Livres da Ansiedade – 1

Imprimir

Este é o primeiro de dois sermões de John MacArthur sobre Ansiedade, conforme links no final deste texto.


Em continuação ao nosso estudo no Evangelho de Lucas, vamos avançar hoje para Lucas 12: 22 a 34.

A seguir, dirigiu-se Jesus a seus discípulos, dizendo: Por isso, eu vos advirto: não andeis ansiosos pela vossa vida, quanto ao que haveis de comer, nem pelo vosso corpo, quanto ao que haveis de vestir. Porque a vida é mais do que o alimento, e o corpo, mais do que as vestes. Observai os corvos, os quais não semeiam, nem ceifam, não têm despensa nem celeiros; todavia, Deus os sustenta. Quanto mais valeis do que as aves! Qual de vós, por ansioso que esteja, pode acrescentar um côvado ao curso da sua vida? Se, portanto, nada podeis fazer quanto às coisas mínimas, por que andais ansiosos pelas outras? Observai os lírios; eles não fiam, nem tecem. Eu, contudo, vos afirmo que nem Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como qualquer deles. Ora, se Deus veste assim a erva que hoje está no campo e amanhã é lançada no forno, quanto mais tratando-se de vós, homens de pequena fé!  Não andeis, pois, a indagar o que haveis de comer ou beber e não vos entregueis a inquietações. Porque os gentios de todo o mundo é que procuram estas coisas; mas vosso Pai sabe que necessitais delas. Buscai, antes de tudo, o seu reino, e estas coisas vos serão acrescentadas. Não temais, ó pequenino rebanho; porque vosso Pai se agradou em dar-vos o seu reino. Vendei os vossos bens e dai esmola; fazei para vós outros bolsas que não desgastem, tesouro inextinguível nos céus, onde não chega o ladrão, nem a traça consome, porque, onde está o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração.

Muito do que Jesus diz aqui na Judeia, meses antes da Sua morte, Ele disse também na Galileia, muito antes disso, no que conhecemos como o Sermão da Montanha (Mateus 5,6,7). Na verdade, a passagem em Lucas 12:22 a 34 é um paralelo direto aos versos de Mateus 6, mais intenso ainda se você considerá-la entre os versos 19 e 34. Este é, então, uma espécie de coração do ensinamento de Jesus. Sem dúvida, que além dos dois registros nas Escrituras, Jesus deve ter pregado sobre o mesmo assunto em muitas ocasiões e em muitos lugares diferentes.

Essa passagem, tão familiar para nós, fala de assuntos tais como: não estar ansioso com sua vida, considerar os corvos, os lírios do campo, buscar o reino de Deus em primeiro lugar e as demais coisas lhes serão acrescentadas, onde estiver seu tesouro aí estará seu coração… Mas, ao juntarmos todos os assuntos dessa passagem, o que une tudo é uma afirmação que Jesus faz três vezes.

Verso 22: “Não fique ansioso” e, em seguida, o versículo 29, “Não fique inquieto”, e, em seguida, o versículo 32, “Não fiquem temerosos”. Eu tenho intitulado esta passagem como “Vida livre de preocupações”, ou “Vida livre de ansiedade” ou “Vida livre de estresse”. Por muitas vezes o Senhor falou sobre não estarmos temerosos, preocupados, ansiosos, com medo, e Ele explicou por quê. A vida sem ansiedade é parte do que o Senhor oferece. Faz parte da mensagem do Evangelho. É algo acessível a todos que entraram no Reino de Deus.

Eu entendo a razão pela qual o mundo está estressado. Entendo porque as pessoas estão ansiosas, preocupadas e sofrendo ataques de pânico. É, de fato, assustador pensar em estar pendurado neste inexplicável universo, sentir-se sozinho e não conseguir descobrir porque você está aqui e para onde você está indo. Eu entendo que há um certo medo cósmico. Eu entendo porque as pessoas usam drogas, bebidas alcoólicas e outras coisas para preencherem suas mentes com outros pensamentos. Vivemos em uma cultura ansiosa.

É espantoso, porque esta é uma sociedade que desfruta de tantas coisas jamais vistas antes, mas é uma sociedade que parece ser a mais angustiada, ansiosa, estressada e tomada de pânico. Há uma enorme estrutura médica para cuidar do estresse das pessoas. Temos diagnósticos e tratamentos médicos para todas as manifestações da angustia, ansiedade, pânico e temores das pessoas, mas não há como eliminá-las.

São tão comuns esses distúrbios da alma, que nem sequer se fala em eliminá-los, mas “gerenciá-los”. Cursos, seminários, palestras e mídias sobre gerenciamento do estresse estão na ordem do dia. Mas, em outras palavras, Jesus vem e diz: “Eu não vou te ensinar como gerenciar seu estresse, eu vou eliminá-lo”.

Diante das incertezas, a sociedade busca ter um controle da ansiedade e suas consequências. Os medos atormentam as pessoas. Há milhões de pessoas apontadas como tendo algum problema mental, e fortunas são gastas com elas. Os transtornos provocados pela ansiedade ganham nomes novos e diferentes. A medicina cataloga, inclusive, diversos tipos de ansiedade, ou seja, não há uma espécie de ansiedade, mas muitas.

Existem várias categorias. Há o que se chama ‘Transtorno Geral de Ansiedade’, e essa categoria compreende quase todos os tipos de ansiedade. E, em seguida, há o ‘Transtorno da Ansiedade Obsessiva Compulsiva’, que significa que a pessoa faz coisas muito estranhas, como lavar as mãos cem vezes ao dia, ou arrancar fios de cabelo, ou esfregar o nariz, ou algum outro tipo de comportamento compulsivo inexplicável. E então, há a ‘Síndrome do Pânico’, em que a pessoa entra em um alto nível de pânico, coração em disparada, medo extremo, sendo que não há nenhuma razão circunstancial real para isso.

Há o ‘Estresse Pós-traumático’, que é algum nível de pânico que a pessoa sente depois de algo que acabou de passar. Existe o que se chama ‘Desordem da Ansiedade Social’, que eu acho que significa que você não teria se não vivesse cercado de outras pessoas. Há outros transtornos, como fobias específicas de animais, ansiedade por uma tempestade, fobia com armários etc. Nos Estados Unidos, metade da população experimenta algum tipo de transtorno de ansiedade psiquiátrica. Parte da população mundial sofre ataques de pânico vindo do nada, pois do nada são tomadas de um pânico terrível e aterrorizante. Isso virou um lucrativo mercado médico e da indústria farmacêutica. Muitos estão no negócio de tentar gerenciar o medo das pessoas.

De acordo com a Ohio State University, o objetivo de qualquer tratamento é tornar a ansiedade uma parte gerenciável da existência diária. O melhor que o mundo pode oferecer é gerenciar sua ansiedade. Jesus oferece-lhe eliminá-la. Isso soa como um bom negócio? Se livrar de tudo isso? Parar com isso? Na verdade, você pode traduzir o versículo 22 como “pare de estar ansioso”, versículo 29, “pare de se preocupar”, e o versículo 32, “pare de ter medo”.

O mundo oferece terapias comportamentais cognitivas ou uma longa lista de medicamentos. Mas nosso Deus compassivo oferece uma solução muito superior: a eliminação da sua ansiedade por completo. Pare de estar ansioso! Pare de se preocupar. Pare de ter medo! A preocupação é uma coisa bastante mortal. Roche disse: “A preocupação é um fluxo minúsculo de medo que goteja através da mente. Se encorajado, corta um canal no qual todos os outros pensamentos são drenados”.

Você pode começar com apenas uma pequena preocupação e pode engolfar toda a sua vida. A antiga palavra alemã para preocupação é “wuergen” ela significa “bloquear” ou “estrangular”. Fala sobre o estrangulamento mental através do medo e da ansiedade, do estresse e da preocupação.

Existem apenas dois domínios em que você pode se preocupar. Você pode se preocupar com o mundo físico ou pode se preocupar com o mundo espiritual. Você pode se preocupar com o que é imaterial, ou com o que é material. Você pode se preocupar com o que é terrestre e o que é celestial. E é por isso que Jesus diz que não precisa se preocupar. No versículo 22, Ele diz: “Não se preocupe com a sua vida”, isso Ele quis dizer em relação ao que você veste e come. Pare de se preocupar com isso, o básico da vida. E, em seguida, no versículo 32: “Não tenha medo no nível espiritual, pois o Pai o escolheu para lhe dar o reino”.

Você não tem nada com o que se preocupar ou ficar estressado ou entrar em pânico. Então, concluímos que é pecado um cristão viver preocupado. É um pecado que surge de uma incapacidade de entender Deus, de um fracasso em entender Seu amor soberano, Seu cuidado soberano, e Seus recursos soberanos. É disso que Jesus está tratando. Jesus oferece uma vida livre de ansiedade. Quando você entra em Seu reino, Deus cuida de você e suas preocupações realmente terminaram.

Você tem que entender as promessas de Deus e você tem que entender os propósitos de Deus para chegar a essa vida livre de preocupações e ansiedade. Então, deixe-me ajudá-lo com isso. Nestes versos, à medida que se desdobram, até o versículo 34, há vários pontos que eu quero desenrolar para você. Seis deles mostram que a preocupação surge de uma incapacidade de entender algo sobre Deus.

Em primeiro lugar, vejamos o primeiro, a preocupação é a falta de compreensão da prioridade divina. Veja os versículo 22-23:

Por isso, eu vos advirto: não andeis ansiosos pela vossa vida, quanto ao que haveis de comer, nem pelo vosso corpo, quanto ao que haveis de vestir. Porque a vida é mais do que o alimento, e o corpo, mais do que as vestes.

Isso não é difícil de entender e, no entanto, há algumas coisas abaixo da superfície que eu acho que vão abrir uma compreensão mais profunda disso. Antes de tudo, Jesus disse isso aos Seus discípulos. Lembre-se agora, Ele está falando com os discípulos, incluindo os apóstolos, como observamos no versículo 41, quando Pedro diz: “Senhor, proferes esta parábola para nós ou também para todos?”. Os apóstolos eram aprendizes, bem como todos que haviam crido em Cristo. Ele está explicando a eles o que é a vida no reino. Milhares estavam ali, sendo a maioria hostil a Cristo. Mas para aqueles que estavam interessados, Ele define o reino.

Antes disso, no versículo 13, um homem o interrompeu dizendo: “Mestre, ordena a meu irmão que reparta comigo a herança”. Jesus lhe respondeu: “Homem, quem me constituiu juiz ou partidor entre vós? Tende cuidado e guardai-vos de toda e qualquer avareza; porque a vida de um homem não consiste na abundância dos bens que ele possui” (v.14-15). Em seguida Jesus proferiu a parábola do homem rico que construíu grandes celeiros para guardar tudo para si mesmo e descansar nos bens que possuía. Jesus a conclui dizendo: “Mas Deus lhe disse: Louco, esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será? Assim é o que entesoura para si mesmo e não é rico para com Deus” (v.20-21).

E depois de responder o argumento desse jovem com essa parábola, Ele retoma o seu ensinamento, mas Ele conecta os dois juntos, como diz o versículo 22: “Por isso, eu vos advirto…”. Por que razão? O motivo que Ele acabou de ensinar através da parábola, ou seja, devemos ter o nosso tesouro no céu. Foi assim que Ele disse isso em Mateus 6:19 a 21 e 24:

Não acumuleis para vós outros tesouros sobre a terra, onde a traça e a ferrugem corroem e onde ladrões escavam e roubam; mas ajuntai para vós outros tesouros no céu, onde traça nem ferrugem corrói, e onde ladrões não escavam, nem roubam; porque, onde está o teu tesouro, aí estará também o teu coração. Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de aborrecer-se de um e amar ao outro, ou se devotará a um e desprezará ao outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas.

E a imagem da escravidão tornou isso bastante claro. Ser escravo não era como ser um empregado em nossa sociedade, onde você pode ter dois empregos, desde que os horários sejam compatíveis. Então, hoje você pode servir a dois mestres. Mas você não poderia em um ambiente escravo, porque você seria de propriedade do mestre e não havia como um escravo servir a dois mestres, isso era impossível. Naquela época um mestre não aceitaria você recebendo ordens de alguém estranho.

No reino espiritual, ou você serve a Deus, ou serve ao dinheiro; ou você é rico em Deus, ou se entrega a si mesmo em busca da aparência deste mundo. E assim, Jesus inicia o verso 22 de Lucas 12 dizendo: “Por isso, eu vos advirto:…”. Essa era a Sua perspectiva. Aquelas pessoas que estavam ali sabiam que Jesus tinha acabado de falar em ser rico para com Deus e não com os tesouros deste mundo. A questão viria à suas mentes, eles estão sentados lá, pensando:

Bem, Jesus está dizendo que devemos ser ricos em relação a Deus e não fazer provisões para o futuro e prosperar? Mas, se dermos tudo a Deus, o que acontecerá conosco? Quem cuidará de nós? Se eu não cuidar de mim mesmo, não armazenar bens, quem vai cuidar de mim? Eu não quero depender dos outros. Eu não quero depender da compaixão transitória das pessoas!.

Bem, a resposta é que Deus vai cuidar de você. Deus é aquele que alimenta os pássaros, que faz brotar a grama no campo, Ele sabe o que você precisa. Deus é aquele que lhe dará o reino e cuidará de você. I Pedro 5:7 diz: “Lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós”. Então, e se Ele pedir que você abandone tudo, como Ele pediu ao jovem rico, e o mandou vender tudo que ele tinha e dar aos pobres? Aquele jovem se afastou de Cristo, pois ele era muito rico e não queria abandonar suas riquezas para depender de Deus.

Mas, por outro lado, Jesus disse em Lucas 9:23 que “Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, dia a dia tome a sua cruz e siga-me”. Você deve se negar e tem que perder a vida. Ou nas palavras de Mateus 13:44 a 46, você vende tudo para comprar a pérola, você vende tudo para comprar o tesouro no campo, você abandona tudo. Ou em Lucas 9:57-58, quando um homem disse que O seguiria para onde Ele fosse, Jesus respondeu: “As raposas têm seus covis, e as aves do céu, ninhos; mas o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça”. Ou seja, “se você Me seguir, isso pode te custar tudo”. Isso custou aos apóstolos, eles deixaram suas redes para trás e O seguiram.

Ele disse a outro: “Siga-Me”. Ele disse: “Permita-me ir primeiro sepultar meu pai” (Lucas 9:59). O pai daquele homem não estava morto, aquela era uma forma de dizer: “Deixe eu primeiro receber minha herança”. Na sequência, havia aquele que pediu para se despedir dos parentes, ou seja, recolher algum dinheiro de seus parentes. Jesus lhe disse: “Ninguém que, tendo posto a mão no arado, olha para trás é apto para o reino de Deus”. O que Jesus está dizendo é:

Como você está desesperado? Quanto você quer estar neste reino? Se você ainda está pondo sua segurança no dinheiro, então, de acordo com a parábola dos solos, o amor às riquezas e seus enganos tornarão a semente infrutífera. Em outras palavras, a salvação é para as pessoas que estão desesperadas o suficiente para dizerem: ‘Olha, eu não me importo o que isso me custará, se Tu queres tudo o que eu tenho, eu darei. Se Tu não queres nada, também está bem. Seja o que for, eu Te darei. E mesmo se Tu não perguntares, terei a disposição de Zaqueu, como está em Lucas 19’.

Se você responder à verdade e entrar no reino, então você se torna Dele e dependerá de Seus cuidados. Você aprenderá a confiar plenamente no Senhor e contentar-se com as situações da vida, expressando o que Paulo declarou: “aprendi a viver contente em toda e qualquer situação” (Filipenses 4:11). Às vezes, você tem muito, às vezes pouco, mas você sempre tem o suficiente. Ensinando isto aos Filipenses, Paulo disse: “Meu Deus, segundo a sua riqueza em glória, há de suprir, em Cristo Jesus, cada uma de vossas necessidades”.

Esta é uma questão de prioridade divina. Voltemos ao texto e vou mostrar-lhe como isso funciona. “Não fique ansioso por sua vida“. Agora, o que você quer dizer com a “vida”? Sua vida física, o que você come e se veste. Não fique ansioso em relação ao seu corpo, com o que você vai ser vestir e nem com o que vai se alimentar.

Agora, isso preocupava profundamente as pessoas nos dias de Jesus. Naquela época, basicamente, a maioria lutava apenas pela sobrevivência. Não havia as muitas comodidades de nossa época. Se você quisesse comer, você precisava fazer toda a preparação do alimento, se quisesse roupas, você tinha que comprar fios para fazê-las. Se você fosse pobre, imagine as dificuldades! A luta de quase todos era pela sobrevivência. Em I Timóteo 6:8 é dito: “Tendo sustento e com que nos vestir, estejamos contentes”. E essa era a realidade da vida. Era a luta pela sobrevivência. Mas Jesus diz:

Não andeis ansiosos pela vossa vida, quanto ao que haveis de comer, nem pelo vosso corpo, quanto ao que haveis de vestir. Porque a vida é mais do que o alimento, e o corpo, mais do que as vestes (Lucas 12:23).

Aqui está outra maneira de dizer isso: você existe por um motivo mais elevado. A vida é mais do que comida e você tem um corpo por mais razões do que apenas roupas. Em outras palavras, Deus não fez você para que você pudesse ser como um animal, ou apenas uma máquina de comer, ou apenas o final da cadeia alimentar. Você não é o produto final da evolução. Não estou aqui apenas para existir. É em Deus que eu vivo e me movo e tenho meu ser. Deus tem um propósito para a minha vida, estou sob a prioridade divina. Ele quis me dar vida e me trouxe para Seu reino, então Ele tem um propósito para eu cumprir em Seu reino, para a Sua glória, e assim, Ele irá me sustentar para este fim.

Não faria sentido Deus dizer: “Eu vou salvar você, dar vida eterna, vida espiritual, tenho um propósito para sua vida, um destino, um plano e um propósito, chamei você e permiti as circunstâncias na sua vida e, se você puder se manter vivo para cumprir este acordo, isso será realmente bom”. Não, não é isto. Os ímpios passam por esta vida e morrem sem qualquer contribuição para o reino divino. Mas aqueles a quem Deus chamou, estão cumprindo o propósito divino e é por isso que você pode dizer com o salmista: “O Senhor é o meu Pastor, Ele me faz deitar-se em pastagens verdes, Ele me conduz às águas tranquilas, Ele restaura minha alma, Ele me conduz através do vale da sombra da morte”.

Então, se Deus lhe deu vida, redimiu e tem um propósito para sua vida, Ele então providenciará o que você precisa para sobreviver. Enquanto Ele tiver esse plano a cumprir em sua vida, Ele te sustentará. Temos uma vida e um corpo para glorificar a Deus, cumprir Seu propósito, Sua vontade e Seu plano. Enquanto esse plano estiver operando, Ele nos sustentará.

Você não precisa construir grandes celeiros para cuidar de si mesmo e se proteger. Seja sábio, seja fiel, não seja tolo, seja um bom mordomo, faça algum planejamento para o futuro, mas você não está encarregado de cuidar de si mesmo. Deus está. Você será sustentado pelo Criador até o Seu propósito para sua vida acabar. Ele cuidará de você até o final. Você poderia se despojar de tudo, tudo o que você tem, que não mudaria o compromisso de Deus de sustentá-lo até que seja seu tempo para entrar em Seu paraíso.

Então você tem que entender a prioridade, o propósito espiritual. Se você entender isso, se você entender o dom de Deus, que Ele te chamou, Ele te regenerou, Ele te colocou em Sua família, Ele te colocou em um lugar de testemunho, ministério e serviço e tudo o que Ele quer que você faça é viver para a Sua glória e Ele cuidará da sua vida. Sua vida não é sobre comida e roupas. Esse é o compromisso de Deus. Essa é a prioridade. E se você entender a prioridade divina, que você vive e existe para o propósito de Deus, que Ele irá sustentar sua vida até que esse propósito seja cumprido, então você não precisa se preocupar com isso. A preocupação, então, não consegue entender a prioridade divina.

Em segundo lugar, a preocupação não entende a provisão divina. Olhe para o versículo 24: “Observai os corvos, os quais não semeiam, nem ceifam, não têm despensa nem celeiros; todavia, Deus os sustenta. Quanto mais valeis do que as aves!”.

Penso que Jesus usou os pássaros como ilustração por serem mais frágeis. Você sabe que Deus fez a provisão para cada um deles e que eles vivem o tempo que Deus quer? E se Deus alimenta os pássaros, quanto fará por você? É uma analogia do menor para o maior, comum no ensino judaico. Jesus estava ensinando ao ar livre. Israel sempre possuiu grande quantidade de pássaros, talvez seja, proporcionalmente, o país com mais pássaros, pois aquela região é a maior área de migração de aves no planeta.

Provavelmente Jesus olhou para cima e disse: “Olhe para eles, não possuem celeiros e nem depósitos, são incapazes de produzir seus alimentos, são totalmente dependentes de Deus. Eles estão sempre em movimento em busca do que é fornecido para eles”.

E isto não quer dizer que você não deva trabalhar. Deus nos forneceu os recursos, a capacidade de trabalhar e ganhar essas coisas, mas se estamos em uma situação em que, mesmo nos nossos melhores esforços, não podemos ter o suficiente, Deus proverá. Eles trabalham e nós trabalhamos, mas é Deus que fornece providencialmente.

Jó 38:41 diz: “Quem prepara aos corvos o seu alimento, quando os seus pintainhos gritam a Deus e andam vagueando, por não terem que comer?“. A resposta é o Todo-Poderoso. O Todo-Poderoso faz. E o salmista enfatiza isso no Salmo 104:28-28, que diz:

Eis o mar vasto, imenso, no qual se movem seres sem conta, animais pequenos e grandes. Por ele transitam os navios e o monstro que formaste para nele folgar. Todos esperam de ti que lhes dês de comer a seu tempo. Se lhes dás, eles o recolhem; se abres a mão, eles se fartam de bens.

Deus quer que eles sobrevivam. Deus os criou para a Sua própria glória. E muitas vezes penso nisso quando se trata do mar. A maioria do que acontece no mar ninguém nunca viu. É só pelo puro prazer de Deus. No Salmo 145: 14-16 diz:

O Senhor sustém os que vacilam e apruma todos os prostrados. Em ti esperam os olhos de todos, e tu, a seu tempo, lhes dás o alimento. Abres a mão e satisfazes de benevolência a todo vivente.

O Salmo 147: 7 a 9 diz:

Cantai ao Senhor com ações de graças; entoai louvores, ao som da harpa, ao nosso Deus, que cobre de nuvens os céus, prepara a chuva para a terra, faz brotar nos montes a erva e dá o alimento aos animais e aos filhos dos corvos, quando clamam.

O Senhor é quem sustenta tudo pelo Seu poder. Deus os alimenta. Deus tem um propósito para sua existência. Há uma honra manifesta que vem a Ele. Há uma glória que vem a Ele. Há um deleite que vem a Ele. E assim Deus os alimenta. O suprimento que dá aos corvos, Ele dá a Seus filhos. Olhe para o final do versículo 24: “Deus os sustenta. Quanto mais valeis do que as aves!”. Você não precisa gastar sua vida se preocupando sobre se você vai ter o suficiente no futuro. Seu Deus promete sustentá-lo até o fim de Seu propósito.

Thomas Watson disse: “Esta vida é como uma pousada. Você passa algumas noites nela, mas você nunca esquece onde está sua verdadeira casa”. Paulo disse: “… estou em aperto, tendo desejo de partir, e estar com Cristo, porque isto é ainda muito melhor. Mas julgo mais necessário, por amor de vós, ficar na carne” (Filipenses 1:23-24). Mas chegou um momento em que ele disse:

Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé. Desde agora, a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a sua vinda (II Timóteo 4:7-8).

Veja qual era a preocupação que Pedro tinha em relação a seu futuro:

E tenho por justo, enquanto estiver neste tabernáculo, despertar-vos com admoestações, sabendo que brevemente hei de deixar este meu tabernáculo, como também nosso Senhor Jesus Cristo já me tem revelado. Mas também eu procurarei em toda a ocasião que depois da minha morte tenhais lembrança destas coisas.

Estes são argumentos poderosos nestes dois primeiros pontos. A vida é de Deus. Ele dá, sustenta, faz provisão. Ele providencia isso. Ageu 1:5-7 diz:

Considerai os vossos caminhos. Semeais muito, e recolheis pouco; comeis, porém não vos fartais; bebeis, porém não vos saciais; vesti-vos, porém ninguém se aquece; e o que recebe salário, recebe-o num saco furado. Assim diz o SENHOR dos Exércitos: Considerai os vossos caminhos.

“Considere seus caminhos”. Ou seja, “dê uma olhada em si mesmo e pergunte por que é assim? Por que você não tem comida suficiente? Por que você não tem provisão suficiente? Por que você não é capaz de ter as roupas para se aquecer? Por que, quando você ganha salário, ele desaparece?”. Verso 8, Ele diz: “Subi ao monte, e trazei madeira, e edificai a casa; e dela me agradarei, e serei glorificado, diz o Senhor”. Há a resposta. Esqueceram quem? Deus. No verso 9 diz:

Esperastes o muito, mas eis que veio a ser pouco; e esse pouco, quando o trouxestes para casa, eu dissipei com um sopro. Por que causa? disse o Senhor dos Exércitos. Por causa da minha casa, que está deserta, enquanto cada um de vós corre à sua própria casa.

Ou seja, “vocês não estão cuidando de Minha casa, mas todos cuidam de sua própria casa”. No verso 4 Ele diz: “Porventura é para vós tempo de habitardes nas vossas casas forradas, enquanto esta casa fica deserta?”. E nos versos 10-11 Ele diz:

Por isso retém os céus sobre vós o orvalho, e a terra detém os seus frutos. E mandei vir a seca sobre a terra, e sobre os montes, e sobre o trigo, e sobre o mosto, e sobre o azeite, e sobre o que a terra produz; como também sobre os homens, e sobre o gado, e sobre todo o trabalho das mãos.

Deus fez com que tudo ficasse ruim. Se Ele lhe deu vida, Ele sustentará essa vida e providenciará todo o suprimento para você continuar a honrá-Lo. Há mais do que o suficiente neste planeta para saciar a todos. Você diz: “E a fome?” A fome não tem nada a ver com a capacidade desse planeta de produzir, mas com falsa religião, a guerra, a política, o comunismo que transforma pastos verdejantes em tigelas de poeira, a preguiça. Deus criou um suprimento ilimitado e Ele o fornece para seus fiéis. É por isso que Davi disse: “Fui moço, e agora sou velho; mas nunca vi desamparado o justo, nem a sua semente a mendigar o pão” (Salmo 37:25). O Salmo 34:10 diz: “Os filhos dos leões necessitam e sofrem fome, mas àqueles que buscam ao Senhor bem nenhum faltará”. Em Isaías 33:15-16 diz:

O que anda em justiça, e o que fala com retidão; o que rejeita o ganho da opressão, o que sacode das suas mãos todo o presente; o que tapa os seus ouvidos para não ouvir falar de derramamento de sangue e fecha os seus olhos para não ver o mal. Este habitará nas alturas; as fortalezas das rochas serão o seu alto refúgio, o seu pão lhe será dado, as suas águas serão certas.

Então, por que se preocupar com as necessidades da vida? A preocupação é a falta de compreensão da prioridade divina, e é isso: a prioridade é que você esteja aqui como o filho de Deus para cumprir um propósito divino. E Ele irá sustentá-lo até esse fim. Se Ele cuida dos animais que apenas de maneira nominal Lhe dão glória, quanto mais Ele vai cuidar de você?

Terceiro ponto, a preocupação é a falta de compreensão do privilégio divino. Farei apenas uma introdução sobre este assunto hoje. Olhe para o versículo 25 de Lucas 12: “Qual de vós, por ansioso que esteja, pode acrescentar um côvado ao curso da sua vida?”. Você sabe o que é um côvado? É uma medida da ponta do cotovelo até a ponta dos dedos. Algo em torno de 18 polegadas ou 20 centímetros. Era assim que eles mediam as coisas, em côvados. Mas Jesus está falando sobre o comprimento de sua vida, não de sua altura. E Ele simplesmente está dizendo: “Você acha que preocupando-se você vai adicionar tempo à sua vida?”. Esta é uma questão de privilégio divino.

Você não tem o privilégio de determinar o tempo de sua vida útil. Quem faz isto? Deus. Há uma imensa bilionária indústria para tentar fazer o homem viver mais, mas Jesus diz que você não pode adicionar um dia à sua vida. Eu não quero estar aqui por mais tempo do que Deus me quer aqui. Isso é libertador, não é? Elimina o pânico.

Não estou dizendo que você não deve ser disciplinado, moderado, alimentar-se corretamente, cuidar de sua saúde, fazer exercícios etc. Você deve fazer tudo isto. Não estou dizendo que você não deve ficar em boas condições para que possa servir o Senhor com toda a sua energia e força. Isso é importante. Não há virtude no pecado de gula, preguiça ou desleixo etc. Mas, estou lhe dizendo que a preocupação não vai prolongar sua vida, porque aquele que tem o privilégio de determinar quando você nasceu e quando você morre é o Deus soberano.

Então, o que você quer fazer? Não se preocupe. Você pertence a Ele. Ele sabe que a prioridade é que você O sirva. Ele providencia para que essa prioridade possa ser cumprida e Ele determina exatamente quanto tempo Ele quer que continue. Preocupar-se com o que? Vamos falar mais sobre isso na próxima vez. Vamos orar juntos.

Senhor, pedimos que inculques em nós uma convicção dessas verdades. Ajude-nos a entender quão ricas são essas promessas, quão maravilhosas elas são, quão alegres elas são, quão gratos devemos ser. Ajude-nos a deixarmos de estar ansiosos, preocupados, temerosos, porque sabemos que Tu Te importas com nós. Ajude-nos a confiarmos em Ti e a sermos ricos em relação a Ti, colocando nosso tesouro no céu, tocando apenas de leve nas coisas terrestres, usando nossos recursos em prol do Reinoh e mostrando que Teu Reino é onde nosso coração está colocado. Agradeço-Te por esta igreja, pois aqui há aqueles que estão no Teu reino certamente, aqueles cujo tesouro está no céu. Oramos para que Tu continues a abençoar todos eles. Agradecemos a Ti porque podemos angariar amigos para a eternidade. Oramos para que as almas sejam salvas através das apresentações do evangelho na Rússia, nesses funerais. Sabemos que nos encontraremos com amigos no céu, pessoas em quem fizemos um investimento. Agradecemos a Ti, Senhor, pelo fato de que podemos viver sem ansiedade, sem estresse e sem preocupações e medo, porque nossas vidas estão completamente diante de Ti. Preenche-nos com alegria e gratidão. Amém.


Esta é uma série de 2 sermões sobre ‘Viver Livre da Ansiedade”.  Links:


Este texto é uma síntese do sermão “Anxiety-Free Living, Part 1”, de John MacArthur em 12/09/2004.

Você pode ouvi-lo integralmente (em inglês) no link abaixo:

https://www.gty.org/library/sermons-library/42-172/anxietyfree-living-part-1

Tradução e síntese feitos pelo site Rei Eterno


 

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *