Criar Sombras Para os Filhos – 1

Imprimir

Esta é uma série de quatro sermões pregados em janeiro de 2016 pelo pastor John MacArthur (veja os links no final deste texto).
O título remonta a um antigo provérbio chinês, que diz: ‘uma geração planta as árvores e a geração seguinte desfruta de sua sombra.’
Nestes sermões, o pastor John MacArthur ensina, à luz da Palavra de Deus, como podemos ser plantadores destas ‘árvores’, através da prática dos princípios bíblicos na criação dos nossos filhos.
Neles, John MacArthur passeia pelas Escrituras, tratando do caráter cristão. E, assim, são sermões que devem ter a atenção não só daqueles que estão criando filhos ou pretendem fazê-lo. Mas, é um banquete espiritual para todo o servo de Deus que queira aprender na Palavra a como purificar seu caminho (Sl.119:9).


Deus planejou que a sociedade existisse a partir das famílias. Deus criou a família. Deus criou o homem e a mulher e disse: “Construam famílias!”
Isso foi estabelecido por Ele desde o início. Logo em Gênesis 1. Mais tarde, Ele reiterou o mesmo comando a Noé e seus filhos após o dilúvio, no nono capítulo do Gênesis.

As famílias foram planejadas por Deus com a missão de transmitir os princípios de verdade e justiça, de geração em geração. Famílias são as unidades que oferecem a disciplina e instrução, e, portanto, criam a civilização. Elas mantêm a sociedade equilibrada.

Elas oferecem, como um provérbio chinês diz: “sombra para os filhos” – ou seja, uma geração planta uma árvore; a próxima geração goza de sua sombra.

Estamos vivendo em uma época em que se pode questionar se existem árvores sendo plantadas para as gerações futuras. Há uma geração de jovens, mesmo os chamados jovens cristãos de hoje, que têm medo de trazer filhos ao mundo.

Nossa cultura não só permite a destruição da família, mas ainda ajuda e trabalha para essa destruição. Nossa sociedade faz leis visando a destruir a família; podemos vê-las o tempo todo.

Estamos vivendo em uma cultura onde todos os tabus foram abolidos. Só há um tabu para os liberais, e esse é a moralidade bíblica. Fornicação e adultério são abundantes em um nível de pandemia; e para aquelas pessoas que se casam, o divórcio é uma opção fácil para tirá-las do casamento.

Estamos todos cientes do fato de que temos uma rejeição total à liderança masculina. Temos uma cultura feminilizada, mães que trabalham fora, crianças que retornam da escola para lares sem os pais ou que ficam em casa sob a supervisão de outras pessoas, como babás, enquanto seus pais passam o dia fora trabalhando. Temos aborto, milhões de crianças sendo mortas no ventre de suas mães.

Isso vem acontecendo há décadas. Pornografia não só é abundante, mas é protegida por leis de liberdade de expressão. Temos uma mídia dominante que polui as mentes das pessoas com entretenimento que está corrompido. E, se não bastasse, temos a internet através da qual as pessoas podem se explorar, corromper-se, e corromper a outros. É pandemia.

A cultura não irá oferecer qualquer solução; ela só irá agravar a corrupção. E, é bom que se diga,isso é o que este mundo pecaminoso escolheu, como é declarado em Romanos 1:24a: “Por isso também Deus os entregou às concupiscências de seus corações, à imundícia…”.

A rejeição à autoridade de Deus trouxe o juízo de Deus para este mundo. E o juízo é deixá-lo seguir o curso de suas concupscências.

De acordo com Romanos 1, quando Deus julga uma sociedade, haverá uma revolução sexual, seguida de uma revolução homossexual, seguida de mentes reprováveis, onde não há caminho de volta, porque o pensamento se tornou totalmente corrompido.

[Assim, o pecado é a causa do juízo de Deus. E o juízo é mais pecado. Deus retira as restrições e deixa o homem manifestar o que tem de pior e mais corrupto dentro dele. Quando esses homens encararem a condenação eterna, saberão o motivo.] (Esse assunto é bem explicado pelo pastor John Macarthur no sermãoQuando Deus Abandona uma Nação“.)

E se você tivesse que identificar onde o pensamento é mais agressivamente corrupto, você provavelmente há de responder que, além do mundo do entretenimento, a corrupção maior advém das universidades, que têm a responsabilidade de educar a próxima geração.

Esta cultura não oferece nenhuma solução; e, na verdade, essa cultura está agora sob o julgamento de Deus e marcha a um ritmo acelerado para o inferno. Eu entendo porque as pessoas olham para tudo isso e se perguntam como será para seus filhos e seus netos…

Aparentemente, muitos na igreja não estão dispostos a intensificar e proporcionar às pessoas uma verdadeira compreensão bíblica das relações sexuais, casamento e da família.

Então, o que eu quero fazer para você e para todos nós é só analisarmos o que nos é ensinado na Palavra de Deus e montar um entendimento, uma estrutura para compreendermos o matrimónio, família, e criação de filhos à maneira que Deus projetou.

Abra sua Bíblia no sexto capítulo de Efésios, porque eu só quero definir essa passagem em sua mente, e, então nós analisaremos diversas outras partes das Escrituras. Eu não tenho ideia o quão longe nós vamos chegar. Mas, aviso que tenho muito a dizer.

Efésios 6: 1 a 4: “Vós, filhos, sede obedientes a vossos pais no Senhor, porque isto é justo. Honra a teu pai e a tua mãe, que é o primeiro mandamento com promessa; para que te vá bem, e vivas muito tempo sobre a terra. E vós, pais, não provoqueis à ira a vossos filhos, mas criai-os na doutrina e admoestação do Senhor.” Isso é um resumo do que o Novo Testamento ensina.

Você encontra uma passagem quase idêntica no terceiro capítulo de Colossenses também. Mas nada disso é novo. Esta é uma reiteração e clarificação do que o Antigo Testamento diz. Deus já havia estabelecido o seu padrão para a família.

Como eu disse, é difícil hoje para a igreja definir esse assunto com a precisão que a Bíblia exige, porque a igreja, a igreja contemporânea, está muito ansiosa para absorver o mundo, e para fazer com que as pessoas do mundo se sintam confortáveis com o que ela prega.

Assim, retornar aos claros, precisos, exatos e exigentes comandos bíblicos a respeito do casamento e da família iria ameaçar igrejas que estão tentando capturar o mundo.

Quero lhes falar sobre cinco princípios que são fundamentais:

Primeiro princípio: os filhos são bênção de Deus. É aí que você tem que começar. Eles não são um problema, eles não são um juízo, mas eles são uma bênção de Deus.

Deus abençoou Adão e Eva, e lhes disse: “Sede fecundos e multiplicai-vos e enchei a terra.” A civilização primitiva entendeu isso, mesmo depois do dilúvio. Quando esse mandamento do Senhor era repetido, as pessoas entendiam que os filhos eram uma bênção do Senhor. Na verdade, não poder ter filhos era um desastre nas mentes das pessoas no mundo antigo.

No capítulo 29:32 de Gênesis, por exemplo, Raquel era estéril. “Lia concebeu e deu à luz um filho e chamou Rúben, pois disse: Porque o Senhor tem visto a minha aflição; certamente agora meu marido vai me amar.”

É como se não ter uma criança fizesse com que seu marido não a amasse. E o mesmo pensamento é repetido nos versos 33 a 35. Os filhos foram uma bênção do Senhor para Lia. Era uma espécie de vergonha em sua mente não ter muitos filhos.

Capítulo 30:1, diz: “Vendo Raquel que não dava filhos a Jacó, teve inveja de sua irmã, e disse a Jacó: Dá-me filhos, se não morro.” Então, ela veio com um plano estúpido, como você sabe, e queria uma espécie de criança substituta, uma espécie de barriga de aluguel do mundo antigo, em que sua escrava geraria um filho com Jacó, tal como fizera Abraão no passado.

Deus foi gracioso com ela. Veja os versículos 23 e 24: “E ela concebeu, e deu à luz um filho, e disse: Tirou-me Deus a minha vergonha. E chamou-lhe José, dizendo: O Senhor me acrescente outro filho.” Era quase como se uma criança não fosse o suficiente. O desejo do coração de uma mãe era de ter muitos filhos, porque os filhos foram indicados por Deus como sinais de benção.

Vejamos o Salmo 127, verso 3, que diz: “Os filhos são herança do Senhor, uma recompensa que ele dá.”

Na verdade, era uma espécie de censura pessoal, uma espécie de vergonha, não ter filhos. Certamente, havia algumas pessoas para as quais Deus não projetou filhos. Mas, de um modo geral, os filhos eram uma bênção; e não ter filhos era como ser impuro no mundo antigo.

Segundo princípio: paternidade é uma bênção. Três vezes em Provérbios é declarado que um filho faz o coração de um pai feliz. Provérbios 29:17, diz: “Disciplina o teu filho, e te dará descanso; e dará delícias à tua alma.” As crianças são uma benção, e ser pai é uma bênção.

Terceiro princípio: a qualidade do papel dos pais é avaliada observando-se o resultado do seu papel na criação dos seus filhos. O que quero dizer com isso? Simplesmente significa o princípio que está em Provérbios 22: 6, que diz: “Ensina a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele.”

Realmente, os filhos são um testemunho do papel de seus pais em sua criação, pois são o resultado desse papel.

Esse texto de Provérbios 26 não é uma garantia de salvação. É apenas um axioma. É apenas um truísmo. É apenas uma verdade auto-evidente: crianças se transformarão naquilo que você as criou para ser. Isso é um fato.

Um texto equivalente do Novo Testamento é o de Lucas 6:40: “O discípulo não é superior a seu mestre, mas todo o que for perfeito [ou treinado] será como o seu mestre.” Você será responsável por moldar seus filhos. Eles vão ser o que você levá-los a ser. Eles vão se tornar no que você permitir que eles sejam. Eles vão tomar a forma que você forneceu para eles em sua paternidade.

Nada que você faça garantirá que eles sejam salvos. O texto não está dizendo que a obra de vocês é que irá salvá-los, porque essa obra é de Deus apenas. Mas, ele está dizendo que seus filhos serão os produtos de sua paternidade. A paternidade é medida pelo esforço dos pais na formação de seus filhos, no resultado dessa formação.

Então, você olha ao seu redor e você diz para si mesmo: ‘Eu não sei se eu quero criar uma criança no mundo que está vindo, ou o mundo que existe…’. Lembre-se: em qualquer ocasião, em qualquer mundo, qualquer criança vai crescer para ser o que você a formou para ser.

O papel dos pais é uma responsabilidade sem paradas. Não há pausas para café. Não há férias, porque é extremamente importante. Não pode ser um trabalho em tempo parcial. É por isso que as mães que trabalham fora podem ser um desastre nas vidas de seus filhos.

Quarto princípio: os pais são a mais poderosa influência na vida de seus filhos. É mais poderosa do que a cultura. É mais poderosa do que as amizades. É mais poderosa do que a mídia, porque os pais podem controlar todas essas outras influências. É uma responsabilidade em tempo integral.

Na verdade, se você voltar a Deuteronômio, capítulo 6:4-6, Deus estava preparando o povo para entrar na Terra Prometida e traz a seguinte direção: “Ouve, Israel, o Senhor nosso Deus é o único Senhor. Amarás, pois, o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças. E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração…”. Esse é o resumo de todos os mandamentos.

E, então, vem o versículo 7: “E as ensinarás a teus filhos e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te e levantando-te.” Esse é o papel ininterrupto dos pais. Sem paradas.

Verso 8: “Também as atarás por sinal na tua mão…”, de modo que a palavra de Deus influencie tudo o que você faz. “… e te serão por frontais entre os teus olhos”, para que a Palavra controle o que você pensa. Esse é o significado dessa linguagem simbólica do texto.

Verso 9: “E as escreverás nos umbrais de tua casa, e nas tuas portas”, para que quando você entrar ou sair, a Palavra do Senhor domine tudo o que você for fazer. Esta é a forma como os pais têm a maior influência.

Tenha em mente que os filhos de Israel, neste momento da sua história, estavam vivendo no meio do paganismo. O paganismo era algo tão ruim, que Deus lhes havia dito, que quando entrassem na Terra Prometida, deveriam matar, literalmente, as nações que ocupavam a terra. Eles não fizeram isso, e por isso havia essa batalha constante com uma cultura corrompida.

A história de Israel, francamente, é uma lição sobre os perigos de não ensinar seus filhos, de não ter a lei de Deus dominando seus filhos, de não ensiná-los, de não falar sobre a Palavra de Deus quando você se sentar, andar, deitar, quando se levantar. Obviamente, Israel não conseguiu fazer isso, mesmo tendo sido ordenado em Deuteronômio 6.

Olhe, por exemplo, para a geração imediatamente posterior àquela que primeiro entrou na Terra Prometida. Veja o que diz Juízes 2: 7: “E serviu o povo ao Senhor todos os dias de Josué, e todos os dias dos anciãos que ainda sobreviveram depois de Josué, e viram toda aquela grande obra do Senhor, que fizera a Israel. “

Agora, o versículo 10: “E foi também congregada toda aquela geração a seus pais, e outra geração após ela se levantou, que não conhecia ao Senhor, nem tampouco a obra que ele fizera a Israel.”

Aquela geração não conseguiu fazer o que eles foram orientados a fazer: ensinar a lei de Deus aos seus filhos, para que eles pudessem amar o Senhor seu Deus de todo o coração, com toda a sua alma e com todas as suas forças. Toda aquela primeira geração fracassou em sua paternidade.

Os versículos 11 a13 mostram o resultado da omissão daquela primeira geração de pais: “Então fizeram os filhos de Israel o que era mau aos olhos do Senhor; e serviram aos baalins [falsos deuses]. E deixaram ao Senhor Deus de seus pais, que os tirara da terra do Egito, e foram-se após outros deuses, dentre os deuses dos povos, que havia ao redor deles, e adoraram a eles; e provocaram o Senhor à ira. Porquanto deixaram ao Senhor, e serviram a Baal e a Astarote.”

A uma geração foi dada uma ordem clara: “Tome a lei do Senhor e a ensine aos seus filhos.” Eles não fizeram. Eles se voltaram para os deuses dos cananeus – um padrão que se tornou repetido na vida de Israel. E todos nós sabemos a terrível, trágica história que resultou disto.

Eu creio que o resumo dessa história está em Juízes 21:25b: “… cada um fazia o que parecia reto aos seus olhos.” Soa familiar? Isso é a cultura americana dos nossos dias. Esse é o mundo em que vivemos. E nós chegamos a esse ponto pela mesma razão que Israel chegou.

O povo de Israel viveu neste mar de paganismo. Foi-lhes dito o que fazer para se proteger: ensinar a Palavra de Deus aos seus filhos. Era uma responsabilidade em tempo integral, sem folga. E não apenas ensinar a teoria, mas ensinar pelo exemplo a “amar o Senhor teu Deus com todo o teu coração, com toda tua alma, com todo o seu poder. “

Quando esse papel dos pais é ignorado, o prejuízo virá não apenas para a família em si ou para os filhos, mas afetará toda uma geração.

Quinto princípio: paternidade é plano de Deus para o homem. Não ter filhos é a exceção no plano de Deus, não a regra.

Isso significa também que o casamento é plano de Deus para o homem. Deus nos projetou como criaturas sexuais, seres sexuais, e o desejo sexual só pode ser satisfeito em uma união entre um homem e uma mulher através de um casamento feito para a vida toda.

[Isto é, em oposição à cultura dominante moderna em que as pessoas se casam sem o compromisso de se manterem casadas até a morte].

Em 1 Coríntios, capítulo 7, Paulo diz: “Ora, quanto às coisas que me escrevestes, bom seria que o homem não tocasse em mulher”. Ele está se referindo a tocar de uma forma sexual. Mas, isso vai ser muito difícil para a maioria, e, então, ele diz: “Mas, por causa da fornicação, cada um tenha a sua própria mulher, e cada uma tenha o seu próprio marido.”

Ora, não é muito sábio ter um monte de gente com desejos sexuais vivendo solteira. Isto é, quando as pessoas decidem não querer casar, isso é um grande problema. Você não tem o casamento. Você não tem filhos. O que você tem é a imoralidade.

Paulo continua a dizer no versículo 9: “Mas, se não podem conter-se, [ou, se não podem controlar seus desejos] casem-se. Porque é melhor casar do que abrasar-se.”

Nós vivemos atualmente numa sociedade de pessoas individualistas e materialistas que empurram o casamento para algum futuro em que elas já tenham se realizado profissionalmente, ou que tenham adquirido determinada posição, etc. Porém, isso produz imoralidades maciças em todas as direções. E é um sinal de egoísmo, de individualismo.

Quase 50% da população dos EUA com mais de dezoito anos é solteira. E o modelo de família mais comum nos EUA, desde o ano 2000, é formada por uma pessoa, que vive só. Milhões de pessoas solteiras que vivem sós. Esse tipo de comportamento tem aumentado 100% desde 1990. Quase 50% de todos os nascimentos agora são frutos de pessoas solteiras.

90% dos norte-americanos nesta pesquisa da Harris Poll declararam: “A sociedade deve valorizar todos os tipos de famílias igualmente, todos os tipos de famílias de forma igual. Não importa se eles são um homem e uma mulher, se eles são casados ou não, ou se eles são do mesmo sexo. “

E estes 90% de americanos entrevistados nessa pesquisa acreditam que o tipo ou modelo de família não exerce qualquer influência sobre os filhos gerados nelas. (!!!)

Portanto, a solução para o governo dos EUA está em ceder à imoralidade, comportamento sexual desviado, homossexualidade e luxúria desenfreada, que dominam nossa cultura. E, a propósito, as pessoas passaram a ter direito de fazerem os bebês e depois matá-los (aborto).

Como cristãos e como igreja, precisamos liderar o mundo na defesa do casamento e filhos como a bênção mais preciosa de Deus em toda a vida humana.

Olhe, em primeiro lugar, o casamento é a graça da vida, certo? É o que o Novo Testamento diz. Em segundo lugar, os filhos são uma bênção do Senhor e você deve criá-los da maneira correta. Quando eles forem velhos, eles vão demonstrar por qual maneira foram formados por seus pais.

Este é o desígnio de Deus. Os cristãos não podem aderir ao individualismo e materialismo dessa geração e não quererem se casar. É normal, para um cristão, querer se casar, constituir família, ter filhos.

Agora, vamos voltar para Efésios 6, versos 1 a 3: “Vós, filhos, sede obedientes a vossos pais no Senhor, porque isto é justo. Honra a teu pai e a tua mãe, que é o primeiro mandamento com promessa; para que te vá bem, e vivas muito tempo sobre a terra.”

Preciso dizer: as crianças precisam ser ensinadas a obedecer. Elas não vêm para o mundo prontas para fazerem isso. Elas já chegam ao mundo como reprovados filhos de Adão. São pequenas, belas e fofas. Mas, são ímpias.

Elas chegam ao mundo como pecadores caídos e ostentam a natureza adâmica e a culpa adâmica. As crianças precisam ser ensinadas a obedecer.

A palavra grega usada para ‘filhos’ nesse texto de Efésios é ‘tekna’, que significa todo filho que ainda está debaixo da autoridade dos pais, que ainda não iniciou sua vida adulta. A palavra ai não se refere a bebês ou crianças pequenas, pois eles ainda não têm capacidade para sequer compreenderem isso. A ordem dada no verso 1 de Efésios 6 se refere àqueles que têm idade suficiente para raciocinar.

E, a propósito, este é o único mandamento na Bíblia para os filhos, repetido várias vezes: “obedecei a vossos pais no Senhor.” Este tipo de obediência é extremamente essencial para a civilização. A sociedade se mantém coesa, ordenada, segura, quando os filhos obedecem a seus pais.

Na verdade, esta ordem está inserida nos mandamentos em Êxodo 20:12, que diz: “Honra a teu pai e a tua mãe, para que se prolonguem os teus dias na terra que o Senhor teu Deus te dá.” Em outras palavras, se você não fizer isso, você pode morrer.

E isso é reiterado no próximo capítulo de Êxodo, capítulo 21, versículo 15: “Aquele que ferir a seu pai ou a sua mãe, certamente será morto.” Verso 17: “Quem amaldiçoar a seu pai ou a sua mãe certamente será morto.”

Tratava-se da pena de morte para um filho que ferisse ou amaldiçoasse o pai. Repetido em Levítico 20:9: “Quando um homem amaldiçoar a seu pai ou a sua mãe, certamente morrerá; amaldiçoou a seu pai ou a sua mãe; o seu sangue será sobre ele.”

Isto demonstra a seriedade da questão da obediência. Para formar uma geração de pessoas que podem construir uma sociedade digna, é necessário que os filhos obedeçam aos pais. Isso é absolutamente fundamental.

Olhe para o livro de Provérbios por um minuto, e deixe-me mostrar-lhe algumas coisas aqui, para continuarmos o nosso estudo da Bíblia.

Provérbios é realmente um conjunto de verdades transmitidas dos pais e mães para os filhos, mas particularmente dos pais a seus filhos. Veja o versículos 8 e 9, do capítulo 1: “Filho meu, ouve a instrução de teu pai, e não deixes o ensinamento de tua mãe, porque serão como diadema gracioso em tua cabeça, e colares ao teu pescoço.”

Em outras palavras, há beleza em um filho que recebe instrução dos pais e obedece. No capítulo 2:1-2, encontramos: “Filho meu, se aceitares as minhas palavras, e esconderes contigo os meus mandamentos, para fazeres o teu ouvido atento à sabedoria; e inclinares o teu coração ao entendimento.”

O capítulo 3 começa da mesma maneira: “Filho meu, não te esqueças da minha lei, e o teu coração guarde os meus mandamentos. Porque eles aumentarão os teus dias e te acrescentarão anos de vida e paz.” (3:1-2).

Capítulo 4:1-4: “Ouvi, filhos, a instrução do pai, e estai atentos para conhecerdes a prudência. Pois dou-vos boa doutrina; não deixeis a minha lei.Porque eu era filho tenro na companhia de meu pai, e único diante de minha mãe. E ele me ensinava e me dizia: Retenha o teu coração as minhas palavras; guarda os meus mandamentos, e vive.”

No capítulo 4 novamente, versículo 10: “Ouve, filho meu, e aceita as minhas palavras, e se multiplicarão os anos da tua vida.”

Capítulo 5:1: “Filho meu, atende à minha sabedoria; à minha inteligência inclina o teu ouvido.”

Capítulo 7, mais uma vez: “Filho meu, guarda as minhas palavras, e esconde dentro de ti os meus mandamentos. Guarda os meus mandamentos e vive; e a minha lei, como a menina dos teus olhos.” (vv.1-2).

O mesmo capítulo, versículo 24: “Agora pois, filhos, dai-me ouvidos, e estai atentos às palavras da minha boca.”

No capítulo 8, versículo 32: “Agora, pois, filhos, ouvi-me, porque bem-aventurados serão os que guardarem os meus caminhos.” E vai assim durante toda esta seção maravilhosa.

Você encontra no capítulo 12, versículo 1: “Quem ama a disciplina ama o conhecimento, mas o que aborrece a repreensão é estúpido.” Não só você deve obedecer, mas você deve aceitar de bom grado a disciplina que conduz você ao caminho da obediência.

Capítulo 13, versículo 1: “O filho sábio aceita a disciplina de seu pai, mas o escarnecedor não ouve a repreensão.” Há pouca dúvida de que este é o cerne de todo este livro de Provérbios. Tão importante.

Capítulo 15, versículo 5: “Um tolo rejeita a disciplina de seu pai, mas o que atenta à repreensão é sensato.” Você quer ser um filho sensato? Você quer crescer e ser um adulto ordenado? Então, ouça a instrução de teu pai e aceite a disciplina de seu pai.

E mais um, no capítulo 28, versículo 7: “O que guarda a lei é filho sábio”. O lado negativo, de acordo com a Lei, no Velho Testamento: se o você amaldiçoar seus pais, se você atacar seus pais, pena de morte. O lado positivo: ouvi-los, aprender com eles, aceitar a disciplina que vem com instruções.

Em Lucas 2:52, há uma declaração interessante no que diz respeito ao nosso Senhor, que nos fornece alguns aspectos que podemos considerar a respeito dos filhos: “E Jesus crescia em sabedoria, em estatura e graça diante de Deus e dos homens.”

Filhos devem ser governados, devem ser disciplinados, ensinados, porque lhes faltam quatro atributos: eles não nascem com sabedoria, estatura, falta-lhes o favor de Deus, e eles não têm o favor dos homens.

Em outras palavras, eles são deficientes em suas mentes, são deficientes (no sentido de não estarem completos) fisicamente, eles são deficientes socialmente, e eles são deficientes espiritualmente – e isso é tudo. Eles são simplesmente deficientes.

É preciso um esforço sem trégua, direcionado a fazê-los desenvolver e vencer essas deficiências, de modo que eles vão recebendo sabedoria, crescimento físico e graça (o favor de Deus, o favor dos homens).

Deus se preocupa com o aspecto social da vida, com o aspecto físico, mental. Então, você deseja que seus filhos sejam obedientes. Mas, você deve entender que, quando eles vêm para o mundo, eles são deficientes.

Suas habilidades sociais são inexistentes. Eles só querem ganhar tudo no grito. Eles lutam e discutem. Eles fazem em público coisas que você não quer que eles façam. Eles não têm habilidades sociais.

Eles também não têm compreensão espiritual. Eles são fracos e vulneráveis, atirados para lá e para cá. Eles não têm sabedoria e nem discernimento. Então, o que você tem nos braços é um pequeno pecador, reprovado, adâmico, que é totalmente deficiente em todas as áreas da existência.

E sua responsabilidade diante de Deus, e para que você venha a ter grande alegria através dos seus filhos, é eliminar essas deficiências. Se você não fizer isso, você vai ter como resultado o tipo de homem de Provérbios 30:11, que “amaldiçoa seu pai e que não bendiz a sua mãe.”

Você formará o tipo de homem ou mulher que “zomba do pai e despreza a mãe.” Provérbios 30:17 diz: “Os olhos que zombam do pai, ou desprezam a obediência à mãe, corvos do ribeiro os arrancarão e os filhotes da águia os comerão.”

Então, o que você faz como pai? Você tem a responsabilidade, a alegria, o privilégio, e a autoridade para criar filhos para que sejam obedientes. Isso significa que você tem que ser o instrumento que Deus usa para ajudá-los a crescer em sabedoria, estatura, graça para com Deus e para com os homens.

Você quer que seu filho – vamos voltar a Efésios – obedeça. Ensine seu filho a obedecer! Esse é o único mandamento dado as filhos em toda a Bíblia: obedecer aos pais. Nada é mais importante na vida de um filho do que a obediência aos pais.

“Obedeçam” (Ef.6:1) é a palavra grega ‘hupakou’, que significa literalmente “ouvir de cabeça baixa, se submeter.” É um imperativo presente, deixando claro de que a obediência deve ser constante, habitual.

E eu vou apenas dizer: é assim que, em certo sentido, o papel dos pais é muito simples. Tudo o que você está tentando fazer é criar um filho obediente, uma criança que aprende a obediência, porque as consequências da desobediência são dolorosas.

Mas há um outro aspecto. “Filhos, obedecei a vossos pais no Senhor”. O que significa isso, “no Senhor”? Colossenses 3:20 acrescenta: “Vós, filhos, obedecei em tudo a vossos pais, porque isto é agradável ao Senhor.” O que isso significa? Significa obedecer aos pais como se estivesse obedecendo a Cristo.

Isso é uma coisa incrível. Você irá ensinar seus filhos a obedecer, não por causa de você, mas por causa de Deus. A sua autoridade é uma autoridade delegada; é passada para você do céu.

Por que os filhos devem obedecer? Porque “isso é agradável (cl 3:20)”, “isso é justo (Ef 6:1)”. A palavra é “díkaion”, justo. Significa “isso é o certo, o correto”. As crianças que desobedecem desonram o Senhor, violam a lei de Deus.

A exceção ao dever de obediência dos filhos aos pais se dá apenas quando os pais lhes derem ordens contrárias à Palavra e autoridade do próprio Deus, porque os filhos têm que estar dispostos a desagradarem aos pais, se estes requererem deles algo contrário a Deus. É esse o sentido de aborrecer, odiar, renunciar aos pais colocado por Jesus em Lucas 14 e Mateus 10.

Mas, fora essa exceção, o primeiro dever de um filho é obedecer. Então, você deve ensinar seus filhos a obedecer. E se você fizer isso, quando eles forem velhos, eles vão ainda serão obedientes.

O segundo dever dos filhos, então, no versículo 2 de Efésios 6 é: “Honra teu pai e tua mãe (que é o primeiro mandamento com promessa).” “Obedecer” é ato, ação. “Honra” é a atitude.

Você não quer apenas a obediência de seus filhos. Você não quer uma criança furiosa te obedecendo com um coração bravo, duro. A obediência de uma criança deve conter honra, e que, é claro, vem desde os Dez Mandamentos em Êxodo 20:12.

Você está criando uma criança que vai aprendendo a obedecer aos pais porque vai aprendendo que os pais têm autoridade delegada do Senhor para tornar a vida o mais abençoada possível para eles. Ao mesmo tempo, devem ter uma atitude de honra para com o pai e a mãe.

Patricia e eu costumávamos conversar muito quando estávamos criando nossos filhos sobre a disciplina para a correção das suas atitudes. Nós disciplinamos nossos filhos muito mais pelas atitudes deles do que por suas ações, porque eles eram mais propensos a pensar que só seriam pegos através de seus atos.

Disciplina como consequência de uma atitude pecaminosa é tão importante quanto a disciplina para corrigir um ato do seu filho. Você deve praticar isso, se quiser um filho obediente e reverente para com os pais como representantes de Deus, com autoridade delegada para criá-los para conhecerem e amar a Deus e viverem na plenitude de Sua bênção.

Honrar os pais é o quinto mandamento de Éxodo 20. E é o primeiro mandamento que tem a ver com as relações humanas. Os quatro primeiros têm a ver com Deus. Este é o primeiro que tem a ver com relacionamento humano. O primeiro nível, a primeira experiência de relacionamento humano é entre pais e filhos.

Isso é tão essencial porque vem com uma promessa. Veja o versículo 3 de Efésios 6: “Para que te vá bem, e vivas muito tempo sobre a terra.”. Este é o primeiro mandamento com promessa. Filhos piedosos, filhos obedientes que honram seus pais, não terão sua vida encurtada por castigo; eles não vão ter a suas vidas encurtadas pelo julgamento divino.

Eles vão viver uma vida longa, abençoada. Isso é o que você quer para seus filhos, certo? Esse é o seu desejo para os seus filhos. E embora este mandamento de honrar os pais tivesse algumas implicações apenas sobre a nação de Israel, ele se aplica à igreja também.

Agora, eu quero terminar dizendo que a fim de fazer que seus filhos sejam obedientes, você terá que exercer alguma disciplina firme. Vamos voltar com Provérbios novamente.

Provérbios 3, versículo 11-12: “Filho meu, não rejeites a correção do Senhor, nem te enojes da sua repreensão. Porque o Senhor repreende aquele a quem ama, assim como o pai ao filho a quem quer bem.” Isto é repetido em Hebreus.

No capítulo 10 de Provérbios, um verso conhecido, 13: “Nos lábios do entendido se acha a sabedoria, mas a vara é para as costas do falto de entendimento.” A Palavra só lhe ensina o que fazer, mas onde fazê-lo. Use a vara na parte de trás. É por isso que Deus colocou ampla cobertura de músculo e gordura no local.

No capítulo 19 de Provérbios, versículo 18: “Discipline seu filho enquanto há esperança.” Agora, 23:13-14: “Não retires a disciplina da criança; pois se a fustigares com a vara, nem por isso morrerá. Tu a fustigarás com a vara, e livrarás a sua alma do inferno.” Isso não é impressionante?

Provérbios 22, versículo 15: “A estultícia está ligada ao coração da criança, mas a vara da correção a afugentará dela.” É o que eu estava dizendo, que eles nascem tolos. Eles nascem caídos . Isso, amigos, é uma promessa. Você quer eliminar a estultícia, a tolice de seus filhos? Discipline-os desde cedo, logo que essa estultícia começa a se manifestar.

Provérbios 29, versículo 15: “A vara e a repreensão dão sabedoria…” Ouça a esta: “…mas uma criança entregue a si mesma envergonha a sua mãe.” E, então, no verso 17: “Castiga o teu filho, e te dará descanso; e dará delícias à tua alma.”

Resumindo, Provérbios diz o seguinte: uma criança indisciplinada é tristeza para seu mãe, um rebelde para com seu pai, um sofrimento para seus pais, um desastre para a sua família, uma vergonha para seus pais, uma humilhação para os seus pais, e um explorador de seus pais.

Por isso, é essencial ter uma criança obediente, para que ela possa estar bem com você, e que viva por muito tempo sobre a terra. Que tenha qualidade de vida e quantidade de vida.

Então, vamos voltar para onde nós começamos. Filhos são uma bênção do Senhor. Paternidade é uma bênção. É papel dos pais formarem o caráter de seus filhos. O exercício da paternidade é a maior influência que os filhos terão na vida. A paternidade é plano de Deus.

Então você pode olhar para o mundo ao seu redor e dizer: “Oh, eu não sei se eu quero me casar.” Mas, os solteiros apenas precisam pedir ao Senhor para os humilhar e dar-lhes um coração para encontrar um parceiro que ama a Cristo – e criar filhos.

Você diz: “Oh, o que o mundo vai ser?” Ora, o mundo tem sido sempre o mesmo, certo? Sempre a mesma coisa. Você pode fornecer a proteção necessária para os seus filhos; isso é o que os pais fazem. E este é o desígnio de Deus.

Precisamos de mais bons casamentos cristãos, e precisamos de famílias cristãs mais maravilhosas. Temos tantos aqui na Grace Church. O mundo precisa de mais. O mundo precisa de mais. E você não tem nada a temer, porque este é um chamado divino. Você irá fazê-lo no poder de Cristo e na força do Espírito, e o Senhor vai usá-lo para fazer de sua família uma bênção.

Senhor, tivemos o privilégio de chegarmos ao final deste dia, desfrutarmos de um dia maravilhoso, comunhão e ministração da Palavra juntos.
Nós fomos novamente expostos à Tua Palavra em muitos níveis hoje.
Como somos ricos! Como somos abençoados por termos a verdade e não ficar nos debatendo como as pessoas no mundo, tentando descobrir o que é certo, o que é verdadeiro, onde a esperança reside, onde as respostas estão, como viver, como amar, como casar, como sermos pais.
Está tudo preparado para nós, e tudo é ainda carregado com promessas: um casamento amoroso, um marido que ama sua esposa, uma mulher que se submete a seu marido, crianças que são ensinadas e disciplinadas para serem obedientes, pais que lhes trazem na disciplina e admoestação do Senhor, tudo isso fazendo nossa vida mais rica, mais gratificante.
A vida na sua plenitude e a vida em sua forma mais completa é encontrada neste presente maravilhoso que é a família. Ajuda-nos, Senhor, a buscar a Tua vontade neste assunto.
Senhor, sabemos que pode haver alguns aqui a quem tem sido dado um dom para viverem solteiros. E se isso é um dom Teu, que eles possam, como diz a Escritura, dedicar-se continuamente para Ti.
Somos gratos pelas vidas deles e eles são parte da Tua família.
Guia-nos, Senhor, enquanto iremos tratar ainda destes assuntos nas semanas vindouras.
E leva aqueles que irão também ter acesso a estes sermões a uma transformação nos seus corações.
Por tua glória oramos. Amém.


Este sermão é uma série de 4:

Criar sombras para os filhos (1)
Criar sombras para os filhos (2)
Criar sombras para os filhos (3)
Criar sombras para os filhos (4)


Este texto é uma síntese do sermão “Creating Shade for Your Children, Part 1”, de John MacArthur em 10/01/2016.

Você pode ouvi-lo integralmente (em inglês) no link abaixo:

http://www.gty.org/resources/sermons/90-479

Tradução e síntese feitos pelo site Rei Eterno


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.