Heresias do Catolicismo – 1

Imprimir

Esta é uma série de sermões sobre heresias do catolicismo romano, conforme links no final do texto.


  1. INTRODUÇÃO

Eu vou atuar como uma espécie de professor e historiador hoje à noite. Estou tão acostumado a me levantar e dizer: “Abra sua Bíblia…”, mas isso não ajudaria, já que o sacerdócio católico não é encontrado em nenhuma parte das Escrituras, então não podemos começar por aí.

Eu quero falar sobre o escândalo do sacerdócio porque, obviamente, todos nós estamos muito conscientes da tremenda tragédia que está ocorrendo diante de nós na imoralidade do sacerdócio católico. O que eu gostaria de fazer é dar alguma perspectiva histórica para isso, algum sentido do quadro maior do que está acontecendo no sacerdócio. Para fazer isso, eu tenho que falar um pouco sobre o escândalo do sacerdócio em si. 

Não estou falando apenas do escândalo atual. Eu estou falando sobre todo o escândalo do próprio sacerdócio como a estrutura hierárquica da Igreja Católica Romana. Deixe-me dar um pouco de pano de fundo. Há muito que se poderia dizer sobre a teologia católica romana e poderíamos expor os erros, que são numerosos. Poderíamos falar sobre suas fontes de revelação, que estão fora das páginas das Escrituras, ou poderíamos falar sobre a corrupção da missa.

Poderíamos falar sobre a ideia de que Maria é a co-redentora, que, claro, é realmente uma blasfêmia. Nós poderíamos falar sobre a ideia de que Deus é um sujeito durão e se alguém quer a graça de Deus,  só Jesus é quem poderia obter isso dele, mas você não pode esperar ir a Jesus, porque ele é muito duro, então você precisa ir a Maria, porque ninguém pode resistir ao pedido de uma mãe… Então, ela vai falar com Jesus e Ele vai falar com o Pai e Maria, ou algum outro santo, vai te dar o que você precisa.

Poderíamos falar sobre muitas dessas heresias, como os conceitos acerca do purgatório ou da impecabilidade de Maria. Há um monte de coisas sobre a teologia católica sobre as quais poderíamos falar, principalmente sobre a errônea Doutrina da Justificação, que separa as pessoas do Reino de Deus. Mas, o que eu quero falar hoje é sobre o escândalo do sacerdócio e dar uma ideia do que realmente é o sacerdócio. Estamos todos muito familiarizados com os padres católicos. Nós crescemos vendo-os em nossa sociedade, junto com  as freiras. Nós os vemos na televisão o tempo todo. Nós lemos sobre eles no jornal.

Mesmo antes que houvesse a publicação desses  escândalos, já estávamos muito conscientes deles. Muitos de vocês, em sua juventude, foram afetados ou impactados pela imagem do padre em seu manto negro passando pelas maquinações de cerimônias na Igreja Católica que você frequentou quando criança. Então, todos nós sabemos que existe esse tipo de ideia de que há uma aura sagrada sobre esses homens, que de alguma forma eles são quase sobrenaturais e transcendentes.

  1. A HIERARQUIA DO SACERDÓCIO CATÓLICO

Precisamos colocar isso em perspectiva. Então, deixe-me começar apenas falando sobre a origem divina da hierarquia. Há, no dogma católico, a confiança de que a hierarquia da Igreja Católica vem de Cristo. Que é o próprio Jesus Cristo que concedeu à Igreja Católica sua estrutura hierárquica. E, essencialmente, isso se resume ao ofício do clero, que tem três categorias de poder. Os católicos romanos falam sobre o poder de ensinar, falam sobre o poder pastoral e sobre o poder sacerdotal.

O poder de ensino está relacionado ao fato de que os sacerdotes falam com autoridade vinda da igreja, sendo que a Igreja é considerada como a única verdadeira intérprete das Escrituras. Eles não falam pelas Escrituras, falam pela Igreja. Esse é o seu poder de ensino.

Os sacerdotes católicos também possuem poder pastoral e a maneira que eles definem é bastante interessante. No dogma católico, esse poder é definido como sendo legislativo, judicial e punitivo. Sua ideia de trabalho pastoral não é conforto, cuidado e compaixão. É legislativo, judicial e punitivo. Eles criam leis às quais eles submetem pessoas. Eles decidem se as pessoas violaram essas leis e se devem ser punidas. Ao longo dos anos, essa punição ocorreu de toda a espécie imaginável, desde a excomunhão até a morte.

Em terceiro lugar, eles possuem poder sacerdotal, que significa simplesmente o poder de transmitir graça através dos sacramentos. Eles afirmam em seu dogma que esses três poderes são paralelos ao tríplice ofício de Cristo como profeta, sacerdote e rei. Agora, seus dogmas foram muito bem cristalizados, graças à Reforma. Foi a Reforma que os levou a pronunciar anátemas. Estamos todos familiarizados, em um grau ou outro, com toda a história da Reforma, quando Martinho Lutero, Zwinglio, Calvino e Melanchton se levantaram contra esse sistema.

Aí o sistema católico teve que responder. E uma maneira pela qual ele respondeu foi, claro, reafirmando seus dogmas e depois condenando todos que não acreditavam neles. Mas disso veio uma articulação muito clara de seu dogma imutável. Um dos principais pontos contra os quais a igreja católica se opôs aos reformadores foi o sacerdócio. Os reformadores rejeitaram completamente a ideia de um sacerdócio especial e, com isso, rejeitaram a hierarquia católica, que é essencialmente o papa e depois os bispos, através dos quais os cardeais são escolhidos, e depois os sacerdotes e sob eles os diáconos.

Os reformadores rejeitaram isso em favor do sacerdócio geral de todos os crentes. O Concílio de Trento declarou que qualquer pessoa que rejeite o sacerdócio especial católico seja anátema. Eles pronunciaram a maldição das maldições sobre isso. Eles tinham que preservar sua estrutura hierárquica. Isso era fundamental para eles, a fim de preservar o poder. A visão deles é que Cristo, é claro, é a cabeça divina da igreja, mas Ele intermedia sua verdadeira autoridade através de um homem, que é o papa, que então dissemina isso através dos bispos, e os sacerdotes executam as funções determinadas.

Por essa hierarquia, o papa ocupa o topo na hierarquia católica e é considerado o sucessor direto do apóstolo Pedro. Segundo o catolicismo, Cristo nomeou o apóstolo Pedro para ser a cabeça visível da igreja e, então, determinou que essa sucessão passaria através de Pedro a uma linhagem de apóstolos, que teriam a mesma autoridade. O Concílio de Trento estabeleceu que se alguém disser que o abençoado apóstolo Pedro não foi constituído por Cristo como o príncipe de todos os apóstolos e chefe visível da Igreja, com primazia de honra e verdadeira jurisdição, seja anátema.

Então, você está condenado se você não acatar  o sacerdócio católico e você está condenado se não acatar o papado de Pedro. Eu estou tirando a maior parte do que estou lhes falando de um livro de Ludwig Ott, intitulado Dogma Católico. É um dos seus livros de teologia sistemática que eu li através dos anos.

Continuando, pela doutrina católica, de acordo com a lei de Cristo, Pedro deve ter sucessores em sua primazia sobre toda a igreja por todo o tempo e o Concílio de Trento diz que, se alguém negar isso que seja anátema. Se alguém disser que o pontífice romano não é o sucessor do abençoado Pedro na primazia, seja anátema.

Assim, o Concílio de Trento pronunciou cem ou mais condenações sobre qualquer pessoa que questionasse alguma coisa sobre a Igreja Católica. Eles estavam particularmente preocupados com alguém questionando a hierarquia, porque se você questionar a hierarquia, você pode, literalmente, derrubar o sistema. O papa, segundo o dogma católico, possui poder total e supremo de jurisdição sobre  toda a igreja, não apenas em questões de moral – e eu estou lendo isso aqui – e fé, mas também em questões de disciplina e governo.

O Concílio de Trento diz que se alguém disser que não é assim, seja um anátema. O Papa – eu vou ler de novo – possui poder total e supremo de jurisdição sobre toda a igreja. Eles olhavam para o protestante como um irmão marginalizado que deveria estar se alinhando em submissão ao papa. O poder supremo é dele, diz o dogma católico. Não há poder maior que o dele e não há poder igual. Seu poder transcende tanto o poder de cada bispo ou cardeal quanto o de todos os bispos juntos.

Coletivamente, eles não são iguais ao papa, singularmente eles não são iguais ao papa. O papa pode governar independentemente sobre qualquer assunto da jurisdição da igreja. A igreja rejeita todas as tentativas do Estado de governar o papa e a igreja. É por isso que eles criaram seu próprio estado, o Vaticano, para que o papa fosse o rei de seu próprio império.

Segundo o dogma católico, o papa não é julgado por ninguém. Agora, isso dá uma ideia bastante clara do papel que ele desempenha. Ele é unilateralmente responsável por ter jurisdição sobre todos os assuntos da vida da igreja. O dogma diz que o papa é infalível quando fala ex cathedra. Você já ouviu essa expressão? Significa simplesmente fora da cadeira. Tudo o que isso significa quando ele fala, não em algum tipo de ocasião formal, ou seja, quando ele fala no cumprimento de seus deveres como pastor e médico sobre todos os cristãos.

O papa define a doutrina relativa à fé e moral a ser realizada pela igreja católica e é considerado infalível, ou seja, alguém que não erra. E, portanto, as suas definições são irreformáveis. Ele nunca comete um erro e nada que ele diz, portanto, pode ser alterado. “A fonte de sua infalibilidade”, diz o dogma, “é a assistência sobrenatural do Espírito Santo, que protege o mestre supremo da igreja do erro. Deus no Céu confirmará o julgamento do papa. Ele é preservado do erro.

Então, você tem esse líder que tem poder total sobre toda a igreja, não apenas sobre aqueles que são fiéis católicos, mas sobre qualquer outra pessoa que se declare cristã e tenha se desviado. Ele tem total poder para julgar sobre todas as questões de fé, isto é, doutrina e moral, conduta, todas as questões de disciplina, todas as adjudicações na vida da igreja. E quando ele faz tal julgamento, ele é infalível e o próprio Deus no céu confirma o julgamento do papa, porque ele é preservado do erro. Essa é a doutrina católica.

Portanto, tudo o que o papa diz permanece como a verdade de Deus e não pode ser reformado ou mudado. Sob sua autoridade estão os bispos, que possuem poder divino também, mas o deles é chamado de poder ordinário de governo sobre suas dioceses. Um poder comum, em vez de um poder extraordinário, como o papa tem, de infalibilidade. Eles têm um poder comum, como seus dogmas dizem, do governo sobre suas dioceses. Somente papas e bispos possuem esse poder por direito divino. Todos os outros possuem pela concessão da igreja.

Portanto, o Papa e os bispos são como os apóstolos, nomeados pessoalmente por Cristo e os sacerdotes e diáconos nomeados pela igreja. Os bispos são vistos como os sucessores dos apóstolos, que recebem seu poder não diretamente de Cristo, mas de Cristo mediado a eles através do papa, o qual era um deles também. O papa, então, age por Cristo infalivelmente em todos os assuntos da igreja, incluindo nomear e capacitar os bispos.

O clero, como são chamados os sacerdotes, deve obedecer a essa estrutura hierárquica. Os bispos não determinam o dogma, é o papa e o conselho coletivo afirmado pelo papa que determinam a doutrina. Então, descendo mais na hierarquia, estão os sacerdotes. As dioceses são divididas em paróquias. E nas paróquias estão os sacerdotes. Eles têm a responsabilidade de conduzir sete sacramentos. Isso é basicamente o que eles fazem.

  1. FUNÇÕES PRINCIPAIS DO SACERDÓCIO CATÓLICO

Pela lei católica, existem sete sacramentos e apenas sete: o batismo; a crisma, que é algo que acontece por volta dos 12 anos quando o batismo é confirmado; a eucaristia, que é a comunhão; a penitência, que é o processo pelo qual os pecados são expiados através do pagamento de algum preço ou algum ato; a extrema unção, que é dada a alguém quando está morrendo;  a santa ordem, que é aquele sacramento pelo qual o sacerdote e os bispos são separados; o matrimônio ou casamento. Portanto, as responsabilidades dos sacerdotes se circunscrevem a estes sete sacramentos.

Sacerdotes católicos são consagrados pelo  sacramento da santa ordem. É um sacramento. Isto é, é uma cerimônia sagrada. Sacramentum ordinis, é a expressão em latim, que oficialmente coloca os sacerdotes em suas posições de ministério. Abaixo deles estão os diáconos, que também têm seu próprio sacramento de ordenação, mas estamos falando sobre os sacerdotes.

Segundo o dogma católico, a ordenação confere graça santificante a um sacerdote. Você tem que entender isso, porque isso é crítico. O papa é considerado infalível. Os bispos são quase infalíveis, e descendo um pouco a cadeia hierárquica, vêm os padres. E estes, no sacramento de sacramentum ordinis, de ordenação, são espiritualmente investidos de graça santificante. E vou citar o dogma:

Pelo sacramento da ordem, o sacerdote recebe uma graça nova e especial e uma ajuda particular por meio da qual ele pode lidar de maneira digna e com uma coragem inabalável com as altas obrigações do cargo que ele assumiu para cumprir os deveres.

Agora, eles acreditam que um sacramento dispensa a graça. Nós, protestantes, temos o batismo. Nós não cremos que ele libera qualquer graça. Nós cremos que é uma celebração. É uma afirmação pública. É um testemunho público. Nós também temos a ceia. Não achamos que a ceia dispense qualquer graça, qualquer graça justificadora ou mesmo graça santificante. Nós a vemos como um memorial, uma lembrança da morte de Cristo. Mas para o catolicismo, o sacramento confere a graça e o sacramento da ordenação confere uma certa graça ao sacerdote.

O que é isso? O dogma diz que o sacramento da ordem imprime um novo caráter ao sacerdote. Ouça a citação: “O caráter da ordem capacita o possuidor a participar ativamente do sacerdócio de Cristo. Obriga-o a dispensar os tesouros salvadores de Cristo e a levar uma vida moralmente pura”. A ordenação de um sacerdote católico nunca pode ser repetida, nunca pode ser revertida ou rescindida, é para sempre. É por isso que eles não sabem o que fazer com os padres que abusam das pessoas. Além disso, o sacramento em si é para infundir-lhes uma graça santificante para capacitá-los a levar uma vida moralmente pura.

Uma declaração no dogma que me chama atenção é: “O sacramento da ordem confere um poder espiritual permanente ao destinatário”. Assim, o sistema ensina que esse indivíduo recebeu graça, poder espiritual permanente, no qual ele literalmente entrou no sacerdócio de Deus e está, então, obrigado a dispensar os tesouros salvadores de Cristo a outras pessoas. Ele funciona como um intermediário que concede os tesouros de Cristo para as pessoas e ele está investido de poder para viver uma vida moralmente pura.

Agora, um padre assume quase uma aura de santidade. Quando se trata de seus deveres, deixe-me ler algo… John O’Brien tem um trabalho popular chamado The Faith of Millions [A Fé de Milhões], onde escreve algo fascinante:

Quando o padre anuncia as tremendas palavras de consagração na missa, ele alcança os céus. Ele traz Cristo do seu trono e o coloca em nosso altar para ser oferecido novamente como a vítima dos pecados do homem. É  um poder maior que o dos santos e anjos; maior que o dos serafins e querubins.

Estamos falando de um padre e estamos falando de alguém que é considerado sobrenatural. Ele tem que ser, se ele tem um poder maior do que os anjos, incluindo serafins e querubins. E por quê? Não somente por causa dessa graça e desta capacitação para uma vida moral e este compromisso no sacerdócio de Cristo, mas porque, segundo o catolicismo, o sacerdote pode alcançar o céu, trazer Cristo do seu trono, colocá-lo em nosso altar a ser oferecido novamente como vítima dos pecados do homem. Ele literalmente traz Cristo para o sacrifício da missa.

Ele continua escrevendo sobre o padre e diz que seu poder é mesmo maior do que o poder da virgem Maria. Enquanto a virgem abençoada foi o agente humano através do qual Cristo encarnou uma única vez, o sacerdote traz Cristo do Céu e o torna presente no altar como a eterna vítima dos pecados do homem, não uma vez, mas mil vezes. O sacerdote fala e Cristo, o eterno e onipotente Deus, inclina a cabeça em humilde obediência ao comando do sacerdote. Ele tem o poder de ir para o céu e puxar Cristo para baixo e sacrificá-lo novamente no altar da igreja.

No parágrafo seguinte, ele escreve:

De tal dignidade sublime é o ofício do sacerdote cristão que é assim privilegiado para atuar como o embaixador e vice-regente de Cristo na Terra. Ele continua o ministério essencial de Cristo. Ele ensina os fiéis com a autoridade de Cristo. Ele perdoa o pecador penitente com o poder de Cristo. Ele oferece, novamente, o mesmo sacrifício de adoração e expiação que Cristo ofereceu no Calvário. Não admira que o nome que os escritores espirituais gostam especialmente de aplicar ao sacerdote seja o nome Altar Christus, pois um sacerdote é outro Cristo.

Os sacerdotes católicos são vistos como “outros Cristos”, Altar Christus. Esta bizarra missa, essa tentativa bizarra de colocar o poder nas mãos dos homens não tem absolutamente nada a ver com as Escrituras. É uma perversa distorção da responsabilidade espiritual e do ministério pastoral.

Essas afirmações são realmente perturbadoras. Elas são para mim. Quando leio que Cristo é oferecido como um sacrifício sobre o altar romano – “nosso altar?” – quer dizer que Cristo, o Deus onipotente, inclina sua cabeça em humilde obediência ao comando do sacerdote católico e desce do céu para ser oferecido de novo e de novo mil vezes em sacrifício!? Isso não é ir longe demais?

  1. A MISSA

Bem, o Concílio de Trento, na sua 13ª sessão, em outubro de 1551, promulgou um decreto relativo ao santíssimo sacramento da Eucaristia, sendo que no final do decreto, havia uma lista de cânones que forneciam anátemas para aqueles que rejeitassem o ensinamento do conselho. Uma vez que esses cânones geralmente fornecem definições curtas e sucintas do ensino romano, como eu disse anteriormente, eu quero lhes dar alguns deles, especialmente acerca do conceito de transubstanciação.

Quando Cristo desce na missa para ser novamente oferecido em sacrifício, você sabe como Ele desce? Bem, os sacerdotes pegam o pão e o vinho e, literalmente, transformam isso no corpo e no sangue de Jesus. Isso é Cristo. É o que diz esse decreto do Conselho de Trento.

Veja o Cânon 1:

Se alguém negar que no santíssimo sacramento da Eucaristia está contido verdadeira, real e substancialmente o corpo e o sangue juntamente com a alma e divindade de nosso Senhor Jesus Cristo e por conseqüência o Cristo inteiro; mas pelo contrário, disser que apenas existe na Eucaristia um sinal, ou figura virtual, seja anátema.

Veja o que diz Cânon 2:

Se alguém disser que no sacrossanto sacramento da Eucaristia permanece substância de pão e vinho juntamente com o Corpo e Sangue de nosso Senhor Jesus Cristo, e negar aquela admirável e singular conversão de toda a substância do pão em Corpo e de toda substância do vinho em Sangue, permanecendo somente as espécies de pão e vinho, conversão que a Igreja Católica propiciamente chama de Transubstanciação, seja anátema.

Cânon 8:

Se alguém disser que Cristo, dado na eucaristia, somente é recebido espiritualmente e não também sacramental e realmente, seja anátema.

 Isso é realmente uma perversão. Onze anos depois, em 1562, foi realizada a 22ª sessão de Trento. Desta vez, o decreto promulgado foi intitulado “Doutrina sobre o sacrifício da missa” e o decreto diz isso:

Em virtude de que neste sacrifício que se faz na Missa, está contido e se sacrifica, sem dores, naquele mesmo a que Cristo Se ofereceu dolorosamente no altar da cruz, ensina o Santo Concílio, que este sacrifício é, com toda verdade propício, e que se consegue por ele que nos aproximamos do Senhor, arrependidos e penitentes e, se o fizermos com coração sincero, fé correta e com temor e reverência, conseguiremos misericórdia e encontraremos sua graça por meio de seus oportunos auxílios. Efetivamente aplacado, o Senhor, com esta oblação e concedendo a graça e o dom da penitência, perdoa os erros e pecados por maiores que sejam, pois a hóstia e o vinho são exatamente Ele, que agora é oferecido pelo ministério dos sacerdotes, Ele que outrora se ofereceu a Si mesmo na cruz, com apenas a diferença do modo de oferecer-se.

Isso quer dizer que há salvação na missa, que por causa da missa o Senhor concede a graça e o dom da penitência e perdoa até mesmo os mais graves crimes e pecados. Então, na doutrina católica, se você for à missa com a atitude certa, você será perdoado. Segundo a citação que acabamos de ler, não há diferença entre o que um padre faz e o que Jesus fez na cruz. Só o modo de fazer é diferente. O texto diz também que a missa salva as pessoas que estão vivas presentes nela, bem como as pessoas mortas que ainda não estão purificadas. Ouça ainda o que o decreto de Trento disse, Cânon 1:

Se alguém disser que não se oferece a Deus na Missa um verdadeiro e apropriado sacrifício ou que este oferecimento não é outra coisa senão recebermos a Cristo para que o possamos engolir, seja anátema.

Cânon 2:

Se alguém disser que naquelas palavras: ‘Fazei isto em memória de Mim’, Cristo não instituiu como sacerdotes os Apóstolos, ou que não lhes ordenou e aos demais sacerdotes que oferecessem Seu Corpo e Sangue, seja anátema.

 Ou seja, se você disser que Cristo não instituiu o sacerdócio católico para oferecer a missa, você é um anátema. Cânon 3:

Se alguém disser que o sacrifício da Missa é apenas um sacrifício de elogio e de ação de graças, ou mera recordação do sacrifício consumado na cruz, mas que não é próprio, ou que apenas é aproveitável àquele que o recebe, e que não se deve oferecer pelos vivos nem pelos mortos, pelos pecados, penas, satisfações nem outras necessidades, seja anátema.

Ou seja, se você disser que a missa não é propiciatória pelos pecados dos vivos, e se você disser que não é propiciatória pelos pecados dos mortos, você é amaldiçoado. Cânon 4:

Se alguém disser que se comete blasfêmia contra o Santíssimo Sacrifício que Cristo consumou na cruz ao se realizar o sacrifício da Missa, ou que por este se anula aquele, seja anátema.

Agora, o Cânon 5:

Se alguém disser que é uma impostura celebrar Missas em honra dos Santos e com a finalidade de obter sua intercessão junto a Deus como ensina a Igreja, seja anátema.

Cânon 6:

Se alguém disser que o Cânon da Missa contém erros, e que por esta razão ela deve ser anulada, seja anátema.

Esse cânon 6 cobre tudo, não é? É uma provisão geral contra todo tipo de crítica. Então, se eu puder resumir os ensinamentos da Igreja Católica Romana sobre a missa, a partir do Concílio de Trento, que preserva o papel principal do sacerdote, o resumo seria assim:

  • Jesus Cristo está, realmente, substancialmente presente no sacramento da Eucaristia.
  • A transubstanciação envolve a transformação de toda a substância do pão na substância do corpo de Cristo e transforma toda a substância do vinho na substância do sangue de Cristo.
  • Visto que se diz que Cristo está realmente presente na eucaristia, os elementos que se seguem à consagração são dignos de adoração. Eles os adoram.
  • O sacrifício da missa é chamado de propiciatório, uma vez que produz o perdão dos pecados.
  • Na instituição da missa na Ceia do Senhor, Cristo ofereceu seu próprio corpo e sangue ao Pai nos sinais do pão e do vinho e, ao fazê-lo, ordenou os apóstolos como sacerdotes do Novo Testamento e eles transmitiram seu sacerdócio.
  • O sacrifício da missa é propriamente oferecido pelos pecados, punição, satisfação e todas as necessidades, não apenas para os vivos, mas também para os mortos.
  • E, finalmente, quem nega a veracidade de qualquer uma dessas proclamações é amaldiçoado ou excomungado.

Agora, alguém pode querer dizer: bem, esse é o Concílio de Trento… isso ocorreu no século XVI. Esse ainda é o ensinamento da igreja católica? Absolutamente, com certeza é. E, como não poderia ainda ser o ensinamento da igreja, já que a igreja católica se autoproclama infalível e irreformável? É por isso que, na história da Igreja Católica, nada muda. A igreja esconde dentro de si sua dissidência, sua imoralidade, suas heresias. E assim ela perpetua o sistema.

A única coisa que a Igreja Católica não pode tolerar é qualquer tipo discordância com ela. E, portanto, está cheia de todos os tipos miseráveis ​​de crenças, todos os níveis de imoralidade e todos os tipos diferentes de desrespeito da própria lei católica pelos seus membros. Se você fizer uma pesquisa nos Estados Unidos sobre quantos católicos romanos creem que só devem usar o método rítmico (tabelinha) para evitar a concepção, você descobriria que é uma porcentagem muito pequena. Eles não cumprem o dogma católico ou a lei católica que proíbe o uso de contraceptivos.

Os padres não vivem de acordo com a lei católica, e nem certamente, com a lei bíblica. Mas, essas leis católicas nunca mudam. A igreja católica continua escondendo todo o erro e desrespeito a suas próprias leis para que nunca haja uma divisão. É por isso que a Reforma foi um ataque tão inacreditável ao sistema católico, porque foi uma verdadeira ruptura. Você não pode imaginar o poder que Deus demonstrou através dos reformadores para causar um golpe devastador no sistema católico, na Reforma.

No novo catecismo da Igreja Católica há apenas 9 parágrafos dedicados ao tema da justificação e 84 parágrafos dedicados à missa. Com isso, percebemos qual a ênfase do ensino católico. E celebrar a missa é função dos padres. Agora você entende a posição do padre. Ele opera na área dos sacramentos, principalmente na missa.

  1. O CELIBATO

Outro tema interessante acerca do sacerdócio católico é a questão do celibato. Eu penso que as estatísticas mais recentes que vi nos EUA seria algo como 80% ou 70% dos católicos romanos acreditam que os padres deveriam ser capazes de se casar. Então, eles têm dificuldade em engolir a questão do celibato no nosso país. Pode não ser o mesmo em outras partes do mundo. Mas, deixe-me falar sobre o celibato por um tempo.

O celibato tornou-se uma lei obrigatória da Igreja Romana imposta a todos os sacerdotes. E eles tentam fundamentar isso usando Mateus 19, onde Jesus disse que há eunucos para o reino de Deus. Lembra-se disso? Alguns homens são eunucos desde o nascimento, outros são feitos eunucos e alguns são eunucos para o Reino de Deus. Ou seja, há pessoas que são incapazes de procriar por causa de alguma malformação física; há pessoas que são incapazes de procriar porque foram feridas, prejudicadas, através de alguma violência; e há algumas pessoas que escolhem não se casar.

De fato, o apóstolo Paulo diz que, de certa forma, ser solteiro é melhor, 1 Coríntios 7, porque você não precisa se preocupar com uma esposa e família e pode dedicar-se ao Senhor. Mas, ele também diz em 1 Coríntios 7 que é melhor casar do que – o que? – do que arder em desejo ou se abrasar. É melhor casar do que arder em paixão. E, certamente, 1 Coríntios 7 deixa bem claro que a condição de solteiro não é preferível ao casamento. Tornar o celibato obrigatório é totalmente antibíblico.

Eles tentam mostrar que Paulo ensinou o celibato. Eles tentam torcer a Escritura para transformar Pedro em um homem não casado. Assim, em 1 Coríntios 9:5, é dito que “não temos nós direito de levar conosco uma esposa crente, como também os demais apóstolos, e os irmãos do Senhor, e Cefas?”. Só que a Bíblia Católica traduz esse versículo substituindo a palavra “esposa” por “irmã”. Porém, no texto original em grego, não é usada a palavra “adelpha”, que significa “irmã”. A palavra usada é “gynaika”, que significa “esposa”.

O que estou dizendo é que o celibato não é algo obrigatório, de acordo com a Escritura. De fato, há uma referência ao celibato na Bíblia e eu quero lê-la para você. 1 Timóteo, capítulo 4, ouça o que o apóstolo Paulo escreveu:

1 Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios;
2 Pela hipocrisia de homens que falam mentiras, tendo cauterizada a sua própria consciência;
3 Proibindo o casamento, e ordenando a abstinência dos alimentos que Deus criou para os fiéis, e para os que conhecem a verdade, a fim de usarem deles com ações de graças;
4 Porque toda a criatura de Deus é boa, e não há nada que rejeitar, sendo recebido com ações de graças.

O que Paulo escreveu aqui é isto: aqueles que proíbem o casamento estão defendendo uma doutrina de demônios. Eles estão ouvindo os espíritos enganosos. Eles são mentirosos hipócritas cujas consciências literalmente foram cauterizadas, então eles estão entorpecidos. Você pode ver que a Escritura associa o celibato, a proibição do casamento, com Satanás e eu realmente acredito que isso seja verdade.

Eu acredito que Satanás conseguiu assumir o controle do sistema católico romano. De várias maneiras, isso é manifesto, mas em termos claros, uma das maneiras pelas quais ele demonstrou sua presença nesse sistema é através da proibição do casamento, que Deus criou, segundo as Escrituras, para ser recebido com gratidão por todos aqueles que conhecem a verdade.  Tanto o casamento, como o alimento, devem ser santificados e recebidos com gratidão, porque vêm de Deus.

Também é verdade que no catolicismo romano existe certa restrição alimentar. Todo mundo que está no sistema católico romano sabe que não deve comer carne na sexta-feira. Isso também é retirado do paganismo.

O celibato cresceu lentamente no mundo católico. Tudo começou no século II. Antes disso, existia na Ásia. Existia no budismo e em algumas outras religiões pagãs. Isto é, a exigência de os sacerdotes não serem casados, permanecendo solteiros por devoção à sua divindade. Nessas culturas pagãs não havia nenhuma restrição sobre comportamento sexual. Apenas quanto ao casamento.

Existiam alguns poucos que faziam voto de absoluta abstinência de relações sexuais. Aí o sistema católico romano trouxe esse costume pagão para o cenário dito cristão. Isso ocorreu no século II. Foi resultado da influência do gnosticismo e do que é chamado de maniqueísmo, ou seja a ideia de que a matéria é má e espírito é bom e, portanto, a alma e o espírito de uma pessoa são bons e o corpo é perverso e tudo o que o corpo faz é perverso. E assim, nesse tipo perverso e distorcido de conceito gnóstico, eles sentiram que os níveis mais altos de espiritualidade eram alcançados por aqueles que, literalmente, negavam a seu corpo todos os seus desejos.

Com base nisso também, eles faziam votos de pobreza, votos de castidade. Este último seria diferente de um voto de celibato, pois o celibato tem a ver com casamento e a castidade está relacionada à atividade sexual. Eles faziam votos de obediência. Alguns deles faziam votos de silêncio. Eles não queriam que o corpo fizesse nada. Eles não queriam satisfazer qualquer um dos seus desejos. Eles queriam comer apenas dietas escassas e austeras, e alguns deles nem queriam ouvir o corpo falar e então faziam votos de silêncio.

E aí veio a ideia de que isso era uma imitação da virgem Maria, com total desconsideração pelo fato de que, após o nascimento de Jesus, Maria e José tiveram uma família cheia de filhos. Mas, a mentira do sistema católico é que ela foi uma virgem perpétua até a sua morte. Eles também defendiam o celibato, por Cristo ter sido celibatário e com isso estariam imitando a Cristo.

E a ideia que começou a se desenvolver era que, se as pessoas comuns estavam fazendo o voto do celibato voluntariamente, numa demonstração exterior de alto nível de devoção espiritual, seria imperativo que seus líderes também estivessem demonstrando esse mesmo alto nível. E, novamente, este pensamento é também de influência de algumas idéias filosóficas, de modo que os bispos e os padres deveriam ser os modelos do ascetismo [pensamento filosófico que defende a abstenção de qualquer prazer físico ou emocional, a fim de alcançar pureza espiritual].

Então, no século III, a igreja católica começou a ter padres celibatários e, pela primeira vez no século III, o Conselho de Elvira, na Espanha, publicou a primeira lei que podemos encontrar na história católica acerca do celibato. Bispos, sacerdotes e diáconos seriam depostos se vivessem com suas esposas e gerassem filhos após a ordenação. Eles permitiram que aqueles que já eram casados ​​continuassem casados, mas os que fossem ordenados a partir de então nunca poderiam se casar.

Um decreto semelhante foi promulgado pelo concílio romano, sob a liderança do papa Sirício, de 384 a 399. Assim, houve algumas declarações definitivas feitas naquele século, no século IV. Na época de Leão, o Grande, no século 5, a lei do celibato tornou-se obrigatória na igreja católica ocidental. A igreja oriental nunca realmente comprou a ideia do celibato – a igreja ortodoxa – mas a igreja ocidental o fez. As igrejas orientais permitiram que padres casados ​​permanecessem casados. Eles proibiram alguns solteiros de se casarem, mas isso foi exceção e não a regra.

Então, você vê a questão do celibato presente nos séculos III ao V, mas ainda não se tratava de uma lei imperativa. Isso aconteceu em 1079, no século 11. Ouça a citação:

Este mandado para o celibato gerou todos os tipos de imoralidade. As moradas dos sacerdotes eram freqüentemente covis de corrupção. Era comum ver padres frequentando tabernas, jogando e praticando orgias, com brigas e blasfêmia. Muitos padres mantiveram amantes e conventos tornaram-se casas de má fama. Em muitos lugares o povo ficou encantado ao ver o padre com uma amante porque assim as mulheres casadas estariam a salvo dele.

Essa lei dura estabelecendo a obrigatoriedade do celibato foi decretada por Hildebrand, que é conhecido na história católica como o papa Gregório VII. Ele viveu de 1023 a 1085. Por que ele fez isso? Por que ele decidiu que essa era uma lei fixa absoluta? Quando ele fez isso, imediatamente o que aconteceu foi que um padre, se ele iria continuar a ser um padre, era separado de sua esposa, totalmente, e de seus filhos para sempre. Mais do que isso, todos os seus bens  eram confiscados. Você entendeu as razões da obrigatoriedade do celibato? Foram de ordem política e material.

Os sacerdotes, até aquele momento, eram pessoas muito influentes. Eles eram pessoas muito poderosas. As pessoas davam-lhes coisas. Eles se tornaram ricos. Eles tinham famílias. Eles transmitiam essa riqueza para os herdeiros, de modo que a riqueza da família ficava sempre maior. E então, eles tinham famílias poderosas e ricas. Eles possuíam terras. Eles tinham influência de longo alcance.

Os padres tinham muita riqueza sob seu controle e a igreja estava de olho nela, pois eles passariam sua riqueza para seus herdeiros e essas famílias se tornariam cada vez mais poderosas. E, se a igreja quisesse assumir o controle do estado, se a igreja quisesse governar o mundo, teria que começar governando o país, e se iria governar o país, teria que tomar a propriedade e a riqueza das pessoas que estavam no poder.

Philip Schaff, o lendário historiador, disse que o motivo de a igreja católica se opor ao casamento dos padres era para evitar o perigo de uma linha hereditária que pudesse se apropriar da propriedade eclesiástica para uso privado e empobrecer a igreja. Então, os sacerdotes tinham que dar tudo o que tinham para a igreja e eles nunca poderiam ter uma família e assim, eles não teriam herdeiros.

Outro concílio, em 1123, proibiu todo casamento futuro de padres e declarou inválidos todos os casamentos existentes e o Concílio de Trento reiterou isso em termos inequívocos. As esposas dos padres perderam seu estado de casadas e ficaram sem nenhum bem ou renda para se manterem. Há algumas histórias realmente incríveis de algumas delas que morreram de fome. Algumas cometeram suicídio. Outras se tornaram andarilhas, moradoras de rua. E uma ironia bizarra é que os padres são chamados de pais. A quem eles estão enganando?

A propósito, o proprietário de terra número um no planeta é a Igreja Católica Romana. Eles continuam a acumular riqueza enorme, além da conta. É sempre uma curiosidade quando você está na Praça de São Pedro em Roma e olha para o Banco de Spiritus Sanctus, o Banco do Espírito Santo. Tudo é expresso em termos religiosos. Ao longo da História, durante o tempo de implantação do celibato obrigatório, os padres que não obedeciam foram expostos ao desprezo pelas pessoas. Eles foram até atacados pelo povo, então houve uma tremenda pressão para que eles obedecessem à igreja.

Eles, desse modo, foram reduzidos à extrema pobreza. Há histórias de padres sendo mutilados pelo povo. Se eles não cedessem, as pessoas literalmente os atacariam e mutilariam. Alguns foram torturados e alguns foram expulsos da cidade e exilados. Se eles não entregassem sua propriedade de boa vontade, a igreja a tomaria e os exilaria. Seus filhos, então, foram designados como filhos ilegítimos. Foi uma tragédia horrível.

Assim, o motivo por trás do celibato obrigatório era poder, riqueza. Então, você tem esse cenário feio. Há o escândalo de uma teologia pagã, aberrante, não bíblica, bizarra, do sacerdócio e da missa. Há o escândalo do poder e do materialismo apegado a um sistema religioso satânico que quer engolir a Terra. A Enciclopédia Oxford da Reforma, Huntz Hildebrand, editora, Oxford University Press, 1996, assim coloca:

Os padres que não eram casados ​​muitas vezes viviam em relacionamentos de concubinato de longo prazo, recebendo dispensas especiais de seus supervisores clericais para que seus filhos fossem legitimados. Essa prática começou a mudar no século XII, quando no Concílio de Latrão a igreja declarou todos os casamentos clericais inválidos e proibiu o concubinato clerical. Até então, o padre poderia ter uma amante por algum tempo, mas eles proibiram isso. Muitos clérigos menores reagiram revoltando-se contra o celibato, mas gradualmente o celibato tornou-se a norma.

As mulheres de famílias honradas não entraram mais em relacionamentos com os padres, sabendo que esses nunca poderiam ser declarados casamentos válidos. A proibição de concubinato e outros tipos de atividade sexual não matrimonial entre os clérigos era difícil de ser aplicada na prática e os padres mantinham suas amantes. Diante disso, por volta do século XIV, as autoridades da igreja simplesmente defendiam a discrição. Apenas que os sacerdotes fossem discretos em sua má conduta sexual.

Então, o que aconteceu foi que a obrigação do celibato para os sacerdotes os colocou sob a tentação de todos os tipos de imoralidade. Lembre-se: essas pessoas não são convertidas, certo? Elas não podem ser, simplesmente porque têm uma teologia abominável. Então, não têm poder para restringir a carne, certo? As moradas dos sacerdotes, então, nesse período de tempo e durante toda a Idade Média, tornaram-se casas de corrupção e depravação.

Era comum ver os tipos mais graves e grosseiros de pecado praticados pelos sacerdotes. Houve alguns que fizeram voto de castidade e fizeram um esforço para serem puros, mas um voto de celibato não era um voto de castidade. E a propósito, de acordo com a lei canônica, a lei da Igreja Romana, um voto de celibato é quebrado se o padre se casar, mas não é quebrado se ele se envolver em relações sexuais fora do casamento. O sacerdote não quebra o voto de celibato, diz a lei canônica, mantendo relações sexuais. Ele tem que se casar para quebrar a lei do celibato.

Portanto, um sacerdote católico celibatário não é necessariamente alguém de conduta moral pura. E, além disso, estou lendo o dogma: “O perdão para as relações sexuais mantidas por um sacerdote vem da confissão a um colega padre“. Humm, isso é tudo que você precisa fazer… Você me conta a sua escapada e eu lhe direi a minha, certo? Isso é tudo que um sacerdote precisa fazer para lidar com sua imoralidade.

Veja, você pega homens com desejos sexuais normais, você os coloca em uma situação em que isso é reprimido neles e essa restrição é feita  sem qualquer intervenção do poder divino, de modo que ela é impossível de ser mantida e acaba impulsionando a luxúria. A concupiscência da carne, dos olhos, a soberba da vida é o que faz as pessoas vibrarem. A igreja pega esses homens e os coloca em mosteiros, em seminários, em conclaves com outros homens com o mesmo tipo de frustrações sexuais reprimidas e todo dia os colocam em um confessionário, no anonimato, onde se sentam e ouvem todas as confissões de suas iniquidades e você me diz que é um ambiente saudável e que um homem não convertido vai se sentar naquele ambiente e ter pensamentos sagrados?

Isso é uma maldição! Isso produz um nível de hipocrisia que é impressionante. A propósito, um padre obtém a absolvição do pecado sexual por confissão a um colega padre. Mas, para qualquer padre que tenha se casado obter a absolvição de seu pecado por ter se casado, só tem um caminho: o papa. E o papa estipula penalidade severa para esse tipo de “pecado”. Por quê? Porque eles se incomodam mais com o padre que se casa e o impacto que isso terá no poder do sistema do que com um padre que comete pecado sexual.

O casamento é muito pior para eles do que o pecado sexual, porque ameaça o poder e a propriedade da igreja. E ainda, diante disso tudo, não é bizarro que a Igreja Católica Romana sustente que o casamento é um sacramento? E, no entanto, é um sacramento que é negado às “pessoas mais sagradas” – padres e freiras. A propósito, o Concílio de Trento declarou um anátema contra todos os que ensinam que o estado de casado é preferível ao celibato. Então, eles amaldiçoaram quem pensa que o casamento é preferível.

Você sabe, Jesus mesmo disse que nem todos os homens podem suportar o celibato. Paulo disse que é melhor casar do que arder-se em desejo. Deixe-me dizer, isso é verdade mesmo para pessoas solteiras que não são sacerdotes e que prolongam sua solteirice. Vou te dar um pequeno conselho: não prolongue sua solteirice. Cuidado com a tentação.

Aos olhos do catolicismo, há uma impureza inerente ao casamento. E isso é influência da ideia gnóstica do mal da carne, como falamos anteriormente. Eles estabeleceram que há uma impureza no desejo romântico. Há uma impureza no amor normal. Há algo vergonhoso nisso e o desejo de procriação é de alguma forma o inimigo da devoção espiritual.

Fico pensando nesses sacerdotes católicos. Acho que eles são, literalmente, em muitos casos, bombas-relógio sexuais. É só uma questão de quando vão explodir. Esse grupo de pessoas em si tem uma visão tão distorcida do casamento, porque é obcecado com o aspecto sexual dele. Eles pensam que casamento é somente para o sexo e procriação de pequenos católicos. E isso é tudo.

Fiquei fascinado ao ler no livro de Lorraine Boettner, O Catolicismo Romano. Eis uma citação do mesmo: “A maior coleção do mundo de livros sobre o assunto do sexo está na biblioteca do Vaticano”. E quem os lê? Essas pobres pessoas, os sacerdotes católicos. Seria melhor que eles fossem para a prisão por algum tempo, mas quando saíssem pudessem viver uma vida normal. Para entender a posição católica romana em relação ao agrupamento de homens e mulheres em mosteiros, você precisa entender o ponto de vista básico subjacente a esse sistema.

Durante a Idade Média, desenvolveu-se na teologia romana a ideia de que o trabalho do homem deveria ser dividido. Isso é realmente importante em seu sistema. Na Idade Média, o trabalho do homem deveria ser dividido em natural, ou secular, e espiritual. Essas duas categorias são totalmente separadas.

Somente o espiritual era agradável a Deus e, mais uma vez, isso é mais uma influência da mesma filosofia dualista antiga. Consequentemente, enquanto o homem natural poderia estar satisfeito com as virtudes comuns da vida diária, o homem místico desdenhava de todas as questões da vida diária e tudo o que ele queria fazer era desenvolver seu lado espiritual e queria ir a algum lugar em profunda contemplação e buscar o espiritual.

O natural era visto como um obstáculo para isso. Ou seja, um emprego, uma esposa, filhos, uma casa eram obstáculos para o desenvolvimento da vida espiritual. Pois a vida do monge e a vida da freira, afastando-se da sociedade, retirando-se do trabalho, retirando-se da cultura, do mundo, retirando-se para esse claustro, perdendo-se na contemplação mística, pensava-se ser realmente a vida superior. Então, eles começaram a usar todas essas roupas pretas, as mesmas que eles usam desde a Idade Média.

Toda vez que você vê esses caras desfilando nessas roupas bobas, eles estão vestindo trajes da Idade Média que deveriam nos levar a pensar que eles estão acima dos demais mortais que ainda estão presos ao natural. Eles realmente acreditam que com a exclusão do mundo, a imagem de Deus perdida na Queda poderia ser restaurada. O celibato, nesse contexto, seria o estado de maior santidade. Alguns deles até se emascularam, amputaram seus órgãos sexuais, pensando que com isso removeriam a tentação.

Em última análise, a visão de que o mundo natural é pecaminoso, uma esfera a ser evitada tanto quanto possível, desenvolveu um desprezo pelas coisas do mundo e partiu para essas posições. Você pode ler as histórias sobre pessoas que trilharam por esses caminhos e apenas foram atormentadas pelas chamas da tentação. Leia a história de Heloísa e Abelardo. É horrível tentar viver assim.

Mas, a Reforma veio e demoliu tudo isso, estabelecendo, em primeiro lugar, um fato teológico muito importante: que aos olhos de Deus não há diferença entre o sagrado, o espiritual e o secular, porque tudo o que você faz, se você come ou bebe, você faz para a glória de Deus. Assim, Deus pode ser glorificado na maneira que você come seu jantar. O protestante compreendeu, e a Reforma entendeu, que você serve a Deus não se afastando do mundo. Jesus até orou “Pai, não peço que os tire do mundo, mas que os livres do mal”.

Acreditamos que o mundo está caído, mas é o mundo do nosso Pai, não é? Eu posso olhar para tudo neste mundo, exceto o pecado, e eu posso ver um caminho para glorificar a Deus. A Reforma espalhou um tom sagrado sobre tudo. Tudo no sistema católico que estava relacionado ao sacerdócio, fossem os conventos, o ascetismo dos eremitas aos monges, era fruto de que eles viam tudo como algo perverso, porque eles desenvolveram a ideia de que tudo que é material é em si mesmo perverso e, portanto, eles perderam a realidade da vida espiritual. Mas a realidade espiritual  é que vivemos aqui neste mundo e tudo neste mundo nos dá a oportunidade de glorificarmos a Deus.

Você sabe, os sacerdotes de mosteiros – eu os chamo de reclusos – são homens solteiros. É apenas bizarro e anormal. Dizem que nos Estados Unidos agora 50% deles são homossexuais quando chegam lá. O resto não tem chance. Essas pessoas são predadores. Conventos também promovem um tipo anormal de vida, fazendo coisas terríveis para essas mulheres que estão lá. Muitas são bem intencionados, como alguns padres são.

Há um lugar para o celibato voluntário. É uma bênção, se você tiver o dom, como Paulo disse. Mas negar a vida familiar normal, negar relacionamentos normais a alguém é uma coisa cruel feita pelo poder do sistema católico. Você sabe, a coisa que é tão triste sobre padres é que eles absolutamente não têm nenhum passado, porque quando entraram no sacerdócio, ou as freiras quando entraram no convento, desistiram de todos os seus bens e de todos os seus relacionamentos. Eles citam para eles que se um homem “não deixar pai e mãe e odiar pai e mãe, não pode ser discípulo de Jesus”.

E então, há um forte desejo de odiar tudo o que seus pais representam, e a pessoa elimina seu próprio passado. Também não tem presente, porque não compartilha a vida com ninguém e, com certeza, não terá futuro. É triste. Estes tipos de restrições desnecessárias não ajudam na santidade pessoal, deixe-me dizer. Elas são um obstáculo; um grave obstáculo para isso. Charles Hodge, o teólogo, escreveu isso, e eu acho que é bom lembrar disso em sua Teologia Sistemática:

É apenas em um estado de casado que alguns dos mais puros, desinteressados ​​e mais elevados princípios de nossa natureza são chamados para o exercício. Tudo o que diz respeito à piedade filial e ao afeto dos pais – e especialmente materno – depende do casamento para sua própria existência. É no seio da família que existe um apelo constante por atos de bondade, de abnegação, de paciência e de amor. A família, portanto, é o espírito que melhor se adapta a todas as virtudes sociais e pode-se afirmar com segurança que há muito mais excelência moral e uma verdadeira religião nas famílias cristãs do que nas desoladas casas dos sacerdotes ou nos conventos cristãos, as células sombrias de monges e freiras.

Os sacerdotes católicos são pessoas quebradas, despedaçadas, trágicas, tristes e desconectadas. Nenhum passado, nenhum presente, nenhum futuro. Eles menosprezam a santidade do relacionamento matrimonial. A eles são negados relacionamentos normais, a amizade do casamento. Eles são vítimas de um sistema terrível sem nenhuma base bíblica. É um processo destruidor da alma que os deixa em uma situação de tentação desenfreada, exposição ao pior. E a única maneira de satisfazer esses desejos é pecando. E, lembre-se que eles não têm o poder de restrição que habita em uma vida transformada ou santificada. Emmett McLoughlin, um ex padre, escreveu:

A vida de um padre é extremamente solitária. Ele mora em uma grande reitoria. Ele ainda está solitário. Outros padres não estão interessados ​​nele ou em suas dúvidas e escrúpulos. Se ele é o único padre em uma missão solitária de paróquia ou deserto, ele ainda estará mais sozinho. À medida que seus anos passam e as lembranças do seminário e sua rigidez desaparecem, a percepção pode ser de que sua vida não é sobrenatural, mas uma completa frustração mental, espiritual e física.

Ele vê em sua paróquia e em sua comunidade uma vida normal da qual ele foi cortado, ele vê a infância espontânea que lhe foi negada. Ele vê a companhia inocente e normal da adolescência que, para ele, nunca existiu. Ele realiza os ritos do matrimônio casando homens e mulheres jovens de olhos estrelados, que prometem um ao outro os ritos e prazeres mais naturais. Ele está sozinho e solitário no altar quando se afastam dele e, confiantemente, imprudentemente, entrem felizes em seu futuro lar, família, trabalho, problemas e no sucesso de uma vida normal.

Mais do que qualquer outra coisa, ele procura companhia; a companhia de pessoas normais, não frustradas, vítimas desiludidas como ele. Ele quer a companhia de homens e mulheres jovens e velhos através dos quais ele possa, pelo menos indiretamente, participar de um relacionamento  que para ele tem sido negado, e pelo qual, pelo menos, subconscientemente, a profundidade de sua natureza anseia. Nenhum padre que tenha ouvido as confissões de outros padres e tenha qualquer respeito pela verdade negará que os assuntos sexuais sejam extremamente comuns entre os clérigos. A principal preocupação da hierarquia é que os padres mantenham tais casos silenciosos.

Essa é a triste realidade. Esse é o escândalo. E nesse ambiente, todos os tipos de pecado são abundantes. Em muitos países do mundo, é predominantemente o pecado heterossexual. Os padres mantêm relações com as mulheres da paróquia, prostitutas ou até freiras. Mas, nestes tempos modernos, e certamente nos últimos 50 anos, como está sendo denunciado agora, o homossexualismo é um pecado frequente entre os sacerdotes católicos.

Na verdade, eu li um artigo interessante. Foi uma peça editorial, penso eu, no L.A. Times, em que alguém estava escrevendo e dizendo que todo esse problema foi causado pela própria igreja católica. A igreja forçou isso. A igreja tem forçado isso a acontecer, esse abuso de meninos, essa pedofilia, porque a igreja diz que a homossexualidade é um pecado – esse é o caráter bizarro desse texto – e para os  católicos que cometem esse pecado poderem ser aceitos pela igreja, a única coisa que eles podem fazer é tornarem-se padres. Assim, a igreja, identificando a homossexualidade como um pecado, forçou os homossexuais que queriam ser bons católicos a entrarem para o sacerdócio.

Eu li outro artigo de hoje, no New York Times, em que eles estavam preocupados que agora haveria uma caça às bruxas homossexual na Igreja Católica dos Estados Unidos. Existem 45.000 sacerdotes e haveria uma caça às bruxas tentando resolver a questão dos homossexuais. Todos os grupos de lobby homossexuais estão preocupados com o que vai acontecer. O sacerdócio católico é o lugar que você gostaria de estar se fosse um homossexual. Essa é a triste realidade do que aconteceu.

E apenas uma palavra sobre isso: a pedofilia no sacerdócio católico não é causa, mas consequência de uma longa trilha de conduta pornográfica. Você não começa por aí, você termina aí. É assim que é. Você pega o que está lá no início e, em seguida, o desvio exige um comportamento cada vez mais repugnante. Uma certa pessoas que lida com a aplicação da lei me disse: “A pedofilia é o vagão em um trem comprido”. Assim, é fácil entender porque isso acontece nesse sistema terrível.

Mas, eles não podem mudá-lo. Eles não podem mudar, porque pelo dogma católico a igreja é infalível. Logo, não precisa de mudança. Um dos elementos disso é que se um padre peca na área sexual, ele não pode ser despedido ou destituído e, desde que ele não se case, tudo o que precisa fazer é confessar seu pecado a outro padre. Isso perpetua o poder do sistema. É por isso que você pode ver os cardeais indo todos para a Itália e voltando e o que aconteceu? Nada. Nada aconteceu, porque nada pode acontecer. [nota: John MacArthur está se referindo a escândalos recentes no clero católico americano na época que esse sermão foi pregado.]

O papa, o que ele disse? Nada. Não há nada a dizer. A imoralidade dos mosteiros e conventos é lendária por toda a parte. Eu estava lendo um artigo que falava sobre quantas crianças nas pequenas cidades da Itália são  filhas dos sacerdotes a quem eles chamam de tio. O celibato forçado é propício para a perversão sexual. Você sabe, Calvino lidou com isso. Ele disse o seguinte, nas Institutas:

Em uma instância, eles são muito rigorosos e inflexíveis, isto é, em não permitir que os padres se casem. Com isso, a impureza a fornicação se enfurece entre eles. Encorajados pelo seu celibato poluído, tornaram-se endurecidos a cada crime. Essa proibição não apenas privou a igreja de pastores íntegros e capazes, mas formou um horrível abismo de enormidades e precipitou muitas almas no abismo do desespero.

O rei Henrique VIII, da Inglaterra, em 1535 nomeou comissários para inspecionar todos os mosteiros e conventos. Boettner escreveu: “Tão terríveis foram as crueldades e corrupções descobertas, que um clamor veio da nação de que todas essas casas, sem exceção, fossem destruídas”. E olhe que Henrique VIII não era um modelo de virtude. Mas, mesmo assim ele destruiu esses lugares. E a queda dos mosteiros foi atribuída à monstruosa vida dos monges, dos frades e das freiras.

Henry Bamford Parkes escreveu sobre a história do México e veja o que ele diz sobre esse assunto:

O concubinato clerical é a regra e não a exceção, sendo que frades percorriam as ruas das cidades com mulheres em seus braços. Muitos dos padres eram ignorantes e tirânicos, cujo interesse principal em seus paroquianos era a exigência de casamento, batismo e taxas de funeral, e que estavam aptos a abusar do confessionário.

É algo terrível.

  1. UMA NOTA SOBRE AS FREIRAS

Há muitas coisas interessantes sobre as freiras. Eu costumava sempre me perguntar por que alguém se  tornaria uma freira? Por que alguém faria isso? Em minha leitura, descobri que o confessionário é o estande de recrutamento dos conventos. Quando uma mulher entra em um convento, ela renuncia à família. Basicamente, ela tem que odiar seus pais e sua família. É uma desconexão difícil para uma mulher, mais do que é para um homem. Ela tem que matar todos os instintos maternais, que são dados por Deus. Ela tem que matar a ideia de ser cuidada por um homem, que é dada por Deus, para entrar neste ambiente estóico.

Ela recebe uma aliança de casamento, porque está se casando com Jesus. Ela tem que usar aquele traje medieval bizarro que consiste em um longo vestido preto, um símbolo de dor. É assim que é. É um símbolo da morte. E também um véu grotesco, que não é bom no verão ou no inverno ou no vento. Mas você sabe, eles as recrutam no confessionário… Eles se aproveitam especialmente das mulheres que estão saindo de um relacionamento destruído e estão profundamente feridas.

Eles as conhecem, porque numa igreja paroquial, as mesmas pessoas continuam frequentando as missas. E aí, quando essas mulheres que estão passando por alguma dificuldade, por um momento de fraqueza, vão ao confessionário, são assediadas para fazerem este compromisso bizarro. Emmett McLoughlin escreve:

A freira é um dos produtos mais notáveis ​​da Igreja Católica Romana. Ela é uma escrava absoluta, cuja disposição de oferecer sua vida deveria encher os líderes comunistas de ciúmes. A sua escravidão é dissimulada pela hierarquia da igreja através da aliança que usa no dedo. Ela é aquela que acredita que, ao lustrar os sapatos do bispo, servir sua mesa ou esfregar o chão, ela está reunindo um tesouro no céu. Ela é aquela que torna possível a existência das centenas de hospitais da igreja, aquela que ensina em escolas e orfanatos paroquiais.

Ela também é uma mulher com todos os desejos, instintos, amores e ódios que uma mulher é capaz de ter, subserviente através da doutrinação de seu casamento com Cristo. Muitas vezes é maliciosa e fofoqueira para com freiras e enfermeiras hospitalares, pairando sobre padres e crianças, matriarcais em suas políticas mesquinhas para o controle de seu hospital e convento.

E ainda há as freiras de clausura, que é realmente um grupo estranho. Você sabe que há freiras que fazem um voto de silêncio e passam a vida inteira sem nunca falar? Nunca dizem uma palavra. E elas acreditam que de alguma forma vão conseguir a salvação a partir disso. Boettner diz:

Na configuração da Igreja Católica Romana, é a caixa confessional que capta mulheres para os conventos de freiras. O trabalho de base é feito sobre a menina católica na escola paroquial, onde a freira é feita um objeto de glamour santo, uma réplica da Virgem Maria. A instituição do confessionário torna fácil para os padres encontrar as garotas que eles querem.

Geralmente as confissões começam aos sete anos de idade. Através delas, o sacerdote passa a conhecer o próprio coração e alma daquelas que confessam, as que seriam desejáveis para o serviço da igreja, as que podem ser persuadidas e as que não podem. É fácil para um padre treinado aproveitar uma fantasia passageira e transformá-la em uma vocação em grande escala.

Uma vez que a vítima tenha sido escolhida, a pressão é aplicada direta e indiretamente sobre ela até que a batalha seja vencida. Apelos são feitos ao senso do dever cristão da menina. A relutância natural da menina em entrar em tal vida é retratada como a influência maligna do mundo e do Diabo. Geralmente, o momento mais oportuno para persuadir uma garota a entrar em um convento vem logo depois de ela ter ficado desapontada com o amor. O romance arruinado muitas vezes proporciona ao padre sua oportunidade mais valiosa.

Helen Conroy escreveu:

Uma garota abandonada, na primeira onda de vergonha e agonia pelo término de seu romance, é uma vítima fácil para qualquer padre. Sabendo que tal dor intensa não pode durar muito tempo, uma menina é logo convidada a entrar para um convento. A pobre garota vê nele uma chance de fugir de uma situação embaraçosa. Isso é combinado com o fato de que ela está certa de que pode sair quando quiser, o que levou milhares a se precipitarem na sua decisão de entrar para o convento.

Elas desistem de tudo o que possuem, é claro, naquele momento, que se torna imediatamente a posse da igreja. E, então, Conroy escreve em seu livro Mulheres Esquecidas em Conventos:

A mente da moça é envenenada contra a mãe que a carregou, o pai, irmãs e irmãos. Essa instigação de ódio aos pais é a mais tenebrosa. É desumana. Esta doutrina de ódio das freiras quanto a seus pais e irmãos explica completamente porque a menina não tem permissão para se desfazer de seus bens até 60 dias antes de ela tomar o véu e os votos. A igreja espera plenamente que a menina tenha aprendido que seu convento é o seu verdadeiro lar.

E assim vai. Bem, eu poderia dizer mais, mas o tempo passou. Só uma coisa: estima-se que haja 100.000 mulheres nas clausuras. Você já ouviu falar das irmãs carmelitas? Alguns de vocês sim. As irmãs carmelitas não ensinam nem cuidam dos idosos, dos órfãos ou das crianças. Elas fazem um voto de completo silêncio.

Às 5:30 elas se levantam de suas paletes – tábuas de madeira sobre cavaletes onde se deitam – pois fizeram um voto de pobreza. Às 8:30, comem uma fatia de pão e bebem uma xícara de café preto. A mesa é posta com utensílios de madeira simples e um jarro de água coberto. No meio da mesa está a máscara da morte – uma caveira – para simbolizar pensamentos de morte, de que somos seres mortais que logo passaremos para o desconhecido. Sua principal refeição do dia é peixe e legumes. Sua refeição da noite é sopa e pão. O dia termina às 11:00 da noite, quando elas silenciosamente retornam às suas celas. Essa é a vida delas.

Como essas almas miseráveis ​​podem ser alcançadas? Como você tem acesso a alguém em um convento? Você vê como isso é uma estratégia de Satanás? Trancá-las em uma religião falsa para que absolutamente ninguém possa chegar perto delas e, em seguida, estimulá-las a fazerem um voto de silêncio. Elas não podem fazer perguntas ou conversar. Isso é uma coisa má. Como você alcança essas pessoas? Como você alcança padres?

  1. CONCLUSÃO

Você sabe que há todos esses evangélicos ecumênicos que pensam que devemos abraçar este sistema. Isso não é bizarro? O que precisamos fazer é resgatar essas pessoas e a única maneira de serem resgatadas é através do evangelho. Creio que temos que dizer o que deve ser dito. O New York Times de 19 de abril, num artigo de Laurie Goodstein, diz que até o momento a contagem é de cerca de mil padres que estão sendo acusados ​​de abuso sexual e o número de mulheres abusadas de uma forma ou de outra pelos padres vai exceder ao de homens.

O que fazemos com essas pobres pessoas que estão presas nesse estilo de vida terrível e pecaminoso? Bem, há apenas uma coisa a se fazer e é apresentar-lhes o evangelho. O World Net, de 29 de abril, três dias atrás, informa que  “o agressor homossexual masculino médio abusará de 150 garotos; enquanto a média de um violador heterossexual é de 20 garotas”. A pedofilia é uma parte básica do movimento homossexual, então isso é um escândalo de enormes proporções, mas mais do que apenas um escândalo, esse é um horrível sistema satânico que conquistou as almas dos homossexuais.

Não há como fazermos qualquer tipo de aliança com isso. Richard John Neuhaus disse que não é a favor da proibição de homens gays no sacerdócio. Ele declarou: “Acho que provavelmente descobriríamos que estaríamos excluindo retroativamente muitos bons santos canonizados ao longo de dois mil anos.” Ou seja, ele está dizendo que, se  os homossexuais forem proibidos de exercerem o sacerdócio, o sistema católico poderia estar banindo os santos canonizados nos últimos 2.000 anos. Ele está confessando, então, que este é um problema enfrentado pela igreja católica a um longo prazo? Se eu fosse ele, eu não teria dito isso. É uma confissão contra o sistema.

Essas pessoas precisam ser libertas. Você diz, como fazemos isso? Bem, se você encontrar um deles, você precisa tratá-los com compaixão, mas precisa reconhecer que eles provavelmente estão em um tumulto muito profundo e você pode falar sobre liberdade e libertação em Cristo, “se o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres”. Vamos orar para que Deus comece a nos dar oportunidades para testemunhar a padres e freiras. Isso não seria ótimo? Assim, enquanto todo o sistema está desmoronando, essas vidas podem ser resgatadas.

Lembremo-nos de que nenhum homossexual – 1 Coríntios 6 – nenhum sodomita entrará no Reino de Deus, certo? Mas Paulo, então, seguiu dizendo que tais eram alguns de vocês, mas vocês têm sido o quê? Lavados. Vamos orar para que Deus nos dê uma oportunidade de ver algumas dessas pessoas terríveis e aprisionadas em um sistema satânico sendo lavadas e santificadas.

Você não pode ser um pastor, se você não é o marido de uma esposa, certo? Você não pode ser um pastor, se você não governou bem sua própria casa. Você não pode ser um pastor, se não tiver filhos fiéis que não sejam acusados ​​de dissipação ou insubordinação. Essas pessoas não podem ser pastores. Além disso, eles não são cristãos.

Ouça isso: “Se você diz que tem comunhão com ele, mas anda nas trevas, mente e não faz a verdade”. Eles dizem que têm essa elevada comunhão com Deus. Isso é uma mentira. E você quer saber, eu acho que, em muitos casos, eles sabem disso. Eles sabem que não há vitória sobre a terrível situação deles. Ah, provavelmente há algumas exceções para isso, homens e mulheres que fazem o bem e se sentem bem com isso. Pode até haver algumas pessoas que realmente confessaram que Jesus Cristo é o Senhor e que foram redimidas e ainda estão presas em algum lugar nesse sistema. Deus poderia fazer isso. Isso deve ser outro tipo de tortura.

Nós não precisamos de nenhum sacerdote. Apocalipse 1: “Vocês são um reino de sacerdotes”. Precisamos apenas de um Sumo Sacerdote. E esse não é o Papa. Nós temos um mediador, o homem Jesus Cristo. O véu está rasgado. Nós vamos direto para o santo dos santos. Você é um sacerdote e eu sou um sacerdote para Deus.

Vamos orar.

Pai, nós Te agradecemos esta noite por esse tempo maravilhoso juntos. Diante de tudo o que relatamos, nossos corações estão de fato tomados e angustiados. Quão terrível é esse sistema! E como é possível que no mundo evangélico, Senhor, as pessoas possam olhar para esse sistema e pensar que de alguma forma tudo isso seja bom e que se trata apenas de outra denominação e deixar esses pobres, obscurecidos, ignorantes, assediados, tragicamente encarcerados, presos nesse sistema? Senhor Deus, no meio de tudo isso, atraia algumas dessas pessoas para o Teu Filho. Que eles possam despertar para o verdadeiro evangelho e que eles não sejam tão enterrados sob as perversões e mentiras do sistema romano, que não possam ressuscitar dos mortos. Tu serias assim gracioso? Se o Senhor quiser nos usar ao longo do caminho para a realização dessa obra, ficaremos satisfeitos. Para a Tua glória eterna, Senhor, nós pedimos estas coisas em nome de Cristo. Amém.


Esta é  uma série de sermões de John MacArthur sobre Heresias do Catolicismo Romano, conforme links abaixo.


Este texto é uma síntese do sermão “The Scandal of the Catholic Priesthood”, de John MacArthur em 01/05/2002.

Você pode ouvi-lo integralmente (em inglês) no link abaixo:

https://www.gty.org/library/sermons-library/80-264

Tradução e síntese feitos pelo Site Rei Eterno

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *