Quem é Deus (Parte 2)

Imprimir

Esta é uma série sobre a pessoa de Deus. Para melhor entendimento, sugerimos ler a sequência das mensagens, conforme links no fim deste texto.



Nesta série de sermões pregados no ano de 1975, o pastor John MacArthur traz um ensino bíblico sobre os atributos de Deus, bem como a respeito de quem são Satanás e os demais seres angelicais.
Vivemos em um mundo místico, onde há muita deturpação quanto a estes assuntos, mesmo no meio da Igreja. Muitos têm crido num deus criado em suas mentes, sob a influência de suas culturas e filosofias. Simplesmente não conhecem o Deus verdadeiro, que é revelado através das páginas das Escrituras.
Por outro lado, há uma ignorância grotesca quanto ao que a Bíblia ensina acerca do assim chamado ‘mundo espiritual’, gerando um terreno fértil para a proliferação de muitas doutrinas heréticas.
Se você quer aprender mais sobre esses temas e buscar ter uma visão bíblica, correta sobre os mesmos, invista um tempo na leitura atenta e reflexiva destes sermões.
Este é o segundo sermão e dá continuidade à exposição da doutrina sobre os atributos de Deus. Veja, no final deste texto, os links para os demais sermões traduzidos.


Estamos dando continuidade a uma breve série que começamos hoje pela manhã, acerca de Deus, Sua existência, quem Ele é e como Ele é. Tenha sua Bíblia acessível, pois nós vamos estar examinando vários trechos das Escrituras, à medida que avançamos.

Um livro muito útil sobre a natureza de Deus é o escrito por A. W. Tozer, intitulado ‘O conhecimento do Santo’. Entre outras verdades que ele declara no livro, uma muito significativa, penso eu, é esta aqui:

A história da humanidade provavelmente mostrará que nenhuma pessoa jamais foi maior do que sua religião; e a história espiritual do homem demonstrará positivamente que nenhuma religião tem sido maior do que a sua ideia a respeito de Deus. A adoração é pura ou ignominiosa à medida que o adorador nutre pensamentos sublimes ou medíocres a respeito de Deus.
Por esta razão, o assunto mais solene diante da igreja é sempre Deus mesmo, e o fato mais formidável sobre o homem não é o que ele pode dizer ou fazer, e sim o que ele, no âmago de sua alma, percebe sobre a natureza de Deus.

Tozer está afirmando que o bem mais importante que um homem tem é o seu entendimento de Deus, e a mensagem mais importante que a Igreja tem a oferecer é o conhecimento de Deus.

E eu concordo com ele. A razão pela qual queremos propagar uma compreensão correta a respeito de Deus é dupla. Em primeiro lugar, é porque há algumas pessoas que não creem em Deus. Eles são ateus, quer filosóficos ou práticos. Ou eles acreditam que não há Deus ou eles agem como se Ele não existisse.

E, por essa razão, desejamos propagar a verdade sobre o verdadeiro Deus, a fim de que as pessoas possam saber que há um Deus e possam saber quem Ele é.

Em segundo lugar, nós pregamos sobre Deus não apenas porque há pessoas que não creem Nele, mas porque há pessoas que creem erroneamente sobre Ele. Ou seja, elas têm ideias erradas sobre Deus. Isso é verdade mesmo no cristianismo.

Agora, eu estou chocado com o que alguns cristãos presumem ser Deus. Podemos dizer que crer de forma errada a respeito de Deus é idolatria. Quando pensamos em idolatria, pensamos em alguém em uma cabana de barro com um pequeno deus em sua mesa, ou o que quer que seja, curvando-se diante dele.

Ou pensamos em um templo pagão, muito elaborado e ornamentado, com um monte de gente queimando incenso. Mas, a idolatria é muito mais ampla do que isso. Idolatria é simplesmente crer em algo sobre Deus que seja falso a seu respeito. A pessoa postula algo sobre Deus que não é verdade. Em seu estágio máximo, ela estará, de fato, criando um outro deus.

Em seu estágio intermediário, a pessoa estará transformando o Deus verdadeiro em algo que Ele não é. E, provavelmente, um outro estágio, onde até mesmo os cristãos muitas vezes chegam, é pensar pensamentos sobre Deus que não são verdadeiros a Seu respeito.

O Salmo 50:21 diz: “…pensavas que era tal como tu…”. Deus está dizendo, em outras palavras: ‘Você pensou que eu era como você?’ E isso é, precisamente, o que os homens têm feito na maioria das vezes. Em sua idolatria, criam um deus parecido com eles mesmos. A essência da idolatria é desenvolver pensamentos sobre Deus que são indignos de Deus, e isso pode vir de uma série de formas diferentes.

Então, nós pregamos sobre Deus, não só porque há pessoas que não creem Nele, seja em filosofia ou prática, mas também porque há pessoas que creem erroneamente sobre Deus, e devemos declarar aquilo que é certo sobre Deus. Por isso, esse assunto é muito importante.

Agora, nós dissemos da última vez, que o nosso primeiro objetivo era fazer a pergunta: “Existe um Deus?”. Dissemos que a razão, a revelação e a experiência corroboram em afirmar que há um Deus.

Em segundo lugar, analisamos a questão: “Quem é Deus?”. Descobrimos que Deus é espírito. Ele é uma pessoa. Ele tem personalidade. Ele não é uma célula de energia flutuante. Ele é uma pessoa. Ele é um Deus, e ainda três pessoas em um Deus. Então, Ele é espírito, uma pessoa, três em um.

Em seguida, veio, a terceira questão: “Como Deus é?”. Como é esse Ser existente, espiritual, três-em-uma pessoa? Bem, a única maneira de saber o que Ele é e como é está neste livro, a Bíblia, através do qual Ele se revelou. E a revelação de Deus se expressa naquilo que chamamos de atributos.

Os atributos de Deus são as definições do caráter de Deus que Ele mesmo revelou a nós nas Escrituras. Agora, nós introduzimos um deles da última vez. Nós vamos falar de mais dois atributos nesta manhã. E estamos apenas examinando os básicos.

Deixe-me dizer algo: Deus é incompreensível, então, quando buscamos entendê-Lo, só alcançaremos uma compreensão de forma muito limitada. Estamos apenas vendo a ponta do iceberg, e há muito mais a respeito de Deus que não tem como expressar em palavras. Não podemos chegar a compreendê-Lo totalmente. Está muito além de nós.

Para ilustrar o que estou dizendo, pense apenas nisso: Deus é infinito. Não há fim em Deus, e por isso, a nossa simples conversa de meia hora não chega nem perto de tratar da essência da pessoa de Deus. Deus é incompreensível. Penso que é a razão pela qual fizemos a pergunta: “Como Deus é?”, em vez de “O que Deus é?”, porque seria muito difícil de responder.

Mas, se apenas partirmos de outra pergunta, como : “Do que Ele gosta?”, podemos responder com mais facilidade, porque a Bíblia nos revela muito acerca do que Lhe agrada ou não.

O que nos deixa em apuros, porém, é quando tentamos fazer Deus muito parecido com o que sabemos, conhecemos em nossa experiência. Nós olhamos para o amor humano, e quando o amor de Deus não se comporta como o amor humano, dizemos que Deus não ama. Mas não podemos ter o amor humano como paradigma de perfeição para medirmos o amor de Deus.

É por isso que a Bíblia fala de Sua semelhança ou aparência, comparando Deus com aquilo que podemos ser capazes de entender em nossa limitada mente. Ezequiel diz, a respeito de Deus: “Ele era, por assim dizer, de aparência ou semelhança de homem.” Em outras palavras, é mais ou menos assim.

Outra maneira de tentarmos compreender mais acerca de Deus é examinando o que a Bíblia diz que Ele não é. Por exemplo, quando dizemos que Deus é santo, queremos dizer que Ele não tem pecado. Temos que pensar dessa forma, porque nós nunca poderíamos compreender a santidade absoluta. A única realidade que temos experimentado é o pecado. Então, santidade, para nós, é ausência de pecado. Você entende o que eu quero dizer?

Ao dizermos que Deus é ilimitado, só podemos entender tal conceito porque compreendemos bem a realidade de ter limites, já que somos seres limitados. Mas, não temos como entender plenamente o que significa ser ilimitado. Portanto, dessa forma podemos compreender o caráter ilimitado de Deus não em sua plenitude, mas, vendo-o como oposto ao nosso caráter limitado.

Alguém me perguntou, quando eu comecei esta breve série, se eu vou cobrir todos os atributos de Deus. E eu disse: Não. E a razão para isso é porque eu não conheço todos eles. Eu creio que Deus é um ser infinito, e, provavelmente, tem um número infinito de atributos. Eu não estou convencido de que os atributos de Deus que eu conheço são tudo o que há a respeito de Deus.

Você percebe, então, que um atributo de Deus é qualquer característica verdadeira acerca de Deus? Um atributo de Deus é aquilo que é verdadeiro sobre Seu caráter. Agora, eu nunca imaginaria saber tudo o que é verdadeiro a respeito Deus. Se Deus é infinito, há uma infinidade de verdades sobre Ele, há uma infinidade de atributos, e não tenho capacidade de entender o infinito. Eu só preciso entender alguns deles.

Tudo bem, vejamos alguns desses atributos. Já vimos que Ele é imutável. Você percebe que é um conceito negativo, do ponto de vista da explicação que podemos dar a esse conceito? Quando pensamos no fato de que Deus é sempre o mesmo, dizemos que isso significa que Ele não muda, e, assim, temos que usar uma explicação negativa, porque só conseguimos compreender o conceito de mudança. Então, nós dizemos que Deus não é como nós. Ele não muda.

“Eu sou o Senhor, não mudo.” Tiago 1:17, “Em quem não há sombra de mudança, nem variação.” Vimos como isso é tremendamente reconfortante, seguro e um refúgio para o cristão. Mas, ao mesmo tempo, para o incrédulo, essa doutrina é terrível, uma doutrina de juízo, uma doutrina da ira imutável sobre o pecado.

O segundo atributo de Deus que quero que você considere – e estamos realmente lidando com Seus atributos absolutos, aqueles que são característicos de Sua natureza; na próxima semana entraremos naqueles que se relacionam conosco, como graça, misericórdia e amor. Mas, o segundo atributo é que Deus está em todos os lugares em todos os momentos. Os teólogos chamam de onipresença.

Deus está em toda parte em todos os momentos. E eu quero que você preste bem atenção nisso, porque alguns desses pensamentos estão muito além da nossa capacidade, você vai ter que se esforçar muito para compreender um pouco. Deus está em todos os lugares ao mesmo tempo. Deus é infinito. Não há fim para Deus. Seu ser preenche todo o infinito.

Jeremias 23:24, diz: “Não encho os céus e a terra, diz o Senhor?” I Reis 8:27: “Deus habitará na terra? Eis que o céu e o céu dos céus não podem te conter. quanto menos esta casa que eu tenho edificado.” Deus é antes de todas as coisas eternas e depois de todas as coisas eternas, Ele está dentro de todas as coisas e fora de todas as coisas. Ele está em toda parte. Sem limites. Deus é infinito. Você não pode encontrar o fim de Deus. Não há fim. Ele não tem limites.

Sabe, foi interessante que, historicamente, as pessoas tentaram confinar Deus. Mesmo muitos judeus desinformados, ou pelo menos ignorantes, tentavam fazer de Deus um ser confinado. E muitos dos judeus criam que Deus habitava no templo. Pensavam que Ele vivia lá. Que Ele era como os deuses falsos. E é por isso que Salomão disse, em 1 Reis 8:27, em outras palavras: ‘Ele não habita nesta casa. Esta será a sede de Sua Majestade na Terra, temporariamente. Este será o símbolo de Sua presença, mas Ele não habita aqui em Sua essência.’

Lembrem-se disso: o símbolo da presença de Deus nunca é a prisão de Sua essência. Os judeus também historicamente foram acusados de adorar o Deus de Israel, que, segundo os povos pagãos que os rodeavam, não passava do ‘deus das montanhas’. Os assírios acreditavam que tinham o ‘deus do vale’. Na verdade, os assírios diziam: ‘os judeus pensam que Deus está nas montanhas ou acima das montanhas, e eles vão para o topo das colinas para sacrificar, a fim de estarem mais perto Dele.’

Você olha para a história judaica e é verdade que eles fizeram um monte de sacrifícios e atividades religiosas nas montanhas, não é? Houve o monte Horebe, o Sinai, o monte Gerizim, Jerusalém, que fica sobre um monte. Os profetas subiram às montanhas, Jesus subiu ao monte para orar, Jesus foi para o Monte das Oliveiras e, assim, a conclusão de alguns dos críticos é que Israel simplesmente adorava o ‘deus das montanhas’ e não o ‘deus dos vales’, como os assírios. Bem, o argumento é falho. Muitas vezes no Velho Testamento você pode encontrá-los adorando a Deus no vale, assim como nas montanhas.

Alguns outros pensavam que Deus vivia no céu e que era lá onde Ele estava confinado. E eu penso que muitos cristãos realmente creem assim, ou seja, que Deus está lá em cima. E, quando pensam em Deus, O imaginam em um lugar imenso, com um trono grande e brilhante, envolto numa nuvem. Imaginam Deus saindo de algum lugar em um palácio celestial. Mas, o fato é que Ele está em toda parte.

Os judeus mais sábios entendiam isso, assim como quaisquer dos homens mais sábios entendem também: Deus está em toda parte. Agora, isso não traz algumas questões? Com certeza. E eu quero responder a estas questões.

Número um, as pessoas dizem: “Bem, se Ele está em toda parte, então Ele é impuro porque Ele está contaminado com as coisas impuras que o estão tocando. Se Deus está no mundo, então Ele está sendo tocado pela impureza.”

Eu diria em resposta a isso que Deus está em todos os lugares e em tudo. Ele está no coração de um pecador para examiná-lo e gerar convicção. Ele está no inferno por intermédio de Seus atos de julgamento, pois é Ele é hábil para destruir a alma e o corpo no inferno. Sua essência está em toda parte, mas nunca se mistura com nenhuma impureza.

Se você quer uma ilustração, Deus é como os raios do sol. O raio de sol pode cair em uma pilha de esterco em um campo, mas essa pilha de estrume jamais coloca alguma de sua impureza naquele raio de sol. É o mesmo com Deus. Deus é a essência de quem Ele é, Ele não se mistura com qualquer coisa e nada O contamina.

Ele é Seu próprio antídoto contra o mal. Ilustração: Jesus veio ao mundo, andou pelo mundo, e quando Ele estava no fim de Seu ministério terreno, foi dito Dele que “Nele não havia pecado”. Ele estava entre os homens, e ainda totalmente imaculado. Deus é como um raio de sol, pode tocar em qualquer coisa e não se contaminar por nada. Deus é Seu próprio antídoto contra o mal.

Número dois, outras pessoas dizem: “Bem, se Deus está em todo lugar o tempo todo, então como a Bíblia diz que Ele está mais perto ou mais longe de alguém?” Isaías 55:6 diz que Ele está perto dos ímpios e em outras partes do Antigo Testamento, a respeito de Israel, é dito que Ele está longe deles. Então, como é que Ele está próximo e distante?

Bem, você tem que pensar sobre Deus, tendo essas duas palavras em mente: essência e relação. Deus está em toda parte em Sua essência, mas está especialmente em certos lugares relacionalmente. Em outras palavras, a presença de Deus está ali, essencialmente, em essência. Mas apenas com o piedoso Ele está relacionalmente. Vamos ilustrar isso de modo simples.

Estamos todos aqui esta manhã. Estou aqui, e minha essência permeia este lugar. Minha voz ecoa nas paredes. Minha presença é notada por todos os que estão aqui. Estou aqui em essência. A minha presença está aqui. Porém, relacionalmente, eu estou realmente ligado a três ou quatro pessoas sentadas na primeira fila – minha esposa e filhos, além do resto da minha família, bem como a alguns de vocês que são mais íntimos.

Relacionalmente, sou algo para alguém. Essencialmente, sou algo para todos. Deus essencialmente está em todo lugar, mas relacionalmente Ele habita nos corações de Seus próprios filhos. E não é isso que o Novo Testamento nos diz? Não descobrimos que, quando nos tornamos cristãos, Cristo está em nós? Efésios 3 diz que Deus “nos enche de Sua plenitude”. Efésios 5, “o Espírito nos enche de Sua plenitude”. “Cristo em vós,” Paulo diz aos Colossenses, “é a esperança da glória”.

Quando Deus vem habitar em nós relacionalmente, isso é diferente de Ele estar conosco em Sua essência. Mas, antes de Deus estar relacionalmente, Ele tem que estar essencialmente, porque Ele tem que fazer a obra de convicção e a obra de salvação.

Então, Deus está em toda parte, em todos os lugares, o tempo todo. Ele não precisa ir a lugar algum, Ele está em toda parte. Você pode estar se perguntando: “o que significa, então, Gênesis 11:5, quando diz que Ele desceu do céu para ver a cidade?” Oh, isso simplesmente significa que Ele atentou para aquele lugar. Deus não tem que vir a algum lugar, Deus está em toda parte. Ele está em toda parte essencialmente. Ele está na vida de Seus próprios filhos em termos de relacionamento.

Número três: Por que, no Antigo Testamento, se dizia que Deus habitava entre as asas dos querubins na arca da aliança, ou que habitava no templo, e assim por diante? Isso simplesmente significa, como no caso do templo de Salomão, que havia alguns lugares onde Deus estabeleceu o trono de Sua majestade simbolicamente. Para representar um Deus majestoso, Ele estabeleceu um templo.

Hoje o trono de Deus é representado pela igreja, a vida dos crentes. No Reino, o trono de Deus será representado pelo trono em Jerusalém, onde Cristo reinará. No céu, será representado pelo trono que está retratado em Apocalipse 4 e 5. Isso simplesmente é um símbolo e, como eu disse antes, o símbolo de Sua presença nunca é a prisão de Sua essência. Ele está em toda parte.

Pensar que Deus está em toda parte é um pensamento impressionante e assombroso. E Ele não se mistura com nada, nem nada O corrompe. Nada O toca para mudar Seu caráter de modo algum. Deus criou Sua criação. Deus se mistura em Sua criação, e absolutamente não é afetado por ela.

Agora, que tipo de doutrina isso se torna, quando a aplicamos na prática? Vejamos, em primeiro lugar, para o cristão. O que significa para mim, como cristão, saber que Deus está sempre presente em minha vida? Sempre presente, essencialmente e particularmente para mim, relacionalmente?

Primeiro, isso significa conforto. Quando paro para pensar que Deus está sempre presente, isso é algo muito reconfortante. Não importa o que eu esteja passando, Deus está lá. E não importa se eu percebo que Ele está lá ou não, Ele está lá. E sei que há momentos em nossas vidas em que podemos clamar e dizer: “Deus, onde estás? Tu pareces tão distante!”

Nesses momentos, Ele não está mais perto ou longe do que Ele já esteve. Ele está sempre lá. Ele disse: “Não te deixarei, nem te desampararei”, em Hebreus 13:5. Se Deus disse isso, isso é o que Ele quis dizer, porque Ele não pode mentir. Deus nunca nos deixa. Em Filipenses 4: 5 (no final) e 6 é dito: “perto está o Senhor. Não estejais ansiosos por coisa alguma…” Não se preocupe, Ele está lá.

Esse texto – Perto está o Senhor – não se refere à Sua segunda vinda, mas está falando que Cristo está em todo lugar, perto de cada um de seus servos, Deus está perto, o Senhor está perto. Ele está presente o tempo todo. Este é Seu atributo. Este é o Seu caráter.

Um cristão pode ser separado de Deus? Não. Ninguém no universo pode ser separado essencialmente de Deus, e um crente não poderia ser separado relacionalmente. Ele está sempre presente.

Enoque, por exemplo, estava na presença de Deus e ele simplesmente saiu um dia, andou com Deus. Eles continuaram andando. Ele caminhou até o céu. Relacionamento inquebrável com Deus. Enoque simboliza o relacionamento entre Deus e os crentes. Deus está conosco agora, tanto quanto Ele estará conosco na eternidade. Ele habita dentro de nós. Isso é conforto.

Segundo: outro aspecto prático da onipresença é o apoio. Não apenas conforto, mas apoio. Você sabe, quando Deus chamou Moisés para ser o profeta que Ele queria que ele fosse, para proclamar Sua mensagem e tirar Israel da escravidão, Moisés disse a Deus, em Êxodo 4, ‘Mas, eu tenho um problema de fala, não sei falar…’. Você se lembra da história. E Deus disse isto: “Eu estarei com a sua boca”. Isso não é maravilhoso? Esse é um aspecto prático da presença de Deus.

Dizer que Deus está presente, não significa que Ele seja um mero um espectador, alguém que está assistindo ao que ocorre conosco e que, cada vez que nós fazemos algo erradamente, Ele se aproxima para nos corrigir. Não. Isso significa que Ele está presente em apoio ao nosso serviço. Ouça isto,todos nós conhecemos Mateus 28, onde Ele diz: “E eis que eu estou convosco todos os dias.”

Você sabe qual o contexto dessa afirmação de Jesus? Ouça: “Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém.” (vv. 19-20). Ele não está oferecendo conforto nesses textos, mas apoio no serviço.

As pessoas dizem: ‘Bem, eu não sei se consigo testemunhar; não sei se tenho o poder de testemunhar.’ Muitos pensam que evangelizar é trazer pessoas para que o pastor pregue o Evangelho a elas. Mas, o mesmo recurso que tenho, como pastor, você também tem. O poder de Deus está presente.

“Eu estarei com a tua boca…”. Ou seja: ‘vá, pregue, faça discípulos, batize e Eu estarei com você.’ Isso não é conforto, amigos, é apoio para o serviço. Ouça, a doutrina da onipresença de Deus é extremamente importante em um sentido prático para o crente.

Em terceiro lugar, este é um escudo contra a tentação. Sabe, sempre que Satanás quer chegar a mim, ele tem que passar por Deus. Em 1 Coríntios 10:13, é declarado: “Não veio sobre vós tentação, senão humana; mas fiel é Deus, que não vos deixará tentar acima do que podeis, antes com a tentação dará também o escape, para que a possais suportar.”

Deus está garantindo: ‘Nada vai chegar a você sem que Eu te dê a força para resistir.’ E isso é diferente para cada crente, porque cada crente está em um nível diferente de maturidade, sendo que diferentes tentações terão resultados diferentes. O que faria com que outra pessoa desmoronasse, você pode ser capaz de lidar com isso. Mas em cada nível individual, Deus está lá para defender esse crente contra algo que ele não poderia lidar. Que promessa tremenda! Deus está presente para nos defender da tentação.

Em quarto lugar, de um ponto de vista prático, a doutrina da onipresença é um motivador para a santidade. Saber que Deus está presente é sempre saber que tudo o que fazemos, fazemos em Sua presença. Quando você pecar, seja um pecado de pensamento, ou um pecado de palavra, ou um pecado de ato, isso é feito na presença de Deus.

A maioria de nós decide pecar quando ninguém está vendo. Podemos não nos importar em nos esconder tanto com relação a certas pessoas na nossa vida ou família que conhecem nossas fraquezas. Mas, com relação a outras pessoas, não queremos que nos vejam na prática do erro. Já tive várias experiências em que pego, sem querer, irmãos fazendo algo errado e, gente, eu percebo alguns movimentos rápidos… Huum!! … Isso me acontece com bastante frequência.

Bem, pense, não é grande coisa se eu pegar alguém fazendo algo errado. Eu não sou nada, você sabe. O que eu posso fazer com essa pessoa? Mas, apenas perceba isso, sempre que você pecar, é como se você subisse até as nuvens, andasse até o trono de Deus, e praticasse o seu pecado ali mesmo. Perceba que tudo o que você faz, é na presença de Deus que você faz. Esse é um pensamento muito sóbrio.

A integridade de Davi, que o levou a endireitar seus caminhos, baseou-se na declaração: “Todos os meus caminhos estão diante Dele.” (Salmos, 119:168). Ou seja: ‘Năo posso fazer isso. Ele está lá.’ E qual foi a base da integridade de Jó? Jó 31:4, diz: “Ou não vê ele os meus caminhos, e não conta todos os meus passos?” Deus vê tudo. Minha integridade é baseada no fato de que tudo o que faço, eu faço diante de Sua face.

Isso é o que significa Provérbios 3:6, quando diz: “Reconhece-o em todos os teus caminhos, e ele endireitará as tuas veredas”. Em outras palavras, em tudo o que você faz, perceba que Ele está lá e que assumirá a direção de seus caminhos. Você vê, viver a vida cristã é simplesmente isto: ordenar minha vida como se fosse feita na presença de Deus, sabendo que ela, de fato, é.

Você sabe, decidir o que nós não faríamos na frente de um homem mau, ou o que não faríamos na frente de um homem de Deus não é o que importa. Não devemos fazer nada que não faríamos na presença de Deus, no próprio trono do céu. Isso é o que importa. Para os crentes, então, a doutrina da onipresença é extremamente importante.

Agora, e quanto aos incrédulos? Para um incrédulo também é importante entender que Deus está em toda parte. O Salmo 21:8, diz: “A tua mão alcançará todos os teus inimigos, a tua mão direita alcançará aqueles que te odeiam.” Um homem que é um homem mau não tem nenhum esconderijo. Não há escapatória. Não há saída. Não há lugar para ele se retirar.

Amós nos dá uma visão sobre isto, assim como Obadias, que é o livro seguinte. Deixem-me ler Amós 9: 2, que diz: “Ainda que cavem até ao inferno, a minha mão os tirará dali; e, se subirem ao céu, dali os farei descer.” Os versos seguintes dizem: “E, se se esconderem no cume do Carmelo, buscá-los-ei, e dali os tirarei; e, se dos meus olhos se ocultarem no fundo do mar, ali darei ordem à serpente, e ela os picará. E, se forem em cativeiro diante de seus inimigos, ali darei ordem à espada que os mate; e eu porei os meus olhos sobre eles para o mal, e não para o bem.” (vv. 3-4). Deus diz: ‘Eu não me importo onde eles estejam, Eu irei encontrá-los!’

Em Obadias, versículo 4: “Se te elevares como águia, e puseres o teu ninho entre as estrelas, dali te derrubarei, diz o Senhor.” Não há lugar para se esconder. E o homem ímpio deve perceber que não importa o quanto ele tente, não importa como ele corra, ele pode decidir que não quer estar com a igreja, não quer ler a Bíblia, ele quer evitar qualquer discussão religiosa, quer tirar Deus de sua mente, ele pode não pensar em Deus, mas Deus tem Seus pensamentos centrados nele.

Jó 26:5-6: “Os mortos tremem debaixo das águas, com os seus moradores. O inferno está nu perante ele, e não há coberta para a perdição.” Deus desmascara tudo por Sua presença em toda parte. Além disso, Jó 34, versículos 21-22, diz: “Porque os seus olhos estão sobre os caminhos de cada um, e ele vê todos os seus passos. Não há trevas nem sombra de morte, onde se escondam os que praticam a iniquidade.” Não há esconderijo.

Provérbios 15:11: “O inferno e a perdição estão perante o Senhor; quanto mais os corações dos filhos dos homens?” Se Deus pode ver todo o universo, que dirá os corações dos homens! No Salmo 139:7, Davi diz: “Para onde me irei do teu espírito, ou para onde fugirei da tua face?” E Davi ainda acrescenta: “Se tomar as asas da alva, se habitar nas extremidades do mar…”. Em outras palavras, ‘se eu montar em um raio de sol, na velocidade de 300.000 km por segundo, chego ao sol em poucos minutos… e ainda assim, eu não posso fugir.’

O ladrão rouba, porque acha que ninguém o vê. O adúltero comete adultério, porque pensa que ninguém o vê. O mentiroso mente, porque ele acha que ninguém pode descobrir sua mentira. Mas, Deus sabe, conhece e vê tudo. Só porque Deus é invisível, não significa que Ele não esteja lá. Deus nunca descansa e nunca dorme.

Em Hebreus, capítulo 4, versículo 13, há uma afirmação muito forte: “E não há criatura alguma encoberta diante dele; antes todas as coisas estão nuas e patentes aos olhos daquele com quem temos de tratar.” Tudo é visto por Deus. Em Isaías 65:12, Deus disse: “Vós fizestes o que era mau diante dos meus olhos.” Provérbios 15:3: “Os olhos do Senhor estão em todo lugar, contemplando o mal e o bem.” Deus sabe tudo. Ele está em toda parte. Deus é imutável e está em toda parte.

O terceiro atributo é: Deus é Todo Poderoso. Este é um conceito surpreendente. Nosso Deus é todo poderoso. Agora o que isso significa? Isso significa que não há nada que Ele não possa fazer. Ele não tem limites para Seu poder. Jó 9:19 diz: “Quanto às forças, eis que ele é o forte; e, quanto ao juízo, quem me citará com ele?”. Deus é chamado ‘El Shaddai’. ‘El’ é o nome de Deus, ‘Shaddai’ significa todo-poderoso, o Deus Todo-Poderoso.

Em Apocalipse 19: 6, é dito: “Aleluia, porque o Senhor Deus onipotente reina”. Ele é poderoso. Ele é forte. O salmista disse: “O poder pertence ao Senhor”. Agora, quando dizemos que Deus é poderoso, o que queremos dizer com isso é que Deus não tem limites para Seu poder. Ele pode fazer qualquer coisa, qualquer coisa. E ouçam isto: Ele pode fazer o que quiser sempre com a mesma facilidade.

Você entendeu isso? Não é mais difícil para Deus criar um universo do que fazer uma borboleta. Não é mais difícil. Ele pode fazer qualquer coisa, e Ele pode fazer qualquer coisa tão facilmente quanto Ele pode fazer qualquer outra coisa. Simplesmente, Ele não precisa se esforçar para fazer seja lá o que for.

Vou lhe dar uma ilustração. Pela manhã eu me levanto no domingo, e percebo que vou gastar muita energia, movimentando-me, agitando os braços e falando muito a todos por cerca de três horas. E isso requer muita energia, mais energia do que você imagina. Minha mente está funcionando a um ritmo muito rápido, e estou queimando uma grande quantidade de energia. Então, de manhã eu bebo minha mistura de proteína e tomo minhas vitaminas.

Quando eu termino tudo, depois dessa terceira hora, e volto para casa, digo à minha esposa: “Patrícia, preciso de algo para comer.” Eu tenho que reabastecer. Por quê? Porque toda a energia que eu ingeri foi esgotada, e eu tenho que ter um reabastecimento. Deus nunca precisa ser reabastecido. Não há fonte de reabastecimento para Deus. Para onde Ele iria? Ele já está em toda parte. Não há nada fora de Deus.

Agora, Isaías 40:28 diz isso, quando diz: “O Senhor não se fatiga.” Não há dissipação de energia. Assim, o Senhor pode fazer qualquer coisa, e Ele pode fazer qualquer coisa tão bem quanto qualquer outra coisa.

Ele pode fazer tudo o que Ele quer fazer. Você sabia disso? Ele não só tem o poder, mas Ele tem a autoridade, não só para fazer qualquer coisa, mas para fazer tudo o que Ele quer fazer.

Ele tem o poder, bem como a autoridade para usá-lo. Anote isto: o poder de Deus, a autoridade de Deus e a vontade de Deus são todos iguais à Sua natureza. Deus pode fazer qualquer coisa. Ele pode fazer qualquer coisa pelo Seu poder e por direito. E Ele fará tudo pelo poder e por direito, tudo o que Ele desejar fazer. Ele somente fará aquilo que for consistente com Ele mesmo.

É por isso que, por exemplo, Ele não pode mentir. Ele não pode tolerar o pecado. Ele não pode amar um pecador impenitente. Ele não pode punir um inocente. Ele não pode fazer nada que viole Sua essência, porque Sua vontade é sempre consistente com Sua essência, com quem Ele é.

O Salmo 115:3, diz: “Mas o nosso Deus está nos céus; fez tudo o que lhe agradou.” Às vezes, as pessoas fazem a pergunta: ‘Por que Deus fez isto? E, muitas vezes, eu respondo: ‘Porque Ele quis’. As pessoas dizem: ‘Bem, isso não é uma resposta suficiente.’ Se você pensa assim, é porque você não compreende quem é Deus. Deus pode fazer tudo o que Ele quiser.

No capítulo 9 de Romanos, Paulo está falando a respeito da eleição, sobre as pessoas escolhidas para a salvação e assim por diante. Deus endureceu a faraó, escolheu Jacó e rejeitou a Esaú e, quando você lê tudo isso, pode começar a argumentar: ‘Por que Deus fez isso?’ Paulo responde: “Mas, ó homem, quem és tu, que a Deus replicas? Porventura a coisa formada dirá ao que a formou: Por que me fizeste assim?” Esse é o direito do oleiro.

Não questione Deus. Deus pode fazer qualquer coisa, e Ele pode fazer qualquer coisa tão facilmente quanto Ele pode fazer qualquer outra coisa, e Ele pode fazer tudo o que Ele quiser. Mas, Ele só irá querer fazer o que é consistente com a Sua natureza, pois Ele nunca viola a Sua natureza, nunca. Ele não pode mentir, não pode amar o pecado, não pode violar Sua palavra, não pode esquecer o que fez. A vontade de Deus sempre será aquela que é digna de Sua pessoa.

Deus é poderoso. Agora, quando começo a olhar para o poder de Deus, há quatro áreas em que eu o vejo com mais clareza. A número um é a criação. A Bíblia nos diz que Ele falou e tudo foi feito. Salmos 33: 6: “Pela palavra do Senhor foram feitos os céus, e todo o exército deles pelo espírito da sua boca.” Ele ordenou e eles foram criados.

É impressionante o poder que está no universo criado por Deus. A ciência moderna sabe que se dividirmos um átomo podemos fazer uma grande bagunça, você sabe, uma grande explosão. Bem, se pudéssemos desencadear uma reação em cadeia que envolvesse todo o universo, não teríamos chegado nem perto do poder de Deus, porque Deus é maior do que qualquer coisa que Ele tenha feito.

E você sabe o que é mais incrível? Ele fez isso sem qualquer conselho. Ninguém o ajudou. Ninguém o aconselhou (e sempre estamos tentados a dar conselhos a Ele, não é mesmo?). Mas, Isaías 44:24 diz algo que amo ler: “Eu sou o Senhor que faço tudo, que sozinho estendo os céus, e espraio a terra por mim mesmo.” Ele os quis criar, e eles passaram a existir no instante em que Ele quis. Na verdade, Romanos 4:17 diz: “Deus, o qual vivifica os mortos, e chama as coisas que não são como se já fossem.” No instante em que Ele cria, as coisas passam a existir. Seu poder é visto na criação.

Eu penso, também, que Seu poder é visto na preservação. Você sabe, quando Ele fez o mundo, a Bíblia diz: “Ele sustenta todas as coisas pela palavra de Seu poder”. Alguém poderia dizer: ‘Bem, você sabe, você diz que Deus nunca fica cansado. Como, então, Ele descansou no sétimo dia?’ Ele realmente não descansa. Nem um pouco. Se Deus tivesse descansado no sétimo dia, você sabe o que teria acontecido com tudo o que Ele fez nos primeiros seis? Tudo desmoronaria.

‘Bem’, você diz, ‘o que significa, então, a Bíblia dizer que Ele descansou no sétimo dia?’ Significa que Ele estava nos dando um padrão. Ficamos cansados. Ele não fica cansado. Ele estava dando um padrão para o homem. O homem precisa descansar e reabastecer. Deus é extremamente ativo, porque Seu poder flui constantemente. Logo, no sétimo dia Deus permaneceu como nos outros seis: sustentando tudo o que Ele tinha feito. Hebreus 1:3: “Ele sustenta todas as coisas pela palavra do seu poder“.

Creio, também, que o poder de Deus é visto na redenção. E, talvez, ainda mais poder na redenção do que a criação, porque na criação não havia oposição – nenhum diabo a ser subjugado, nenhuma morte a ser conquistada, nenhum pecado a ser perdoado, extirpado, nenhum inferno para ser fechado, nenhuma morte na cruz a ser sofrida. Isso foi na criação.

Mas, na redenção houve a grande manifestação de poder na cruz, onde Cristo morreu e redimiu os homens para si mesmo. E, então, é surpreendente que Deus tenha chamado para Si mesmo todo um bando de ‘zé-ninguém’ e os fez confundir os fortes e poderosos. Leia 1 Coríntios 1 e 2. Lá é afirmado que Deus não chamou muitos poderosos, nem muitos nobres, mas apenas as pessoas comuns e as colocou contra o mundo. Quando você entra nos primeiros capítulos de Atos, descobre que os apóstolos, homens simples, viraram o mundo de cabeça para baixo. Esse é o poder de Deus, resgatando, salvando.

Em quarto lugar, eu penso que o poder de Deus é visível em Sua capacidade de ressuscitar os mortos. Você percebe que Deus tem tanto poder que num dia, no fim dos tempos, vai ressuscitar os mortos, ou seja, todo ser humano que já viveu, seja justo ou injusto?

Você pode dizer: ‘Bem, eu sabia que os justos serão ressuscitados, mas também os injustos? Vejamos João 5:28-29, que diz: “Não vos maravilheis disto; porque vem a hora em que todos os que estão nos sepulcros ouvirão a sua voz. E os que fizeram o bem sairão para a ressurreição da vida; e os que fizeram o mal para a ressurreição da condenação.”

Leia Apocalipse, onde você encontra o grande julgamento do Trono Branco, todos os ímpios são trazidos diante dele, capítulo 20. Estão todos lá. Eles são ressuscitados das sepulturas e dos mares que os retiveram. Tremendo poder de ressurreição! Que poder! Este é o nosso Deus, o todo poderoso.

Vamos para a prática. Deus é Todo Poderoso. Mas, o que isso significa para o cristão?

Número um: essa verdade é uma base para nossa adoração. O aspecto prático desta doutrina encontra-se na simples afirmação de 2 Reis, capítulo 17, versículo 36. Ouça o que diz: “Mas o Senhor, que vos fez subir da terra do Egito com grande força e com braço estendido, a este temereis, e a ele vos inclinareis e a ele sacrificareis.” Devemos adorar a Deus por causa de Seu poder. Seu poder é uma base para a adoração. Nós nos reunimos e louvamos a Deus por causa de Seu poder glorioso – não há ninguém como Ele.

Número dois: para o cristão, o poder de Deus não é apenas uma base para a adoração, mas uma base de confiança diária. Sempre que me deparo com minhas inadequações e incapacidades, vou a Filipenses 4:13, que diz: “Posso todas as coisas naquele que me fortalece”. Por causa de Seu poder, caminhamos dia a dia em confiança. “Estamos cheios da plenitude de Deus”, Efésios 3:19 diz, e, então, o verso 20 diz: “Ora, àquele que é poderoso para fazer tudo muito mais abundantemente além daquilo que pedimos ou pensamos, segundo o poder que em nós opera…”. O poder de Deus se torna a base de nossa vida diária.

Número três: o poder de Deus é a base de nossa esperança de ressurreição. Como cristão, estou ansioso para ressuscitar dos mortos. Sei que minha chance de morrer é de 100% de garantia. Eu vou morrer. E eu também estou esperando que eu vou ser ressuscitado. Bem, qual é a base da minha confiança?

Você sabe, eu vou a um funeral, e aquilo não parece nada esperançoso… Os serviços funerários preparam o corpo do morto, embalsamando-o para o funeral. Eles extraem o sangue do corpo e bombeiam o fluido de embalsamamento, depois o arruma e o colocam em um caixão. Já pensou se você dissesse ao agente funerário: ‘Bem, você sabe, algum dia esse corpo que você está preparando para ser sepultado vai sair da sepultura?’ Ele provavelmente iria olhar para você e dizer: ‘você está louco?

E lá estão todos no velório… O caixão está aberto, o corpo está lá, tudo é sombrio e termina com o corpo sendo deixado numa sepultura para apodrecer. É assim que termina. Se algum cristão se levanta no funeral e diz: ‘Em algum dia, este querido irmão sairá dessa sepultura.’ Algumas pessoas zombariam e diriam: ‘Como você sabe disso? Quem pode fazer isso acontecer?’.

A resposta está em 1 Coríntios, capítulo 15, e, você sabe, minha confiança para a ressurreição é baseada no poder de Deus. Verso 20: “Mas de fato Cristo ressuscitou dentre os mortos, e foi feito as primícias dos que dormem.” E no versículo 52: “Num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados.”

Como assim? É Deus que nos dá esta vitória. O poder de Deus é a base de nossa adoração, a base de nossa força diária, a base de nossa esperança de ressurreição para o futuro.

Número quatro: o poder de Deus é a base de nosso conforto. Sempre que quero me preocupar com meus problemas, eu me lembro de meu Deus. E eu percebo que não há nada que seja muito difícil para Ele lidar. Salmo 121:1-2, diz assim: “Levantarei os meus olhos para os montes, de onde vem o meu socorro. O meu socorro vem do Senhor que fez o céu e a terra.” Deus criou o universo. Ele pode lidar com qualquer situação. Ele pode lidar comigo, com meus problemas.

A doutrina da onipotência Deus é a base de nossa adoração, a base de nossa confiança, a base da esperança da ressurreição, a base do socorro bem presente, é a base de nossa vitória. Efésios capítulo 6:10, diz: “…fortalecei-vos no Senhor e na força do seu poder.” Se você está lutando contra o inimigo, você vai precisar de força para isso. Quando o adversário vem e você está em guarda, você não irá lutar com ele. Você se dirige ao Comandante e Ele irá lutar por você.

A base da sua vitória reside no fato de que Ele, o seu Comandante, é poderoso. Maior é Aquele que está em você, do que aquele que está no mundo. Satanás é um ser muito, muito poderoso. Mas, sabe de uma coisa? Ele está sob meus pés, que é exatamente o lugar onde Deus o colocou. A vitória é minha, em Cristo. Tremendo poder está disponível para mim.

Em seguida, para o cristão, a doutrina da onipotência de Deus é a base da segurança de sua salvação. Eu sou um salvo. E as pessoas muitas vezes me perguntam se acredito que permanecerei salvo. Eu sempre respondo que sim, com certeza. E eles dizem: ‘Por que você pensa assim?’ Eu lhes digo: ‘porque Deus é poderoso o suficiente para me manter salvo. E a única pessoa que poderia me tirar das mãos de Deus seria alguém mais poderoso do que Ele. E esse alguém, simplesmente, não existe.’

João 10:28, diz assim: “E dou-lhes a vida eterna, e nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará da minha mão.” Por quê? A resposta está no verso 29: “Meu Pai, que me deu, é maior do que todos; e ninguém pode arrebatá-las da mão de meu Pai.” Não há ninguém mais poderoso do que Deus e, assim, quando Deus está segurando algo, não há quem possa tirar das mãos Dele.

Em Romanos, capítulo 8, você vai encontrar a mesma verdade. Nesse capítulo, encontramos as perguntas: “quem levantará acusação contra os escolhidos de Deus?” e “quem os condenará?”. E aí vem aquela lista de situações (fome, nudez, aflição, etc) e de seres muito poderosos (anjos, principados, potestades, etc)… Mas, nenhum deles tem a capacidade de nos separar de Deus, pois Ele é o Todo Poderoso.

A base da segurança de minha salvação está no poder absoluto e total de Deus. É por isso que Paulo disse em 2 Timóteo 1:12: “Por cuja causa padeço também isto, mas não me envergonho; porque eu sei em quem tenho crido, e estou certo de que é poderoso para guardar o meu depósito até àquele dia.” A confiança vem do conhecimento de que Deus é poderoso.

Por último, do ponto de vista de um cristão, a doutrina da onipotência é base de sua humildade. É realmente muito fácil se orgulhar se você não pensa em Deus, mas se apenas pensar em você. Assim que você começar a pensar em Deus, você percebe que você não é nada. 1 Pedro 5: 6 diz o seguinte: “Humilhai-vos, pois, debaixo da potente mão de Deus…”. E o resultado? “para que a seu tempo vos exalte.”

Por que eu deveria me humilhar? Percebendo o poder de Deus. O poder de Deus é a base da minha humildade. Preciso entender que não sou nada e não posso fazer nada sem Ele. E, assim, esta doutrina da onipotência de Deus é tremendamente prática.

E quanto a um incrédulo? Que efeito o atributo da onipotência de Deus pode ter na vida de um incrédulo? Bem, um efeito dramático, francamente.

Em 1 Coríntios l0, Paulo diz no versículo 22: “Ou irritaremos o Senhor? Somos nós mais fortes do que ele?” Em outras palavras, se Deus é zeloso e fica com ciúmes quando você não O adora, seria melhor que você fosse mais forte do que Ele, porque Ele vai lutar contra você. E quando Deus luta contra alguém, Ele ganha, porque Ele é onipotente.

É algo trágico perceber que os homens neste mundo que não conhecem Deus, que não adoram a Deus, que não amam a Cristo, estão sendo atacados, em última análise, em julgamento, por Deus, que é onipotente. E a menos que sejam mais fortes do que Deus, coisa que não são, eles não têm defesa. Não há qualquer forma de se defender, pois nenhum homem é mais forte do que o Deus que o criou.

Jó, capítulo 9, verso 4: “Ele é sábio de coração, e forte em poder; quem se endureceu contra ele, e teve paz?” Ninguém! No Capítulo 10, verso 7: “Bem sabes tu que eu não sou iníquo; todavia ninguém há que me livre da tua mão.” Jó está dizendo: ‘Isto está acontecendo comigo. Eu não compreendo, mas eu sei que não há ninguém que possa tocar em Deus. Ninguém pode me salvar.’

Quando Deus agarra e golpeia alguém, não há quem possa livrá-lo de Sua mão. O único indivíduo no universo que pode te resgatar da mão de um Deus irado é o próprio Jesus Cristo, que é Deus. 2 Tessalonicenses 1:7-8 diz: “E a vós, que sois atribulados, descanso conosco, quando se manifestar o Senhor Jesus desde o céu com os anjos do seu poder, com labareda de fogo, tomando vingança dos que não conhecem a Deus e dos que não obedecem ao evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo”.

Contra aqueles que não conhecem a Deus e não obedecem o Evangelho, Deus vai descarregar Seu julgamento de poder. Só de pensar já é apavorante. Não é de se admirar que o escritor aos Hebreus tenha declarado: “Terrível coisa é cair nas mãos do Deus vivo.” (Hb 10:31). Por que estamos dizendo estas coisas sobre Deus? É porque esta é a natureza de Deus e isto é o que Ele revelou a nós. Queremos crer em Deus, porém queremos que você creia no Deus verdadeiro, real.

Deixe- me dizer isso em conclusão. Você notou, ao longo do que falamos, que as mesmas verdades sobre Deus têm dois impactos diferentes? Saber que Deus é imutável, onipresente, onipotente gera felicidade num cristão, certo? Alegria. Mas, para um incrédulo, o resultado de conhecer esses atributos é o medo.

Então, a questão não é o caráter de Deus, pois o caráter de Deus é estabelecido, imutável. Mas, a questão é o homem. Um homem que se lança contra Deus, continuamente tentando viver da maneira que quer, não se importando com quem Deus é, de fato não passa de um tolo. Deus é quem Ele é. Deus faz o que Ele faz. E é você que tem que entrar em linha com Ele.

Agora, na próxima vez iremos enfatizar como a graça de Deus e o perdão passam por cima de todas aquelas coisas terríveis que nós fizemos e Ele nos aceita, quando chegamos a Cristo. A chave para esta manhã, e apenas isso em conclusão, é: este é quem Deus é e este é o Deus que requer de nós toda a adoração. E nós, simplesmente, em amor, convidamos você a fazer isso. A maior emoção que podemos possivelmente ter é ver alguém vir a conhecer Deus. Este é Seu desejo. Ele convida você para vir a Ele, mas tem que ser nos termos e condições Dele.

Vamos orar.

Pai, obrigado por Tua Palavra nesta manhã, por Tua verdade e Teu poder em nossas vidas. Oramos para que Tu possas chamar aqueles que precisam desesperadamente de Ti, cujos corações foram derretidos e aquecidos pelo Espírito Santo. Abençoa as classes de estudo bíblico a seguir, Pai, e a cada vida preciosa que se encontra aqui. Nós Te agradecemos. Em nome de Cristo. Amém.


Esta é uma série de sermões sobre a pessoa de Deus,conforme links abaixo. Em breve novas publicações

01. Quem é Deus (Parte 1) 
02. Quem é Deus (Parte 2)
03. Quem é Deus (Parte 3)   


Este texto é uma síntese do sermão “God: What Is He Like? Part 1”, de John MacArthur em 31/08/1975.

Você poderá ouvi-lo integralmente (em inglês) no link abaixo:

http://www.gty.org/resources/sermons/1352/God-What-Is-He-Like-Part-1-2-of-2?Term=God%20whats

Tradução e síntese feitos pelo site Rei Eterno


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *