A Palavra da Cruz (3)

Imprimir

Este é o terceiro sermão de uma série de 3 sermões de John MacArthur sobre I Coríntios 1:18 a 2:5, conforme links no final deste texto.


Continuaremos nosso estudo em I Coríntios 1:18 até 2:5. Vimos o contraste entre a sabedoria de Deus e a sabedoria dos homens. Se você perdeu os dois primeiros sermões dessa série, recomendo que desfrute deles [veja links no final deste sermão]. Antes de continuarmos de onde paramos, vamos revisar alguns pontos.

Eu li esta semana sobre uma pequena vila inglesa que tinha uma pequena capela, como muitas aldeias inglesas têm. A capela era feita de pedra e tinha paredes cobertas com plantas tradicionais. Sobre o arco, quando a capela foi originalmente construída, eles inscreveram as palavras: “Nós pregamos Cristo Crucificado”, para que todos que entrassem soubessem para o que estavam ali. E houve uma geração de homens piedosos que fizeram exatamente isso. Eles pregaram Cristo crucificado.

Mas os tempos mudaram, as plantas trepadeiras cresceram e logo cobriram a última palavra, de modo que a placa passou a dizer: “Nós pregamos Cristo”. E os homens já não eram os mesmos. E assim, outros homens vieram ali e pregaram o Cristo humanitário, o Cristo professor ideal. E os anos se passaram, a trepadeira cresceu mais ainda e, finalmente, a placa passou a informar: “Nós pregamos”. E, assim, a pregação passou a ser sobre economia, evangelho social, resenhas de livros, qualquer outra coisa. E talvez isso represente uma espécie de ilustração de como a filosofia do homem afeta o evangelho.

A sabedoria do homem está realmente no negócio de corromper o evangelho de Cristo. E do ponto de vista histórico, quando você olha para a igreja, é precisamente isso que aconteceu. Não há lugar dentro da igreja de Jesus Cristo para a mistura da filosofia humana com a revelação divina. Deus não precisa disso. Se Ele precisasse de algo, Ele teria dito isso. A opinião humana não faz nada além de anular a revelação de Deus.

Vimos como o ateísmo evolucionista entrou na igreja sob a camuflagem do evolucionismo teístaVimos como os princípios simples da Palavra de Deus para o caráter e comportamento humano foram misturados com a psicologia freudiana. E daí surgiu uma mistura conhecida como aconselhamento cristão. A revelação de Deus nunca realmente precisou da filosofia humana, esta apenas corrompe a verdade.

Vimos que Paulo escreve a uma igreja cheia de problemas e divisões. Um razão para divisões era o engrandecimento de líderes, fato que estava levando a igreja a contendas e disputas. A nenhum líder humano deve ser dada a fidelidade que pertence somente ao Senhor. Eles estavam dizendo: “Eu sou de Paulo, e eu de Apolo, e eu de Cefas, e eu de Cristo” (I Coríntios 1:12). Aqui vemos a criação de facções. No verso 13, Paulo diz: “Está Cristo dividido? Foi Paulo crucificado por vós? Ou fostes vós batizados em nome de Paulo?”.

Havia uma segunda causa de divisão, e era consequência de convertidos oriundos de uma sociedade entorpecida com filosofias múltiplas, sendo que essas pessoas vinham para a igreja mantendo as disputas filosóficas mundanas. Muitos mantiveram identidades filosóficas conflitantes e levaram esses conflitos para dentro da igreja. E assim, do verso 18 até o final do capítulo 1 de I Coríntios, Paulo trata desse grave problema. Eles arrastaram suas perspectivas, suas opiniões sobre as várias coisas do mundo para dentro da igreja e criaram pequenos grupos e se uniram em torno de um ponto de vista sem importância no destino do homem ou na vida do homem.

E o que aconteceu foi que a igreja foi dividida em todos esses pequenos grupos. Muitos alegando serem crentes, mas presos às suas antigas filosofias. Então, Paulo escreve de 1:18 a 2:5 para mostrar que a filosofia humana é desnecessária. Onde a filosofia humana está certa é porque ela concorda com a revelação divina. Se não concordar com as Escrituras, ela não passa de um engano. Então, se você tem a revelação divina, você não precisa da filosofia.

Portanto, a filosofia humana é realmente supérflua e perigosa. Se você tem a Palavra de Deus, você tem a solução para os problemas que Deus quer que você resolva. Deus não nos deu uma revelação incompleta. Agora, não estamos dizendo que você deve alienar seu cérebro e ser ignorante sobre tudo. Estamos simplesmente dizendo que é da Palavra de Deus que o homem precisa. E a opinião humana só tende a dividir em vez de unificar.

Vimos que Paulo mostra a superioridade da Palavra de Deus sobre a sabedoria humana em cinco pontos. Já vimos 3 pontos nos dois primeiros sermões: a permanência da Palavra de Deus, o poder da Palavra de Deus e o paradoxo da Palavra de Deus (além de qualquer lógica humana).

Primeiro: A sabedoria de Deus é superior por causa de sua permanência. Em I Coríntios 1:19-20 ele faz uma citação de Isaías 29:14 e diz:

19 Porque está escrito: Destruirei a sabedoria dos sábios, E aniquilarei a inteligência dos inteligentes.
20 Onde está o sábio? Onde está o escriba? Onde está o inquiridor deste século? Porventura não tornou Deus louca a sabedoria deste mundo?

Ele diz que a sabedoria humana é efêmera. Ela será destruída, portanto é desnecessária. Está errada e não tem respostas definitivas. “Onde está o sábio?” Esse é o filósofo. “Onde está o escriba?” Esse é o escritor. “Onde está o inquiridor?” Esse é o orador. A filosofia, a literatura e a retórica deste mundo são loucura. Os melhores filósofos, escritores e oradores não conseguiram resolver nenhum dos problemas do homem. A sabedoria humana é frágil, finita e inconsequente. Não vai a lugar algum. E assim, ele diz que a sabedoria de Deus, em contraste com isso, é permanente e que Deus destruirá a sabedoria humana.

Segundo: Ele diz que a sabedoria de Deus é o poder. I Coríntios 1:21 diz:

21 Visto como na sabedoria de Deus o mundo não conheceu a Deus pela sua sabedoria, aprouve a Deus salvar os crentes pela loucura da pregação.

A sabedoria humana não poder trazer o conhecimento de Deus. Mas agradou a Deus, através de sua sabedoria, exibida na cruz, que para o mundo parece loucura, fazer tudo aquilo que a sabedoria humana jamais poderia fazer. Na cruz foi concedido ao homem o conhecimento de Deus, salvação do pecado e de Satanás, vida eterna.

Você diz: Ok! Mas, o verso 22 diz que “os judeus pedem sinal, e os gregos buscam sabedoria”, e no verso 23 diz que a Palavra da cruz é “escândalo para os judeus, e loucura para os gregos”, então por que Deus trouxe algo que seria rejeitado?

E vou mais além, o termo “loucura” seria melhor traduzido como “estupidez”, “idiotice”. Mas, o verso 24 diz que “para os que são chamados, tanto judeus como gregos, lhes pregamos a Cristo, poder de Deus, e sabedoria de Deus”. Aqui temos a doutrina do chamado eficaz ou irresistível de Deus. Para os eleitos, Cristo é o poder de Deus e a sabedoria de Deus. Para os judeus, um tropeço e para os gentios é tolice, mas para os chamados, tanto judeus como gentios, Cristo é o poder de Deus e a sabedoria de Deus.

O verso 25 diz que “a loucura de Deus é mais sábia do que os homens; e a fraqueza de Deus é mais forte do que os homens”. Até mesmo a exposição mais elementar do poder e da sabedoria de Deus estão muito além da compreensão e da capacidade humana. A coisa mais simples que Deus já fez é maior do que as maiores coisas que os homens já fizeram. O esforço humano no seu melhor não pode chegar ao nível básico do poder e sabedoria de Deus.

A sabedoria de Deus é superior por causa de seu poder. O mundo, com toda a sua própria sabedoria, nunca pode conhecer a Deus, não pode fazer nada sobre o pecado, não pode transformar os homens. O homem avançou muito tecnologicamente, mas todo esse avanço não o melhorou em nada. Não há nada que o homem possa fazer para melhorar sua condição. Toda a sabedoria do homem não pode produzir o conhecimento de Deus, a única fonte de redenção.

Terceiro: A sabedoria de Deus é superior por causa de seu paradoxo, não se restringindo a qualquer lógica humana (I Coríntios 1:26-29). A maioria das mentes mais brilhantes, influentes e poderosas do mundo está longe do evangelho. Em sua grande parte, a igreja é composta de pessoas simples e humildes.

O que é um grande homem para o mundo? Alguém muito inteligente, com uma tremenda influência através do dinheiro ou de algum poder e que ocupa uma alta posição na sociedade. Mas, você gostaria de conhecer o maior homem que já viveu, de acordo com Deus? João Batista. Ele era o oposto de tudo que o mundo considera distintivo para um grande homem. E qual era a grandeza de João Batista? Ele foi o precursor de Cristo. Isso é muito ilógico e paradoxal para a sabedoria humana.

O verso 27 diz:

Deus escolheu as coisas loucas deste mundo para confundir as sábias; e Deus escolheu as coisas fracas deste mundo para confundir as fortes”. E o verso 28 diz que “Deus escolheu as coisas vis deste mundo, e as desprezíveis, e as que não são, para aniquilar as que são.

Deus quer demonstrar que não precisa da sabedoria humana. Para fazer isso, Ele concede a sua salvação longe de qualquer lógica humana, de forma incompreensível aos sábios segundo o mundo. E a igreja sempre foi composta, majoritariamente, por pessoas simples e longe do reconhecimento humano. E assim como os gentios convertidos causaram espanto a Israel, a simplicidade da igreja é causa de rejeição do mundo. E sobre isso, em Efésios 3 Paulo diz:

10 Para que agora, pela igreja, a multiforme sabedoria de Deus seja conhecida dos principados e potestades nos céus,
11 Segundo o eterno propósito que fez em Cristo Jesus nosso Senhor.

Não há lugar para a sabedoria humana. Jesus disse: “Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, que ocultaste estas coisas aos sábios e entendidos, e as revelaste aos pequeninos” (Mateus 11:25).

Isso nos leva ao próximo ponto no versículo 29 de I Coríntios 1: “Para que nenhuma carne se glorie perante ele”. Aqui está mais uma razão para a supremacia da sabedoria de Deus: seu propósito. A sabedoria de Deus tem um propósito infinitamente superior.

Aqui Deus remove todo orgulho humano. Ninguém pode dizer: “Eu fui esperto o suficiente para crer no evangelho, já muitos outros não foram espertos o suficiente”. Será que há algum mérito do homem na sua salvação? Será que alguns homens foram melhores que outros em alguma coisa para chegarem à salvação?

Deixe-me mostrar-lhe algo. Volte para o verso 24. Vamos ver quem é salvo. É o esperto? Verso 24: “Mas para os que são chamados, tanto judeus como gregos, lhes pregamos a Cristo, poder de Deus, e sabedoria de Deus”. Deus elegeu e chamou pessoas. O verso 26 diz que escolheu poucos entre os nobres, poderosos e sábios segundo o mundo e no verso 27 diz:

27 Mas Deus escolheu as coisas loucas deste mundo para confundir as sábias; e Deus escolheu as coisas fracas deste mundo para confundir as fortes;
28 E Deus escolheu as coisas vis deste mundo, e as desprezíveis, e as que não são, para aniquilar as que são;

Há como o homem ter escolhido Deus por algum exercício de sua inteligência? Foi Deus quem escolheu homens ou foram homens que o escolheram? O texto bíblico responde essas perguntas com clareza.

Ninguém é salvo com algum tipo de mérito. Ninguém foi salvo porque escolheu Deus, mas porque foi escolhido por Deus em sua maravilhosa graça. E o resultado disso é o versículo 29: “Para que nenhuma carne possa se gloriar diante de Deus”. Ninguém vai chegar diante de Deus com qualquer tipo de mérito na salvação, por menor que seja tal mérito.

É ridículo atribuir algum mérito ao homem. Deus disse: “Minha glória não darei a outro” (Isaías 48:11). Efésios 2:8-9 diz:

Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie;

Nada agradável a Deus procede do homem caído. O verso 1 diz: “E vos vivificou, estando vós mortos em ofensas e pecados”. Na condição de morto, não há como o homem mover-se para a vida. Foi Deus quem o vivificou. O verso 30 de I Coríntios 1 diz: “Mas vós sois dele, em Jesus Cristo…”. Ouça, a única razão pela qual você está em Cristo Jesus é por causa Dele. A sabedoria humana não pode levar o homem a Deus. Jesus disse: “Ninguém pode vir a mim, se o Pai que me enviou o não trouxer” (João 6:44).

O que Paulo está simplesmente dizendo a eles é que o propósito da salvação é que Deus seja glorificado. É assim para que Deus obtenha toda a glória. Entende? Você diz: “Eu fui salvo por causa da sabedoria de Deus?”. Sim, exato. O melhor que o homem pode fazer no mais alto nível de sua sabedoria é nada.

Agora, deixe-me adicionar algo importante. O verso 30 de I Coríntios 1 diz: “Mas vós sois dele, em Jesus Cristo, o qual para nós foi feito por Deus sabedoria, e justiça, e santificação, e redenção. A razão pela qual você está em Cristo Jesus é Deus. Ao redimido é dada a salvação pela sabedoria de Deus,  e, de forma graciosa, Deus lhe dá uma parte de Sua sabedoria, a justiça imputada, a santificação e a redenção, para que, acima de tudo, o Senhor seja glorificado. Quem são os verdadeiramente sábios neste mundo? Aqueles que conhecem a Deus. Os cristãos são testemunhas de como Deus trabalha acima de qualquer raciocínio humano.

O propósito para o qual a sabedoria de Deus foi concedida foi para Ele pudesse receber a glória. E Deus escolheu pessoas simples e humildes para que não haja dúvidas sobre o fato de que a salvação não é uma questão de inteligência. Não é uma questão da sabedoria do homem, mas da sabedoria de Deus. No momento em que você se tornou um cristão, você realmente aprende alguma coisa. Jesus disse: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida”. Você recebe a verdade. A verdade vos libertará.

Deixe-me mostrar o que você aprendeu como cristão, isso é interessante. II Coríntios 4:6 diz:

Porque Deus, que disse que das trevas resplandecesse a luz, é quem resplandeceu em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Jesus Cristo.

Aqui temos uma referência direta a Deus como criador, que ordenou a luz natural à existência. E o mesmo Deus que criou a luz natural do Universo, é o que cria a luz sobrenatural na alma e conduz o homem das trevas para o seu reino de luz. A luz é expressa como o conhecimento da glória de Deus. A glória de Deus é tudo o que Deus é: todos os seus atributos e toda a sua natureza. Para ser salvo, ao homem é concedido, por Deus, entender que a glória de Deus resplandece em Jesus.

A primeira coisa que acontece quando você se torna cristão é conhecer a Deus. Você conhece a sua natureza e essência. Antes você não conhecia a Deus. Ele brilha e acende a luz do conhecimento da glória de Deus. E isso vem através de Cristo.

Em quem temos a redenção pelo seu sangue, a remissão das ofensas, segundo as riquezas da sua graça, que Ele fez abundar para conosco em toda a sabedoria e prudência” (Efésios 1:7-8)

Quando fomos redimidos, perdoados pela graça, Ele abundou para nós em toda a sabedoria, “desvendando-nos o mistério da sua vontade, segundo o seu beneplácito que propusera em Cristo” (Efésios 1:9).

Agora, marque isto: Deus não só se revela a nós, mas também revela a sua vontade. Isso não quer dizer que Deus vai te revelar especificamente se você deve se casar com essa ou aquela pessoa, ou trabalhar em uma ou outra empresa. Não é disso que o texto está falando. Ele está falando do plano de Deus como um todo, não de coisas específicas. E isso é indicado no verso 11: “De tornar a congregar em Cristo todas as coisas, na dispensação da plenitude dos tempos, tanto as que estão nos céus como as que estão na terra”. Quando você se tornou um cristão, você começou a conhecer a Deus, então você também começou o conhecimento da sua vontade. Isto é tremendo.

Agora vamos aos versículos 17-18 de Efésios 2, quero lhe mostrar uma coisa:

17 Para que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, vos dê em seu conhecimento o espírito de sabedoria e de revelação;
18 Tendo iluminados os olhos do vosso entendimento, para que saibais qual seja a esperança da sua vocação, e quais as riquezas da glória da sua herança nos santos;

Uma mente iluminada espiritualmente é o único meio do verdadeiro entendimento e apreciação da esperança e da herança em Cristo e de viver de maneira obediente a ele. Quando somos salvos, conhecemos a Deus, Seu plano e nosso destino. Um cristão sabe de onde veio, o que está fazendo e para onde está indo. Essa é a plenitude do conhecimento. Isso vem na salvação.

Você sabe, as pessoas neste mundo andam por aí, não fazem ideia de onde vieram. Pensam que vieram de um macaco. Eles não têm a menor ideia do que estão fazendo aqui. É por isso que eles se tornam existencialistas, ou seja, vivem para o momento. E, menos do que qualquer coisa, eles não têm qualquer ideia para onde estão indo. Deixe-me dizer, se eu quisesse apenas saber três coisas neste mundo, essas seriam as três que eu gostaria de saber: de onde eu vim? O que eu estou fazendo? E para onde eu vou? E Deus diz em Cristo que você recebe essas três coisas. Agora, isso é ter sabedoria, não é?

É por isso que digo que o cristão mais simples e humilde, por mais iletrado que seja, é mais sábio, nos assuntos mais importantes da vida, que os filósofos e sábios de todas as eras. E a glória em tudo isso é somente do Senhor. O melhor de tudo é que a glória é de Deus, porque não fizemos nada. Deus nos deu essa sabedoria. Se eu sei de onde vim, se sei por que estou aqui e se sei para onde estou indo, é motivo de orgulho? O que eu fiz? Dormi um dia sem conhecer nada disso, e no outro dia, quando o Senhor iluminou minha mente, passei a conhecer. Não há mérito humano.

Você não apenas recebeu sabedoria, mas recebeu a justiça. Você diz: o que é a justiça? Justiça significa que Deus declarou você justo diante dele. Não por suas obras, mas por causa da obra justificadora de Cristo. II Coríntios 5:21 diz: “Àquele que não conheceu pecado, o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de Deus”.

Há um grande verso em Filipenses 3:9 que diz: “E seja achado nele, não tendo a minha justiça que vem da lei, mas a que vem pela fé em Cristo, a saber, a justiça que vem de Deus pela fé”. Paulo quer ser encontrado tendo a justiça de Deus. Você sabe, é uma coisa maravilhosa perceber que, quando você é salvo, você não apenas obtém sabedoria, mas também obtém a justiça absoluta e total diante de Deus. Você recebeu um perdão definitivo de seus pecados e foi declarado justo.

Deus não apenas declarou você justo, mas Ele iniciou um trabalho interno de santificação. Você sabe, no momento em que você creu em Cristo, o princípio da semente incorruptível foi plantado em você. I João 2:9 diz:

Todo aquele que é nascido de Deus não vive na prática de pecado; pois o que permanece nele é a divina semente; ora, esse não pode viver pecando, porque é nascido de Deus.

A semente santa de Deus está em você. Na sua conversão, a primeira coisa que você começou a ver foi que algo inédito estava acontecendo em sua vida, algo que você jamais conheceu antes: a santidade. E quanto mais você anda no Espírito, a frequência do pecado é decrescente. A santidade é algo que Deus fez em nós. Por isso Paulo inicia a 1ª carta aos coríntios dizendo: “À igreja de Deus que está em Corinto, aos santificados em Cristo Jesus, chamados santos…”.

Agora, você é santificado. Fomos justificados diante de Deus e fomos declarados santos. Começamos a andar no Espírito. Romanos 8:1 declara: “portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito”. Não há mais condenação, nosso problema judicial com Deus foi definitivamente resolvido. E a santificação?

Andai em Espírito, e não cumprireis a concupiscência da carne. O fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança. E os que são de Cristo crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências. (Gálatas 5:16,22,24).

II Coríntios 3:18 diz que entramos num processo de nos conformar à imagem de Cristo. Efésios 2:10 diz: “Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas”. I Pedro 1:18-19 diz que não fomos redimidos por coisas corruptíveis, mas com “o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado”.

Olhe tudo isso: sabedoria, justiça, santificação e redenção. E o que você fez para ganhar qualquer uma delas? A verdadeira sabedoria é celestial; por suas obras o homem não pode ser justo; por si mesmo, o homem jamais seria santo; e nenhum homem poderia pagar o preço da redenção.

O ponto é o versículo 31 de I Coríntios 1: “Aquele que se gloria glorie-se no Senhor”. O verso 29 diz que nenhuma carne se gloriará diante do Senhor. Que parte tem a sabedoria humana na obra de Cristo? Nenhuma. A filosofia do homem não pode conceder verdadeira sabedoria. Não pode pagar o preço pelo pecado. Não pode te fazer santo. E isso não pode libertar você do alcance do pecado.

Mas, se a filosofia entrar na igreja, ela fará estragos. E ela tem entrado e causado muitos problemas. A igreja não precisa dela e não há lugar para ela na igreja. Ela não pode oferecer a verdadeira sabedoria, justiça, santificação e redenção. Jeremias 9:23-24 diz:

23 Assim diz o Senhor: Não se glorie o sábio na sua sabedoria, nem se glorie o forte na sua força; não se glorie o rico nas suas riquezas,
24 Mas o que se gloriar, glorie-se nisto: em me entender e me conhecer, que eu sou o Senhor, que faço beneficência, juízo e justiça na terra; porque destas coisas me agrado, diz o Senhor.

Paulo citou esta porção em I Coríntios 1:31, quando disse: “Aquele que se gloria glorie-se no Senhor”. Você quer se gloriar? Glorie-se no Senhor. Você não fez nada para merecer coisa alguma.

No capítulo 6 de Gálatas, Paulo combate os que queriam mostrar méritos em suas obras. No verso 14, ele diz: “Mas longe esteja de mim gloriar-me, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim e eu para o mundo”. E no verso 15, diz: “Porque em Cristo Jesus nem a circuncisão, nem a incircuncisão tem virtude alguma, mas sim o ser uma nova criatura”. Foi a cruz que mudou minha relação com o mundo e que me recriou. A glória é devida a Cristo por sua obra na cruz e não a mim ou quem quer que seja.

Vimos que a sabedoria de Deus é superior por sua permanência, poder e por seu paradoxo (acima da lógica humana). Agora, deixe-me dar um passo adiante, a sabedoria de Deus também é superior por sua apresentação. E isso não é realmente um ponto, é uma ilustração.

Volte para I Coríntios, vamos dar uma olhada no Capítulo 2, versículos 1-5.

1 Eu, irmãos, quando fui ter convosco, anunciando-vos o testemunho de Deus, não o fiz com ostentação de linguagem ou de sabedoria.
2 Porque decidi nada saber entre vós, senão a Jesus Cristo e este crucificado.
3 E foi em fraqueza, temor e grande tremor que eu estive entre vós.
4 A minha palavra e a minha pregação não consistiram em linguagem persuasiva de sabedoria, mas em demonstração do Espírito e de poder,
5 para que a vossa fé não se apoiasse em sabedoria humana, e sim no poder de Deus.

E isso não é realmente um ponto, mas aqui ele realmente está Ilustrando todos os pontos anteriores. Paulo diz que não se dirigiu à igreja ostentando sabedoria humana, filosofias e especulações. Falar de Cristo crucificado não se encaixa em qualquer nível da compreensão humana. Ele apenas declarou o testemunho de Deus. E esse testemunho jamais deve ser misturado com o pensamento do homem.

Eu estou aqui para falar da revelação de Deus. Alguns estão aqui há muitos anos, outros há poucos anos ou meses. Se alguém pedir para você falar o que eu penso sobre economia, questões sociais, política etc., sei que nenhum de vocês poderia informar. Sabe por quê? Eu nunca tratei disso com vocês. E sabe por que eu nunca te disse? Porque você não veio aqui para ouvir isso, você veio aqui para ouvir a Palavra de Deus. E é da Palavra que você precisa. E a minha tarefa é pregar a Palavra, o resto não me importa. O mundo segue um curso dentro daquilo que Deus estabeleceu. Os pensadores humanos vivem debatendo os acontecimentos. Mas, quem precisa disto?

Há muitos que pensam que a Bíblia está repleta de pensamentos positivos. Quem pensa isto, não a conhece. Melhor lê-la novamente. O mundo vive atrás de todos os tipos de palavras floridas que não significam nada. Paulo diz que não veio oferecendo um monte de palavreado humano e um monte de filosofia humana, mas o testemunho de Deus.

Eu escrevi no prefácio do meu livro, acho que escrevi em dois deles, que o material não é original. Quando começo a escrever material original, posso jogar meus livros fora. Quem quer minha opinião? Deus me chamou para fazer uma coisa e isso é declarar seu testemunho. Às vezes eu digo para mim mesmo: “MacArthur, por que você é tão burro?” E então, eu digo: “eu sei, dessa forma nunca tenho opiniões suficientes para entrar no caminho das Escrituras”. Eu só fico com isso e sinto que isso é o que Deus estabeleceu como prioridade. Eu preciso apenas declarar o testemunho de Deus.

O testemunho de Deus é Cristo. Sobre Jesus, Deus disse: “Este é o meu filho amado; a ele ouvi” (Marcos 9:7). Por isso Paulo recusou dar suas opiniões e especulações. Ele apenas declarou o que Deus disse. Assim, quando nos reunimos aqui, o assunto é o testemunho de Deus e não qualquer outro. Em II Coríntios 4 Paulo diz:

Rejeitamos as coisas que, por vergonhosas, se ocultam, não andando com astúcia, nem adulterando a palavra de Deus; antes, nos recomendamos à consciência de todo homem, na presença de Deus, pela manifestação da verdade.

Temos uma tarefa: manifestar a verdade, a verdade de Deus. Paulo disse a Timóteo algumas coisas importantes sobre o seu ministério e quais eram as prioridades. Em I Timóteo 4:13, ele disse: “Persiste em ler, exortar e ensinar, até que eu vá”. Essas coisas deveriam ser práticas constantes de Timóteo, ou seja, seu estilo de vida:

  • Leitura: Refere-se ao costume de ler a Escritura em público nos cultos de adoração da igreja, seguida da exposição da passagem que havia sido lida (ver Neemias 8:1-8 e Lucas 4:16-27).
  • Exortação: Desafio para aqueles que ouvem a Palavra, a fim de aplica-la a sua vida diária. Pode incluir repreensões, advertências e palavras de ânimo e consolo.
  • Ensino: Instrução sistemática da Palavra de Deus.

Em II Timóteo 4:2, Paulo diz: “pregues a palavra, instes a tempo e fora de tempo, redarguas, repreendas, exortes, com toda a longanimidade e doutrina”. Note bem: Pregue a palavra”. Não a sua opinião, mas a palavra, ou seja, toda a palavra escrita de Deus, toda a sua verdade revelada. Os versos 3 e 4 dizem:

3 Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências;
4 E desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas.

A exortação de Paulo é que Timóteo se mantivesse firme em pregar apenas a Palavra de Deus, mesmo em meio às adversidades e intolerâncias contra a Palavra. As fábulas referem-se às falsas ideologias, perspectivas e filosofias apresentadas em várias formas que se opõem a sã doutrina. E há muita gente nas igrejas querendo qualquer coisa, desde que não seja a sã doutrina. Mas Paulo diz claramente: não importa o que os homens querem ouvir, pregue apenas a sã doutrina.

Tudo bem, vamos voltar a I Coríntios 2. O verso 2 diz: “Porque nada me propus saber entre vós, senão a Jesus Cristo, e este crucificado”. Aqui Paulo deixa claro sua rejeição a falar de suas opiniões, de filosofias, especulações etc. Seu único interesse era falar do Cristo crucificado, Redentor e Salvador. Ele se refere ao plano redentor de Deus. A revelação de Deus em oposição à especulação humana. Em Atos 20:27, ele diz aos anciãos de Éfeso: “nunca deixei de vos anunciar todo o conselho de Deus”. Essa foi a mensagem de Paulo.

Havia uma ideia na época da igreja primitiva de que os cristãos adoravam um homem morto. Celso, um filósofo da época, disse: “Os cristãos adoram um homem morto”. Em escavações foi encontrado um quadro que tinha um desenho de um cristão ajoelhado ao pé da cruz com um jumento crucificado, e na parte de baixo do quadro era dito que ele estava adorando aquele deus. Você entende o que Paulo quis dizer quando disse em Coríntios que para os gentios a cruz era loucura?

Mas, seja tolice ou não, Paulo nunca mudou sua mensagem para acomodar as pessoas, não é? Nunca. Nunca. Você diz: “Sim e é por isso que todos eles tropeçaram nisso”. Sim, mas para aqueles que foram chamados houve redenção. Ele pregou a Palavra de Deus (I Coríntios 2:2). Quando ele pregou, ele o fez com o poder de Deus (versos 3-4).

O verso 4 diz que ele pregou em fraqueza, temor e tremor. Paulo foi a Corinto depois de ter sido preso e espancado em Filipos, expulso de Tessalônica e Bereia, e escarnecido em Atenas (Atos 16:22-24; 17:10,13-14,32), de modo que ele deveria estar fraco fisicamente. Entretanto, foi nesta fraqueza que ele foi mais forte (ver verso 4,5 e II Coríntios 12:9-10). Não houve encenação ou técnicas para manipular a resposta das pessoas. Seu temor e tremor eram por causa da seriedade de sua missão em uma cidade mergulhada na imoralidade e toda sorte de pecado.

E assim, no verso 4, ele diz: “A minha palavra, e a minha pregação, não consistiram em palavras persuasivas de sabedoria humana, mas em demonstração de Espírito e de poder”. Ele não veio querendo persuadir ou seduzir pessoas com suas próprias palavras e poder. Ele veio no poder do Espírito Santo. E ele completa, no verso 5: “Para que a vossa fé não se apoiasse em sabedoria dos homens, mas no poder de Deus”. Ele não queria que aqueles irmãos se firmassem em suas ideias, pensamentos e opiniões, mas no poder de Deus. Ele disse o mesmo em I Tessalonicenses 1:5. Paulo era um homem com grandes habilidades naturais, mas ele não as usava. Spurgeon disse:

O evangelho é pregado aos ouvidos de todos, mas ele só vem com poder para alguns. O poder que está no evangelho não está no mensageiro, sua eloquência, argumentos… caso contrário, os homens e seus métodos seriam conversores de almas. Também não está na técnica do pregador… caso contrário, consistiria na salvação pela sabedoria dos homens. Podemos pregar até nossas línguas apodrecerem, até o ar de nossos pulmões se esgotarem e morrermos, mas nunca uma alma será convertida a menos que haja o misterioso e soberano poder do Espírito Santo operando como quer naqueles que Ele quer operar. O Espírito Santo muda a vontade do homem. Ó Senhores! Nós podemos pregar para as pedras ou para os homens e será a mesma coisa, a menos que o Espírito Santo use a Palavra para regenerar suas almas.

Agora você vê que é precisamente isso que Paulo está dizendo:

Eu não cheguei a você com uma mensagem humana, não, não. O testemunho de Deus, a cruz, foi o que eu lhes dei. E não com poder humano, mas com poder divino. Essa é a razão pela qual sua fé não deve estar em filosofia, mas no poder de Deus.

Eu nunca vou esquecer o que um pastor me disse uma vez. Ele apontou para um sujeito depois de um culto e disse: “Veja aquele sujeito, ele é um dos meus convertidos!” Eu disse: “Sério?” Ele disse: “Sim, não do Senhor, meu”. Ele fez o seu ponto. Stott disse isto:

Parece que somente a pregação de Deus pelas quais sua sabedoria e poder são expressos é a pregação de um homem disposto a ser ao mesmo tempo fraco e tolo.

Veja, Deus não apenas escolhe o fraco e tolo para salvar, mas o fraco e insensato para pregar. E quanto mais fraco e mais tolo você é, mais a palavra de Deus e o poder de Deus podem ser expressos. Então, agora você sabe a verdade. E esperançosamente o resultado é que você não tem convertidos de John MacArthur, mas sim de Jesus Cristo. Paulo defendeu o fato de que a sabedoria de Deus não precisa da sabedoria humana. Os coríntios não precisavam trazer sabedoria humana para a igreja e nem nós precisamos. Isso só trará divisão. Que sempre nos unamos em torno da palavra de Deus e do Espírito de Deus.

Oremos.

Obrigado, Pai pelo nosso tempo juntos, pela bênção que tua palavra tem sido para nossos corações. Confirme isso para nós, usa-nos esta semana para a tua glória. Em nome de Jesus. Amém


Esta é o terceiro de uma série de 3 sermões sobre I Coríntios 1:18 a 2:8, conforme links abaixo:


Este texto é uma síntese do sermão “The Foolishness of God, Part 3”, de John MacArthur em 25/05/1975.

Você pode ouvi-lo integralmente (em inglês) no link abaixo:

https://www.gty.org/library/sermons-library/1815/the-foolishness-of-god-part-3

Tradução e síntese feitos pelo site Rei Eterno

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *