Privilégios Espirituais – 1

Imprimir

Este é o primeiro de uma série de 4 sermões de John MacArthur sobre os privilégios espirituais dos crentes em Cristo.


SERMÃO 1: A NOSSA UNIÃO COM CRISTO

Estamos seguindo nossa trilha na maravilhosa 1ª carta de Pedro. Entraremos hoje nos versos 4 a 10 do capítulo 2. Diferente de Paulo, Pedro não é aquele tipo de mente lógica, precisa, concisa e sequencial, onde tudo pode ser facilmente delineado e flui em perfeita ordem. Pedro parece um pouco mais emotivo, um pouco mais disperso. Ele faz um ponto, vai e faz outro ponto, então volta ao seu primeiro ponto, às vezes um pouco mais difícil de rastrear.

Nesta seção em particular, ele faz isso. Ele entra e sai de alguns pontos maravilhosos. Ele vai e volta da nova revelação para citar o Antigo Testamento. Ele parece ser, literalmente, cheio do conhecimento do Antigo Testamento e toma mão dele naturalmente. E assim, se por um lado ele está falando algo novo, por outro ainda há algo na revelação do Antigo Testamento que ele traz à tona. E vamos ver isso quando olhamos para essa tremenda passagem diante de nós.

Agora, se eu tentasse identificar um tema nos versículos de 4 a 10, eu diria: privilégios espirituais. Muitas vezes, quando estudamos a Bíblia, estamos falando de deveres espirituais, muitas vezes estamos sendo exortados. Mas, aqui há uma lista de nossos privilégios, daquilo que é nosso porque somos de Cristo.

Agora, eu não sei o que a palavra “privilégio” evoca em sua mente. Mas, quando penso na palavra “privilégio”, penso em minha infância, porque uma das ameaças que meus pais sempre me faziam era: “Se você não faz o que pedimos ou se não muda sua atitude John, vamos tirar seus privilégios”. Meus pais usaram muito essa palavra e por vezes eu perdia privilégios.

Nos dicionários, privilégio é entendido como um direito ou um benefício desfrutado por uma pessoa, além do que a maioria desfruta. Os privilegiados são aqueles que pertencem a uma classe que goza de favor especial. Certamente isso é verdade para os crentes. Nós, como cristãos, pertencemos a uma classe que goza de um favor especial. Temos ricos privilégios espirituais em Cristo. Vimos que I Pedro 1:13 a 2:3 está cheio de imperativos, comandos e exortações, basicamente nos dizendo o que temos que fazer. Agora, Pedro fala sobre nossos privilégios em Cristo, não sobre o que fazemos para o Senhor, mas o que Ele faz por nós. É preciso graça divina para compreender e transmitir as tremendas riquezas que nos são ditas em I Pedro 2:4-10.

4 Chegando-vos para ele, pedra viva, rejeitada, sim, pelos homens, mas para com Deus eleita e preciosa,
5 também vós mesmos, como pedras que vivem, sois edificados casa espiritual para serdes sacerdócio santo, a fim de oferecerdes sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por intermédio de Jesus Cristo.
6 Pois isso está na Escritura: Eis que ponho em Sião uma pedra angular, eleita e preciosa; e quem nela crer não será, de modo algum, envergonhado.
7 Para vós outros, portanto, os que credes, é a preciosidade; mas, para os descrentes, A pedra que os construtores rejeitaram, essa veio a ser a principal pedra, angular
8 e: Pedra de tropeço e rocha de ofensa. São estes os que tropeçam na palavra, sendo desobedientes, para o que também foram postos.
9 Vós, porém, sois raça eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus, a fim de proclamardes as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz;
10 vós, sim, que, antes, não éreis povo, mas, agora, sois povo de Deus, que não tínheis alcançado misericórdia, mas, agora, alcançastes misericórdia.

Esta é uma porção muito emocional e maravilhosa da Escritura. O Verso 4 começa dizendo: “chegando-vos para ele”. Que grande verdade! Costumamos dizer como cristãos: “Eu vim a Cristo, vim a Ele”, e essa é exatamente a expressão que Pedro tem em mente. Certamente começa no momento da salvação, quando você vem a Cristo, quando você vem por fé. Veja o que Jesus disse:

Eu sou o pão da vida; o que vem a mim jamais terá fome; e o que crê em mim jamais terá sede. Todo aquele que o Pai me dá, esse virá a mim; e o que vem a mim, de modo nenhum o lançarei fora. Ninguém pode vir a mim se o Pai, que me enviou, não o trouxer; e eu o ressuscitarei no último dia. E prosseguiu: Por causa disto, é que vos tenho dito: ninguém poderá vir a mim, se, pelo Pai, não lhe for concedido. (João 6: 35,37,44,65).

Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. (Mateus 11:28)

Se alguém tem sede, venha a mim e beba. (João 7:37)

Pedro tem isso em mente. Ele próprio ouviu Jesus dizer todas essas coisas. E assim, ele diz aqui que tudo começa com a nossa vinda a Cristo. Ao chegarmos a Ele, entramos no reino do privilégio espiritual, não apenas no reino do dever espiritual. Em Efésios 1:3, Paulo diz: “Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos tem abençoado com toda sorte de bênção espiritual nas regiões celestiais em Cristo”. Fomos abençoados com todas as bênçãos espirituais em Cristo.

Agora, a ideia aqui, como eu disse, é que inicialmente você vem a Cristo na salvação. Mas esse não é o significado total que é transmitido no verbo “vir”. O verbo aqui com seu pronome significa “vir com a ideia de permanecer”, ou “vir com a ideia de ficar”. Ou, usando as palavras do apóstolo João, tanto em João capítulo 15 como em 1 João capítulo 3, “vindo e permanecendo, chegando e permanecendo”. O original grego traz a ideia de vir a Ele para permanecer em Sua presença, chegando a Ele para permanecer em íntima comunhão pessoal.

Então, o que você tem aqui é que o privilégio espiritual começa quando você vem ao Senhor Jesus Cristo e é sustentado na sua permanência com Ele. Poderíamos dizer assim: “chegando a Ele” é uma frase que implica todo o movimento da vida interior em direção à comunhão com Jesus Cristo. É onde começa o privilégio espiritual. É isso que nos faz ter vantagem sobre todo o resto do mundo. Somos os privilegiados, favorecidos e abençoados.

Agora, Pedro identifica Aquele para quem viemos. Observe no versículo 4, ele diz: “Chegando-vos para ele, pedra viva”. Ele começa a fazer uma incrível combinação de imagens reveladas a partir de diferentes textos do Antigo Testamento. Ele introduz a ideia de que, quando você vem a Cristo, você está vindo para uma pedra viva. O sentido é de uma pedra usada para construir, uma pedra que é perfeitamente moldada, perfeitamente projetada, perfeitamente trabalhada para cumprir seu propósito.

A curiosidade, no entanto, é que ele chama de “pedra viva”. E isso é um paradoxo, não é? Pedra é algo que não tem vida, mas esta pedra é uma pedra viva. É a pedra perfeita e fundamental na construção do edifício da igreja. Não é apenas uma pedra, mas uma pedra viva. Essa pedra vive porque Cristo está vivo. Ele tem relações de vida com pessoas vivas. Ele dá a vida que tem em Si mesmo para todos os que creem. Em 1 Coríntios 10:4, Cristo é chamado de pedra espiritual que provia bebida espiritual ao povo de Deus no deserto.

Então, aqui está uma pedra, uma rocha sólida, uma pedra de construção perfeita sobre a qual Deus pode edificar Sua igreja. E, no entanto, não é uma pedra morta, mas uma pedra viva, ou seja, o Senhor Jesus Cristo, que vive eternamente. Romanos 6:9 diz que “tendo sido Cristo ressuscitado dentre os mortos, já não morre; a morte não mais tem domínio sobre ele”. 1 Coríntios 15:45 diz que Cristo é espirito vivificante. I Pedro 1:3 diz:

Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo que, segundo a sua grande misericórdia, nos gerou de novo para uma viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos.

Cristo, como pedra viva, foi-nos dado pelo Pai. I João 5:11 diz que “Deus nos deu a vida eterna; e esta vida está em seu Filho”. Você diz: “Se estamos falando do Cristo vivo, por que usar a analogia de uma pedra?”. Porque Pedro também quer falar de Cristo como o fundamento da construção da igreja e ele também quer explicar as passagens do Antigo Testamento que fazem exatamente isso.

Mas, vamos observar por enquanto que todos os nossos privilégios espirituais estão nessa pedra viva, todos eles. Agora, siga o que Pedro diz. Por mais estranho e, por mais trágico que seja, a pedra viva foi rejeitada pelos homens. É por isso que eles não têm privilégios espirituais e a vantagem que temos. Eles não são abençoados por Deus, porque rejeitaram a pedra viva, o fundamento da igreja de Deus, o edifício de Deus. Eles rejeitaram o único que pode dar-lhes vida.

Certamente, quando Pedro diz isso, ele tem em mente predominantemente a nação judaica, o Sinédrio, os líderes, os sacerdotes e as pessoas que os seguiram, que rejeitaram Jesus Cristo, que crucificaram Jesus Cristo. E todos os que O rejeitaram desde então se encaixam na mesma categoria daqueles rejeitadores originais.

A ideia aqui é muito interessante: quando os homens decidiam construir um prédio, começavam a trabalhar nas pedras. E eles queriam pedras que se encaixassem perfeitamente. Mas, a pedra mais importante de todas era a pedra angular, porque estabelecia as linhas para o edifício. E era a perfeição da pedra angular que mantinha a perfeita simetria do resto do edifício. A pedra angular era como o fio de prumo em todas as direções, definindo os ângulos corretos. E todos esses ângulos foram fixados por uma enorme pedra angular à qual todas as outras pedras devem concordar. Qualquer erro nos ângulos levaria a construção ao desastre.

Agora, a ideia aqui é que vieram os líderes de Israel que queriam participar da construção do glorioso templo espiritual de Deus. E, ao procurarem a pedra angular, o Messias, eles examinaram Jesus. Eles mediram Jesus por seus critérios religiosos, e concluíram que Jesus não era adequado. E assim O rejeitaram. Jesus não foi aprovado pelos critérios da religião.

A palavra aqui para rejeição incorpora tudo isso, porque é a palavra grega que significa “rejeitado tendo sido examinado” ou “rejeitado tendo sido testado”. Sua rejeição foi desdenhosa. Sua rejeição foi preenchida com ódio venenoso. Nada era tão impensável para eles, do que a ideia de que Jesus pudesse ser a pedra angular do reino de Deus. Para eles, Jesus era apenas um homem tolo que atacava ferinamente o sistema religioso. Eles concluíram que Jesus era um insignificante que teve um fim humilhante na cruz. Para eles, Jesus não tinha qualquer poder sobre os romanos e jamais poderia ser a pedra angular de Deus. E assim eles O rejeitaram.

Mas, embora Ele tenha sido rejeitado pelos homens, olhe para o verso 4, Ele foi, aos olhos de Deus, eleito e precioso. Deus o examinou com as medidas de Sua própria perfeição, e disse: “Tu és o meu Filho amado em quem me comprazo” (Marcos 1:11).

Ele foi eleito. É isso que significa escolha. Ele foi escolhido. Deus disse: Cristo, meu eleito. E assim Deus olhou para Jesus Cristo e disse que Ele é perfeito para ser a pedra angular. Todo ângulo Nele é perfeito. Ele é a pedra angular. E porque Deus afirmou a Sua perfeição, Ele O ressuscitou dos mortos e fez Dele a pedra angular viva.

Aqui temos a fragilidade, ignorância e estupidez da avaliação humana. Jesus, a pedra perfeita, mas o homem ainda teima em medi-Lo de acordo com seu próprio sistema de medição. Mas, em atos 4:11-12 Pedro diz:

11 Ele é a pedra que foi rejeitada por vós, os edificadores, a qual foi posta por cabeça de esquina.
12 E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos.

Em Atos 2: 22-23,36, Pedro também diz:

22 Homens israelitas, escutai estas palavras: A Jesus Nazareno, homem aprovado por Deus entre vós com maravilhas, prodígios e sinais, que Deus por ele fez no meio de vós, como vós mesmos bem sabeis;
23 A este que vos foi entregue pelo determinado conselho e presciência de Deus, prendestes, crucificastes e matastes pelas mãos de injustos;
36 Saiba, pois, com certeza toda a casa de Israel que a esse Jesus, a quem vós crucificastes, Deus o fez Senhor e Cristo.

Diante de Pilatos, a multidão bradou: “Crucifique a Cristo e nos dê Barrabás!”. Essa foi a sinistra escolha. João 1:11 diz que Jesus “veio para o que era seu, e os seus não o receberam”. E assim a humanidade faz até hoje. Os homens ainda pensam que podem medir adequadamente Jesus Cristo por suas próprias medições corrompidasUm escritor disse:

Eu não busco e não quero o que o mundo estima depois de saber o que ele fez com Jesus. O que o mundo estima pouco vale a pena, pois o mundo despreza o que Deus escolheu e odeia o que Deus mais ama. Então, o que é altamente estimado pelos homens é abominação aos olhos de Deus. Eu não quero qualquer aclamação do mundo, é inútil. Ele não podia sequer reconhecer o valor da pessoa mais preciosa que já existiu e escolheu um ladrão.

Mas, é por meio dessa pedra viva que recebemos privilégios espirituais. E quando nos achegamos a Cristo, quais são esses privilégios? Bem, pelo menos eu vou mencionar uma hoje. Todas as belas pedras que compõem a realidade da nossa salvação estão dispostas em um magnífico arco-íris de beleza.

E o primeiro privilégio espiritual que temos é este: união com nosso Senhor. O verso 5 diz: “Vocês também como pedras vivas”.

Pense nesta verdade: Uma coisa é chegar a uma pedra viva, outra é se tornar uma pedra viva. Essa é uma verdade maravilhosa. Esta é a maneira de Pedro dizer que quando você vem a Cristo, você se torna como Cristo. Você já pensou quando é chamado de cristão? Você sabe o que isso significa? Significa um Cristo em miniatura, um pequeno Cristo. Esse é o seu privilégio. Assim como Cristo é uma pedra viva, vocês também são pedras vivas sendo edificadas.

O que isso significa? Que temos a vida eterna. A própria vida que existe em Cristo existe em nós. Nós temos a vida de Cristo. Oh, que pensamento, que identificação, que privilégio espiritual! Não é que apenas O adoremos, não é que apenas obedeçamos a Ele ou O honremos. Não é que apenas oremos a Ele. Mas, é que estamos unidos a Ele. Ele é a pedra angular e nós somos pedras que também estão sendo construídas como uma casa espiritual. Estamos unidos a Ele. Nós somos uma parte do mesmo edifício. Nós possuímos a mesma vida, que flui dEle até nós. É por isso que I Pedro 1:4 diz:

Pelas quais ele nos tem dado grandíssimas e preciosas promessas, para que por elas fiqueis participantes da natureza divina.

Agora, amados, deixe-me dizer algo para você que não sei se você já pensou anteriormente: o cristianismo é a única religião onde a vida Daquele que adoramos se torna nossa vida. Você nunca ouviu falar de alguém estar em Buda, em Confúcio ou em Maomé. Você nunca ouviu nenhum deles ensinar que a vida deles é a vida eterna, que é possuída por aqueles que os adoram. Mas, em Cristo temos a vida e nos tornamos participantes da natureza divina. Colossenses 3 diz:

3 Porque já estais mortos, e a vossa vida está escondida com Cristo em Deus.
4 Quando Cristo, que é a nossa vida, se manifestar, então também vós vos manifestareis com ele em glória.

Gálatas 2 diz:

20 Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé do Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim.

Amados, este é um tremendo privilégio espiritual. Não somente O adoramos e nos inclinamos perante Ele em reverência e obediência, mas além de Cristo ser nosso salvador e redentor, estamos Nele compartilhando de Sua vida. Tudo é igualmente eterno. Temos a mesma força que uma pedra, somos construídos no mesmo grande edifício no qual Cristo é a pedra angular e possuímos a mesma vida ressurreta. Que pensamento!

Mas, vejamos essa união com Cristo um pouco mais além. Ele diz que pedras vivas estão sendo construídas como uma casa espiritual. Deus está construindo uma casa espiritual. E Ele construiu inicialmente a partir da pedra angular, Cristo, que define todos os ângulos. E então, todos nós estamos sendo construídos como aquela casa espiritual. Deus é o construtor e Ele está colocando todos nós no lugar, integrando-nos uns com os outros, integrando-nos com a vida de Cristo. Nós estamos em uma união maravilhosa com Cristo. Que pensamento! Efésios 2 diz:

19 Assim que já não sois estrangeiros, nem forasteiros, mas concidadãos dos santos, e da família de Deus;
20 Edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que Jesus Cristo é a principal pedra da esquina;
21 No qual todo o edifício, bem ajustado, cresce para templo santo no Senhor.
22 No qual também vós juntamente sois edificados para morada de Deus em Espírito.

Cristo é a pedra angular. O restante da fundação é a doutrina que veio através dos apóstolos. Atos 2:42 diz que os irmãos “perseveravam na doutrina dos apóstolos”. Esta fundação não diz respeito aos apóstolos em si mesmos e nem a seus ministérios, mas à doutrina que eles ensinaram e escreveram por inspiração divina. Então, Cristo é a pedra angular, o restante do fundamento é doutrina apostólica, e nós, como crentes, levantamo-nos para sermos edificados sobre esse fundamento como a própria casa espiritual em que Deus habita. Gloriosa verdade! Nós somos a casa espiritual em que o Espírito de Deus habita. Ele diz em 1 Coríntios 3:9 que somos lavoura de Deus e edifício de Deus.

Agora você olha para Pedro e contempla esta linguagem muito vívida, porque ele cresceu nessa cultura judaica. O templo era a casa terrena, material e temporal. Agora Pedro diz que na nova aliança há uma casa espiritual, não terrestre, nem física, nem temporal, porque Deus não habita em templos feitos com as mãos humanas. Deus não pode ser contido em um templo feito com as mãos.

Atos 7:48 diz que “o Altíssimo não habita em templos feitos por mãos de homens”. Atos 17:24 diz que “o Deus que fez o mundo e tudo que nele há, sendo Senhor do céu e da terra, não habita em templos feitos por mãos de homens”. Ele mora em uma casa espiritual e nós somos as pedras que compõem a casa espiritual em que habita o Deus vivo. I Timóteo 3:15 diz que somos a “casa de Deus, que é a igreja do Deus vivo, a coluna e firmeza da verdade”. A melhor tradução de “casa”, neste texto, seria “família”. Deus habita nos corações de Seu povo redimido. Ele habita nos corações daqueles que O amam.

Hebreus 3:6 diz: “Mas Cristo, como Filho, sobre a sua própria casa; a qual casa somos nós”. Que grande pensamento! Cristo, sendo a pedra viva, e a fundação completada pela doutrina dos apóstolos. Em perfeita simetria, Deus constrói a casa, colocando uma pedra sobre a outra. Jesus disse: “Eu edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela” (Mateus 16:18). E assim, temos essa união com Cristo. Algo glorioso! Não as pedras mortas do antigo templo, mas as pessoas vivas unidas a Cristo.

Eu li um comentário esta semana que dizia:

Esses peregrinos dispersos a quem Pedro escreve, longe da cidade do grande rei, podem muito bem ter sentido que estavam perdendo os recintos sagrados e os privilégios especiais do templo, pois ele era caracteristicamente o lugar da presença de Deus. Agora eles são apresentados a esta maravilhosa verdade de uma casa espiritual construída sobre Cristo. Mais do que isso, eles mesmos eram pedras vivas naquele edifício sagrado.

E assim, nós somos essa casa espiritual. Seu corpo é o templo de Deus. O Espírito Santo de Deus habita em você individualmente e também coletivamente, é claro. Se Ele habita em nós individualmente, Ele habita em nós coletivamente.

Não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos? (I Coríntios 6:19)

No qual também vós juntamente sois edificados para morada de Deus em Espírito. (Efésios 2:22)

Então, quando você se tornou um cristão, o primeiro grande privilégio espiritual que você recebeu foi a sua união com Cristo. Você compartilha da vida Dele. O que isso significa? Ele vive em você. Ele vive em você como indivíduo. Ele vive em Sua igreja coletivamente. Que privilégio! Qual é o resultado disso? O que isso significa? Recurso espiritual para todas as necessidades.

Ora, àquele que é poderoso para fazer tudo muito mais abundantemente além daquilo que pedimos ou pensamos, segundo o poder que em nós opera. (Efésios 3:20)

Aos quais Deus quis fazer conhecer quais são as riquezas da glória deste mistério entre os gentios, que é Cristo em vós, esperança da glória; A quem anunciamos, admoestando a todo o homem, e ensinando a todo o homem em toda a sabedoria; para que apresentemos todo o homem perfeito em Jesus Cristo; E para isto também trabalho, combatendo segundo a sua eficácia, que opera em mim poderosamente.(Colossenses 1:27-29).

Você tem o poder para fazer além do que você pode imaginar. Você tem o poder em você para ver os outros chegarem a Cristo. É isso que significa união com Cristo. Amado, Cristo estabelece residência na vida daqueles que pertencem a Ele.

Cristo vive através de você. Ele ama através de você. Ele fala através de você. Ele serve através de você. Ele até adora a Deus através de você. Sua vida em você é eterna, então você nunca a perderá. A vida de Cristo em você te controla e conforma. Sua vida em você fornece disponibilidade para todas as necessidades, em todas as situações. Que privilégio, que privilégio!

Este é o primeiro grande privilégio que temos em Cristo, citado por Pedro em I Pedro 2:4-10: vasos indignos constituindo casa espiritual para morada de Deus em Espírito. Cristo vivendo em nós a sua vida. Que privilégio! Como tudo se torna insignificante diante de uma verdade tão gloriosa! E Pedro cita pelo menos 11 privilégios no texto. Continuaremos na próxima vez. Vamos nos curvar juntos em oração.

Pai, nossos corações se alegram esta noite, regozijam-se pelo dia em que chegamos à pedra viva, regozijam-se porque, tendo chegado, permanecemos Nele para uma rica comunhão para que possamos conhecer toda a plenitude da bênção. Senhor, obrigado por estes privilégios. Obrigado por arranjar a magnificência de muitas cores de Cristo para que possamos ver a beleza da união com Ele. Aquele que se une ao Senhor é um espírito, diz Paulo em 1 Coríntios 6:17. Que pensamento! Um com Cristo, nossa vida escondida com Cristo em Deus. Sua vida em nós, Seu poder em nós, Seu serviço através de nós, Sua voz saindo de nós, Seu amor refletindo de nós. União com Ele. Oh, que pensamento o de que pecadores indignos poderiam ser um com o Deus vivo, que privilégio! Somos tão indignos, mas beijamos o Filho em ação de graças por tal privilégio. Em Seu querido nome, nós oramos. Amém.


Esta é uma série de 4 sermões sobre os privilégios do cristãos em Cristo.


Este texto é uma síntese do sermão “The Believer’s Privileges, Part 1: Union″, de John MacArthur em 15/01/1989.

Você pode ouvi-lo integralmente (em inglês) no link abaixo:

https://www.gty.org/library/sermons-library/60-17/the-believers-privileges-part-1-union

Tradução e síntese feitos pelo site Rei Eterno


 

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *