Resolvendo conflitos entre irmãos

Imprimir
Não há no Novo Testamento, tanto nos ensinos de Cristo como dos apóstolos uma única citação que garanta que no relacionamento entre os irmãos não surgiriam conflitos. O que vemos, no ensino de Jesus e dos apóstolos, é uma preocupação em deixar claro como resolver esses conflitos. A prova disso é o número de textos que há nos evangelhos e nas cartas apostólicas sobre o perdão, o amor, a humildade, como manter a paz e o bom relacionamento entre os irmãos e as advertências sobre os perigos e conseqüências de não se tratar a fundo os conflitos, quando esses surgissem.

1- SE EU PECO CONTRA MEU IRMÃO. O QUE DEVO FAZER? 

a) Buscar reconciliação.
“Se, pois, ao trazeres ao altar a tua oferta, ali te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa perante o altar a tua oferta, vai primeiro reconciliar-te com teu irmão; e, então, voltando, faze a tua oferta.” (Mateus 5:23-24)
Este texto nos mostra que a melhor oferta que temos para dar a Deus é uma relação de harmonia com nossos irmãos.

b) Reconhecer nosso erro com mansidão e confessar com humildade. 
“Confessai, pois, os vossos pecados uns aos outros e orai uns pelos outros, para serdes curados. Muito pode, por sua eficácia, a súplica do justo.”
(Tiago 5:16) “Com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros em amor” (Efésios 4:2)

c) Não ser sábio aos próprios olhos.
“ Tende o mesmo sentimento uns para com os outros; em lugar de serdes orgulhosos, condescendei com o que é humilde; não sejais sábios aos vossos próprios olhos.” (Romanos 12:16)

d) Restituir.
Devemos devolver o que foi roubado, pagar o que retivemos, reparar o dano causado, devolver a honra que foi tirada de alguém por meio de calúnia, aclarar a mentira, etc.
“E, levantando-se Zaqueu, disse ao Senhor: Senhor, eis que eu dou aos pobres metade dos meus bens; e, se nalguma coisa tenho defraudado alguém, o restituo quadruplicado.” (Lucas 19:8)

2- SE MEU IRMÃO PECA CONTRA MIM. O QUE DEVO FAZER? 

É importante observar que é um princípio. E deve ser aplicado mesmo quando o pecado não tenha sido contra nós. (v. Hb 3:13; Tg 5: 19-20 etc)

a) Buscar salvá-lo.
“Meus irmãos, se algum entre vós se desviar da verdade, e alguém o converter, sabei que aquele que converte o pecador do seu caminho errado salvará da morte a alma dele e cobrirá multidão de pecados.” (Tiago 5:19-20)
Somos chamados para atitudes nobres, ou seja, ter o mesmo sentimento que havia em Cristo Jesus (Fil. 2:5). O Senhor deixou sua glória e veio habitar em entre nós. Esvaziou-se de si mesmo para resgatar o homem rebelde. Somos chamados a andar como Jesus (I Jo 2:6).

b) Primeiramente devemos nos isentar de toda atitude de juízo ou de rigor carnal.
“Por que vês tu o argueiro no olho de teu irmão, porém não reparas na trave que está no teu próprio? Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, quando tens a trave no teu? Hipócrita! Tira primeiro a trave do teu olho e, então, verás claramente para tirar o argueiro do olho de teu irmão.” (Mateus 7:3-5)
Uma atitude presunçosa e de superioridade, seria como uma trave no nosso olho. Devemos alcançar que o nosso coração esteja limpo, e que não queremos exigir que se faça justiça conosco, mas que a nossa intenção é o benefício do irmão. Evitar qualquer coisa que tenha aparência de orgulho: Gestos, olhar, palavra, o tom de voz demonstrando que estou por cima dele, que me sinto superior por estar corrigindo-o. Devo ter postura de humilhação, pois nós também fomos perdoados, e nós também caímos em pecado, e queremos que sejam misericordiosos conosco.
“Aquele, pois, que pensa estar em pé veja que não caia.” (I Coríntios 10:12)
“Tudo quanto, pois, quereis que os homens vos façam, assim fazei-o vós também a eles; porque esta é a Lei e os Profetas.” (Mateus 7:12)

c) A seguir devemos falar diretamente com ele e repreendê-lo com espírito de mansidão e brandura. 
“Irmãos, se alguém for surpreendido nalguma falta, vós, que sois espirituais, corrigi-o com espírito de brandura; e guarda-te para que não sejas também tentado.” (Gal. 6:1)
“Ora, é necessário que o servo do Senhor não viva a contender, e sim deve ser brando para com todos, apto para instruir, paciente, disciplinando com mansidão os que se opõem, na expectativa de que Deus lhes conceda não só o arrependimento para conhecerem plenamente a verdade”. (II Timóteo 2:24-25)

d) Se o irmão se arrepender, devemos perdoá-lo imediatamente. “ Acautelai-vos. Se teu irmão pecar contra ti, repreende-o; se ele se arrepender, perdoa-lhe. Se, por sete vezes no dia, pecar contra ti e, sete vezes, vier ter contigo, dizendo: Estou arrependido, perdoa-lhe.” (Lucas 17:3-4)
“ E, quando estiverdes orando, se tendes alguma coisa contra alguém, perdoai, para que vosso Pai celestial vos perdoe as vossas ofensas. Mas, se não perdoardes, também vosso Pai celestial não vos perdoará as vossas ofensas.” (Marcos 11:25-26)
“ Antes, sede uns para com os outros benignos, compassivos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus, em Cristo, vos perdoou.” (Efésios 4:32)
“Suportai-vos uns aos outros, perdoai-vos mutuamente, caso alguém tenha motivo de queixa contra outrem. Assim como o Senhor vos perdoou, assim também perdoai vós.” (Colossenses 3:13)

e) A parábola do credor incompassivo nos fala muito forte ao coração. 
Devemos examiná-la com muita atenção. Ela expõe como é ridículo e maldoso não perdoar. Nos mostra que aquele que não perdoa, certamente não conhece a imensidão de seus próprios pecados, nem a grandeza do perdão de Deus. Devemos ter esta parábola profundamente gravada em nossos corações.
“Por isso, o reino dos céus é semelhante a um rei que resolveu ajustar contas com os seus servos. E, passando a fazê-lo, trouxeram-lhe um que lhe devia dez mil talentos. Não tendo ele, porém, com que pagar, ordenou o senhor que fosse vendido ele, a mulher, os filhos e tudo quanto possuía e que a dívida fosse paga. Então, o servo, prostrando-se reverente, rogou: Sê paciente comigo, e tudo te pagarei. E o senhor daquele servo, compadecendo-se, mandou-o embora e perdoou-lhe a dívida. Saindo, porém, aquele servo, encontrou um dos seus conservos que lhe devia cem denários; e, agarrando-o, o sufocava, dizendo: Paga-me o que me deves. Então, o seu conservo, caindo-lhe aos pés, lhe implorava: Sê paciente comigo, e te pagarei. Ele, entretanto, não quis; antes, indo-se, o lançou na prisão, até que saldasse a dívida. Vendo os seus companheiros o que se havia passado, entristeceram-se muito e foram relatar ao seu senhor tudo que acontecera. Então, o seu senhor, chamando-o, lhe disse: Servo malvado, perdoei-te aquela dívida toda porque me suplicaste; não devias tu, igualmente, compadecer-te do teu conservo, como também eu me compadeci de ti? E, indignando-se, o seu senhor o entregou aos verdugos, até que lhe pagasse toda a dívida. Assim também meu Pai celeste vos fará, se do íntimo não perdoardes cada um a seu irmão.” (Mateus 18:23-35)

f) Se o irmão não se arrepender, devemos seguir os passos que Jesus ensinou
“Se teu irmão pecar contra ti, vai argüi-lo entre ti e ele só. Se ele te ouvir, ganhaste a teu irmão. Se, porém, não te ouvir, toma ainda contigo uma ou duas pessoas, para que, pelo depoimento de duas ou três testemunhas, toda palavra se estabeleça. E, se ele não os atender, dize-o à igreja; e, se recusar ouvir também a igreja, considera-o como gentio e publicano.” (Mateus 18:15-17)

1) Primeiramente tentamos resolver a situação em particular, somente com ele;
2) Depois, tomamos uma ou duas testemunhas e vamos falar novamente. Estas testemunhas devem ser pessoas maduras e das relações de ambos, para que possam julgar toda a situação;
3) E finalmente, se ele recusar-se a ouvir essas testemunhas, levamos o caso aos pastores da igreja para que eles decidam o que fazer.

3- SE MEU IRMÃO PECA CONTRA MIM. O QUE NÃO DEVO FAZER? 

É importante observar que é um princípio. E deve ser aplicado mesmo quando o pecado não tenha sido contra nós (I Ped 1:22).

a) Calar e ignorar o assunto
“Também quando o justo se desviar da sua justiça e fizer maldade, e eu puser diante dele um tropeço, ele morrerá; visto que não o avisaste, no seu pecado morrerá, e suas justiças que praticara não serão lembradas, mas o seu sangue da tua mão o requererei. No entanto, se tu avisares o justo, para que não peque, e ele não pecar, certamente, viverá, porque foi avisado; e tu salvaste a tua alma.” Ezequiel 3:20-21

Normalmente o pecado não ficará restrito ao calar-se. Esta atitude já demonstra covardia, falta de amor e compromisso com o irmão. Mas certamente isto avançará para a maledicência, indiferença, afastamento e outras atitudes totalmente contrárias a Cristo. A Bíblia diz que aquele que não ama seu irmão está em trevas (I Jo 2:11).
Geralmente isto é resultado do medo de se indispor (caso o irmão não receba bem), perder supostas amizades, tentativa de ser humanamente simpático, hipocrisia etc. Ou seja, tudo, menos a de fazer a vontade de Deus.

b) Guardar rancor 
“Tendo cuidado de que ninguém se prive da graça de Deus, e de que nenhuma raiz de amargura, brotando, vos perturbe, e por ela muitos se contaminem.” (Hebreus 12:15);
“Toda a amargura, e ira, e cólera, e gritaria, e blasfêmia e toda a malícia sejam tiradas dentre vós.” (Efésios 4:31)

E muitas vezes este rancor pode permanecer disfarçado pelo afastamento ou indiferença. Podemos até cumprimentar o irmão, mas em nosso coração pode haver profundas reservas contra ele. Entrarermos então pelos tenebrosos caminhos da hipocrisia e falsidade. Isto compromete nosso relacionamento com Deus. Lembremos que o Senhor julgará os segredos dos corações dos homens (Rm 2:16; I Cor 4:5);

c) Falar mal, usar de maledicência.
O que é maledicência? É falar de alguém, mesmo que seja verdade, para outra pessoa sem que a pessoa de quem estamos falando esteja presente. Falar com motivação de diminuí-la, com o objetivo de exaltar seus defeitos, de esclarecer e trazer a luz seus problemas a fim de denegrir sua imagem, para que aquele a quem eu estou falando, fique preconceituoso quanto à pessoa de quem eu estou falando. Porque falamos mal uns dos outros? Por que a maledicência gratifica e acaricia o nosso orgulho. Quando falamos dos problemas de nossos irmãos com a intenção de diminuí-los, nos sobrepomos a eles e nos consideramos melhores. Nossos piores sentimentos são acariciados.

“Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros.” (Romanos 12:10)
“Nada façais por partidarismo ou vanglória, mas por humildade, considerando cada um os outros superiores a si mesmo. Não tenha cada um em vista o que é propriamente seu, senão também cada qual o que é dos outros.” (Filipenses 2:3)

A maledicência sempre vem com o disfarce de estarmos falando com uma nobre indignação contra aqueles que pecaram, pelo ódio ao pecado.

“ Irmãos, não faleis mal uns dos outros. Aquele que fala mal do irmão ou julga a seu irmão fala mal da lei e julga a lei; ora, se julgas a lei, não és observador da lei, mas juiz.” (Tiago 4:11)
“Aquele que diz estar na luz e odeia a seu irmão, até agora, está nas trevas. Aquele que ama a seu irmão permanece na luz, e nele não há nenhum tropeço. Aquele, porém, que odeia a seu irmão está nas trevas, e anda nas trevas, e não sabe para onde vai, porque as trevas lhe cegaram os olhos.” (I João 2:9-11)
“Nisto são manifestos os filhos de Deus e os filhos do diabo: todo aquele que não pratica justiça não procede de Deus, nem aquele que não ama a seu irmão. Porque a mensagem que ouvistes desde o princípio é esta: que nos amemos uns aos outros; Nós sabemos que já passamos da morte para a vida, porque amamos os irmãos; aquele que não ama permanece na morte. Todo aquele que odeia a seu irmão é assassino; ora, vós sabeis que todo assassino não tem a vida eterna permanente em si.” (I João 3:10,11,14,15)
“Amados, amemo-nos uns aos outros, porque o amor procede de Deus; e todo aquele que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. Aquele que não ama não conhece a Deus, pois Deus é amor. Ninguém jamais viu a Deus; se amarmos uns aos outros, Deus permanece em nós, e o seu amor é, em nós, aperfeiçoado. Se alguém disser: Amo a Deus, e odiar a seu irmão, é mentiroso; pois aquele que não ama a seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê. Ora, temos, da parte dele, este mandamento: que aquele que ama a Deus ame também a seu irmão.” (I João 4:7,8,12,20,21)

d) Abrir juízo condenatório. 
Fazemos isto quando antecipamos a nossa opinião antes de ouvir nosso irmão. Não pode haver em nós qualquer sentimento de superioridade (Fp 2: 3). Devemos conservar um espírito manso e tentar recuperar o irmão.
“E ao servo do Senhor não convém contender, mas sim, ser manso para com todos, apto para ensinar, sofredor
“Não julgueis, para que não sejais julgados. Pois, com o critério com que julgardes, sereis julgados; e, com a medida com que tiverdes medido, vos medirão também.” (Mateus 7:1-2)
“Não julgueis e não sereis julgados; não condeneis e não sereis condenados; perdoai e sereis perdoados” (Lucas 6:37)

Texto adaptado

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Carmen disse:

    Essa matéria foi de uma grande ajuda

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.