Dons Temporários (1): Milagres

Imprimir

Esta é uma série de sermões de John MacArthur sobre dons espirituais e homens especialmente dotados. Veja os links no final deste texto.


DONS TEMPORÁRIOS: OPERAÇÃO DE MILAGRES

1. INTRODUÇÃO

Esta manhã quero falar sobre o que é chamado em 1 Coríntios 12:10 de dom de operação de milagres. Há quatro dons temporários listados nesta passagem: milagres, curas, línguas e interpretação de línguas. E para esta manhã queremos olhar para o dom de milagres.

Agora, precisamos estabelecer inicialmente algumas observações sobre o assunto. Em primeiro lugar, não vou dizer hoje de manhã que Deus não pode fazer milagres. Então, vamos esclarecer isso desde o início. Deus pode fazer o que Deus quiser fazer. E, se Ele quer fazer algo que é contra a lei natural normal, Ele fará isto. E não estamos colocando quaisquer limitações a Deus de forma alguma. Estamos apenas tentando categorizar sua operação e lidar justamente com as Escrituras.

Por favor, não saia por aí dizendo que John MacArthur não acredita que Deus opera milagres. Ele com certeza os faz. De fato, Ele os faz hora após hora e o maior milagre de todos é o milagre de um novo nascimento, porque as pessoas são feitas novas criaturas em Cristo. Não estamos negando a Deus o poder, o desejo ou a vontade de fazer milagres.

2. O QUE SÃO MILAGRES?

Em segundo lugar, é importante que definamos cuidadosamente o que queremos dizer quando nos referimos a um milagre. As pessoas hoje podem dizer até que o fato de encontrarem uma vaga no estacionamento é um milagre. Mas, isso não é um milagre em termos da definição da Bíblia. Ou quando o filho é aprovado em um certo curso, dizem que foi um milagre. Mas isso ainda não é o que se entende por milagre pela definição da Bíblia. Ou as pessoas dizem que precisavam de uma certa coisa e ela veio pelo correio e que isso foi um milagre. Bem, nós usamos a palavra ‘milagre’ o tempo todo.

Mas, o que é um milagre, biblicamente falando? Um milagre é uma intrusão sobrenatural na lei natural, que não pode ter outra explicação além da ação de Deus. Não pode haver qualquer outra causa natural possível. As circunstâncias podem permitir que você encontre um lugar no estacionamento. As circunstâncias podem permitir que seu filho seja aprovado num curso, já que ele estudou muito. As circunstâncias podem acomodar muitas coisas, mas, quando um milagre acontece, ocorre uma invasão sobrenatural no fluxo das leis naturais em que só Deus pode ser o responsável por isso.

Estávamos no Forest Home há algumas semanas, acordávamos pela manhã e o lago no Forest Home fica muito calmo de manhã. Numa certa manhã, nós nos levantamos e as crianças e eu olhamos pela janela e havia ondulações que atravessavam o lago. E uma das crianças disse: “Papai, há alguém na água”. E olhei em volta e disse: “Não consigo ver ninguém”. Mas, eles disseram “as ondas estão na água”. Quando nós saímos na varanda, havia mesmo alguém na margem atirando pedras no lago e as ondulações estavam indo até o outro lado.

Milagres são Deus ‘jogando pedras’ no lago da lei natural. A lei natural continua em seu curso plácido até que Deus decida que vai fazer algo diferente e Ele invade e modifica a ordem natural das coisas. É como um homem, por exemplo, que faz uma maquete de uma cidade. Eu já vi em exposições aqui e ali. Uma enorme cidade numa maquete com carros, ruas, trens operando em miniaturas. As luzes ficam acesas e vários movimentos acontecem, todos operados através de um controle remoto que fica na mão de alguém. Mas, de vez em quando, a pessoa que está no controle intervém e muda de lugar as coisas que compõem a maquete. Aí, aquele edifício que costumava estar num determinado lugar já não está mais…

Deus criou o Universo. E Ele geralmente deixa tudo funcionar e o controla por ‘controle remoto’ mas, de vez em quando, Ele intervém e faz as coisas funcionarem de modo diferente. Ele pode ressuscitar alguém dos mortos ou fará uma cabeça de machado flutuar na água ou Ele irá separar o Mar Vermelho ou algo surpreendente, para que as pessoas não se esqueçam de que Ele é quem está no controle.

Isso é um milagre, algo que não tem outra explicação. Agora, a fim de obter uma compreensão clara disso, porque temos que entender a categoria geral da operação milagrosa antes de podermos olhar para os dons de operação de milagres, quero que consideremos Jesus Cristo, o maior operador de milagres, que nos dará o que precisamos entender sobre os milagres. Em seu excelente livro intitulado Counterfeit Miracles [Milagres Falsificados], B. B. Warfield começa com estas palavras:

Quando nosso Senhor desceu à Terra, Ele atraiu o céu com Ele. Os sinais que acompanharam o Seu ministério eram apenas as nuvens de glória que Ele trouxe do céu, que é a Sua casa. O número dos milagres que Ele operou pode ser facilmente subestimado. Foi dito que, de fato, Ele baniu doenças e mortes na Palestina durante os três anos de Seu ministério. Se isso é exagero, é um exagero perdoável. Nós ordinariamente subestimamos grandemente a Sua atividade beneficente, enquanto Ele agia, como Lucas declara, fazendo o bem. Seu próprio poder divino, pelo qual começou a fundar Sua igreja, Ele continuou nos apóstolos que Ele escolheu para completar esta grande obra.

3. PROPÓSITO DOS MILAGRES:

Agora, quero que você fique comigo e mantenha seu pensamento em funcionamento, porque vamos examinar algumas coisas interessantes. Jesus foi um operador de milagres. Por quê? Por que razão? Note o que diz João, capítulo 2, verso 11: “Jesus principiou assim os seus sinais em Caná da Galiléia, e manifestou a sua glória“. Pare aí. Por que Jesus fez milagres para manifestar Sua glória? Qual é a Sua glória? O composto de seus atributos como divindade. Por que Ele fez milagres? Para se revelar como Deus. Os milagres confirmam, através de sinais, a revelação de Deus.

Milagres são a confirmação de que Deus está sendo revelado. Isso é, sempre foi e será a intenção deles. João, capítulo 5, versículo 36, e há outros exemplos em João, mas vamos olhar para esse texto: “Eu tenho maior testemunho do que o de João“. Em outras palavras, Jesus está dizendo: ‘se você está tentando descobrir quem Eu sou, tenho um testemunho maior do que o testemunho de João Batista’. “porque as obras que o Pai me deu para realizar, as mesmas obras que eu faço, testificam de mim, que o Pai me enviou.” Em outras palavras: ‘Minha origem celestial, minha comissão divina são provadas através de meus milagres’.  

João resume seu propósito ao escrever o seu Evangelho no final do livro. João 20:30 diz isto: “Jesus, pois, operou também em presença de seus discípulos muitos outros sinais, que não estão escritos neste livro.” João relatou cerca de oito dos milagres realizados por Jesus, mas existiram muitos outros. Mas, por que João descreveu aqueles milagres em seu Evangelho? A resposta está no verso 31: “Estes, porém, foram escritos para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome“.

Agora, ouça, Jesus fez milagres para provar que Deus estava sendo revelado Nele, a Palavra viva de Deus. João descreveu aqueles milagres para que os que lessem seu Evangelho pudessem crer que Jesus é o Messias, o Filho de Deus. Deus estava se revelando. Veja outro exemplo em Atos 2:22. Pedro pregando no Pentecostes diz:

Homens israelitas, escutai estas palavras: A Jesus Nazareno, homem aprovado por Deus entre vós com maravilhas, prodígios e sinais, que Deus por ele fez no meio de vós, como vós mesmos bem sabeis.

O texto está dizendo que Deus queria que você soubesse quem era Jesus, então Deus O aprovou. Como? Através de milagres, prodígios e sinais. Por que, então, Deus opera milagres? A fim de corroborar Sua auto revelação. Para confirmar Sua própria revelação. Milagres, então, estão sempre nas Escrituras para um propósito: provar que Deus está falando, seja na palavra escrita do Antigo Testamento, na palavra viva do Novo Testamento ou na palavra escrita do Novo Testamento, os milagres corroboram a revelação de Deus. Esse é o único propósito deles.

Nós encontramos isso em toda a Escritura. Quando Deus queria que as pessoas soubessem que Ele estava falando, Deus fazia milagres para que as pessoas dissessem: ‘isso tem que ser Deus’. Essa é a questão. Deus normalmente faz o Universo funcionar de acordo com as  leis naturais criadas por Ele mesmo. Mas, quando chega a hora de Deus fazer uma auto-revelação, Ele intervém contrariando a lei natural, fazendo as coisas acontecerem, as quais não têm outra explicação a não ser que Deus está sendo revelado. E assim, os milagres de Jesus revelaram Sua divindade.

3.1. MILAGRES ACONTECEM O TEMPO TODO?

Agora, é importante, penso eu, que entendamos que existem apenas alguns momentos em que Deus faz isso. Jesus viveu quantos anos? Trinta e três, certo? Você sabe por quantos anos Ele não operou um único milagre? Trinta anos. Por trinta anos de sua vida, ele não fez milagres. Eu sei que existem escritos apócrifos que dizem que quando Ele era pequeno ficou zangado com uma criança má e a matou com uma palavra. E eu sei que tem sido dito em escritos apócrifos que Ele fez pombos de barro e depois soprou neles e eles voaram para longe. Alguns outros disseram que Ele fez coisas instantâneas para o pai dele, para ajudar em seus negócios, e assim por diante.

Mas, não foi assim. Jesus nunca fez um único milagre nos primeiros trinta anos de sua vida. Você diz, como você sabe disso? Porque João diz que quando Ele transformou água em vinho “Jesus principiou assim os seus sinais em Caná da Galiléia” (2:11). Ele nunca tinha realizado um milagre antes disso. Você diz: o que isso prova? Isso prova que Deus não tem a intenção de operar milagres em todas as eras, todos os tempos e períodos. Eles acontecem somente quando Deus quer Se revelar.

E Jesus só Se revelou depois que começou o Seu ministério depois do Seu batismo, e então os milagres começaram. Duraram por todo o Seu ministério de três anos. Jesus nunca fez um único milagre antes da hora de Sua revelação como Deus. Nem todas as eras são milagrosas.

Se você estudar o Antigo Testamento, descobrirá que existem apenas dois períodos de milagres no Antigo Testamento. Um é no tempo da revelação da lei a Moisés. E o outro é nas vidas de Elias e Eliseu, quando Deus estava estabelecendo a plataforma da revelação profética através de Seus profetas. E apenas esses dois foram períodos de milagre.

No resto de todo o Antigo Testamento, você encontrará operação muito escassa de milagres. E quando você chega ao fim do Antigo Testamento, simplesmente não há milagres. Os milagres não acontecem o tempo todo na Bíblia. E a razão disso é porque eles ocorreram quando Deus tinha algo específico para revelar. Deus tinha uma palavra específica para revelar com limites em torno dela. E quando Deus estava revelando Sua palavra escrita ou Cristo, Sua palavra viva, foi então e somente então que Ele usou milagres como um sinal corroborador e confirmatório.

E, durante outros momentos, os milagres aconteceram raramente. Nós sabemos que Deus pode operar milagres quando e como quiser, ainda hoje. Mas, o padrão que Ele nos revelou nas Escrituras é o de que os milagres não são corriqueiros. Não é o padrão das Escrituras, como se houvesse infinitos milagres acontecendo.

Hoje em dia, você vê que em alguns desses programas de televisão não há limites para os milagres. Na verdade, você sabe o que acontece? São tantos supostos milagres que nenhum deles significa qualquer coisa. Nenhum desses alegados milagres têm qualquer impacto. Deus, então, projetou milagres para um único propósito: confirmar Sua revelação. E tendo Deus se revelado, então os milagres não têm propósito contínuo.

Por exemplo, quando Deus terminou o Antigo Testamento, ele foi concluído e estabelecido. Há um período de 400 anos de história entre o Antigo e o Novo Testamento. E nesse intervalo, não houve milagres. Então, vem a era do Novo Testamento. E os milagres voltaram a acontecer. Mas, quando o Novo Testamento foi terminado, o livro foi concluído, não houve mais milagres. Nos séculos 300 e 400 há o registro da tradição católica acerca de milagres. Mas, sabemos que são falsos, simplesmente porque Deus não teria um propósito em fazê-los. A não ser que pensemos que Ele estaria respaldando as heresias católicas, o que seria um absurdo.

Assim, houve períodos de tempo em que Deus concentrou a operação de milagres através de homens. Jesus operou milagres para convencer as pessoas de que Ele era Deus, a auto revelação de Deus. Mateus 13:54: “E, chegando à sua pátria, ensinava-os na sinagoga deles, de sorte que se maravilhavam, e diziam: De onde veio a este a sabedoria, e estas maravilhas?“. E o 58 diz: “E não fez ali muitas maravilhas, por causa da incredulidade deles“.

Agora, observe isso: Jesus fez milagres para convencer as pessoas de que Ele era Deus. Mas, ouça-me, convencer as pessoas que já estavam abertas para isso, pessoas que já estavam abertas a crer. Pessoas em quem o Pai já havia gerado a fé. Ele fez milagres para convencer as pessoas de que Ele era Deus. Mas, fora essas pessoas em quem o Pai estava operando, os milagres nunca convenceram as demais. Os milagres nunca foram uma grande ferramenta na obra salvadora. Deus nunca usou milagres apenas para salvar pessoas. Ele sempre salvou as pessoas com a pregação do evangelho.

3.2. A QUE HOMENS FOI DADA A CAPACIDADE DE OPERAR MILAGRES?

Nós falaremos mais sobre isso em um minuto. Agora, uma vez que a evidência estava completa, de que Jesus é Deus e o Novo Testamento estava escrito, concluído, não houve mais milagres. Cristo terminou o Seu trabalho, os apóstolos  escreveram o Novo Testamento e, então, o dom de operar milagres foi desaparecendo.

Não apenas Jesus tinha a capacidade de operar milagres, mas também os apóstolos e profetas, os escritores do Novo Testamento, aqueles que eram o coração da igreja primitiva. Por quê? Porque não havia nenhuma palavra escrita para corroborar sua pregação. E assim, Deus lhes deu habilidades miraculosas.

Eles tinham o poder de realizar milagres porque não havia outro jeito de Deus provar às pessoas que aqueles homens estavam falando a verdade dentre a miríade de pessoas falando naquele tempo no mundo. Hoje, se um sujeito aparece e diz que ele é um profeta de Deus, não precisamos de um milagre para referenciá-lo. Nós apenas comparamos o que ele disse com a Bíblia, certo? Porque aqui está a palavra de confirmação. Mas, naqueles dias não havia ainda nenhuma palavra escrita revelada. Então, os milagres funcionaram como um atestado de legitimidade, de que aqueles homens estavam, de fato, trazendo a Palavra de Deus para a Sua igreja.

Milagres, então, foram usados para autenticar a palavra viva e a Palavra escrita. Então, milagres foram realizados por Cristo, pelos apóstolos e por aqueles que trabalharam com eles estabelecendo os alicerces da igreja. Esses são únicos que realmente operaram milagres na igreja. Agora, deixe-me mostrar alguns versos. Isto é muito importante. Veja Marcos 16:17. Eu sei que há um grande debate sobre se Marcos 16:9 e os versos seguintes devem estar ali, pelo fato de não estarem nos manuscritos mais antigos. Eu não quero entrar em todos os detalhes técnicos disso. Há algumas evidências recentes de que, embora não estejam presentes em dois dos manuscritos mais significativos, tais versos aparecem em outros ainda mais antigos que aqueles.

De modo que há algumas pessoas que acreditam que definitivamente esses versos deveriam estar incluídos. Eu os uso porque dizem as mesmas coisas ditas em várias outras passagens e nesses versos apenas são enfatizadas. Nos versículo 17 e 18, Jesus está falando com Seus onze apóstolos e Ele diz que eles teriam que sair e pregar e isso é o que iria acontecer quando eles pregassem.: “E estes sinais seguirão aos que crerem: Em meu nome expulsarão os demônios; falarão novas línguas; pegarão nas serpentes; e, se beberem alguma coisa mortífera, não lhes fará dano algum; e porão as mãos sobre os enfermos, e os curarão.

Agora, isto se dirige aos apóstolos. Os milagres iriam acompanhar o evangelismo apostólico. Eles sairiam, pregariam e as pessoas creriam ao verem sinais e maravilhas. Por quê? O mundo saberia que aquilo que aqueles homens pregavam é a verdade, que Deus os havia enviado e que eles falavam a Sua palavra. Então, no verso 19: “Depois que o Senhor lhes falou, foi recebido no céu e sentado à direita de Deus“. Jesus foi embora.

Agora, observe o verso 20. “E eles, tendo partido, pregaram por todas as partes, cooperando com eles o Senhor, e confirmando a palavra com os sinais que se seguiram. Amém.Como a palavra dos apóstolos foi confirmada? Com sinais. Deus estava atestando a sua pregação, assim como Ele atestou a divindade de Cristo através dos sinais, maravilhas e milagres. Um milagre atua como um sinal que aponta para a revelação de Deus para criar maravilhas na mente das pessoas. É assim que esses três termos são usados [milagres, sinais, maravilhas].

Então, aonde quer que fosse, o Senhor confirmava Sua palavra com sinais. Ouça-me, o Senhor quer que Sua palavra seja crida. Ele quer que ela seja confirmada e os milagres que aqueles homens operaram estavam confirmando que aquela era a verdade de Deus. Escute, quando eu me levanto e prego a verdade de Deus para você hoje, eu não preciso de nenhum milagre para confirmar essa verdade, porque eu tenho as Escrituras que são o agente confirmador das minhas palavras. Mas, naqueles dias sem revelação escrita, os milagres tinham esse papel.

Eu quero te levar um passo adiante. Veja Atos 14: 2 e 3: “Mas os judeus incrédulos incitaram e irritaram, contra os irmãos, os ânimos dos gentios. Detiveram-se, pois, muito tempo, falando ousadamente acerca do Senhor, o qual dava testemunho à palavra da sua graça, permitindo que por suas mãos se fizessem sinais e prodígios.” Agora ouça, como Deus dava testemunho da palavra? Aqui estavam essas pessoas pregando a palavra, pessoas que haviam tocado a vida dos apóstolos. Pessoas que foram fundadoras na igreja primitiva.

Pessoas que estavam na vanguarda de colocar as fundações da igreja. Como Deus deu testemunho à sua palavra? Através de sinais e maravilhas a serem feitos pelas mãos daqueles homens. Como é que Deus confirmou Sua palavra na igreja primitiva? Através de milagres, sinais e maravilhas. Esse é o propósito do dom da operação de milagres.

Se você olhar para 2 Coríntios 12:12, você verá uma demonstração disso. Vou adicionar uma nota de rodapé enquanto você está abrindo sua Bíblia: as únicas pessoas que conhecemos no Novo Testamento, na era da igreja, depois que o Espírito veio, que foram capazes de fazer milagres, ou eram os apóstolos ou aqueles com quem os apóstolos trabalhavam, aqueles a quem os apóstolos transmitiram o dom no poder do Espírito. Nós nunca vemos o dom se estender para além dessas pessoas.

Tudo bem, 2 Coríntios 12:12 nos ajuda: “Os sinais do meu apostolado foram manifestados entre vós com toda a paciência, por sinais, prodígios e maravilhas.“. Observe que está escrito ‘sinais de um apostolado’, não ‘sinal de um apóstolo’. E o que eram eles? A capacidade de operar sinais, maravilhas e ações poderosas. E quais eram esses poderes milagrosos, então? Eles eram os sinais de quem? De um apóstolo. Não sinais de todos os cristãos, mas de um cristão especialmente enviado, ou seja, um apóstolo. E os únicos apóstolos de Cristo que existiram em toda a história da igreja foram os Doze mais Paulo. Houve também o grupo dos apóstolos enviados pela igreja, que estavam num nível inferior ao do grupo dos Doze mais Paulo.

Havia, então, os sinais de um apostolado, que era a capacidade de fazer milagres. Agora, veja Hebreus 2:3. “Como escaparemos nós se negligenciarmos tão grande salvação?“. Ora, que salvação é essa? É a que “começando a ser anunciada pelo Senhor…“. A salvação de que eles estão falando foi primeiramente anunciada por Cristo, certo? Ele chegou ao mundo e pregou o evangelho. O texto continua: “… foi-nos depois confirmada pelos que a ouviram“. Quem foram esses que ouviram a salvação pela boca do Senhor? Os apóstolos, que estavam ao Seu redor.

Os apóstolos foram quem transmitiram o evangelho de Cristo para nós. E o verso 4 é a chave: “Testificando também Deus com eles, por sinais, e milagres, e várias maravilhas e dons do Espírito Santo, distribuídos por sua vontade“. Eles tinham dons especiais do Espírito. Poderes milagrosos especiais para confirmar a palavra.  Ora, se alguém chegasse e dissesse “eu trago o evangelho de Deus!”, como as pessoas naquela época saberiam que aquela pessoa realmente trazia a palavra de Deus? Era através das maravilhas e sinais, que não tinham outra explicação além de que Deus os estava fazendo.

Hoje, quando alguém alega pregar a palavra vinda de Deus, não há a necessidade de milagres para atestar a pregação, pois a igreja tem o cânon completo das Escrituras e pode conferir se o que está sendo dito é palavra de Deus ou não. Mas, nos primórdios da igreja ainda não havia Novo Testamento. Por isso é que os sinais referendavam a palavra que estava sendo dita como sendo de Deus.  Assim, Warfield diz:

Esses dons milagrosos faziam parte das credenciais dos apóstolos como agentes autorizados de Deus ao fundar a igreja. Sua função, portanto, os confina à igreja apostólica e eles necessariamente foram extintos quando cessou a era apostólica.

4. OS DONS DE OPERAÇÃO DE MILAGRES CESSARAM?

Portanto, essas maravilhosas habilidades para confirmar a palavra só ocorreram quando Deus estava revelando a palavra. Agora, marque isso em sua mente: se dissermos que os dons de operação de milagres continuam acontecendo hoje, e desde que eles têm apenas o propósito de confirmar a revelação de Deus, então teríamos que concluir que Deus ainda está revelando Sua palavra. E, se Ele ainda está, a Bíblia que você tem em suas mãos  estaria incompleta.

Mas, ela não está incompleta.  Apocalipse 22:18 diz: “Porque eu testifico a todo aquele que ouvir as palavras da profecia deste livro que, se alguém lhes acrescentar alguma coisa, Deus fará vir sobre ele as pragas que estão escritas neste livro”.

E assim, quando as pessoas chegam hoje, particularmente os carismáticos, e dizem que o dom de operação de milagres ainda está acontecendo, elas terão que também dizer – pelo menos se são consistentes – que Deus ainda está se revelando hoje. E muitos deles alegam obter visões, revelações, palavras de Deus e assim por diante. Ou seja, mesmo eles reconhecem que os milagres são uma corroboração da revelação de Deus.

Mas, se cremos que a palavra de Deus está terminada, completa e fechada e que a revelação terminou e Deus disse o que Ele disse e nada deve ser acrescentado a ela, então não há razão para um fluxo normal contínuo de constante milagres acontecendo, porque Deus não está mais revelando Sua palavra. Está feita. Nós cremos que é uma heresia dizer que a revelação de Deus continua, que o cânon da Bíblia não está completo, fechado.

É bastante claro no decorrer dos Evangelhos e de Atos, de fato, que há uma diminuição progressiva dos milagres, um diminuir deles. E, então, quando você chega às epístolas de Paulo, simplesmente não há mais menção deles. Você nem os encontra. As pessoas adoecem nas epístolas de Paulo, incluindo Paulo. Mais uma vez: a revelação está completa e a Bíblia está acabada, pronta, portanto o propósito dos milagres desapareceu. É o bastante.

Você diz, mas e se as pessoas não acreditarem na Bíblia? Bem, então elas não acreditam em milagres, porque a Bíblia relata milagres. Podem ser historicamente verificados. E Jesus disse: “Ai de ti Corazim! Ai de ti Betsaida! Porque se os milagres que entre vós foram realizados tivessem sido feitos em Tiro e Sidom, há muito que elas se teriam arrependido, vestindo roupas de saco e cobrindo-se de cinzas“. Ele está dizendo que você não precisa de mais milagres, além daqueles descritos nas Escrituras, para crer.

Há registro bíblico de milagres suficiente e convincente. E, se você não crê, não tem nada a ver com os milagres, mas é uma questão de sua própria incredulidade. Pessoas não precisam de milagres, só precisam entender a Palavra de Deus. E, se elas não acreditarem na Palavra de Deus, também não acreditarão em milagres. Lembra do homem rico e Lázaro? “Mande-me de volta para que eu possa contar aos meus irmãos…”. E qual é a palavra para aquele homem? Se eles não acreditam em Moisés e nos profetas, eles não acreditarão nem mesmo se alguém se levantar dos mortos. E você quer saber de uma coisa? Alguém se levantou dos mortos e eles não creram.

Portanto, o dom de operação de milagres teve um tempo limitado de atuação, foi somente para a era primitiva da igreja. Foi conferido a certas pessoas apenas, somente aos apóstolos, profetas e pregadores do Novo Testamento. E também teve um propósito limitado: somente para a confirmação da revelação. Eles foram sinais apontando para a revelação de Deus. Primeiro, apontando para a palavra viva, depois para a palavra escrita. E quando tudo foi cumprido e registrado, cessaram.

Porque agora que a realidade está aqui, não precisamos mais de sinais. Há uma diferença entre uma foto e uma pessoa. Quando alguém vai embora, talvez você tenha mandado seu filho para a faculdade ou se mudado para algum lugar, e você tira a foto e a foto está lá no sentimento e você ama a foto. Quando o filho chega em casa, você não fica parado olhando para a foto, você quer estar com seu filho. Nós não precisamos mais olhar para os sinais, pois temos a revelação toda bem aqui, a Palavra de Deus.

Crer que o dom de operação de milagres continua até a presente era causa todos os tipos de problemas, porque aí você terá que crer, por via de consequência, que a revelação divina não está completa no Novo Testamento, mas que é  contínua. Hoje vemos todos os tipos de pessoas que estão reivindicando possuírem o dom de operação de milagres. Como saber? Ora, no Novo Testamento era fácil saber, porque apenas Cristo, Seus apóstolos ou  aqueles diretamente enviados pelos apóstolos possuíam o dom. Nunca houve um número amplo de pessoas possuindo o dom de operação de milagres. Richard Baxter diz:

Como o propósito primordial para o qual os milagres são realizados nos tempos bíblicos não é mais operativo, é razoável acreditar que os milagres que se realizam diretamente através da ação do homem, como nos tempos bíblicos, não são mais vistos na Terra hoje.

Concordo. Agora, lembre-se que não estamos tentando dizer que Deus não pode operar milagres. Estamos apenas tentando dizer que Deus operou alguns milagres em alguns períodos de tempo estritamente para confirmar a Sua palavra. Estritamente, como dons de sinais para a confirmação da revelação divina, os milagres não têm lugar na vida contínua da igreja.

5. CONFIGURAÇÃO DOS DONS DE OPERAÇÃO DE SINAIS

Agora, quatro desses dons são mencionados no Novo Testamento. Como eu disse: milagres, curas, línguas e interpretação de línguas. E eles só aparecem em 1 Coríntios. Nas outras listas – Romanos 12, Efésios 4, 1 Pedro 4 e outras referências onde se fala sobre a vida da igreja – você nunca ouve falar nesses dons, você nunca os vê, nunca há uma discussão sobre esses dons milagrosos. Eles tiveram um propósito na infância da igreja apenas.

A – DOM DE OPERAÇÃO DE MILAGRES:

Conversamos sobre a categoria geral de habilidade sobrenatural dada àqueles homens primitivos, bem como a Cristo, de operarem sinais e milagres. E quanto ao dom específico de operação de milagres? 1 Coríntios 12, versículo 10 fala sobre o assunto. O que é esse dom? Agora, eu vou dizer algo que você nunca pensou, porque eu nunca havia pensado sobre isso até filtrar minha mente esta semana. A palavra milagres é a palavra grega “dunamis”, que significa poder. Eu traduziria o dom desse jeito: dom de poder. Esse é o dom de poder sobrenatural, poder especial.

A mesma palavra grega é traduzida como poder do Novo Testamento, ou poderosas ações, força, milagres. Mas, todas as traduções apontam para um operar poderoso e a raiz da palavra, no grego, é “Kittlesays”, que significa “ser capaz de fazer alguma coisa“. Está falando de uma habilidade. Está falando de um poder, uma energia. Agora, essa palavra – “dunamis” – é usada 120 vezes no Novo Testamento. Não poderemos examinar todas elas. Então, é uma palavra muito comum, mas eu quero mostrar algo muito, muito interessante em referência ao que isso significa.

Lembre-se disto: a palavra que é traduzida por “milagre” em 1 Coríntios 12 é a mesma palavra traduzida como “poder” nos Evangelhos. Então, vamos dar uma olhada nos Evangelhos e ver o que podemos extrair. Mostrarei algo que para mim é fascinante e muito útil. Lucas 4:13 diz o seguinte: “E, acabando o diabo toda a tentação, ausentou-se dele por algum tempo.” Agora, quero que você perceba algo: Jesus tinha acabado de estar em conflito com Satanás. E Cristo saiu como vencedor. E, quando o diabo acabou com todos os testes, com toda a sua munição, ele se ausentou do Senhor para sempre? É isso que o texto diz? Não. Por apenas um tempinho. Ele estaria de volta, bem rápido.

Isso é interessante… Agora, ouça, toda a vida de Jesus foi uma luta dia a dia com quem? Satanás. Ele estava sempre lutando contra Satanás, dia após dia. Ele estava invadindo o reino das trevas para resgatar pessoas. Agora, observe o versículo 14: “Então, pela virtude do Espírito, voltou Jesus para a Galileia, e a sua fama correu por todas as terras em derredor.” Quero mostrar uma conexão aqui. O que foi que permitiu que Jesus fosse vitorioso sobre Satanás? Poder. O poder do Espírito.

Observe, então, que o conceito de poder está conectado com uma luta contra Satanás. O poder relatado nos Evangelhos repetidas vezes é visto em referência ao conflito de Cristo com o reino de Satanás. Vou ilustrar isso para você de várias maneiras. Veja o capítulo 4, versículo 36. Aqui está um homem que tem um demônio e Jesus repreende o demônio e o expulsa. E o versículo 36, diz que “veio espanto sobre todos…“. Eles ficaram surpresos. Por quê? Porque Jesus simplesmente enxotou esse demônio para fora. O verso continua: “e falavam uns com os outros, dizendo: Que palavra é esta, que até aos espíritos imundos manda com autoridade e poder, e eles saem?“.

Jesus não precisava fazer o velho e tradicional exorcismo judaico. Ele apenas falava, e os demônios saíam. Incrível. Com autoridade e poder Ele comandava os espíritos imundos e eles saiam. As palavras gregas usadas, “excusia” e “dunamis”, significam poder. E o poder está conectado novamente à autoridade sobre os demônios. O poder é o meio controlador que Cristo tem sobre o reino de Satanás. E há muitos outro exemplos nas Escrituras. Não vamos cobrir todos eles. Vejamos o verso 17, de Lucas 6:

E, descendo com eles, parou num lugar plano, e também um grande número de seus discípulos, e grande multidão de povo de toda a Judeia, e de Jerusalém, e da costa marítima de Tiro e de Sidom; os quais tinham vindo para o ouvir, e serem curados das suas enfermidades….

Note o que dizem os versos 18 e 19:

Como também os atormentados dos espíritos imundos; e eram curados. E toda a multidão procurava tocar-lhe, porque saía dele virtude [poder], e curava a todos.

Novamente, o poder aí está relacionado à autoridade de Cristo sobre Satanás e os demônios.

Podemos ver outro exemplo de poder relacionado a lidar com o reino das trevas em Marcos 1:34, que diz: “E curou muitos que se achavam enfermos de diversas enfermidades, e expulsou muitos demônios, porém não deixava falar os demônios, porque o conheciam.” Os demônios não podiam nem falar. Agora, observe que essa incrível habilidade de expulsar demônios está sempre conectada com  a pregação de Jesus. Por quê? Porque o dom de milagres está sempre ligado à revelação de Deus.

Agora eu quero dar um passo além, em Marcos 5. Aqui você encontra novamente Jesus exercendo grande poder expulsando demônios.  Isso vai se repetindo em Marcos 5, Marcos 7, (versos 24 a 30 ou mais). Esse padrão se repetiu muitas vezes através do ministério de Cristo. Em Mateus 9: 31-33, Mateus 12: 22-23, você encontrará o mesmo. E em várias outras passagens isso se repete. Mas, vamos olhar para Lucas 9, a partir do verso 42, que diz: “E, quando vinha chegando, o demônio o derrubou e convulsionou; porém, Jesus repreendeu o espírito imundo, e curou o menino, e o entregou a seu pai.” Ouça: “E todos pasmavam da majestade de Deus. E, maravilhando-se todos de todas as coisas que Jesus fazia“.

Agora observe isto, o poder está novamente conectado com conflito e vitória sobre o reino de Satanás. Esse é o dom de poderes. Você diz:  aonde você quer chegar, John? Eu quero dizer que o dom de poderes ou  dom de operar milagres era a habilidade sobrenatural e instantânea para expulsar demônios, principalmente. Esse dom possui uma aplicação mais ampla e eu não vou limitá-lo, como eu não iria limitar qualquer um dos dons e suas variedades, como eles são indicados em 1 Coríntios 12: 4-6, mas o principal uso do dom de poderes por Cristo consistiu em demonstrar que o reino de Deus é soberano sobre o reino das trevas.

E aquela capacidade de expulsar Satanás instantaneamente estava dizendo ao mundo: por que você faria parte desse reino de trevas que Eu controlo, quando ofereço a você Meu reino? Em Mateus 8:16, é declarado: “E, chegada a tarde, trouxeram-lhe muitos endemoninhados, e ele com a sua palavra expulsou deles os espíritos, e curou todos os que estavam enfermos“. Apenas uma palavra. Eu não conheço ninguém que possa fazer isso hoje. Eu não conheço ninguém no mundo, nem mesmo o chamado exorcista cristão que possa fazer isso. Esses exorcistas passam por longas e suadas horas tentando se livrar dos demônios…  Jesus, com uma palavra, expulsou os demônios e curou todos os que estavam doentes.

E aí você vê dois dons: de poderes e o dom de cura. Jesus poderia lidar com doenças induzidas por demônios e com doenças induzidas fisicamente e congenitamente. Percebo que o dom dos milagres lida com a influência demoníaca, enquanto que o dom de curar lida com problemas físicos. Houve, assim,  milagres relacionados a problemas induzidos por demônios e curas relacionadas a doenças induzidas fisicamente. E estas parecem ser as intenções desses dois dons. Certo que existe alguma sobreposição e eu não os limitaria. O dom de milagres poderia estender-se além disso, mas essa parece ser a sua principal configuração.

Você diz, bem, você falou com relação a Jesus, mas e quanto aos apóstolos? Eles receberam esse mesmo dom. Veja em Lucas 9:1, que diz: “E, convocando os seus doze discípulos, deu-lhes virtude e poder sobre todos os demônios, para curarem enfermidades.” Qual é a palavra usada ai ? “Dunamis”, a mesma palavra traduzida como milagre. O texto está dizendo que o Senhor deu “milagres” aos apóstolos, deu-lhes o dom de operar milagres, e com esse dom veio a autoridade sobre todos os demônios e poder para curar doenças. Novamente, você vê o dom de operação de milagres relacionado aos demônios e o dom de cura relacionado às doenças.

E ele os enviou para pregar o reino de Deus“. Por quê? Porque estes dons tinham o papel de confirmar sua pregação. Não adiantaria eles andarem por aí e curarem as pessoas se não abrissem suas bocas e lhes dissessem a mensagem de Deus. Olhe para Lucas 10:17, onde o dom é estendido para além dos Doze, sendo conferido aos setenta que foram pessoalmente comissionados por Jesus. E, como eu disse, o círculo de pessoas com este poder não passa de Cristo, os apóstolos, e aqueles a quem eles comissionaram pessoalmente.

O verso 17 de Lucas 10 diz que “os setenta retornaram…“, e eles disseram, em outras palavras: ‘Senhor, você nunca acreditará no que aconteceu em nossa viagem… Gostaríamos de lhe dar um relatório em primeira mão… Ouça isso: os demônios se sujeitaram a nós através de Teu nome.! Nós apenas falamos em Teu nome e os demônios partiram.!’.  Eles nunca tinham visto algo assim. E isso nem sempre aconteceu e não está acontecendo agora. A função disso foi confirmatória e por um certo tempo.

Jesus lhes disse: “Eu via Satanás, como raio, cair do céu.” Em outras palavras, ‘você acha que é um grande negócio lidar com esses caras? Eu mesmo arranquei Satanás do céu! Meu nome vai subjugar qualquer um desses demônios’. E acrescenta, no verso 19:  “Eis que vos dou poder para pisar serpentes e escorpiões, e toda a força do inimigo, e nada vos fará dano algum.” Ou seja, Satanás pode querer usar veneno contra você. Ele pode querer usar serpentes, mas eu lhe dou poder sobre o reino das trevas.

Vejo o dom de poderes como a capacidade de sobrepujar Satanás. Agora, você vai para Romanos 15:19, onde Paulo diz: “Pelo poder dos sinais e prodígios, e pela virtude do Espírito de Deus…“, diz ele, ‘dunameinumatos’, ou seja ‘na dinamite do Espírito’, ‘no poder do Espírito’, ‘nos milagres do Espírito’. O verso continua: “… de maneira que desde Jerusalém, e arredores, até ao Ilírico, tenho pregado o evangelho de Jesus Cristo.

Paulo tinha o dom de poderes, o dom de operar milagres. Tinha a capacidade de lidar com Satanás e expulsar demônios. Agora, prestem atenção, apenas com uma ordem os demônios eram expulsos e eles saíam instantaneamente. Esse poder pertence a Cristo, aos apóstolos e aos poucos que foram tocados por suas vidas. Se você ler o livro de Atos, você verá os apóstolos tendo a capacidade de fazer isso. É incrível! E os demônios não tinham escolha. Mas, isso não funciona assim hoje em dia…

Estevão, por exemplo, cheio de fé, Atos 6: 8, no poder, fez maravilhas e milagres entre o povo. O que isso significa? Que ele mostrou ser mais poderoso o reino de Deus do que o reino de Satanás. Em Atos, capítulo 8, versículo 7, encontramos novamente espíritos imundos sendo expulsos, no ministério de Filipe. Você vê que é a conexão que eu faço. Você encontra o mesmo padrão em Atos 13. Também em Atos 19. A capacidade de lidar com o reino de Satanás. E isso era surpreendente. Era dramático. Era algo que confirmava que aqueles homens vinham da parte de Deus.

Você diz: “bem, se esse dom não existe mais, como você se livra dos demônios? A Bíblia diz que devemos ministrar uns aos outros, exortar uns aos outros, repreender uns aos outros, amar uns aos outros, ensinar uns aos outros, edificar uns aos outros, orar uns pelos outros. Mas, a Palavra diz: expulsem demônios uns nos outros? Se você tem problemas com demônios, como se livrar deles?”. Bem, toda a instrução no Novo Testamento é muito clara. E nada disso tem a ver com outra pessoa. Você sabia disso? Você tem que lidar com essa coisa sozinho com o poder do Espírito Santo. Eu não posso vir e me livrar de seus problemas demoníacos.

Quando você começa a lidar com o diabo, a Bíblia fica muito explícita. Diz, por exemplo, em Tiago, “resisti ao diabo e ele fugirá de vós“, certo? Em Efésios, é dito: “revesti-vos de toda a armadura de Deus“. Em 2 Coríntios, é dito que “não faça nada que dê vantagem a Satanás“. Em 1 Pedro 5, “Sede sóbrios; vigiai; porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar“. É tudo uma instrução personalizada.

Jesus e os apóstolos, para confirmar a revelação, tinham o poder de expulsar instantaneamente os demônios e operar outras maravilhas. Nós não encontramos nenhuma referência em todas as Epístolas do Novo Testamento de ter um cristão que expulsa demônios de outro cristão, de ter um cristão exorcizando demônios de outro cristão. A palavra para um crente é que ele mesmo tem Satanás sob seus pés. Certo?  E tudo o que você tem que fazer para lidar com o diabo é colocar a armadura de Deus, isso é tudo.

Eu estava lendo sobre um sujeito que diz ser, supostamente, o melhor expulsador de demônios da América. E ele diz que tem problemas com uns demônios e que alguns deles não são expulsos. Bem, então ele não tem o dom. Ora, se Jesus os expulsasse, eles não sairiam? As pessoas dizem, bem, se não houver milagres, MacArthur, como as pessoas vão crer? Milagres nunca foram a ferramenta para fazer as pessoas crerem no evangelho. Jesus alimentou 25.000 pessoas em uma encosta e fez milagres durante todo o dia. Depois disso, eles O seguiram e Ele disse para eles: ‘vocês não vieram aqui por causa de quem Eu sou ou do que Eu fiz, mas  porque vocês querem mais comida…’.

Lázaro levantou-se dos mortos, muito chocante. Você sabe o que aconteceu? Os judeus ficaram loucos e mataram Jesus por causa disso. Em Atos 14, Paulo entrou e curou um homem aleijado, um homem impotente, uma cura maravilhosa. E todo mundo ficou maravilhado. Mas, o texto diz que eles tinham um pequeno grupo, que se reuniu e decidiu apedrejar Paulo. E eles o apedrejaram e o expulsaram da cidade. Milagres nunca foram a razão pela qual as pessoas foram salvas. As pessoas são salvas porque Deus concede fé em seus corações.

Os apóstolos nunca evangelizaram através de milagres. Eles evangelizaram através da pregação da Palavra. Os milagres apenas confirmaram o que eles pregavam e, uma vez concluída a revelação de Deus no Novo Testamento, os milagres não tinham mais propósito. Porém, eles aparecerão mais uma vez no futuro, quando todos os cristãos tiverem partido e o mundo não tiver testemunho algum. E então, as duas testemunhas aparecem e haverá milagres.

Entretanto, milagres não ocorreram como norma na vida da igreja desde 100 d.C., porque Deus não está mais revelando Sua palavra. Está completa. Toda a Escritura é inspirada por Deus e está completa. Mas, o homem de Deus deve ser completamente equipado com a Palavra. Você não precisa mais do que isso. Então, você diz, mas John, e quanto a todos esses milagres que as pessoas dizem acontecer? Olha, eu não tenho que analisar cada alegação de milagre. Mas, eu posso mostrar através da Palavra de Deus que esta não é uma era de operação de milagres.

E você quer ouvir algo interessante? Nos anos que se seguiram à igreja primitiva, não houve registro de milagres até que o catolicismo romano entrou em cena. E quando a igreja romana começou, todos os milagres começaram a acontecer. Bem, a única coisa que podemos concluir, se acreditamos que milagres ocorrem em todas as eras, é que Deus estava confirmando o fato de que a igreja romana era a Sua verdadeira igreja e essa era a Sua revelação.  

Você diz: Bem, quais foram os milagres alegados pela igreja católica? Oh, houve relatos de milagres realmente incríveis. Por exemplo, em 415, eles encontraram os ossos de Estevão. Os ossos foram levados para a África e eles alegam que em todos os lugares por onde esses ossos passaram houve milagres. Você acredita nisso? Os ossos de Estevão? 415 anos depois de ele ter morrido? Ossos resistentes… Um comerciante, em uma cidade, roubou o braço de João Batista que havia sido preservado em um santuário. E enquanto ele o manteve em seu armário, ficou rico. E, assim que alguém encontrou o braço e o levou embora, o comerciante se tornou um mendigo. Dá para acreditar nisso?!?

Você sabia que nos primeiros anos da formação da igreja romana alega-se que os cristãos preservaram as peninhas que caíram das asas de Gabriel quando ele veio anunciar a Maria o nascimento de Jesus? Houve também a alegação por parte de monges peregrinos de que tinham estado em Jerusalém e lá tinham visto o verdadeiro dedo do Espírito Santo. As igrejas dos santos Cosme e Damião, em Roma, exibiram um frasco milagroso do leite materno da virgem Maria. E isso se tornou uma fonte milagreira tão popular, que na França 20 igrejas diferentes tinham garrafas de leite materno de Maria para fazer milagres.

Eles até disseram que não se tratava necessariamente do leite que a virgem usava para nutrir o bebê Jesus, mas do leite que, através de todas as eras, Maria alimentou seus filhos em tempos de necessidade mortal, e que até mesmo suas estátuas e pinturas davam leite em certos momentos. Isso é absurdo. E esse leite era um leite milagroso…. Bernard de Claraval disse que foi recompensado por sua vida santa quando Maria o visitou em sua cela e deixou seus lábios serem umedecidos pela comida da criança celestial, disse ele. Maria teria cuidado de Bernard de Claraval em sua cela… dá para acreditar?!?

E há relatos sobre pessoas  tendo estigmatizações, você sabe, de repente  aparecendo com os sinais da cruz em suas mãos, pés e sangrando, como supostamente aconteceu com São Francisco e outros. Milagres estavam acontecendo em todo o lugar e coisas mágicas e loucas. Um certo santo tinha tomado tanto leite de Maria durante toda a sua vida, que que quando ele morreu de suas veias saiu sangue e leite.

Aparições de Maria estavariam ocorrendo em todo o mundo em lugares como Guadalupe e esses grandes santuários de Maria. As supostas aparições de Maria. Em Guadalupe, ela teria aparecido para alguns índios. Mas, apareceu em Lourdes e assim por diante. Ora, Deus estava confirmando o catolicismo romano? Deus estava confirmando tudo isso através dessas estórias ridículas? E hoje, quando nos dizem que na Indonésia Deus fez mingau ou que Deus fez comida para todas aquelas pessoas em uma festa… E eu leio coisas assim e não posso acreditar no que estou lendo.

E então, vêm livros, como “A Mighty Wind” [Um Vento Poderoso] e todo mundo acredita nisso. A igreja evangélica da era pós-Novo Testamento não opera dessa maneira. Mas, nós devemos andar por fé e não por visão. As pessoas que estão sempre correndo por aí querendo mais e mais milagres evidenciam a fé mais infantil, se é que pode ser chamada de fé. Claro que as falsificações continuam existindo. Existem milagres falsificados o tempo todo. A ciência cristã os fabrica há anos. O ocultismo também os fabrica, assim como os pagãos, os carismáticos e por aí vai. É tanta falsificação que se realmente Deus fizer algo milagroso você dificilmente seria capaz de descobrir no meio de toda essa bagunça.

Esse dom tinha um propósito único. Seu objetivo era confirmar a revelação de Deus. E amado, a revelação está terminada. Nos primeiros 30 anos da vida de Jesus não havia razão para fazer milagres. Os três anos do ministério de Jesus e nos anos da igreja primitiva houve muitos milagres. Mas, não há razão para supor que os milagres têm que continuar, continuar, continuar e continuar. As pessoas que dizem que têm fé nos milagres não têm fé. Na verdade, elas têm dúvidas e estão em busca de provas.

Sei que esta palavra ofende alguns. Quero dizer, eu amo todos os irmãos e irmãs em Cristo. Eu sinto algumas vezes que tão fortemente quanto outras coisas são ditas, tão fortemente precisamos dizer o que acreditamos que a Bíblia ensina. Eu confio que você vai entender isso. Vamos orar.

Pai, obrigado por nos dar esse tempo esta manhã para falar sobre algumas dessas coisas e mal arranhamos a superfície do que tem que ser um assunto muito importante. Nós não estamos negando o Teu poder. Isso seria estúpido. Tu és poderoso, mas também és consistente e exibes Teu poder de maneiras mais consistentes. E uma delas é mostrando-nos o propósito dos Teus milagres, o propósito do Teu poder. Nós não vemos milagres o tempo todo ao nosso redor. O mundo continua de uma maneira muito natural, e é assim que o Senhor quer que seja. Ajude-nos a entender que quando os milagres ocorreram, eles tiveram um propósito muito direto e, no futuro, quando eles ocorrerem na tribulação e na era do reino, eles terão um propósito único. Mas, ajude-nos a conhecer aquilo que foi estabelecido como milagres por Tua palavra. Ajude-nos a sair e pregar corajosamente o que já foi revelado e a andar por fé e não pela vista. Nós oramos em nome de Cristo, amém.


Esta é uma série de sermões sobre os dons do Espírito Santo e homens especialmente dotados, conforme links abaixo:


Este texto é uma síntese do sermão “The Temporary Sign Gifts, Part 1”, de John MacArthur em 18/07/1976.

Você pode ouvi-lo integralmente (em inglês) no link abaixo:

https://www.gty.org/library/sermons-library/1856

Tradução e síntese feitos pelo site Rei Eterno


 

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *