A Formação Eterna da Igreja – 2

Imprimir

Esse é o segundo sermão de John MacArthur de uma série sobre a carta aos Efésios,  conforme links no final deste texto. 


Vamos continuar nosso estudo, no capítulo 1 do livro de Efésios, sobre a formação do corpo de Cristo antes dos tempos dos séculos.

3 Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos tem abençoado com toda sorte de bênção espiritual nas regiões celestiais em Cristo,
4 assim como nos escolheu, nele, antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis perante ele; e em amor
5 nos predestinou para ele, para a adoção de filhos, por meio de Jesus Cristo, segundo o beneplácito de sua vontade,
6 para louvor da glória de sua graça, que ele nos concedeu gratuitamente no Amado.

Já vimos que os cristãos têm uma fonte comum de vida, um tipo comum de vida e um destino em comum. Somos fruto do sacrifício de Jesus Cristo. Todos nós possuímos a mesma natureza divina, participamos dessa natureza , como diz II Pedro 1:4. Estamos todos marchando para uma eternidade com Cristo.

Portanto, existe uma tremenda e básica unidade de vida entre os crentes. Todos nós fomos salvos da mesma maneira, para o mesmo destino e somos conduzidos para esse destino sustentados pelo poder de Deus. A igreja é um povo único. E a mensagem do livro de Efésios é que somos um em Cristo. Essa é a mensagem primordial. As ramificações disso são discutidas em todos os capítulos deste livro. Nós somos um só corpo em Cristo. Na verdade, ele nos chama de noiva, edifício, mas singularmente ele nos chama aqui de corpo de Cristo, para enfatizar a nossa unidade. Como um corpo tem a cabeça para governar, assim a igreja tem Jesus Cristo.

Existe uma unidade na igreja que é mais do que apenas a unidade de um acordo comum sobre uma filosofia ou religião. É a unidade de comunhão na vida, a vida eterna comum de Deus que pulsa através da alma de todo crente. Estamos vinculados uns aos outros. I Cor. 6:17 diz: “Mas aquele que se une ao Senhor é um espírito com ele”. A ênfase de Efésios é que somos um corpo.

Nos três primeiros capítulos de Efésios, Paulo trata da teologia do corpo, nos outros 3 capítulos ele trata da prática do corpo. Na teologia do corpo, Paulo nos leva à eternidade passada para ver como Deus o projetou. Olhamos para o plano eterno e vemos a Trindade formando a igreja, o corpo de Cristo.

Veja, no capítulo 4, final do verso 12 e o verso 13: “…para edificação do corpo de Cristo; até que todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida da estatura completa de Cristo”. Todos começamos com o mesmo conteúdo básico, todos nós chegamos ao conhecimento da mesma pessoa, o Filho de Deus, mas estamos nos movendo para um homem perfeito, para a medida da estatura da plenitude de Cristo.

O propósito de Deus para o corpo é que ele manifeste, de forma uniforme, totalmente, completamente, corporativamente, Jesus Cristo. Essa é a intenção. Nós somos um corpo, a fim de manifestarmos Cristo no mundo. Deus manifestou-se em carne através da encarnação de Jesus Cristo, assim como Ele se manifesta através da Sua igreja. Nós somos Cristo no mundo. Devemos manifestar Cristo. Somos um corpo para dar testemunho de Jesus Cristo. Esta é a missão de cada um de nós. Se falharmos nisso, traremos dificuldades para o corpo como um todo.

Se falharmos em amar e consolar uns aos outros, orar uns pelos outros, edificar e corrigir uns aos outros, aleijamos o corpo e, consequentemente, corrompemos a manifestação de Cristo ao mundo. A falha de um só membro do corpo pode ser suficiente para atingir a credibilidade de todo o corpo. Estamos envolvidos em uma manifestação de Jesus Cristo, individual e corporativamente.

Por exemplo, todos os dons que estão listados em I Coríntios 12 e Romanos 12 estavam em Jesus Cristo em Seu ministério. Então, o que você tem nesses dons espirituais é uma manifestação de Cristo na igreja corporativa. Nós devemos ser um Nele, até chegarmos à medida da estatura plena de Cristo. O mundo deve ver Jesus Cristo se movendo através de Sua igreja.

Este tremendo plano divino começou na eternidade passada. Antes dos tempos dos séculos, antes da criação, antes que alguém existisse. Na vontade livre, independente e soberana de Deus, Ele colocou o plano em movimento, um corpo foi formado no passado, na eternidade. Essa é a mensagem do capítulo 1, versículos 3 a 14.

Depois de uma breve introdução no início de Efésios 1, Paulo se apresenta e cumprimenta os crentes efésios com uma saudação comum – graça e paz – ele então louva e glorifica ao Senhor dizendo: “Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos tem abençoado com toda sorte de bênção espiritual nas regiões celestiais em Cristo” (v.3). Ele está encantado com aquilo que iria dizer nos versículos seguintes.

Paulo fala de um plano eterno e soberano, de ter sido escolhido na Eternidade para ser parte do corpo de Cristo. Imaginar que o Deus eterno me projetou em um plano antes do tempo começar é um pensamento esmagador. Um plano que culminaria com uma vida eterna em sua casa para sempre. Pensamento incrível.

Há três elementos para o plano eterno. O primeiro elemento é a eleição (versos 4 a 6). O segundo elemento é a redenção (versos 6 a11). E o terceiro, a herança, (versos 12 a 14). Hoje vamos continuar a ver a eleição, uma doutrina incompreendida por tantos.

Devemos lembrar que Deuteronômio 29:29 diz que “as coisas encobertas pertencem ao Senhor” e em Isaías 55:9 o Senhor diz que “os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos mais altos do que os vossos pensamentos”. Temos que descansar nisso. Porque não iremos entender tudo. Fique apenas com a Palavra de Deus.

São indicados sete elementos neste conceito de eleição. O primeiro é o que chamo de método: eleição ou, como costumo dizer, escolha soberana.

No verso 4 Paulo diz que Deus “nos escolheu, nele, antes da fundação do mundo”. Este é um fato muito claro. Ele nos escolheu, não hoje ou dias ou meses atrás, mas na eternidade passada. Deus simplesmente nos escolheu por Sua vontade e decreto soberanos.

Isto nada tem a ver com a vontade de qualquer homem, totalmente fora de qualquer consideração humana e puramente com base em Sua própria vontade. O verso 5 diz que Ele fez isso “segundo o beneplácito (bom prazer) de sua vontade”. O verso 9 diz que Sua escolha foi “segundo o seu beneplácito que propusera em Cristo” e o verso 11 diz que fomos “predestinados segundo o propósito daquele que faz todas as coisas conforme o conselho da sua vontade”. Você entende isto? Deus, livremente, de forma independente, não afetado por qualquer trabalho ou esforço humano e nem por qualquer escolha humana, nos escolheu para sermos incluídos em Seu corpo.

Apenas para reiterar a ênfase aqui, olhe comigo João 1:11, quando o apóstolo João se refere a Israel: “Veio para o que era seu, e os seus não o receberam”. Apesar de a maioria recusá-Lo, houve uma minoria que O recebeu. No verso 12, João diz: “todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que creem no seu nome”.

Uma leitura descuidada conclui por um livre arbítrio do homem. Mas, veja o verso 13: “os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus”. Não foi do sangue, ou seja, por ser israelense. Não foi do esforço e decisão do homem, mas de Deus que moveu o homem (João 6:44). Por isso Paulo escreveu: “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie” (Efésios 2:8-9).

E assim é que Deus escolhe, não de acordo com a vontade humana, mas de acordo com a Sua própria vontade soberana. A palavra grega “eklego”, no versículo 4, significa “escolher para si mesmo”, o verbo está na voz reflexiva. Deus escolheu para Si aqueles que seriam parte de Sua família.

Em II Timóteo 1:9, Paulo diz: “[Deus] nos salvou e nos chamou com santa vocação; não segundo as nossas obras, mas conforme a sua própria determinação e graça que nos foi dada em Cristo Jesus, antes dos tempos eternos”. Literalmente incrível. Nós que fazemos parte do corpo de Jesus Cristo, que conhecemos e amamos o Senhor Jesus Cristo, que estamos em Sua igreja, que fomos salvos, nascidos de novo, estamos simplesmente respondendo ao decreto divino do Deus eterno feito antes dos tempos dos séculos. Existe um propósito único que Deus criou em Seu próprio amor para nos colocar sob uma bênção especial e eterna.

Tudo procedeu de Deus. Se tivéssemos algum mérito em estar no Corpo do Cristo, por menor que seja, teríamos que dividir um tanto da glória de Deus. Mas, nosso louvor é somente para Deus, porque Ele fez tudo.

Alguns dizem que não acreditam na doutrina da eleição, considerando que é o homem quem escolhe estar no Corpo de Cristo. Usam isoladamente textos, como João 5:40, onde Jesus diz: “E não quereis vir a mim para terdes vida”; ou Isaías 55:1 que diz: “todos os que tendes sede, vinde às águas”; ou Apocalipse 22:17, onde Jesus diz: “Vem. E quem ouve, diga: Vem. E quem tem sede, venha; e quem quiser, tome de graça da água da vida”; ou Romanos 10:13, que diz: “Porque todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo”.

Você diz: “mas, como a Bíblia diz que Deus escolheu e contém esse monte de textos se referindo a ‘quem quiser vir ou fazer’’? Eu não sei. Não tenho ideia de como você pode harmonizar a soberania de Deus e a responsabilidade do homem, mas você precisa, porque ambos estão na Bíblia. E você deixa Deus resolver o problema. Mas, eu vou te dizer uma coisa, se você é um cristão você crê na soberania de Deus. Você ora porque crê que “Toda a boa dádiva e todo o dom perfeito vem do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não há mudança nem sombra de variação” (Tiago 1:17). E na oração você está pedindo coisas e você está dando graças pelas coisas. Por quê? Porque você reconhece que Deus é a fonte de todas essas coisas.

Você vê, a oração para o cristão não é uma tentativa de forçar a mão de Deus, é um reconhecimento humilde de dependência de Sua vontade soberana. Oramos por alguém que esteja doente e invariavelmente dizemos: “Senhor, gostaríamos de vê-lo curado, mas que seja feita a Tua vontade”. Nós reconhecemos que Ele é soberano. Nós até fomos informados por Jesus para dizer isso: “Dá-nos hoje o nosso…” o quê? “Nosso pão diário”, pois depende mesmo de Sua soberania.

Agora, se Deus é soberano em todas as coisas em nossas vidas, Deus não é menos soberano na salvação. E vou mostrar-lhe outras duas razões pelas quais penso que todos acreditam na soberania de Deus. Um dos motivos é que você agradece a Deus por sua salvação. Certo? Você não vai a Deus e diz: “Oh! Deus, eu espero que o Senhor aprecie a minha inteligência, pois, entre outras opções, eu Te escolhi”. Você não diz isso a Deus. Isso é ridículo! Você não se salvou. Quando você fala com Deus sobre sua salvação, você O agradece, não é? Porque você sabe que foi obra Dele.

Eu vou contar-lhe outra maneira de olhar para isso. Quando você ama alguém que não é cristão, e você apresenta essa pessoa a Cristo, em oração, o que você faz? O que você faz por essa pessoa? Você ora por ela, não é? Porque você sabe que a fonte da salvação é quem? Deus. Se Deus a alcançar, você ora agradecendo. Você está constantemente reconhecendo quem é soberano. Você vê, você realmente acredita na soberania de Deus, você apenas não sabe que acredita. J.I. Packer, em seu livro “Evangelism and the Sovereignty of God” (Evangelismo e a Soberania de Deus), diz:

A verdade é que todos os cristãos creem na soberania divina, mas alguns não estão conscientes de que creem. E, erroneamente, imaginam e insistem em que eles rejeitam esta verdade. A razão é a mesma de outros erros na igreja: a intrusão da especulação racionalista, a paixão pela coerência sistemática, a relutância em reconhecer a existência do mistério e deixar Deus ser mais sábio do que os homens e uma consequente sujeição da Escritura às supostas demandas da lógica humana.

O que ele diz é que por não conseguirmos entender o paradoxo, a aparente contradição, quando a Bíblia ensina a soberania, de um lado, e a escolha, de outro, então, nossa mente perversa diz: “Nós devemos ser como Deus, então nós ficamos no meio-termo e destruímos tanto a soberania como a escolha”. Assim, pessoas desejam sistematizar a Bíblia para que tudo se encaixe perfeitamente no seu sistema, e se não se encaixar na maneira que elas querem, explicam de uma nova forma. Elas reduzem tudo a um sistema, desconsideram verdades cristalinas e pensam entender completamente a mente de Deus. Packer continua, dizendo:

As pessoas veem que a Bíblia ensina a responsabilidade do homem por suas ações e elas não veem como isso é consistente com o senhorio soberano de Deus sobre essas ações. Elas não se contentam em deixar as duas verdades vivas lado a lado, como a Escritura faz. Para defender a verdade bíblica da responsabilidade humana, rejeitam a doutrina igualmente bíblica e verdadeira da soberania divina, coletando textos aqui e ali para sustentar seu ensino. O desejo de simplificar demais a Bíblia, cortando o mistério, é natural para nossas mentes perversas. Não é surpreendente que muitos estejam nisso. A ironia da situação, no entanto, é que quando perguntamos como os dois lados oram, parece evidente que aqueles que professam negar a soberania de Deus realmente acreditam tão forte quanto aqueles que afirmam isso.

Além disso, você não vai conseguir resolver essa questão com a lógica humana. As pessoas dizem: “Bem, eu simplesmente não posso acreditar que Deus escolheu tudo”. Mas, você vê, isso é pura especulação, porque a Bíblia diz que Ele o fez. Você diz: “Bem, então, como o homem pode ter uma escolha?” Bem, eu não sei, mas o homem tem. E você simplesmente deve deixar Deus resolver como isso funciona. Assim que começarmos a sistematizá-lo, estamos com problemas.

Então, o método pelo qual Deus começou o corpo foi a eleição soberana. Agora, deixe-me mostrar algo para você. Existem três tipos de eleição. E você precisa distingui-los na Bíblia ou você fica confuso. Não temos tempo para passar por todos os versos sobre isso, mas eu quero compartilhar alguns deles com você.

Primeiro, temos o que chamo de eleição teocrática dada a Israel. “Theo” significa que Deus governa. A nação de Israel foi governada por Deus, houve uma eleição teocrática, isto é, Deus escolheu uma nação para uma posição especial. Deuteronômio 7:6 diz: “o Senhor teu Deus te escolheu, para que lhe fosses o seu povo especial, de todos os povos que há sobre a terra”. Não havia méritos em Israel, foi uma escolha de Deus.

Agora, observe este ponto: de nenhuma maneira essa eleição teocrática de Israel teve qualquer efeito em sua salvação pessoal. A eleição teocrática, a escolha da nação de Israel não teve nada a ver com a salvação individual. Pelo simples fato de serem judeus, não significava que fossem crentes nos tempos do Antigo Testamento. Por exemplo, em Romanos 9:6, Paulo diz: “Nem todo Israel é Israel, nem todos os que são judeus são verdadeiramente o Israel de Deus”.

E, em certo sentido, mesmo dentro da eleição da nação, havia uma eleição daqueles que seriam salvos e é isso que Jesus quis dizer ao afirmar que muitos são chamados e poucos escolhidos. Na eleição teocrática você tem eleições específicas para a salvação.

Há um segundo tipo de eleição que quero mencionar e é o que eu chamo de eleição vocacional. Algumas vezes, quando Deus, soberanamente, escolhe uma determinada pessoa para uma tarefa específica, essa escolha também não está relacionada com a salvação.

A primeira ilustração disso é em Deuteronômio 18, onde Deus escolheu os levitas de Israel para serem seus sacerdotes. Ser um levita não significava dizer que a pessoa seria um salvo. Essa foi a escolha para uma tarefa. Deus chamou os levitas para uma tarefa, o que foi uma eleição vocacional. O mesmo é verdade no Novo Testamento, onde Jesus convocou 12 apóstolos. Ele convocou 12 deles para uma tarefa, apenas 11 deles foram chamados à salvação. Você vê a diferença? Judas foi chamado, mas se perdeu.

O mesmo temos em João 15:16, quando Jesus disse: “Não me escolhestes vós a mim, mas eu vos escolhi a vós, e vos nomeei, para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça”. Ele não estava falando sobre a salvação aqui. Ele estava falando sobre a tarefa de ser apóstolo.

Mas, agora você vem para o terceiro tipo de eleição: a eleição salvacional. E este é o tipo que você encontra em Efésios 1. Ele nos escolheu, não de maneira teocrática, não de forma vocacional, mas de forma pessoal, para conhecê-Lo. Deus ordenou que devêssemos ser Seu povo individualmente. Ele nos escolheu.

E há muitos textos nas Escrituras Sagradas sobre isso. A primeira carta de Pedro começa com uma saudação de Pedro aos crentes dispersos no Ponto, Galácia, Capadócia, Ásia e Bitínia, “eleitos segundo a presciência de Deus Pai, em santificação do Espírito, para a obediência e aspersão do sangue de Jesus Cristo”.

Então, o método é a eleição, a livre escolha de Deus. Ele escolhe os indivíduos para a salvação. De fato, em João 6:44, Jesus diz; “Ninguém pode vir a mim, se o Pai que me enviou o não trouxer; e eu o ressuscitarei no último dia”. A palavra grega traduzida como “trouxer” é “helkuo”, que significa “arrastar” (literal ou figurativamente), ou seja, uma força irresistível.

Nota do site: “Helkuo” é usado em João 21:6 para se referir a uma rede cheia de peixes sendo arrastada para a praia. Em João 18:10, vemos Pedro puxando a espada, e em Atos 16:19, “helkuo” é usado para descrever Paulo e Silas sendo arrastados para o mercado diante dos governantes. Claramente, a rede não teve nenhuma parte em ser arrastada para a costa, a espada de Pedro não teve parte nenhuma em ser puxada, e Paulo e Silas não arrastaram a si mesmos para o mercado.

E isso é de tal maneira, que Jesus fala, em João 6:44, sobre o poder pelo qual a eleição soberana de Deus atraiu para Ele aqueles que estão predeterminados para serem amados pela eternidade. Essa é a eleição. E isso é Deus, uma força irresistível.

Mas, por outro lado, é com fé que respondemos. Jesus disse: “Tudo o que o Pai me dá, virá a mim”, e então Ele virou-se e disse: “E aquele que vem a mim, de jeito nenhum será lançado fora”. Esse é o outro lado. Qualquer um pode vir.

Romanos 9:11, falando de Esaú e Jacó, diz: “E ainda não eram os gêmeos nascidos, nem tinham praticado o bem ou o mal (para que o propósito de Deus, quanto à eleição, prevalecesse, não por obras, mas por aquele que chama)”. Mas Romanos 10:13 diz: “Porque todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo”. Você tem uma escolha humana e esse é o lado do homem. E o homem pode vir a Cristo porque ele quis vir. Isso é o que a Bíblia ensina.

Nota do site: Há um sentido em que Deus chama todos os homens. Isto é conhecido como o “chamado geral” e distingue-se do “chamado eficaz” dos eleitos de Deus. Passagens como Salmo 19:1-4 e Romanos 1:20 atestam o fato de que o poder eterno de Deus e a Sua natureza divina “claramente se reconhecem” e são “percebidos” por meio das coisas que foram criadas, “tais homens são, por isso, indesculpáveis.” Entretanto, os homens ainda negam a Deus, e aqueles que reconhecem a Sua existência ainda não chegam ao conhecimento da salvação se o Senhor não os chamar. Somente aqueles que foram chamados através da revelação especial – pelo poder do Espírito Santo e a graça de Deus – virão a Cristo.

George Chadwick disse, no final do século XVIII: “Busquei o Senhor e, depois disso, soube que Ele moveu minha alma para buscá-Lo, procurando-me. Não fui eu que encontrei o Salvador, Eu é que fui encontrado por Ele”.

Agora, algumas pessoas vão dizer: “A eleição é baseada na presciência, e a presciência é porque Deus olha para o futuro e diz: ‘Ahá! Então é isso que este sujeito vai fazer, então vou escolher ele!’”. Ouvi um pregador dizer certa vez que:

Isso é como você estar descendo a rua dirigindo e vê um bêbado vindo em sua direção, que está andando em zigue-zague. Aí você diz para sua esposa: ‘se esse daí continuar dirigindo dessa forma, vai sofrer um acidente’. Então, você chega num ponto na estrada e vê aquele mesmo motorista bêbado com o carro enfiado num poste. E você diz: ‘não falei?’. Então, aquele pregador disse: “Assim é Deus. Ele vê coisas acontecendo ao longo da vida de alguém e, com base nisso, Ele prevê o futuro. Assim, é nessa base que Ele escolhe aqueles que Ele anteviu que iriam escolher a salvação.

Ora, isso não é o que a Bíblia diz. As pessoas dizem:

Bem, mas olhe para Romanos 8:29, que diz: “Aqueles que de antemão conheceu, ele os predestinou para serem conformados com a imagem de Seu Filho”. E dizem: “Você vê, você vê, Ele só predestinou os que Ele já sabia que viriam a Cristo, Ele olhou no futuro, viu quem iria acreditar e os predestinou”.

Ok. Mas, aí você teria que esquecer o verso 28, que diz: “Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito”. Você consegue entender aqui o chamado efetivo de Deus na eternidade, conforme Seu propósito? Entendendo bem este chamado, você entenderá o que dizem os versículos seguintes. (Leia: O chamado eficaz de Deus)

Presciência é uma palavra interessante. No grego é “proginosko”. E essa palavra não significa ter conhecimento de algo antes que aconteça. Não é este o sentido dessa palavra nas Escrituras. A palavra ‘conhecer’ (“os que de antemão conheceu…”) implica um relacionamento íntimo de amor. Por exemplo, no Velho Testamento é dito que “Caim conheceu sua esposa e ela gerou um filho”. Isso não significa que ele conheceu quem ela era, mas significa que eles tiveram um relacionamento físico íntimo e um filho foi concebido.

Quando a Palavra fala de Maria e José, diz que Maria nunca havia ‘conhecido’ um homem. Isso significa que ela nunca havia tido um relacionamento sexual, ou seja, intimidade. Essa palavra “conhecer” é muito próxima ao que Jesus falou sobre suas ovelhas: “Conheço as minhas ovelhas e elas me conhecem”. Ele não estava dizendo: “Nós conhecemos quem somos mutuamente”. Ele estava dizendo: “Nós temos uma intimidade um com o outro”.

Em Mateus 7:23, alguns disseram: “Senhor, Senhor …”, mas Ele disse: “Nunca te conheci”. Ou seja, “Eu nunca tive esse relacionamento íntimo com você “. Em Amós 3:2, Deus olha para Israel e diz: “De todas as famílias da terra só a vós vos tenho conhecido”. Eles não eram as únicas pessoas que Deus conhecia, eram apenas as únicas pessoas com quem tinha uma relação de amor única e íntima.

O Senhor pré-determinou essa relação de amor. Em Deuteronômio 7:6 diz “O Senhor teu Deus te escolheu, para que lhe fosses o seu povo especial, de todos os povos que há sobre a terra”. Isso é presciência. Uma relação de amor pré-estabelecida na mente de Deus antes do início dos tempos.

E assim, Romanos 8 está realmente dizendo: aqueles a que Deus chamou, Deus predeterminou por seu amor sobre eles, porque Ele os quer tornar semelhantes a Cristo. Romanos 11:2-5, fala sobre Israel, que Deus conheceu de antemão. Significa a quem Ele predeterminou para estabelecer Seu amor.

Agora, isso não significa que não haja responsabilidade humana. Não fique confuso quanto a isto. Existe a responsabilidade humana, mas existe a soberania divina. Deus está executando Seu plano eterno e eu não sei como Ele harmoniza Sua eleição soberana com minha escolha. Eu prego o Evangelho a qualquer um e digo a qualquer pessoa que se ela quiser em seu coração conhecer o Senhor Jesus Cristo, ela será salva. Sempre digo isto, e não sei como isso se harmoniza com a soberania de Deus. Esse é um assunto de Deus, eu não tenho como lidar com isso.

Então, o método é a seleção soberana. Agora, muito rápido, vamos passar pelos próximos seis pontos. (risadas) Oh, vocês têm pouca fé? (risadas).

Ponto número dois. Qual é o objetivo desta maravilhosa eleição? Os eleitos, os crentes. Efésios 1:4 diz: “Ele nos escolheu nele”. Ele nos escolheu para estar em Cristo. Aqueles que creram, os que responderam, são o objeto dessa eleição. Ninguém jamais irá ao céu se voluntariamente, conscientemente, não se submete em obediência a Deus. Deve haver uma resposta.

Em João 5:40, Jesus diz: “E não quereis vir a mim para terdes vida”. Em Lucas 22:21-22, Jesus diz: “Mas eis que a mão do que me trai está comigo à mesa. E, na verdade, o Filho do homem vai segundo o que está determinado…”. Deus tinha planejado tudo. E a próxima linha diz: “Mas ai do homem por quem Ele foi traído”. A soberania absoluta de Deus determinou que a traição ocorresse, mas, no entanto, Judas foi responsável por todas as ações que ele fez. A eleição não significa que você não é responsável por suas ações.

Apenas deixe Deus ser Deus. E o homem ser homem. Nós somos os objetos. É tremendo pensar que fomos escolhidos na eternidade passada para uma comunhão eterna com Deus. Nós somos os eleitos. Não existe noção de tempo com Deus. Nós fomos eleitos por Ele antes do início do mundo. Nós fomos constituídos os herdeiros de Seu Reino antes dos tempos os séculos.

Veremos os três primeiros capítulos de Efésios com Paulo tratando dessa verdade gloriosa, e no quarto capítulo ele começa dizendo: “andeis como é digno da vocação com que fostes chamados”.

Em terceiro lugar, o tempo. Nós já sabemos disso. “Segundo ele nos escolheu nele”. Quando? “Antes da fundação do mundo”. Antes de tudo. Na teologia, chamamos de predestinação, eleição, antes da queda, antes da criação, antes do tempo, antes de tudo. Ele formou o corpo antes do início do mundo.

Em Mateus 25:34, Jesus diz: “Então dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai, possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo”. O Pai se alegra em dar o Reino que Ele preparou para você antes da fundação do mundo. O Reino era nosso então. Em I Pedro 1:18-20 diz:

Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que por tradição recebestes dos vossos pais, Mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado, O qual, na verdade, em outro tempo foi conhecido, ainda antes da fundação do mundo, mas manifestado nestes últimos tempos por amor de vós.

Ouça, o corpo foi formado antes do início do mundo. O Reino foi formado e nos foi dado um lugar nele antes do início do mundo. Cristo foi crucificado, por assim dizer, antes do início do mundo. Todo o plano-mestre está simplesmente sendo elaborado e nós somos parte disso. As coisas não aconteceram por acaso. Em I Pedro 1:9 diz:

Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz.

Em quarto lugar, o objetivo. Por que Ele fez isso? Efésios 1:4 diz: “para sermos santos e irrepreensíveis perante ele; e em amor”.

Você diz: “mas eu não sou irrepreensível”. Você é. Paulo está falando sobre sua posição em Cristo e não sobre sua prática. Se você não entender a verdade da posição, você nunca entenderá Efésios. Posicionalmente, diante de Deus você é santo. Por quê? Volte para o versículo 4: “Ele nos escolheu nele”. Estamos em Cristo. O final do versículo 3; “Em Cristo.” Eu disse que isso é repetido neste livro pelo menos 27 vezes.

Porque estamos em Cristo, a Sua santidade é nossa. Sua justiça é imputada a nós. Sua santidade é nossa. E assim, Paulo diz em Efésios 5:27 que Jesus amou a igreja e deu Sua vida por ela “para apresentar a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, mas santa e irrepreensível”.

Ouça, diante de Deus, você é santo e sem defeito. Por quê? Porque você é um com Cristo. E o seu sangue cobre o seu pecado. Sua justiça lhe foi imputada como se você tivesse uma capa de justiça que cobre você e quando Deus vê você, ele vê somente a justiça de Cristo. Seus pecados estão cobertos pelo sacrifício de Cristo. Você está coberto pela justiça de Cristo. Essa é a sua posição.

Agora, sua prática deve combinar isso. A vida cristã é simplesmente fazer sua prática equivalente à sua posição. Você entende isso? Vivendo como quem você é, vai fazer com que você se torne o que você é. Deus nos vê como santos, esta é a nossa posição, mas ao mesmo tempo como tendo um longo caminho a percorrer quanto à nossa prática de vida.

Mas você vê, Paulo está falando sobre sua posição. Amado, ouça isso: Ele fez uma igreja santa, posicionalmente. Nós somos todos tão santos quanto Jesus, pois Sua justiça foi imputada a nós. Você pode imaginar isso? Diante de Deus você é santo. Você diz: “Deus é muito gracioso“. Exato. Isso é o que Paulo diz através deste livro inteiro aqui. Ele é muito gracioso.

Colossenses 2:10 diz: “E estais perfeitos nele [Cristo]”. No verso 9 diz: “Porque nele [Cristo] habita corporalmente toda a plenitude da divindade”. Tudo que Deus é você se torna em Cristo, tão santo, tão irrepreensível, tão imaculado. Esta é a sua posição. Nossa salvação é sustentada por Cristo, pela eficácia de Sua obra. Sua vitória tornou-se também a nossa. Temos segurança na nossa salvação. De fato, se você ler o livro de Hebreus, você verá que a salvação é chamada de perfeição (Leia: A perseverança dos santos).

E assim, somos santificados em Cristo. Agora, eu não sei sobre você, mas quando penso em tudo o que Deus fez por mim, fazendo-me santo e imputando-me a justiça de Cristo, como Romanos 3 diz, isso me faz querer viver de acordo com esta realidade tremenda.

Em quinto lugar: O motivo. Por que Ele fez isso? A última parte do versículo 4 de Efésios 1 deve ser a primeira parte do versículo 5: “em amor nos predestinou para ele”. Você vê, há apenas uma razão pela qual Ele fez isso: amor. E o que é amor? É uma disposição no coração de Deus pela qual Ele determina Se sacrificar para atender às necessidades dos outros. O amor não é uma emoção, biblicamente. O amor é um ato de sacrifício altruísta. Ele decidiu fazer o sacrifício para resgatar a quem escolheu e derramar todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo.

Por quê? Porque Deus? Por que o Senhor Se importa tanto? Porque Deus é amor. E nós o amamos porque Ele primeiro nos amou (I João 4:19). Efésios 2:4-5 diz:

Deus, sendo rico em misericórdia, por causa do grande amor com que nos amou, e estando nós mortos em nossos delitos, nos deu vida juntamente com Cristo.

É por isso. Incrível, incrível esse amor que Deus derramou sobre nós! Paulo nunca conseguiu entender. [Em II Coríntios 5:14 Paulo diz: “o amor de Cristo nos constrange”].

Em sexto lugar: O resultado. O resultado é filiação. Efésios 1:5 diz: “[Deus] nos predestinou para ele, para a adoção de filhos, por meio de Jesus Cristo, segundo o beneplácito de sua vontade”. Através de Jesus Cristo, Deus nos adota para Si mesmo. Que pensamento fabuloso! Deus não nos chamou para uma posição qualquer, o que já seria excelente, mas para sermos seus filhos.

Quando você se torna cristão, você se torna um filho de Deus. E Paulo diz que você pode clamar “Abba Pai”, que no grego significa “papai”, um termo de proximidade e carinho. Paulo diz que “recebemos o Espírito de adoção de filhos, pelo qual clamamos: Abba, Pai”. Você percebe que ser salvo significa ter a vida de Deus na alma do homem? A vida de Deus pulsa em mim.

Você sabe, eu posso adotar uma criança, amá-la como um filho natural, mas nunca poderia dar meu espírito e minha natureza a essa criança. Eu não poderia fazer isso. E é exatamente aí que a adoção na família de Deus é diferente. Quando você foi adotado na família de Deus, no momento em que você crê em Jesus Cristo, como foi predeterminado antes do início do mundo, Pedro diz que você se tornou um participante da natureza divina (II Pedro 1:4). Você tem a própria natureza de Deus dentro de você. Ele nos atraiu tão perto de Si mesmo quanto podia. E Jesus disse:

Não se turbe o vosso coração; crede em Deus, crede também em mim. Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar. E quando eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também. (João 14:1-3).

Por fim, por quê? Qual foi o fim que Ele teve em mente? Por que Ele queria que todos nós fôssemos Seus filhos? Por que Ele quis fazer isso? A razão está em Efésios 1:5-6, que diz: “segundo o beneplácito de sua vontade, para louvor da glória de sua graça, que ele nos concedeu gratuitamente no Amado”.

A razão, amado, o motivo de tudo, o motivo de tudo o que existe no universo é para que Deus seja glorificado. O salmo 19:1 diz que “Os céus declaram a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra das suas mãos”. O Salmo 148 fala dos louvores dos animais. Os únicos rebeldes em todo o universo são anjos caídos e homens caídos. Todo o resto glorifica a Deus.

Os anjos caídos foram removidos permanentemente da presença de Deus, assim como os homens caídos que não vierem a Jesus Cristo. Deus removerá do seu universo tudo o que não lhe dá glória. Deixando apenas o que O glorifica. Essa é a razão final para tudo o que existe. É por isso que I Coríntios 10:31 diz: “Portanto, quer comais quer bebais, ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para glória de Deus”. Esse é o propósito de tudo.

A razão pela qual o Senhor escolheu o corpo antes da fundação do mundo, sem participação da vontade humana e ajuda humana, é que a glória fosse somente dada a Ele. Se a salvação tivesse qualquer nível de participação do homem, a glória teria que ser dividida, haveria homens com méritos e outros sem méritos. Mas a salvação é cem por cento de Deus, então Ele recebe toda a glória. Ele escolheu tudo antes que o homem viesse à existência. É isto que a Palavra revela.

Jesus disse: “É o bom prazer do pai dar a vocês o Reino”. É por Seu bom prazer buscar Sua glória. Que pensamento! Fomos colocados em Seu Corpo antes de o mundo existir, para sermos para o louvor de Sua glória. Eu espero que você esteja na prática daquilo que você é em sua posição em Cristo. Vamos orar.

Obrigado, nosso Pai, esta manhã de novo, pela riqueza e profundidade do tesouro da Palavra de Deus. Nós percebemos que somos como crianças que brincam com os grãos de areia enquanto o oceano molha nossos pés e não podemos realmente compreender tudo. Não podemos ver a profundidade de tudo o que Tu és. De vez em quando, quando percebemos algo profundo como o que vimos hoje, isso deixa nossas mentes revirando e incomodando, em parte porque somos tão frágeis em nossa compreensão e, em parte, porque a nossa depravação quer que sejamos exaltados ao entendermos tudo. Ajude-nos a sermos humildes, a contentar-nos com coisas que não podemos entender, mas sabemos que Tu és Aquele que entende, que és muito amoroso para fazer qualquer coisa indecorosa ou injusta, muito sábio para errar. E que tudo estará bem e de acordo com o Teu amor e Tua absoluta sabedoria e justiça. Ajude-nos a nos submetermos a quem Tu és e, humildemente, entendermos quem somos. E o mistério de saber por que Tu nos escolhestes a nós possa ser nossa alegria esmagadora e possa nos motivar, em gratidão, a servir-Te com toda a nossa capacidade. Agradecemos em nome de Cristo. Amém.


Leia Também: 


Esta é uma série de sermões sobre Efésios. Links dos sermões já publicados:


Este texto é uma síntese do sermão “The Body Formed in Eternity Past, Part 2″, de John MacArthur em 15/01/1978.

Você pode ouvi-lo integralmente (em inglês) no link abaixo:

https://www.gty.org/library/sermons-library/1903/the-body-formed-in-eternity-past-part-2

Tradução e síntese feitos pelo site Rei Eterno


 

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *