Grows Best in Winter [A Graça Cresce melhor no Inverno] se você quiser ter uma bela visão de por que Deus permite que essas coisas aconteçam.  É um ótimo livro.  É de Margaret Clarkson, uma mulher que viveu toda a sua vida com um problema congênito, uma doença.  Deus tem propósitos nisso.

Em segundo lugar, Satanás pode deixar algumas pessoas doentes, através da ação de demônios (e isso, é claro, não pode acontecer com os salvos). Lucas 13:11 diz: “Eis que havia uma mulher que tinha um espírito de enfermidade dezoito anos“.  Aqui estava uma mulher que tinha um espírito de enfermidade por 18 anos.  Há doenças que podem ser resultado de uma ação demoníaca.

Essa mulher vivia encurvada, não   conseguia se erguer. E isso era ação demoníaca. Porém,  “vendo-a Jesus, chamou-a a si, e disse-lhe: Mulher, estás livre da tua enfermidade. E pôs as mãos sobre ela, e logo se endireitou, e glorificava a Deus.” (Vv 12-13).

Satanás faz alguns doentes, e Deus pode escolher expulsar esses demônios e curar aquela pessoa dessas enfermidades.

Em terceiro lugar, pode ser também que Deus permita que Satanás faça alguém doente para cumprir os propósitos de Deus. E isso pode ocorrer com os servos de Deus. É o que aconteceu com  Jó, certo?  Deus tinha um propósito. Deus disse a Satanás: “Eu quero que você veja que tenho um homem que pode lidar com você. Vá até ele.”  Deus pode permitir que Satanás aja assim.  Em II Coríntios 12, Paulo disse que seu espinho na carne era um mensageiro de Satanás enviado para açoitá-lo.

Em quarto lugar, Deus pode permitir que você pegue uma certa doença, ou esteja em uma situação onde isso vai acontecer, porque Ele tem um propósito.  Você sabe qual o Seu propósito?  Bem, há diferentes propósitos.  Davi derrama seu coração no Salmo 119: 67.  Ele diz: “Antes de ser afligido andava errado; mas agora tenho guardado a tua palavra.”.  Você já teve essa experiência também?

Eu já tive.  Quase todos nós poderíamos responder da mesma forma.  Então, o verso 71 diz: “Foi-me bom ter sido afligido, para que aprendesse os teus estatutos.“. Às vezes, doença, aflição, enfermidade e problemas nos levam para mais perto de Deus.  Essa é a Sua intenção.  É melhor você estar doente e piedoso do que bem e ímpio, certo?

Em quinto lugar, uma doença pode vir como disciplina pelo pecado.  Em Números 12:9 e 10, temos que: “Assim a ira do Senhor contra eles se acendeu; e retirou-se. E a nuvem se retirou de sobre a tenda; e eis que Miriã ficou leprosa como a neve; e olhou Arão para Miriã, e eis que estava leprosa.”  Deus ficou zangado com Miriã e a enfermou com lepra.  Então, eles tiveram uma pequena reunião de oração e o Senhor a curou, porque se a doença vier como disciplina pelo pecado, se você simplesmente se livrar da causa da disciplina, as chances são de que você se livre da doença também.

Eu vou te mostrar mais.  Deuteronômio 28:21 e 22, diz assim:  “O Senhor fará pegar em ti a pestilência, até que te consuma da terra a que passas a possuir. O Senhor te ferirá com a tísica e com a febre, e com a inflamação, e com o calor ardente, e com a secura, e com crestamento e com ferrugem; e te perseguirão até que pereças.”   Aqui Deus diz, em outras palavras: “Se você pecar, vou lançar a doença sobre você”.  Deus usa a doença como disciplina.

Em II Reis 5:15, Geazi pecou e teve lepra.  Você pode ler isto.  II Crônicas 21 e 26 falam sobre isso.  Veja II Crônicas 26:5, que diz sobre Uzias: “Porque deu-se a buscar a Deus nos dias de Zacarias, que era entendido nas visões de Deus; e nos dias em que buscou ao Senhor, Deus o fez prosperar“.  Porém, veja o que diz o verso 21: “Assim ficou leproso o rei Uzias até ao dia da sua morte; e morou, por ser leproso, numa casa separada, porque foi excluído da casa do Senhor. E Jotão, seu filho, tinha o encargo da casa do rei, julgando o povo da terra.” Enquanto Uzias buscou a Deus, estava saudável;  assim que não o fez, ele ficou com lepra.  Deus usa a doença como disciplina.

Em Êxodo 15:26, Ele disse a Israel: “Se ouvires atento a voz do Senhor teu Deus, e fizeres o que é reto diante de seus olhos, e inclinares os teus ouvidos aos seus mandamentos, e guardares todos os seus estatutos, nenhuma das enfermidades porei sobre ti, que pus sobre o Egito; porque eu sou o Senhor que te sara.”.  Quanto  aos coríntios, o que o Senhor fez?  Por causa de sua profanação da Mesa do Senhor, Paulo disse: “Por isso muitos são fracos e doentes entre vós, e muitos estão mortos“.

Agora, se Deus faz alguém doente por Suas próprias intenções e propósitos, essa é uma decisão soberana Dele.  Mas, se a doença é por ação direta de Satanás, então quando a pessoa se torna um cristão eu creio que Deus vai também libertá-la do demônio. Creio que a salvação irá limpá-la.  Se a causa da doença for Deus deixando Satanás agir, ou Deus permitindo a doença para aperfeiçoar o cristão, então a enfermidade terá que seguir seu curso até que o cristão seja aperfeiçoado da maneira que Deus quer.

Pedro disse: “E o Deus de toda a graça, que em Cristo Jesus nos chamou à sua eterna glória, depois de havemos padecido um pouco, ele mesmo vos aperfeiçoe, confirme, fortifique e estabeleça.” (1Pe. 5:10). Se, de fato, a doença é uma forma de  disciplina de Deus sobre a vida do crente por causa do pecado, então, assim que o crente lida com o pecado, eu acredito que Deus começa a retirar a disciplina.  Isso nos leva a uma importante parte da Escritura, Tiago 5:14 a 16, que diz:

Está alguém entre vós doente? Chame os presbíteros da igreja, e orem sobre ele, ungindo-o com azeite em nome do Senhor; E a oração da fé salvará o doente, e o Senhor o levantará; e, se houver cometido pecados, ser-lhe-ão perdoados. Confessai as vossas culpas uns aos outros, e orai uns pelos outros, para que sareis. A oração feita por um justo pode muito em seus efeitos.

Não temos tempo para discutir essa passagem bíblica em detalhes, mas quero apenas dar uma visão geral.  Esse texto trata da doença relacionada à disciplina de Deus, à correção do Senhor para com os Seus filhos, porque Tiago diz que há duas coisas a se fazer quando você está doente.  Primeira, chame os anciãos e ore;  e a segunda está no versículo 16: confesse seus pecados.

Essa é a razão pela qual os líderes da igreja são trazidos à cena. Toda vez que você estiver doente, isso não é necessariamente um problema para os anciãos da igreja intervirem, porque “a oração fervorosa e eficaz de um homem justo vale muito em seus efeitos”. Logo, não há necessidade de os líderes da igreja intervirem, pois basta qualquer um crente orar pelo doente.

Mas, quando é uma doença que é resultado da pecaminosidade, então é uma questão de pureza para a igreja.  Os presbíteros são os supervisores da pureza da igreja e estão envolvidos em ouvir essa confissão e unir-se ao doente para buscar a Deus a remoção dessa doença.  Então, há a promessa de que quando a confissão é feita, e a oração a Deus é feita, crendo em Seu poder e vontade para curar a doença que é fruto de disciplina, Deus irá responder.  Deus cura quando você ora, acredita e confessa seu pecado, se essa doença é o resultado de disciplina pelo pecado.

A primeira coisa que eu digo às pessoas quando estão doentes é: você checou todas as áreas da sua vida, por causa do pecado? Você confessou seu pecado abertamente? Se há um pecado em sua vida e você sabe disso, encontre os anciãos da igreja, orem  sobre isso, e creia em Deus.  Se tudo isso for feito, sua vida foi purificada daquele pecado, mas a doença ainda permanece,  é porque essa é a escolha de Deus para o seu aperfeiçoamento.

Porém, é ridículo dizer que Deus sempre quer curar a todos. A Bíblia não ensina isso. Mas, você  tem o direito de clamar ao Senhor em toda situação de enfermidade, porque pode ser que Ele queira removê-la para Sua glória. Você tem o direito de olhar para o céu e eu lhe darei três razões para fazê-lo:

Número um, por causa da pessoa de Deus.  Em Êxodo 15:26, Deus diz: “… Eu sou o Senhor que te sara.”  Ele é um curador.  Você tem o direito de clamar a Ele em todas as doenças.  Em segundo lugar, não apenas por causa de Sua pessoa, mas por causa de Sua promessa.  Ele diz: “Clama a mim, e responder-te-ei, e anunciar-te-ei coisas grandes e firmes que não sabes” (Jeremias 33:3).  Ele prometeu ouvir todas as orações.  Ele prometeu que tudo o que pedíssemos em Seu nome, Ele faria.  A promessa de Deus é que, se for a Sua vontade, Ele curará.

Em terceiro lugar, você deve orar quando está enfermo, por causa do padrão de Deus.  O padrão de Deus foi estabelecido em Jesus.  Se você quer saber como Deus se sente sobre a doença, olhe para Jesus.  Como Ele se sentiu sobre isso?  Ele foi em todos os lugares curando os enfermos.  Creio que Ele nos deu um padrão para compreendermos qual é a atitude de Deus em relação às doenças.  “E, chegada a tarde, trouxeram-lhe muitos endemoninhados, e ele com a sua palavra expulsou deles os espíritos, e curou todos os que estavam enfermos”, Mateus 8:16.

Aqui você tem a promessa de que Deus cura por causa de Sua pessoa, Sua promessa e Seu padrão.  Ao mesmo tempo, quero adicionar uma nota de rodapé.  Cristãos podem e devem procurar os médicos, você sabia disso?  Isaías 38:1 a 5 diz:

Naqueles dias Ezequias adoeceu de uma enfermidade mortal; e veio a ele o profeta Isaías, filho de Amós, e lhe disse: Assim diz o SENHOR: Põe em ordem a tua casa, porque morrerás, e não viverás. Então virou Ezequias o seu rosto para a parede, e orou ao Senhor. E disse: Ah! Senhor, peço-te, lembra-te agora, de que andei diante de ti em verdade, e com coração perfeito, e fiz o que era reto aos teus olhos. E chorou Ezequias muitíssimo. Então veio a palavra do Senhor a Isaías, dizendo: Vai, e dize a Ezequias: Assim diz o Senhor, o Deus de Davi teu pai: Ouvi a tua oração, e vi as tuas lágrimas; eis que acrescentarei aos teus dias quinze anos.

Essa é uma resposta à oração. Mas, o que aconteceu? Um Milagre?  Veja o verso 21, que diz: “E dissera Isaías: Tomem uma pasta de figos, e a ponham como emplastro sobre a chaga; e sarará.” Qual é a questão aqui?  Se  Deus já tinha dito que Ezequias seria curado, por que ele precisava do remédio?  Eu acho que Deus está estabelecendo um princípio aqui.  Faça duas coisas quando ficar doente: ore e vá ao médico. Em  Mateus 9:12, Jesus disse:  “Os sãos não precisam de médico, mas os doentes”.  Jesus está presumindo aí que as pessoas doentes precisavam de um médico.

Lembre-se, é a vontade de Deus que você morra algum dia.  Que seja como Pedro.  Jesus disse a ele: “através desta morte você deve glorificar a Deus”.  Espero que em suas doenças, e em tudo mais, você mantenha sua perspectiva bíblica e glorifique a Deus em Seu propósito.  Todo o tempo, lembre-se disto, você tem a promessa de buscar o Céu, porque Aquele que vive lá é Jeová Ropheka, o Senhor que cura.  Vamos orar.

Pai, obrigado por esta palavra clara para nós novamente nesta manhã.  Somos desafiados a discernir e perceber a clareza com que Tua Palavra fala sobre isso.  Para esta série de sermões, Pai, pedimos a Sua bênção, que essas gravações possam se espalhar e tocar muitas vidas e desembaralhar muito do que foi confundido.  Ajuda-nos, Pai, a olhar para Ti, para aceitar Tua vontade e, ainda assim, buscar Tua face, como fez Ezequias, e orar com lágrimas, acreditando que Tu és o Deus que cura.  Faça a Tua vontade em todas as vidas.  Para todos que estão aqui nesta manhã e estão doentes de alguma forma, tudo o que posso pedir é que Tu possas curá-los, se essa for a Tua vontade.  Se não for, que Tu os  aperfeiçoes, através desta enfermidade, e que o Senhor seja glorificado através dela.  Em nome de Jesus, amém.

Esta é uma série de sermões sobre os dons do Espírito Santo e homens especialmente dotados, conforme links abaixo:


Este texto é uma síntese do sermão “The Temporary Sign Gifts, Part 3”, de John MacArthur em 08/08/1976.

Você pode ouvi-lo integralmente (em inglês) no link abaixo:

https://www.gty.org/library/sermons-library/1858

Tradução e síntese feitos pelo site Rei Eterno


 

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.