A Clareza da Vontade de Deus

Imprimir
Um dos temas que está no centro da experiência cristã é a questão da vontade de Deus. Ao longo de toda a minha vida, eu ouvi as pessoas falarem que estavam procurando a vontade de Deus, tentando encontrar a vontade de Deus.
Muitos anos atrás, eu escrevi um pequeno livro chamado ‘A Vontade de Deus não Está Perdida’, porque me pareceu que tantas pessoas estavam agindo como se a vontade de Deus estivesse perdida. Como se Deus a tivesse colocado em algum lugar obscuro, como se a estivesse usando para brincar de esconde-esconde com os homens.

Para muitos, a vontade de Deus é algo amargo, indesejável. É como se fosse uma refeição indesejável que você tem que comer.
É como se a vontade de Deus fosse uma espécie de estraga-prazeres. Como se Deus quisesse tornar a vida dolorosa, sombria, triste e difícil.
Há aqueles que pensam que a vontade de Deus é algo como escorregar numa casca de banana na rua e bater a cabeça num mapa de um país, e então concluir que Deus quer te enviar para aquele país como um missionário. Há pessoas que tentam entender a vontade de Deus com coisas semelhantes a esta.

Algumas pessoas pensam que a vontade de Deus é como um bilhete de loteria. Alguns receberão um bilhete premiado e serão abençoados, outros apenas receberão bilhetes em branco a nunca saberão a vontade de Deus.
Também há uma ideia da vontade de Deus como sendo pontos específicos que você tem que ligar durante sua vida. Se você não conseguir ligar esses pontos, você desandou e se perdeu no caminho. Isto envolve casamento, carreira, estudo, etc.

Qual é a vontade de Deus para sua vida? Essa é realmente a grande questão. Essa é uma questão muito fundamental.
E todos nós, como cristãos, perguntamos isto. Isso tem a ver com tudo em nossas vidas. Nossos relacionamentos, escolhas e direções na vida precisam ser guiados e dirigidos por um forte desejo de se fazer a vontade de Deus.
Na verdade, eu diria que é provavelmente a busca mais fundamental e essencial na vida cristã: fazer a vontade de Deus.

No Salmo 143:10, Davi diz: “Ensina-me a fazer a tua vontade, pois és o meu Deus. O teu Espírito é bom; guie-me por terra plana”.
Ele não disse: “Ensina-me a compreender a tua vontade”; “Ensina-me a conhecer a tua vontade”; “ajuda-me a encontrar a tua vontade”; “Deus, por favor, revela-me a tua vontade, manifesta a tua vontade”.
Ele disse: “Senhor, ensina-me a fazer a tua vontade”. Não era uma questão de informação, mas era uma questão de obediência. Não era uma questão de saber, mas de fazer.
Ele não pede a Deus para revelar sua vontade, ele simplesmente diz: “Capacita-me a fazê-la”, o que pressupõe que ele sabia o que era.

Jesus deu o exemplo de uma vida dedicada a fazer a vontade de Deus, mesmo quando estava diante dos horrores da cruz e da ira de seu próprio Pai, quando foi posto sobre Ele nossos pecados.
Ele disse isto: “Não a minha vontade, mas a Tua” (Lucas 22:42). Ele estava totalmente, constantemente e singularmente dedicado à vontade de seu Pai.
Ele viveu a sua vida com este compromisso. Em João 4:34, Ele disse: “Eu vim para fazer a vontade daquele que me enviou”. Em João 5:30 e 6:38, Ele diz: “Eu não procuro a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou”.

E, então, nosso Senhor passou a estender esse estilo de vida a seus discípulos. Quando eles pediram: “Ensina-nos a orar”, Jesus os instruiu a pedirem ao Pai: “Venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu” (Mateus 6:10).
Ou seja, ore no sentido da vontade de Deus. Defina sua vida na direção da vontade de Deus.
Em Atos 21:14, houve alguma preocupação por parte de alguns crentes sobre o que poderia acontecer com Paulo em Jerusalém. A resposta dele foi: “A vontade do Senhor seja feita”.
Pedro disse aos irmãos: “No tempo que vos resta na carne, não vivais mais segundo as concupiscências dos homens, mas segundo a vontade de Deus” (I Pedro 4:2).

E o objetivo de todo o ministério apostólico é que os crentes sigam “firmes, perfeitos e consumados em toda a vontade de Deus” (Colossenses 4:12).
E assim, a própria essência da vida cristã consiste em fazer a vontade de Deus, ser obediente ao que Deus quer. Buscamos fazer a vontade de Deus por amor, gratidão, honra, adoração, santa inspiração, etc.

O mais magnífico anseio do verdadeiro crente é fazer a vontade de Deus.
No Salmo 119 há uma expressão de desejo sincero do salmista em fazer a vontade de Deus. Ele diz isto de muitas maneiras diferentes, mas é tudo o mesmo anseio e desejo.
Ele declara: “Lâmpada para os meus pés é tua palavra, e luz para o meu caminho” (v.105) e “Inclinei o meu coração a guardar os teus estatutos, para sempre, até ao fim” (v.112).
É para isto que vivemos, para fazer a vontade de Deus. Não há outro sentido na vida.

Agora, o que é este conceito da vontade de Deus? Eu quero dar a você em duas partes, porque há duas maneiras que você deve entendê-la.
Abra sua Bíblia no Salmo 33. Isso vai nos ajudar a ver uma perspectiva sobre a vontade de Deus, o que é esta vontade, que o próprio Deus cumpre, realiza e faz.

Nos versos 6-7 do Salmo 33, lemos isso: “Pela palavra do Senhor foram feitos os céus, e todo o exército deles pelo espírito da sua boca. Ele ajunta as águas do mar como num montão; põe os abismos em depósitos”.
Ele está retratando Deus como o criador de todo o universo, de todas as coisas que o compõe.
Nos versos 8-9, diz: “Tema toda a terra ao Senhor; temam-no todos os moradores do mundo. Porque falou, e foi feito; mandou, e logo aparece”. O salmista nos chama para dar honra ao Criador do Universo e de tudo o que há nele.

E, depois, temos os versos 10-11: “O Senhor desfaz o conselho dos gentios, quebranta os intentos dos povos. O conselho do Senhor permanece para sempre; os intentos do seu coração de geração em geração”.
Ele está nos apresentando a vontade soberana de Deus. Ele desfaz os intentos dos povos, e faz exatamente o que Ele planejou fazer em todas as gerações e para sempre.
Esta é a vontade soberana de Deus. A vontade decretada de Deus, Ele a decretou, determinou. Sua vontade é absoluta, inviolável, inflexível, inalterável. Se Deus disse que fará algo, Ele realmente cumprirá o que disse.

Vamos para Isaías 46:9, que diz:

Lembrai-vos das coisas passadas desde a antiguidade; que eu sou Deus, e não há outro Deus, não há outro semelhante a mim. Que anuncio o fim desde o princípio, e desde a antiguidade as coisas que ainda não sucederam; que digo: O meu conselho será firme, e farei toda a minha vontade.

Deus determinou o que Ele faria no início e Ele vai fazê-lo em todo o caminho até o fim. Seu propósito será estabelecido e Ele realizará toda a Sua vontade. Simplesmente, Deus faz exatamente o que Ele quer.
O Salmo 135:6 diz: “Tudo o que o Senhor quis, fez, nos céus e na terra, nos mares e em todos os abismos”.
O Senhor faz tudo que Ele quer fazer. Ele é o soberano do universo. Tudo o que Ele propôs em Si mesmo, Ele vai realizar. Não há impedimento para a efetivação de Sua vontade.

Veja Daniel, capítulo 4, versículos 34 e 35, quando Nabucodonosor, que havia sido julgado tão severamente por Deus, voltou a si, ele oferece louvor e adoração a Deus:

Mas ao fim daqueles dias, eu, Nabucodonosor, levantei os olhos ao céu, tornou-me a vir o entendimento, e eu bendisse o Altíssimo, e louvei, e glorifiquei ao que vive para sempre, cujo domínio é sempiterno, e cujo reino é de geração em geração. Todos os moradores da terra são por ele reputados em nada; e, segundo a sua vontade, ele opera com o exército do céu e os moradores da terra; não há quem lhe possa deter a mão, nem lhe dizer: Que fazes?

Deus faz exatamente o que Ele quer fazer no céu e na terra. Em Efésios, capítulo 1, versículo 9-11, lemos isto:

Desvendando-nos o mistério da sua vontade, segundo o seu beneplácito que propusera em Cristo, de fazer convergir nele, na dispensação da plenitude dos tempos, todas as coisas, tanto as do céu como as da terra; nele, digo, no qual fomos também feitos herança, predestinados segundo o propósito daquele que faz todas as coisas conforme o conselho da sua vontade.

Há uma vontade de Deus, que Ele irá cumprir perfeitamente. Ele faz todas as coisas segundo o conselho da Sua vontade. Há uma vontade de Deus que pertence totalmente a Ele, que nada pode impedir que se cumpra, nada mesmo.
É a vontade de Deus, que pertence totalmente a Ele, e é determinada em Seu propósito e executada pelo Seu poder soberano. Ele está no controle absoluto de todas as coisas.

Mas, no nível humano, Deus tem uma vontade para o homem. E esta vontade não se cumpre na maioria das vezes.
Qual é a vontade de Deus para o homem? Ele a revelou em Sua santa lei. A lei de Deus é simplesmente a revelação do que Deus deseja do homem. E, na maioria das vezes, nós não a cumprimos.

Mas, a realidade surpreendente é que a nossa incapacidade de fazer a vontade de Deus não cria o mínimo impedimento para Deus cumprir Sua vontade.
Naquilo que chamamos de “providência divina”, em que Ele converge as escolhas humanas e todas as contingências para Seus próprios fins gloriosos, Ele direciona tudo perfeitamente na realização de sua vontade.

Então, nós não estamos falando hoje sobre aquela vontade de Deus que o próprio Deus vai executar. Nós estamos falando sobre a vontade de Deus expressa em direção a nós, que vamos ou não fazer.
Nada que façamos ou deixamos de fazer irá alterar o cumprimento do plano divino. Mas tudo o que fazemos ou deixamos de fazer, terá um efeito sobre nós, nossa bênção, alegria, obediência, utilidade agora e para sempre.
Por isso, é importante conhecer a vontade de Deus. Eu quero fazer isso. Eu não quero andar na escuridão. E eu não posso confiar em minha própria intuição.

Então, onde é que eu vou encontrar a vontade de Deus? Como faço para saber qual é a vontade de Deus para minha vida? Onde posso encontrar um indicador confiável da vontade de Deus para minha vida?
Bem, eu já dei uma dica. E agora eu vou expandir um pouco. Deus tem uma vontade para a sua vida. Nós sabemos isto.

Se Deus tem uma vontade para a sua vida, Ele quer que você a conheça. Isso é óbvio. Ele não a quer esconder de você.
Não é buscando uma interpretação complicada da Escritura, ou alguma experiência transcendental de intuição, ou alguma visita de anjos, ou alguma coincidência fortuita.
Se Deus tem uma vontade, e Ele tem, se Ele quer que você a conheça, Ele faz isto e mantém você responsável por ela. Então, você pode ter certeza que Ele não a quer esconder de você.
Ele coloca Sua vontade no lugar mais óbvio: A Sua Palavra. Você pode conhecer a vontade de Deus para sua vida a partir das Escrituras. É absolutamente inconfundível.

Em primeiro lugar: A vontade de Deus é que você seja salvo, liberto do pecado, da morte, do juízo e da condenação eterna. Veja isto:

Porque isto é bom e agradável diante de Deus nosso Salvador, Que quer que todos os homens se salvem, e venham ao conhecimento da verdade (I Timoteo 2:3).

O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; mas é longânimo para conosco, não querendo que alguns se percam, senão que todos venham a arrepender-se (II Pedro 3:9).

Ele colocou a redenção em Seu propósito. Ele enviou Seu Filho para se tornar o sacrifício pelos nossos pecados. O Filho do Homem veio buscar e salvar o que estava perdido (Lucas 19:10), porque a salvação dos perdidos é a vontade do Pai.
Certa vez, Jesus estava ensinando, quando foi informado que sua mãe e irmãos o aguardavam. Ele respondeu:

Quem é minha mãe e quem são meus irmãos? E, olhando em redor para os que estavam assentados junto dele, disse: Eis aqui minha mãe e meus irmãos. Porquanto, qualquer que fizer a vontade de Deus, esse é meu irmão, e minha irmã, e minha mãe (Marcos 3:33-35).

Ele está dizendo que não reconhecia relações de família terrena. A única relação que importava para Ele é que você faça a vontade de Deus.
E o que é a vontade de Deus? Deus mesmo respondeu a esta pergunta: “Este é o meu filho amado; a Ele ouvi” (Marcos 9:7). A vontade de Deus é que você esteja apegado a Cristo, que você coloque sua confiança em Cristo.
No Sermão da Montanha Jesus disse: “Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus” (Mateus 7:21).

I João 2:17 diz: “E o mundo passa, e a sua concupiscência; mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre”.
Aquele que faz a vontade de Deus tem a vida eterna. Qual é a vontade de Deus? Que você creia em Seu Filho e coloque sua confiança Nele. Este é o caminho da salvação.

Em João 6:38-40, Jesus diz:

Porque eu desci do céu, não para fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou. E a vontade do Pai que me enviou é esta: Que nenhum de todos aqueles que me deu se perca, mas que o ressuscite no último dia. Porquanto a vontade daquele que me enviou é esta: Que todo aquele que vê o Filho, e crê nele, tenha a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia.

Deus, o Pai, quer que você contemple Seu Filho e creia Nele. Essa é a Sua vontade. É assim que temos a vida Eterna.
Quem rejeita a Cristo jamais poderá conhecer a vontade de Deus. É inútil buscar a vontade de Deus em um casamento, emprego, carreira, decisão da vida ou qualquer outra coisa.
Se você não é um redimido, você não tem sequer o direito de pedir a Deus para revelar a Sua vontade.
Se você não veio a Cristo em arrependimento verdadeiro e fé verdadeira, não há possibilidade de você conhecer a vontade de Deus sobre qualquer outra coisa.

Veja I Coríntios 2:9-10, que diz:

Mas, como está escrito: As coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, E não subiram ao coração do homem, São as que Deus preparou para os que o amam. Mas Deus no-las revelou pelo seu Espírito; porque o Espírito penetra todas as coisas, ainda as profundezas de Deus.

Há coisas que as pessoas não podem ver, ouvir e saber. São coisas que Deus tem preparado para aqueles que O amam. O que Deus tem para aqueles que O amam, as pessoas que não O amam não podem saber.
A vontade de Deus começa, então, com a obra da redenção no homem. Ela começa quando o homem em verdadeiro quebrantamento e arrependimento curva-se diante do Cristo.
É aí que começa. Se você está perguntando outras coisas, mas não passou por esta experiência, você não está em condições de receber qualquer direção de Deus.

Em segundo lugar: A vontade de Deus não é apenas que você seja salvo, mas que você seja cheio do Espírito Santo.
Efésios 5:17-18 é claro: “Por isso não sejais insensatos, mas entendei qual seja a vontade do Senhor. E não vos embriagueis com vinho, em que há devassidão, mas enchei-vos do Espírito”.

“Não sejais insensatos”, no original grego, tem a ideia de “não seja ignorante, não seja destituído de conhecimento, não seja tolo”. Se você não entender a vontade do Senhor, você é tolo, ignorante, estúpido.
Você diz: “Isso é uma linguagem muito forte”. É porque a vontade de Deus não está perdida, não é obscura, não está escondida.
Se você não entende a vontade do Senhor e não é cheio do Espírito, simplesmente seu estado é de tolice e ignorância.

Em vez de estar embriagado com vinho, que conduz devassidão, é a vontade de Deus que você seja cheio do Espírito.
Você diz: Por que esta comparação com embriaguez? Porque a questão aqui é o controle. “Cheio” é “perao” no grego, e tem a ideia de preencher um senso de controle. Uma maneira de traduzir isso seria “permitir-se ser controlado pelo Espírito Santo”.
Em João 16:6, Jesus faz esta declaração, percebendo que os discípulos estavam abatidos diante de Sua partida iminente: “O vosso coração se encheu de tristeza”, ou seja, “a tristeza assumiu o controle na vida de vocês”.
Se você diz que alguém está um pouco triste é diferente de você dizer que alguém está cheio de tristeza. Este segundo estado significa que a tristeza usurpou seu equilíbrio, pensamentos, esperanças e assumiu o controle.

Essa é a ideia. Ele compara ao estado de se estar bêbado. O álcool é uma substância que toma o controle. Quando uma pessoa se embriaga, ela abandona sua sanidade mental, a razão, a capacidade de controlar seu comportamento, sua expressão, sua emoção e sua mente. Ela está agora sob o controle dessa droga.
No mundo antigo, uma das maneiras para se adorar os falsos deuses era através da embriaguez, da gula e das orgias sexuais.
Na verdade, as sensações espirituais que eles experimentavam era fruto de contato com demônios. Eles ficavam sob controle das trevas.

Mas, se você está cheio do Espírito Santo, você é controlado por Ele.
O que isso significa? Todos os verdadeiros crentes possuem o Espírito Santo. Se alguém não possui, ele não pertence a Cristo (Romanos 8:9).
Nós somos o templo do Espírito Santo (I Coríntios 6:19). Ele é aquele que veio habitar dentro de nós no momento da nossa salvação.

Mas, nós não estamos sempre controlados pelo Espírito Santo. Essa é uma coisa fundamental para se entender.
Não há qualquer tipo de sentimentos que manifestem que somos cheios do Espírito Santo. Não há nada que você possa olhar fisiologicamente ou experimentalmente para identificar isso.
Mas, existem alguns resultados que provam esta realidade. Veja a sequência de Efésios 5:18-21: “Enchei-vos do Espírito; Falando entre vós em salmos, e hinos, e cânticos espirituais; cantando e salmodiando ao Senhor no vosso coração; Dando sempre graças por tudo a nosso Deus e Pai, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo; Sujeitando-vos uns aos outros no temor de Deus”.

Primeiro você fala com os outros em salmos, hinos e cânticos espirituais. Você canta, faz a melodia em seu coração ao Senhor. De repente, você está extasiado em maravilha, amor, louvor e dominado pela adoração.
Não só isso, seu coração é grato. Você está dando graças por tudo a Deus em nome do Senhor Jesus Cristo. Seu coração é grato, não importando o que está acontecendo em sua vida. Você só está literalmente cheio de louvor.
Além disso, você está sujeito aos outros no temor de Cristo. Há uma humildade dominante que entra em sua vida, que faz com que você se submeta àqueles que o rodeiam.

Os frutos são extensos, veja alguns exemplos na sequência de Efésios 5:
“Mulheres, sujeitai-vos a vossos maridos, como ao Senhor” (5:22);
“Maridos, amai vossas mulheres, como também Cristo amou a igreja” (5:25); “Filhos, sede obedientes a vossos pais no Senhor, porque isto é justo. Honra a teu pai e a tua mãe”(6:1-2);
“Pais, não provoqueis à ira a vossos filhos, mas criai-os na doutrina e admoestação do Senhor” (6:4);
“Servos, obedecei a vossos senhores segundo a carne, com temor e tremor, na sinceridade de vosso coração, como a Cristo” (6:5);
“Senhores, fazei o mesmo para com eles” (6:9).

Estes são comportamentos que fluem de alguém controlado pelo Espírito Santo. Uma vida de adoração, de humildade, de alegria, de sujeição. Ou seja, uma vida que manifesta, em todos os lugares, as consequências de se estar totalmente controlado pelo Espírito Santo. Isso não é algo místico, é prático.

Em Colossenses 3:16-17, temos o mesmo princípio:

A palavra de Cristo habite em vós abundantemente, em toda a sabedoria, ensinando-vos e admoestando-vos uns aos outros, com salmos, hinos e cânticos espirituais, cantando ao Senhor com graça em vosso coração. E, quanto fizerdes por palavras ou por obras, fazei tudo em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai.

As consequências relatadas a partir do verso 18 são as mesmas de Efésios 5 e 6: adoração, louvor e alegria e gratidão. Esposas vão se submeter a seus maridos, que vão amar suas esposas. Os filhos vão obedecer a seus pais, os pais vão criar seus filhos em atitudes espirituais, os servos obedecerão a seus senhores.
Enfim: “E tudo quanto fizerdes, fazei-o de todo o coração, como ao Senhor, e não aos homens” (v.23).

Então, quando falamos sobre ser cheio do Espírito, estamos falando de ser controlado pelo Espírito.
O Espírito nos controla quando estamos cheios com a verdade, com a Palavra. Quando a Palavra toma conta de nossa mente, emoções e vontade.
Nada é místico. Isso nada tem a ver com supostas manifestações teatrais do Espírito Santo, como vemos por aí.
Ser cheio do Espírito significa ser controlado pelo Espírito. E o Espírito vai controlá-lo aplicando a Palavra de Deus em sua vida.
Você não pode aplicar o que você não sabe, Ele o tornará enriquecido com a verdade divina. É assim que Ele nos direciona para a vontade de Deus.

Antes de você dizer: “Ó Deus, com quem eu deveria casar?”; “Devo ir para onde?”; “Devo fazer isto ou aquilo?”, busque aquilo que é o fundamento de qualquer coisa, busque a vontade de Deus, seja cheio do Espírito Santo.

Em terceiro lugar: “Porque esta é a vontade de Deus, a vossa santificação” (I Tessalonicenses 4:3). Aqui está mais uma verdade cristalina.
Santificação significa separação. Separação de quê? Do pecado. Deus quer salvar o homem, enchê-lo do Espírito Santo e o santificar, ou seja, separá-lo do pecado.
Foi neste sentido que Paulo disse nos versos 1 e 2:

Finalmente, irmãos, vos rogamos e exortamos no Senhor Jesus, que assim como recebestes de nós, de que maneira convém andar e agradar a Deus, assim andai, para que possais progredir cada vez mais. Porque vós bem sabeis que mandamentos vos temos dado pelo Senhor Jesus.

O viver santificado é possível quando o Espírito Santo tem o controle de sua vida, quando a Palavra de Deus domina sua mente. A vontade de Deus é que você seja santificado.
Se você rejeita isto, você está rejeitando a Deus. A vontade de Deus é soberana e perfeita. O salmista disse: “Sejam agradáveis as palavras da minha boca e a meditação do meu coração perante a tua face, Senhor, Rocha minha e Redentor meu!”.

Porque esta é a vontade de Deus, a vossa santificação; que vos abstenhais da prostituição; Que cada um de vós saiba possuir o seu vaso em santificação e honra; Não na paixão da concupiscência, como os gentios, que não conhecem a Deus. Ninguém oprima ou engane a seu irmão em negócio algum, porque o Senhor é vingador de todas estas coisas, como também antes vo-lo dissemos e testificamos. Porque não nos chamou Deus para a imundícia, mas para a santificação. Portanto, quem despreza isto não despreza ao homem, mas sim a Deus, que nos deu também o seu Espírito Santo (I Tessalonicenses 4:3-8).

Em quarto lugar: Submissão. Efésios 5:21 diz: “Sujeitando-vos uns aos outros no temor de Deus”. Essa é a vontade de Deus.
O princípio da submissão está em toda a Bíblia. Antes de qualquer coisa, temos que ser totalmente submissos a Deus. Tiago 4:7 diz: “Sujeitai-vos, pois, a Deus”.
Temos que ser sujeitos uns aos outros no corpo de Cristo. Essa é uma relação de humildade.
As esposas devem estar submissas a seus maridos. Os maridos devem estar submissos ao amor que precisam desenvolver para com suas esposas. Os filhos devem estar sujeitos aos pais e os pais devem estar sujeitos ao amor e zelo por seus filhos.
Hebreus 13:17 diz: “Obedecei a vossos pastores, e sujeitai-vos a eles”.

Quanto às autoridades, Pedro deixa bem clara esta vontade de Deus:

Sujeitai-vos, pois, a toda a ordenação humana por amor do Senhor; quer ao rei, como superior; quer aos governadores, como por ele enviados para castigo dos malfeitores, e para louvor dos que fazem o bem. Porque assim é a vontade de Deus, que, fazendo bem, tapeis a boca à ignorância dos homens insensatos (I Pedro 2:13).

Você se submete ao governo, à autoridade na igreja, na família, submetem-se uns aos outros, a Cristo como Senhor, a Deus.
Isto é resultado de humildade em todos os níveis. Essa é a vontade de Deus. A verdadeira humildade apresenta o fruto da submissão. “A soberba do homem o abaterá, mas a honra sustentará o humilde de espírito” (Provérbios 29:23).

Em quinto lugar: A vontade de Deus é que você sofra. “Porque melhor é que padeçais fazendo o bem, se a vontade de Deus assim o quer, do que fazendo mal” (I Pedro 3:17).
Deus quer o nosso sofrimento porque Ele sabe o que o sofrimento produz em nós. Assim Pedro diz:

Porque é coisa agradável, que alguém, por causa da consciência para com Deus, sofra agravos, padecendo injustamente. Porque, que glória será essa, se, pecando, sois esbofeteados e sofreis? Mas se, fazendo o bem, sois afligidos e o sofreis, isso é agradável a Deus. Porque para isto sois chamados; pois também Cristo padeceu por nós, deixando-nos o exemplo, para que sigais as suas pisadas (I Pedro 2:18-21).

Portanto também os que padecem segundo a vontade de Deus encomendem-lhe as suas almas, como ao fiel Criador, fazendo o bem (I Pedro 4:19).

O sofrimento é parte do que Deus quer fazer em sua vida. O sofrimento é o meio que Ele usa para lhe aperfeiçoar. Não se trata do sofrimento por causa do pecado, pois isso é disciplina.
Deus quer que você enfrente esse mundo hostil de uma forma tão piedosa que atrairá o desprezo do mundo, até mesmo dos familiares e amigos.
Deus usará o sofrimento para moldar seu caráter e lhe aperfeiçoar: “E o Deus de toda a graça, que em Cristo Jesus vos chamou à sua eterna glória, depois de haverdes padecido um pouco, ele mesmo vos aperfeiçoará, confirmará, fortificará e fortalecerá” (I Pedro 5:10).

E não nos resta alternativas, pois “todos os que piamente querem viver em Cristo Jesus padecerão perseguições” (II Timóteo 3:12).
O sofrimento do justo produz nele frutos preciosos de santidade. Ele é fortalecido na vontade de Deus.
Paulo declarou: “Sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias por amor de Cristo. Porque quando estou fraco então sou forte” (I Coríntios 12:10).
Ressalto novamente: eu não estou falando sobre o sofrimento por causa do pecado, mas do sofrimento por praticarmos o que é justo.
Tome esse sofrimento e seja ousado e corajoso, deixando Deus fazer o Seu trabalho perfeito.

Em sexto lugar: Que você seja grato. “Em tudo dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco” (I Tessalonicenses 5:18). “Dando sempre graças por tudo a nosso Deus e Pai, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo” (Efésios 5:20).
Se você é salvo, cheio do Espírito Santo, santificado, submisso, sendo aprovado,fortalecido e amadurecido com o sofrimento injusto e tendo um coração grato a Deus por tudo, você está apto a fazer escolhas corretas para sua vida.

Você diz: “Opa! Tem certeza?”. Tenho sim. Absoluta. Porque se tudo isto é uma verdade em sua vida, é Deus quem está controlando seus desejos.
Você não precisa recorrer ao misticismo e ouvir vozes do céu. Uma vida controlada pelo Senhor é tudo que precisamos para tomar decisões corretas.
Salmo 37:4 diz: “Deleita-te também no Senhor, e Ele te concederá os desejos do teu coração”.
Isso não significa que Ele vai cumprir o seu desejo, isso significa que Ele plantará em você os desejos Dele. E você terá aprendido a de se deliciar com aquilo que vem Dele.

Por que estou no ministério? Porque eu queria estar. Por que estou na ‘Grace Church’? Porque eu queria estar. Por que eu casei com Patrícia? Porque eu queria casar com ela.
E eu só quero ter certeza de que os desejos do meu coração sejam reflexos dos desejos que Deus tem para minha vida.
Eu me delicio com aquilo que Deus tem plantado em mim. Isto é consequência de viver para cumprir a sua vontade.
Salmo 37:5 diz: “Entrega o teu caminho ao Senhor, confia nele, e o mais Ele fará”.
Ele vai cumprir Sua vontade em você, basta você deliciar-se com Ele e se comprometer com Ele.

Pai, agradecemos a maravilhosa palavra que nos foi dada.
Que sejamos fiéis para fazer a Tua vontade e, como o salmista disse, que o Senhor nos ensine a fazer a Tua vontade.
“Ora, o Deus de paz, que pelo sangue da aliança eterna tornou a trazer dos mortos a nosso Senhor Jesus Cristo, grande pastor das ovelhas, vos aperfeiçoe em toda a boa obra, para fazerdes a sua vontade, operando em vós o que perante ele é agradável por Cristo Jesus, ao qual seja glória para todo o sempre. Amém.” [Hb 13:20-21].


Este texto é uma síntese do sermão “Taking the Mystery Out of Knowing God’s Will”, de John MacArthur em 16/07/2006.

Você pode ouvi-lo integralmente (em inglês) no link abaixo:

http://www.gty.org/resources/sermons/80-310

Tradução e síntese feitos pelo site Rei Eterno


Eu tenho pouca confiança em pessoas que falam de ter revelações diretas recebidas do Senhor, como se Ele aparecesse sem ser através do Evangelho. Sua Palavra é tão completa, tão perfeita, que para Deus fazer qualquer nova revelação para você ou para mim, é bastante desnecessário. Porque fazê-lo seria colocar uma desonra sobre a perfeição que há na Palavra revelada!

Charles H. Spurgeon


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *