Já Recebemos o Espírito Santo?

Imprimir

Esta é uma série de sermões de John MacArthur sobre dons espirituais. Veja os links no final deste texto.


Temos aqui um compromisso firme com o amor bíblico, através da comunhão uns com outros, da ministração de dons espirituais uns aos outros, e do ensino sistemático da Palavra de Deus, verso por verso. Acreditando que, se protegemos os santos com a sã doutrina, eles exercerão plenamente suas funções.

No nosso estudo da Escritura, encontramo-nos no livro de Atos, que é o relato histórico da igreja primitiva desde o dia de Pentecostes passando por aqueles primeiros anos. Estamos estudando o assunto da transição do judaísmo para Jesus. E a partir de Atos 18:18, o Espírito Santo nos dá três incidentes ou três pequenas experiências que nos ilustram a transição que estava ocorrendo do judaísmo para Jesus.

Quando o cristianismo foi estabelecido e uma nova aliança foi introduzida, havia muitos judeus que achavam muito difícil fazer toda a transição rapidamente. Havia pessoas no meio daquela transição chegando a Jesus Cristo vindas do judaísmo. E isso foi registrado através do livro de Atos.

Há duas semanas encontramos o apóstolo Paulo em transição. Embora inteiramente compreendendo Cristo, um crente em todos os sentidos, o apóstolo do evangelho da graça, sabendo muito bem a sua comissão e a sua mensagem, ainda fez um voto nazireu, que era estritamente judaico. Até mesmo Paulo estava em transição.

Na última vez vimos Apolo também em transição, nos versos 24 a 28, um discípulo de João Batista, um santo do Antigo Testamento. Um homem pronto para o Messias que até acreditou que Jesus era aquele Messias, mas não entendia a cruz, a ressurreição. Ele era realmente um santo do Antigo Testamento que só sabia que Jesus era o Messias e não sabia o significado de tudo o que Jesus tinha feito. E então, em Atos também vemos Apolo em transição.

E hoje chegamos a esta terceira seção do nosso estudo de transição, versículos 1 a 7 do capítulo 19, e nos encontramos com um grupo de 12 homens que também estão em transição. Agora, lembre-se disso, o judaísmo permeava toda a vida dessas pessoas, o cristianismo surgiu e levou um tempo para que todos os ajustes ocorressem. Em alguns casos, como Paulo, as pessoas não podiam deixar alguns padrões antigos. Outros, como Apolo, simplesmente não conheciam todo o evangelho.

E, como estes 12, eles também não tinham conhecimento completo. Assim, o Espírito teve que trazê-los em meio às circunstâncias individuais para uma compreensão completa de Cristo e do cristianismo. Agora, a questão que vai marcar nossa discussão esta manhã é bastante pertinente na atualidade, pois todos nós a enfrentamos hoje no cristianismo. E essa questão está no capítulo 19, versículo 2, onde Paulo diz: “Você recebeu o Espírito Santo desde que você creu?”.

Essa pergunta colocada em Atos 19:2 – “você recebeu o Espírito Santo desde que você creu?” – tornou-se a questão favorita de um movimento moderno no cristianismo. Não estou aqui com o propósito de guerrear contra outros cristãos ou declarar egoisticamente minha própria teologia ou mesmo tentar me convencer e convencer você de que estou certo e eles estão errados. O ponto de vista que vejo aqui é simplesmente a exposição do texto.

Vivemos nos dias em que o movimento que conhecemos por pentecostalismo ou, se você preferir, o movimento posterior iniciado em 1960, chamado movimento carismático, colocou esta questão de atos 19:2 como uma pergunta a ser feita aos cristãos: “Você recebeu o Espírito Santo desde que você creu?” Eles partem do ponto de que você pode ser um cristão e não possuir o Espírito Santo. E, em algum momento, após a sua salvação, você, então, pode receber o Espírito Santo através de determinadas maneiras.

Agora, essa visão é compartilhada por muitos pentecostais. Talvez nem todos pensem exatamente a mesma coisa. Alguns, sem dúvida, dirão que o cristão tem o Espírito Santo em um sentido limitado. E assim, eles fazem uma distinção entre possuir o Espírito Santo e possuir a plenitude do Espírito ou o Batismo do Espírito. Mas, é a mesma coisa. Se você diz que uma pessoa recebe uma parte do Espírito ou um sentido limitado do Espírito, então você está dizendo que a pessoa não recebeu o Espírito.

O Espírito é quem Ele é e Ele vem na plenitude de quem Ele é. Jesus prometeu que receberíamos o Espírito na salvação. Então, se referiu ao Espírito como o Espírito é. A doutrina de que o Espírito vem em parte e depois, em plenitude, não é bíblica. Na Bíblia não é feita tal distinção. Por exemplo, em 1 Coríntios 12:13 temos: “Pois, em um só Espírito, todos nós fomos batizados em um corpo, quer judeus, quer gregos, quer escravos, quer livres. E a todos nós foi dado beber de um só Espírito”.

Muitas pessoas poderiam dizer: “Bem, recebemos Jesus como Salvador, mas não como Senhor, e mais tarde recebemos o senhorio”. Isso é falso. Jesus é Senhor. Você o recebe por quem Ele é. E o mesmo é verdade para o Espírito Santo. Não há graus para receber o Espírito Santo. Deus não dá o Espírito por medida. Em outras palavras, Ele não dosa o Espírito Santo. O Espírito Santo é dado na plenitude de quem Ele é.

Não é necessário perguntar a um verdadeiro cristão se Ele recebeu o Espírito Santo. Mas, há muitos que estabelecem quais são os sinais que um cristão deve ter para “provar” isto. Ouvimos constantemente sobre isso. Essa é uma doutrina chave no movimento carismático.

Essa doutrina nasceu no começo do século XX, através do movimento pentecostal, e expandiu-se a partir de 1960, através do movimento carismático. E a pergunta que sempre permanece na minha mente é: O que aconteceu com todos antes disso? Se receber o Espírito Santo é através de certos sinais, então, todas as pessoas que viveram antes foram enganadas por Deus? Houve 1.900 anos de retenção da promessa da plenitude prometida para ser imediatamente? Essa é uma grande questão.

David Duplessis, que é um porta-voz desse movimento, disse:

Dos anos de Atos até 1900 a igreja perdeu sua fé e, portanto, perdeu os presentes milagrosos e o Espírito Santo. O Espírito Santo continuou no controle da igreja até o fim do primeiro século, quando sua posição foi usurpada e ocupada por homens.

É uma teologia muito estranha. Dizer que o Espírito Santo só pôde controlar a igreja até o final do primeiro século, é dizer então que Ele perdeu o controle e o homem assumiu o controle por 1800 anos. E, finalmente, após 1800 anos de luta, o Espírito Santo assumiu novamente o controle.

Deus é uma vítima dos homens? Deus é soberano ou não? As portas do inferno prevaleceram contra a igreja por 1800 anos? Cristo deixou de ser o cabeça da igreja por 1800 anos? O poder de Deus foi fragilizado por 1800 anos? Tal doutrina exalta ou diminui a glória de Deus? São questões que estra doutrina teria que enfrentar. Uma visão errada de Deus, de Cristo e do Espírito Santo retira a glória divina. Qualquer subtração da dimensão da plenitude do Espírito é ofensiva a Deus.

E não estamos falando apenas de assuntos de pouca relevância. Estamos falando sobre a exaltação do próprio Deus em Seu Espírito. O Salmo 135:6 diz: “Tudo o que o Senhor quis, fez, nos céus e na terra, nos mares e em todos os abismos”. Poderia a soberana vontade de Deus ter sido neutralizada por 1800 anos? Essas pessoas dizem que o movimento pentecostal e carismático foi modelado no livro de Atos, que todos precisam voltar ao livro de Atos e que o livro de Atos é a norma para o comportamento do cristão. Eles dizem que o livro de Atos ensina que o batismo com Espírito Santo é uma experiência posterior ao novo nascimento.

Se a igreja começar a fundamentar tudo no livro de Atos, ela terá muitos problemas. Será que o voto de nazireado de Paulo (Atos 18:18) é para a igreja? Sobre este voto, Números 6:18-19 diz:

O nazireu, à porta da tenda da congregação, rapará a cabeleira do seu nazireado, e tomá-la-á, e a porá sobre o fogo que está debaixo do sacrifício pacífico. Depois, o sacerdote tomará a espádua cozida do carneiro, e um bolo asmo do cesto, e uma obreia asma e os porá nas mãos do nazireu, depois de haver este rapado a cabeleira do seu nazireado.

Foi o que Paulo fez. Vai ser um pouco difícil hoje, já que não há templo. Se você quer escolher tomar como doutrina qualquer experiência que seja transitória no livro de Atos, então, como você decide arbitrariamente o que você escolhe e o que você não escolhe? Se você fizer do livro de Atos uma norma, teríamos que ver reproduzidas, em todo o cristianismo, todas as manifestações que acompanharam a igreja primitiva.

Então, há duas questões que realmente enfrentamos aqui: um suposto problema histórico de 1800 anos sem a plenitude do Espírito e com Deus fora do controle de sua igreja e, em segundo lugar, o fato de que se você tomar o livro de Atos como norma, você enfrenta alguns problemas tremendos. Agora espero que possamos esclarecer isso. Como dissemos, o livro de Atos é um livro de transição. E eu quero que você aprenda sobre esse assunto porque eu quero que você possa responder a essas questões.

Então, como vemos, o livro de Atos é um livro de transição. Nele a Nova Aliança está chegando e a Antiga Aliança passou. Hebreus 8:13 diz: “Quando ele diz Nova, torna antiquada a primeira. Ora, aquilo que se torna antiquado e envelhecido está prestes a desaparecer”. Mas, no livro de Atos, as pessoas vieram a Cristo em meio a uma transição ainda incompleta. Portanto, no livro de Atos, existem várias situações de transição. Existiam algumas coisas antigas que morreram devagar. Por exemplo, a igreja primitiva encontrava-se na sinagoga.

Há fatos no livro de Atos que são tipicamente de transição. E se você não entender isto, ficará confuso. Vimos três seções de transição. Em primeiro lugar, há duas semanas, vimos que Paulo estava em transição em Atos 18:18-22, que diz:

18 Mas Paulo, havendo permanecido ali ainda muitos dias, por fim, despedindo-se dos irmãos, navegou para a Síria, levando em sua companhia Priscila e Áqüila, depois de ter raspado a cabeça em Cencréia, porque tomara voto.
19 Chegados a Éfeso, deixou-os ali; ele, porém, entrando na sinagoga, pregava aos judeus.
20 Rogando-lhe eles que permanecesse ali mais algum tempo, não acedeu.
21 Mas, despedindo-se, disse: Se Deus quiser, voltarei para vós outros. E, embarcando, partiu de Éfeso.
22 Chegando a Cesaréia, desembarcou, subindo a Jerusalém; e, tendo saudado a igreja, desceu para Antioquia.

Temos aqui Paulo fazendo um voto nazireu, um voto da Velha Aliança (Números 6:2-5;13-21). Geralmente o voto tinha duração temporária, embora Sansão (Juízes 13:5), Samuel (I Samuel 1:11) e João Batista (Lucas  1:15) tivessem sido nazireus por toda a vida. Na época de Paulo, se alguém fazia o voto enquanto estava fora de Jerusalém, ao término do voto, ele raspava a cabeça, como fez Paulo, e, mais tarde, apresentaria o cabelo raspado no templo dentro de um período de 30 dias.

Embora os irmãos tenham solicitado a Paulo que ficasse por mais tempo, ele teve que subir para Jerusalém, para completar seu voto no templo. Isso mostra essa natureza rigorosa do judaísmo de Paulo. Sua segunda viagem missionária foi encerrada para que ele cumprisse o voto no templo de Jerusalém. Então, você vê que Paulo ainda estava em transição. Ele ainda não havia conseguido deixar de lado todas essas características antigas. Em segundo lugar, em Atos 18:24-28, temos Apolo:

24 Nesse meio tempo, chegou a Éfeso um judeu, natural de Alexandria, chamado Apolo, homem eloquente e poderoso nas Escrituras.
25 Era ele instruído no caminho do Senhor; e, sendo fervoroso de espírito, falava e ensinava com precisão a respeito de Jesus, conhecendo apenas o batismo de João.
26 Ele, pois, começou a falar ousadamente na sinagoga. Ouvindo-o, porém, Priscila e Áquila, tomaram-no consigo e, com mais exatidão, lhe expuseram o caminho de Deus.
27 Querendo ele percorrer a Acaia, animaram-no os irmãos e escreveram aos discípulos para o receberem. Tendo chegado, auxiliou muito aqueles que, mediante a graça, haviam crido;
28 porque, com grande poder, convencia publicamente os judeus, provando, por meio das Escrituras, que o Cristo é Jesus.

Então, aqui vemos duas pessoas em transição. Paulo era um cristão ainda ligado a elementos do judaísmo. Apolo era um santo do Antigo Testamento e discípulo de João Batista. Depois de receber as instruções de Áquila e Priscila, tornou-se poderoso pregador cristão. Antes, ele era profundo conhecedor e pregador do Antigo Testamento, mas não compreendia plenamente a verdade cristã. Ele não compreendia verdades cristãs básicas como a importância da morte e ressurreição de Jesus, o ministério do Espírito Santo e a igreja como o novo povo testemunha de Deus. Áquila e Priscila completaram o preparo de Apolo na verdade do Evangelho. Até então, ele ainda estava preso na transição.

Em terceiro lugar, chegamos ao nosso próximo grupo em transição nos versos 1 a 7 no capítulo 19. E quero que você veja isso com clareza. Agora, nesta pequena parcela de sete versos, Deus ainda está pegando algumas extremidades soltas do Antigo Testamento. Estes são os santos do Antigo Testamento que eram seguidores de João Batista. Eles ainda não tinham ouvido falar de todos os aspectos da obra de Jesus Cristo. Assim, eles ainda estavam em transição. Como santos do Antigo Testamento, eles precisavam receber a plenitude do conhecimento para se tornassem parte da igreja.

Atos 19
1 Aconteceu que, estando Apolo em Corinto, Paulo, tendo passado pelas regiões mais altas, chegou a Éfeso e, achando ali alguns discípulos,
2 perguntou-lhes: Recebestes, porventura, o Espírito Santo quando crestes? Ao que lhe responderam: Pelo contrário, nem mesmo ouvimos que existe o Espírito Santo.
3 Então, Paulo perguntou: Em que, pois, fostes batizados? Responderam: No batismo de João.
4 Disse-lhes Paulo: João realizou batismo de arrependimento, dizendo ao povo que cresse naquele que vinha depois dele, a saber, em Jesus.
5 Eles, tendo ouvido isto, foram batizados em o nome do Senhor Jesus.
6 E, impondo-lhes Paulo as mãos, veio sobre eles o Espírito Santo; e tanto falavam em línguas como profetizavam.
7 Eram, ao todo, uns doze homens.

Você lembra que Apolo deixou Éfeso, onde conheceu Aquila e Priscilla e foi a Corinto edificar onde Paulo havia começado. Em Atos 18:21, Paulo havia dito aos efésios: “Se Deus assim quiser, eu voltarei”. E, pela vontade de Deus, ele voltou. Ele começou sua terceira jornada missionária pelo sul da Galácia, confirmou as igrejas e as fortaleceu. Ele chegou em Éfeso e achou ali alguns discípulos (12 homens, segundo o verso 7).

Há um ponto importante aqui. Há uma inclinação a pensar que a palavra discípulo sempre designou, biblicamente, cristãos verdadeiros. E assim, lendo o texto de Atos 19:1-7, muitos concluem que ali estava um grupo de cristãos que não tinham recebido o Espírito Santo. A questão é saber de quem esses homens eram discípulos e em quem eles haviam crido até aquele momento.

Em João 8:31, temos: “Disse, pois, Jesus aos judeus que haviam crido nele: Se vós permanecerdes na minha palavra, sois verdadeiramente meus discípulos”. Em João 6:66 é dito: “À vista disso, muitos dos seus discípulos o abandonaram e já não andavam com ele”. A palavra discípulo significa “aprendiz”, “aluno” ou “seguidor”. Não é uma palavra de uso exclusivo do cristianismo. A razão pela qual as pessoas presumiram que as pessoas citadas em Atos 19:1 tinham que ser cristãos é porque a palavra discípulo no livro de Atos é usada para se referir a cristãos.

O movimento pentecostal fundamentou sua doutrina afirmando que a palavra discípulo aí implica ser cristão, e que ao perguntar “recebestes, porventura, o Espírito Santo quando crestes?”, Paulo está ensinando que há cristãos que não receberam o Espírito Santo ou, então, receberam apenas uma pequena porção dele.

A questão se esse grupo de 12 homens de Atos 19:1 era de cristãos é muito discutível. Em primeiro lugar, eles não sabiam nada sobre o Espírito Santo em termos de ser ele concedido. E, se eles fossem cristãos, teriam que crer na morte e ressurreição de Jesus Cristo. Eles saberiam sobre o Espírito Santo, porque Cristo prometeu dar o Espírito Santo.

Eles sequer conheciam o batismo de Cristo, pois haviam recebido apenas o batismo de João. Paulo lhes falou sobre isso e depois eles foram batizados em nome do Senhor Jesus. Deixe-me fazer uma pergunta: na igreja primitiva, quando as pessoas eram batizadas? Imediatamente após crerem. Se você olhar para Atos 2, três mil pessoas creram e foram batizadas. Em todo o livro de Atos, o batismo é imediato à conversão.

Agora, se essas pessoas fossem cristãs, no sentido de crerem na obra acabada de Cristo, teriam conhecido o batismo do Senhor Jesus Cristo. Eles não sabiam que o Espírito Santo era dado e eles não conheciam o batismo de Cristo. No versículo 4, Paulo lhes diz: “João realizou batismo de arrependimento, dizendo ao povo que cresse naquele que vinha depois dele, a saber, em Jesus”. Isso implica que eles nem sabiam sobre o Messias Jesus.

E Paulo diz a eles: ‘olha, João estava preparando vocês para Jesus’. Quando eles ouviram isso, foram batizados em nome do Senhor Jesus. Penso que é claro na passagem que eles não eram cristãos. Eles eram santos do Antigo Testamento crentes em Deus, seguidores de João Batista, que era o último dos profetas do Antigo Testamento. João Batista estava preparando um povo para a chegada do Messias. Eles estavam prontos; mas eles simplesmente não conheciam o Messias.

Muitas pessoas têm problemas com esse texto por causa do termo “discípulo” e da palavra “crer”. Mas, se você estudar cuidadosamente o uso desses termos, particularmente nos Evangelhos, no Evangelho de João, você descobrirá que um discípulo é simplesmente um aprendiz. Ele pode ser um discípulo de qualquer um. Quanto a crer, Tiago 2:19 diz: “Tu crês que há um só Deus; fazes bem. Também os demônios o creem, e estremecem”. Portanto, ser cristão não é apenas por ser um aprendiz ou por crer.

Atos 19 é fundamento para aqueles que defendem um fosso entre a salvação e o Espírito Santo. Receber o batismo com o Espírito era chamado antigamente de segunda benção. A primeira bênção seria a salvação e mais tarde você receberia o Espírito Santo como uma segunda benção. O fracasso dessa doutrina está, em primeiro lugar, em não identificar a natureza transitória do livro de Atos.

Você não pode pegar a experiência das pessoas em Atos e torná-las normas para a igreja. Em primeiro lugar, Paulo não está dando uma ordem e nem uma declaração explícita. O movimento pentecostal extraiu essa doutrina de um relato do período de transição entre as Alianças e a estabeleceu como norma. O perigo de fazer isso é porque aí se deduz que se pode pegar outros relatos do livro de Atos e transformar em normas, tal como o voto judaico que Paulo fez. E não somente Paulo fez, como levou um grupo de homens a fazê-lo (Atos 21:18-26). Não, você não pode pegar as experiências do livro de Atos e torná-las uma norma. Agora, deixe-me dar-lhe alguns pensamentos.

Em primeiro lugar, essas pessoas não eram cristãs. E eu acho que é importante estabelecer isto no início. Não eram cristãos. Você diz: “Bem, se eles eram seguidores de João Batista, eles deveveriam já ser cristãs”. Bem, não tenha muita certeza sobre isso. Deixe-me mostrar a você o porquê. Veja Mateus 11:1-3, que diz:

1 Ora, tendo acabado Jesus de dar estas instruções a seus doze discípulos, partiu dali a ensinar e a pregar nas cidades deles.
2 Quando João ouviu, no cárcere, falar das obras de Cristo, mandou por seus discípulos perguntar-lhe:
3 És tu aquele que estava para vir ou havemos de esperar outro?

Agora, lembre disso: João estava no deserto anunciando que o Cordeiro de Deus estava vindo. Talvez ele realmente não soubesse quem ele era até que, finalmente, Jesus chegou. E quando ele o reconheceu, disse: “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!” (João 1:29). Mas ele estava lá, preparando um povo para o Messias. Havia milhares de pessoas que foram até João Batista no deserto, foram batizadas e voltaram para as suas cidades. Algumas delaa pegaram apenas a informação inicial sobre Jesus, outras apenas a final.

Nem todos os discípulos de João Batista tinham toda a informação sobre Jesus. Ouça isso: mesmo depois de terem anunciado que Jesus era o Messias, eles tinham muitas perguntas. João Batista pregava que o reino estava próximo. O Reino. E você sabe o que aconteceu com João? Preso por Herodes, ele olhou ao redor e viu que Jesus não parecia realmente estabelecer um reino. Na verdade, parecia que Jesus estava se tornando uma vítima. E sua mente começou a se perguntar: cometi um erro? Na verdade, esse não é o Messias? Mateus 11:2-3 diz:

2 Quando João ouviu, no cárcere, falar das obras de Cristo, mandou por seus discípulos perguntar-lhe:
3 És tu aquele que estava para vir ou havemos de esperar outro?

Até mesmo João Batista tinha sérias dúvidas. Se ele próprio não entendia muitas coisas, você pode imaginar quantas perguntas tinham seus discípulos. Havia muitas dúvidas acerca do Messias. João perguntou se de fato Jesus era o Messias. Volte agora para Atos 19. Aqueles discípulos de João poderiam facilmente ter sido instruídos por João, sem um completo entendimento e uma fé plena em Jesus como o Messias. E certamente eles não eram cristãos. Caso positivo, já teriam conhecido o batismo em nome do Senhor Jesus e teriam conhecido algo sobre o dom do Espírito Santo. Então, o que aconteceu aqui em Atos 19 não serve de padrão para a igreja.

Ponto dois. Há outro motivo pelo qual não acredito que o texto estabelece um padrão para a igreja: aquelas pessoas faziam parte de um um grupo de transição. O que acontece na transição não é necessariamente padrão. Eu ensino a doutrina do Espírito Santo a partir de declarações claras em toda a Escritura. Eu não preciso ir ao livro de Atos, porque Atos é um relato de um tempo de transição. Não há repetição dessas declarações feitas em Atos em outras partes do Novo Testamento.

Se alguém me diz: você acredita que todo cristão tem o Espírito Santo? Eu direi: “Vós, porém, não estais na carne, mas no Espírito, se, de fato, o Espírito de Deus habita em vós. E, se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele.” Ou seja, se alguém não tem o Espírito de Cristo, não pertence a Deus e não é um cristão.

Não pode haver diferença entre a sua salvação e o dom do Espírito. Se você não tem o Espírito Santo, você não pertence a Cristo. Se você pertence a Cristo você tem o Espírito Santo. I Coríntios 6:19 diz: “Acaso, não sabeis que o vosso corpo é santuário do Espírito Santo, que está em vós, o qual tendes da parte de Deus, e que não sois de vós mesmos?”.

O Espirito Santo foi uma promessa de Cristo à sua igreja. E o Espírito não foi dado por medida, em doses. É um presente de Deus. Diminuir ou restringir o cumprimento dessa promessa é diminuir a glória de Deus, pondo restrições na eficácia de sua obra e no cumprimento de sua promessa. É criar lacunas sobre a credibilidade de Deus. É por em dúvida o que Ele disse. Ezequiel 26-27 diz:

26 Dar-vos-ei coração novo e porei dentro de vós espírito novo; tirarei de vós o coração de pedra e vos darei coração de carne.
27 Porei dentro de vós o meu Espírito e farei que andeis nos meus estatutos, guardeis os meus juízos e os observeis.

Se um cristão tem que fazer algo para obter o Espírito Santo, então há cristãos sem o Espírito Santo? Ou apenas com uma pequena dosagem dele? A credibilidade de Deus está em jogo com um raciocínio assim. Também a credibilidade de Jesus está em jogo. João 14:16-17 diz:

16 E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, a fim de que esteja para sempre convosco,
17 o Espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê, nem o conhece; vós o conheceis, porque ele habita convosco e estará em vós.

Jesus disse: “Vou rogar ao Pai, Ele dará a vocês o Espírito Santo”. Quais são as condições? A única condição para a chegada do Espírito Santo foi o quê? A oração de Jesus. Qual a condição? Nenhuma. Apenas a oração de Jesus.

Dizer que um cristão não tem o Espírito de Deus, ou o tem por medida restrita, põe em cheque a credibilidade de Deus e de Cristo. João 7:37-39 diz:

37 No último dia, o grande dia da festa, levantou-se Jesus e exclamou: Se alguém tem sede, venha a mim e beba.
38 Quem crer em mim, como diz a Escritura, do seu interior fluirão rios de água viva.
39 Isto ele disse com respeito ao Espírito que haviam de receber os que nele cressem; pois o Espírito até aquele momento não fora dado, porque Jesus não havia sido ainda glorificado.

Você ouviu isso? Muito convincente. Jesus disse: “Quem crer em mim… do seu interior fluirão rios de água viva”. E João diz que Ele falava da promessa do Espírito Santo. O texto é muito claro: é uma promessa a todos os crentes, de forma uniforme. O que faltava para ser cumprida a promessa? A oração dos crentes pedindo? Não. Faltava apenas a glorificação de Jesus. Por isso Paulo diz:

Pois, em um só Espírito, todos nós fomos batizados em um corpo, quer judeus, quer gregos, quer escravos, quer livres. E a todos nós foi dado beber de um só Espírito (I Coríntios 12:13).

Quantos foram batizados? Quantos tiveram o batismo do Espírito? Todos. II Corintios 6:16 diz:

Que ligação há entre o santuário de Deus e os ídolos? Porque nós somos santuário do Deus vivente, como ele próprio disse: Habitarei e andarei entre eles; serei o seu Deus, e eles serão o meu povo.

Paulo está falando aí sobre a união desigual com incrédulos. E afirma: “somos santuário do Deus vivente”. E diz que Deus habita em nós e anda em nós. Você sabe por que você é o templo do Deus vivo? Porque Deus disse que você seria. Não porque você procurou, mas porque Ele disse isso. Todo verdadeiro crente tem o Espírito Santo de forma plena, conforme Jesus prometeu.

De fato, Efésios 2:21-22 diz que toda a igreja está edificada para a habitação do Espírito. Cada membro do corpo tem essa promessa cumprida. Se você quiser procurar a doutrina do Espírito Santo, não olhe para uma passagem típica de uma época de transição no livro de Atos, olhe para as cartas dos apóstolos.

Agora, você diz: “Mas quanto a Atos 8:14-17?”. Vamos ver isso agora.

14 Ouvindo os apóstolos, que estavam em Jerusalém, que Samaria recebera a palavra de Deus, enviaram-lhe Pedro e João;
15 os quais, descendo para lá, oraram por eles para que recebessem o Espírito Santo;
16 porquanto não havia ainda descido sobre nenhum deles, mas somente haviam sido batizados em o nome do Senhor Jesus.
17 Então, lhes impunham as mãos, e recebiam estes o Espírito Santo.

Agora, eu já lhe disse antes que isso é uma coisa simples na transição. As pessoas citadas no texto são samaritanos. Em todo o mundo, é improvável que os judeus odiassem alguém tanto quanto odiavam os samaritanos. Agora, os judeus receberam o Espírito Santo no dia de Pentecostes, certo? O evangelho tinha sido pregado em Samaria. Judeus e samaritanos estavam há 500 anos separados. Eles não se falavam. A mulher samaritana (João 4) ficou chocada quando Jesus falou com ela. Samaria havia recebido o evangelho, este fato se tornou um paradigma aos judeus convertidos.

E assim, Deus, na sua sabedoria maravilhosa, reteve o Espírito Santo deles até os apóstolos judeus chegarem. E os apóstolos judeus viram os samaritanos receber o Espírito Santo com a mesma manifestação que receberam no Pentecostes. Assim, os apóstolos poderiam voltar e dizer aos judeus em Jerusalém o que havia acontecido, para que todos cressem que os samaritanos também faziam parte de um mesmo corpo com os judeus. Isto foi muito importante para a igreja.

Lembra do que aconteceu no caso de Cornélio no capítulo 10 de Atos? Ele também recebeu o Espírito Santo, teve a mesma manifestação de línguas que eles tiveram no dia do Pentecostes e todos os judeus que estavam lá ficaram absolutamente chocados. Eles não podiam acreditar. Pedro voltou para Jerusalém e disse: “vocês não vão acreditar nisso, mas os gentios receberam o mesmo que nós!”. Você pode observar que os dois casos são emblemáticos. Em ambos houve uma manifestação evidente e diante dos apóstolos, para que a igreja entendesse a dimensão e unicidade do corpo de Cristo.

E isso é claramente indicado nesta Escritura, como Pedro volta mais tarde e relata o maravilhoso fato de que mesmo os gentios receberam o Espírito Santo como eles haviam recebido. Deus estava juntando a igreja. Agora eu quero que você note algo nos versículos 18 a 23 de Atos 8.

18 Vendo, porém, Simão que, pelo fato de imporem os apóstolos as mãos, era concedido o Espírito [Santo], ofereceu-lhes dinheiro,
19 propondo: Concedei-me também a mim este poder, para que aquele sobre quem eu impuser as mãos receba o Espírito Santo.
20 Pedro, porém, lhe respondeu: O teu dinheiro seja contigo para perdição, pois julgaste adquirir, por meio dele, o dom de Deus.
21 Não tens parte nem sorte neste ministério, porque o teu coração não é reto diante de Deus.
22 Arrepende-te, pois, da tua maldade e roga ao Senhor; talvez te seja perdoado o intento do coração;
23 pois vejo que estás em fel de amargura e laço de iniquidade.

Simão desejou o dom do Espírito Santo. Ele queria poder espiritual. E esse é um motivo perigoso, egoísta. Pedro repreendeu prontamente. É um cenário que se repete em nossos dias: a busca pelo poder. Simão também pensava poder comprar o poder, ele pensou que poderia ser obtido por meios humanos. Ele queria poder espiritual e pensou que tudo poderia ser obtido por meios humanos. A igreja primitiva considerou Simão um pai de heresia. Mas hoje muitos estão repetindo esta cena, buscando o Espírito Santo para ter maior poder e buscando homens para obter tal poder. Tal fato é aceito por parte da igreja e representa uma afronta à graça.

Voltemos agora para Atos 19. No verso 2 Paulo pergunta: “Recebestes, porventura, o Espírito Santo quando crestes?”. Ele pode estabelecer pela resposta a essa pergunta se eles eram cristãos. Se dissessem que sim, Paulo os receberia como tal, pois todos os cristãos têm o Espírito Santo. O tabu com os samaritanos já havia caído por terra em Atos 8. O tabu com os gentios também havia caído por terra em Atos 10. Em Atos 15:7-9 diz:

7 Havendo grande debate, Pedro tomou a palavra e lhes disse: Irmãos, vós sabeis que, desde há muito, Deus me escolheu dentre vós para que, por meu intermédio, ouvissem os gentios a palavra do evangelho e cressem.
8 Ora, Deus, que conhece os corações, lhes deu testemunho, concedendo o Espírito Santo a eles, como também a nós nos concedera.
9 E não estabeleceu distinção alguma entre nós e eles, purificando-lhes pela fé o coração.

Você sabe por que eles receberam o Espírito Santo? Porque Deus sabia que a fé deles era real. Qual é a condição para obter o Espírito Santo? Uma fé verdadeira. Pedro diz, em outras palavras: “Esta é a norma. Não há diferença entre nós e eles”. E como sabemos que isto é o padrão para a igreja? Porque está em concordância com as palavras de Cristo, com os Evangelhos, com as cartas apostólicas e com os profetas.

Você entendeu? É importante. Mais tarde, Paulo colocou isso dessa maneira: “Mas, se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele” (Romanos 8:9). Paulo não fala sobre orar para receber o Espírito Santo, não estabelece condição alguma que não seja exclusivamente a fé genuína.

Então, em Atos 19:2, Ele disse: “Recebestes, porventura, o Espírito Santo quando crestes?”. O que ele está dizendo? Ele está dizendo que a fé é a chave. Agora, veja a resposta que eles deram: “Pelo contrário, nem mesmo ouvimos que existe o Espírito Santo”. Paulo diz, verso 3. “Em que, pois, fostes batizados?”.

A questão aqui é que se eles não haviam recebido o Espírito Santo, Paulo imediatamente relacionou com o fato de que eles não haviam sido batizados. E eles ainda declararam que sequer haviam ouvido falar sobre o Espírito Santo., algo improvável, pois essa promessa vem desde o Antigo Testamento. Em Lucas 3:16, João Batista disse:

Eu, na verdade, vos batizo com água, mas vem o que é mais poderoso do que eu, do qual não sou digno de desatar-lhe as correias das sandálias; ele vos batizará com o Espírito Santo e com fogo.

É incrível para mim quando ouço pessoas pedindo um batismo de fogo. João Batista estava falando para pessoas que creriam em Cristo e também para a maioria que não creria. Aos crentes ele falou do batismo com o Espírito Santo, a inserção no corpo de Cristo. Aos incrédulos ele falou sobre o batismo de fogo, o inferno eterno. Tanto é que no verso seguinte, ele diz:

A sua pá, ele a tem na mão, para limpar completamente a sua eira e recolher o trigo no seu celeiro; porém queimará a palha em fogo inextinguível (Lucas 3:17).

Mas, o ponto aqui é que João Batista ensinou sobre o Espírito Santo. Portanto, não seria apropriado dizer que eles não sabiam que havia um Espírito Santo. Mas eles não sabiam que o Espírito Santo já havia sido dado. Eles sabiam da promessa. A promessa vem desde o Antigo Testamento. E João disse que o Espírito Santo viria, mas eles não sabiam que o Espírito Santo havia sido dado.

Agora, observe o verso 3 de Atos 19: “Então, Paulo perguntou: Em que, pois, fostes batizados? Responderam: No batismo de João”. Aqui a pergunta de Paulo deixa claro um objetivo de se verificar uma falha na doutrina deles.

E então, o texto segue dizendo que Paulo procedeu a ensinar-lhes a doutrina do Espírito Santo? Ele não fez isso! Quero destacar algo nos versículos 4 e 5 de Atos 19. Ele usa apenas dois nomes próprios. Cristo Jesus, no final do versículo 4 e Senhor Jesus, no fim do versículo 5. Paulo não perguntou se eles foram ensinados sobre o Espírito Santo. Simplesmente Ele os ensinou sobre Cristo. Por quê? Porque quando eles chegassem à fé em Cristo, o Espírito Santo seria dado como um presente.

Se eu encontrar alguém sem o Espírito Santo, eu vou pregar-lhe sobre Cristo, sua vida, obra e evangelho. E o Espírito Santo lhe será concedido, se essa pessoa experimentar o novo nascimento, pois isto é um presente de Deus. Assim, Paulo apenas lhes apresentou o evangelho. Ele disse: “João realizou batismo de arrependimento, dizendo ao povo que cresse naquele que vinha depois dele, a saber, em Jesus” (Atos 19:4). Como eles creram, o verso 5 diz que “Eles, tendo ouvido isto, foram batizados em o nome do Senhor Jesus”. E o verso 6 diz: “E, impondo-lhes Paulo as mãos, veio sobre eles o Espírito Santo; e tanto falavam em línguas como profetizavam”. O Espírito Santo veio sobre eles imediatamente. Paulo não os ensinou a busca-lo. O segredo para receber o Espírito Santo é conhecer Jesus. II Pedro 1:2-3 diz:

2 Graça e paz vos sejam multiplicadas, no pleno conhecimento de Deus e de Jesus, nosso Senhor.
3 Visto como, pelo seu divino poder, nos têm sido doadas todas as coisas que conduzem à vida e à piedade, pelo conhecimento completo daquele que nos chamou para a sua própria glória e virtude.

Pedro nos diz que Deus nos deu todas as coisas que dizem respeito à vida e à piedade, através do conhecimento daquele que nos chamou. Quem nos chamou? Deus. Se você conhece Deus através de Cristo, o Espírito vem como um presente, sem medida, sem restrições. 

E então, Paulo simplesmente diz para eles, a fim de determinar se eram cristãos: “Vocês já receberam o Espírito Santo quando creram?”. Eles responderam dizendo que não tinham ouvido que o Espírito Santo havia sido dado. Ao que Paulo pergunta: “Bem, então, que tipo de batismo vocês receberam?”. Eles informaram: “Bem, fomos batizados em João”. Paulo lhes diz, em outras palavras: “Oh, vocês estão sem Cristo. João estava apenas preparando vocês para o Cristo. Deixem-me lhes falar sobre Cristo”. E então, eles creram prontamente, foram batizados e receberam o Espírito Santo. Esse é o padrão.

Agora, note o que aconteceu quando o Espírito veio no versículo 6: “E, impondo-lhes Paulo as mãos, veio sobre eles o Espírito Santo; e tanto falavam em línguas como profetizavam”. Muitos defendem que o sentido do texto é que o Espírito Santo veio em meio aos procedimentos do batismo nas águas, não de uma imposição específica. Mas, de qualquer forma, também isto não é padrão para a igreja, inclusive estecrelato de Atos 19 é o último relato na Bíblia de algo semelhante. O livro de Atos é um relato de um período de transição. Ali foi uma experiência para 12 homens, não um padrão para a igreja como um todo.

Você diz: por que eles falaram em línguas? Duas razões. Deus queria estabelecer um forte vínculo em um corpo. E Essas pessoas nunca ouviram que o Espírito Santo havia chegado. Deus sabia que eles precisavam de um forte convencimento de que o Espírito havia chegado. E assim, Deus, em Sua maravilhosa sabedoria, estendeu a mesma experiência do Pentecostes a eles. Para que eles também conhecessem o Espírito. Eles eram judeus. A breve repetição da experiência do dia de pentecostes foi também um marco da transição. A marca do recebimento do Espírito Santo foi conhecer a Cristo e não o falar em línguas.

Espero que você entenda isso. E, novamente, espero que você entenda que isso é dito com um sentimento de amor e uma sensibilidade ao fato de que muitos poderiam interpretar que sou amargo com as pessoas que crêem na doutrina pentecostal. Eu não sou. Eu sou zeloso pela glória de Deus.

Nós conhecemos três pequenas transições em Atos 18 e 19. Primeiro Paulo, depois Apolo, e depois esses 12 homens. Estamos muito longe da época do livro de Atos, mas vemos esses três grupos ainda. Você sabe que, na igreja de Jesus Cristo, temos pessoas salvas, como Paulo, que conheceram Jesus Cristo, mas estão presas ao legalismo? Muitos conservam tradições judaicas.

Temos gente como Apolo, pessoas boas e honestas, simplesmente acreditam em Deus, mas nunca conheceram Cristo. Talvez eles pensem em Jesus como um mestre maravilhoso, um homem de grande ética, mas nunca chegaram à cruz e à ressurreição.

E então, temos muitas pessoas correndo por aí que não estão instruídas acerca do Espírito Santo. Muito disso é porque nem sequer conhecem Jesus Cristo. Alguns conhecem Cristo, mas ofendem o Espírito por incompreensão de Sua obra maravilhosa. Espero que você não esteja em transição. “Pelo Seu divino poder, nos têm sido doadas todas as coisas que conduzem à vida e à piedade, pelo conhecimento completo daquele que nos chamou para a sua própria glória e virtude”. Vamos orar.

Pai, estamos gratos porque podemos falar com convicção das páginas da Escritura, não de nossa própria opinião. Obrigado por estas amado pessoas aqui. Pai, pode haver em nosso meio alguns que têm prosseguido nesta visão particular do Espírito Santo, tendo uma sensação de que eles não têm o Espírito e estando à procura de algum tipo de manifestação. Deus, ajude-os a entender que nosso desejo é apenas que eles conheçam a plenitude de tudo o que é concedido na salvação.

A salvação é completo e total. Deus não retem de nós qualquer coisa boa. Mas, em vez disso, todos os que crêem terão um fluxo dos rios de água viva neste grande mar do Espírito Santo. Agradecemos ao Espírito Santo por ser a nossa força, nossa vida. Pai, gostaríamos de pedir que possamos saber lidar com amor com aqueles que não compreendem a obra do Espírito.

Pai, assim como nós encontramos outros em transição, alguns talvez como Paulo, que estão agarrados a velhos padrões e ainda não foram capazes de desfrutar de sua liberdade, oramos para que possamos ser gentis e que possamos vê-los como irmãos, no mesmo amor, como Paulo sugere, e não faze-los tropeçar. Pai, também encontramos algumas boas pessoas, algumas pessoas que crêem em Ti, que podem até acreditar em Jesus, mas num ponto que nunca chegam à cruz. Que possamos, em amor tal como Aquila e Priscilla fizeram, colocar os nossos braços em torno deles e trazê-los para o conhecimento completo de Jesus Cristo e sua obra perfeita.

Obrigado Senhor pelo que aprendemos hoje da tua Palavra, pelo que o Espírito nos ensina. Oramos em nome de Cristo, Amém.


Esta é uma série de sermões sobre os dons do Espírito Santo, conforme links abaixo:


Este texto é uma síntese do sermão “From Judaism to Jesus, Part 3: Have you Received the Holy Spirit?”, de John MacArthur em 27/01/1974.

Você pode ouvi-lo integralmente (em inglês) no link abaixo:

https://www.gty.org/library/sermons-library/1770

Tradução e síntese feitos pelo site Rei Eterno


 

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *