Eu Edificarei Minha Igreja…

Imprimir
Mateus 16
16 E Simão Pedro, respondendo, disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo.
17 E Jesus, respondendo, disse-lhe: Bem-aventurado és tu, Simão Barjonas, porque to não revelou a carne e o sangue, mas meu Pai, que está nos céus.
18 Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela;
19 E eu te darei as chaves do reino dos céus; e tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus.

Quero concentrar a nossa atenção em uma parte específica do texto acima, o versículo 18, onde o Senhor diz: “Eu edificarei a minha igreja”.
Os homens podem construir edifícios e organizações, mas somente Jesus Cristo pode construir a igreja.
Há igrejas construídas pelos homens, mas aqui o nosso Senhor diz: “Eu edificarei a minha igreja”, a única aprovada por Deus e sobrenaturalmente construída.

Em todos os anos que tenho trabalhado aqui nesta igreja, minha oração e desejo sempre foi de ver Cristo construir a Sua igreja.
Eu jamais quero chegar ao fim da minha vida, olhar para trás e perguntar se foi Jesus quem fez isso ou se fui eu quem fiz algo.
Meu desejo é que esta igreja seja sempre a igreja que Cristo está construindo. É por isso que eu combato os truques, técnicas, manipulações e todas as coisas que são usadas para aumentar a atenção e números.
Temos que sair do caminho para que o Senhor construa Sua igreja. Minha alegria é ver Cristo entre nós, construindo Sua igreja.

Essa afirmação de Jesus é um profundo ânimo para aqueles que estão no ministério, porque nos dá a promessa de que Ele irá construir a Sua igreja.
Naquele momento, Jesus e os discípulos estavam caminhando ao longo das estradas empoeiradas de Cesareia de Filipe (cidade que Herodes, O Grande, construiu em homenagem a César Augusto).
Eles estavam em uma espécie de exílio. Os líderes, os religiosos e os poderes políticos, assim como a maior parte do povo de Israel, havia rejeitado a Jesus e sua mensagem.
Pior que isto, a liderança religiosa não só o havia rejeitado, mas o queria morto.
Ali mesmo Jesus disse aos discípulos que “convinha ir a Jerusalém, e padecer muitas coisas dos anciãos, e dos principais dos sacerdotes, e dos escribas, e ser morto, e ressuscitar ao terceiro dia” (v.21).

Os discípulos sabiam que Ele era o Messias. Pedro resumiu a fé deles, dizendo: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo” (Mateus 16:16).
Eles estavam convencidos de que Jesus era Deus em carne humana, o Messias, o Rei ungido, o prometido. Mas eles pareciam solitários nesta convicção.
A nação era hostil a Jesus. O cenário parecia muito sombrio e desanimador. E piorou quando Jesus disse que iria morrer nas mãos da liderança religiosa.
O desespero foi tão forte que Pedro bradou: “Senhor, tem compaixão de ti; de modo nenhum te acontecerá isso” (v.22). Mas Jesus o repreendeu (v.23), pois Ele veio para isto (João 12:27), fazia parte da missão que o Pai lhe confiou.

Havia uma fé em Israel, que estava presente nos discípulos, que o Messias promoveria um grande despertar espiritual e um avivamento. E eles esperavam que Israel abandonasse o pecado e abraçasse o Messias.
Eles também esperavam um bravo líder político que conduzisse Israel a conquistar toda a dimensão de terras prometidas no Antigo Testamento, subjugasse Roma e estabelecesse um reino mundial.
As coisas não estavam indo conforme eles esperavam. Havia ali apenas um pequeno grupo perseguido e ameaçado , perto das fronteiras de Israel, num lugar povoado principalmente por gentios.

Aqueles homens tinham abandonado tudo para seguir a Jesus. Eles estavam lutando com esperanças não realizadas. Eles estavam lutando contra uma terrível sensação de que investiram suas vidas em algo que não seria o que eles queriam que fosse.
A rejeição e a hostilidade das pessoas contra Jesus não era o que eles tinham planejado.
Agora eles estavam reunidos em uma linda área, onde as águas da cabeceira do Jordão começam a correr para baixo através do Vale do Jordão.
Eles estavam lá se perguntando por que tudo parecia estar desmoronando diante deles.

A situação já era desesperadora para aqueles homens, e Jesus estava prestes a dizer-lhes que eles não sabiam o pior: Sua morte.
E assim Ele lhes diz: “Eu edificarei a minha igreja”. Como se dissesse: “Eu sei que a seus olhos nada parece esperançoso, mas Eu edificarei a minha igreja, e nada vai impedir o seu curso”.
E Jesus estava mostrando que as realidades espirituais não são medidas pelas aparências. Aos olhos daqueles homens, eles estavam sendo engolidos, mas Jesus via tudo sob a ótica do Pai. E o Pai nunca perdeu o controle de nada.
À igreja de Esmirna, Jesus disse: “Conheço as tuas obras, e tribulação, e pobreza… mas Tu és rico” (Apocalipse 2:9).
À Laodiceia, Jesus disse: “Como dizes: Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta; e não sabes que és um desgraçado, e miserável, e pobre, e cego, e nu” (Apocalipse 3:17).
As avaliações divinas são diferentes das avaliações humanas. Deus é soberano e nada pode impedir a ação de sua autoridade.

Ao longo da história, a igreja tem sido assediada, perseguida, martirizada, rejeitada, criticada e ignorada. Ela foi liberalizada e apostatou.
Aqueles que se mantiveram fiéis ao Evangelho são vistos como perdedores. E não são perdedores aos olhos de Deus. Deus os leva em triunfo.

A igreja é edificada por Cristo

“Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja” (v.18).
Essa é uma promessa divina. Feita por quem é fiel, não mente e tem poder para cumprir tudo que diz. Ele continuará a fazê-lo até à sua conclusão.

Paulo, servo de Deus, e apóstolo de Jesus Cristo, segundo a fé dos eleitos de Deus, e o conhecimento da verdade, que é segundo a piedade, Em esperança da vida eterna, a qual Deus, que não pode mentir, prometeu antes dos tempos dos séculos (Tito 1:1-2).

Que nos salvou, e chamou com uma santa vocação; não segundo as nossas obras, mas segundo o seu próprio propósito e graça que nos foi dada em Cristo Jesus antes dos tempos dos séculos (II Timóteo 1:9)

Antes dos tempos dos séculos, Deus fez uma promessa, fez um plano envolvendo Jesus Cristo. Uma aliança eterna (Hebreus 13:20).
Deus fez uma promessa, antes dos tempos dos séculos, para redimir a humanidade. Mas, a quem que Ele fez tal promessa?

Antes da fundação do mundo, o Pai amou o Filho. Ele amava o Filho com tanta perfeição que desejava dar ao Filho um presente que de alguma forma expressasse o seu amor.
E o maior presente que o Pai poderia dar ao Filho, como uma expressão do Seu amor, era uma humanidade redimida.
E Jesus simplesmente diz: “Pai, aqueles que me deste quero que, onde eu estiver, também eles estejam comigo, para que vejam a minha glória que me deste; porque tu me amaste antes da fundação do mundo” (João 17:24).
Em outras palavras: “Eu afirmo o plano, eu quero que isso aconteça”. E num certo sentido, no querer e a afirmação do versículo 24 é a inevitabilidade da cruz.

Jesus disse: “Todo o que o Pai me dá virá a mim; e o que vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora” (João 6:37).
Por que Jesus afirmou isto?
“Porque eu desci do céu, não para fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou. E a vontade do Pai que me enviou é esta: Que nenhum de todos aqueles que me deu se perca, mas que o ressuscite no último dia” (João 6:38-39).

Então, Jesus veio para cumprir o plano eterno de Deus, a aliança que Deus fez para dar a Cristo a humanidade redimida. E para isto era necessário a cruz.
“Porque todas as coisas sujeitou debaixo de seus pés” (I Coríntios 15:27). Foi isto que Deus deu a Cristo, numa expressão de amor pelo Filho.
E o que o Filho fará com isto? “E, quando todas as coisas lhe estiverem sujeitas, então também o mesmo Filho se sujeitará àquele que todas as coisas lhe sujeitou, para que Deus seja tudo em todos” (I Coríntios 15:28).
Em outras palavras, Jesus dirá ao Pai: “Recebi esta humanidade redimida, como um dom de Seu amor, recebi-os, Pai, e agora eu Te dou de volta, como um dom do meu amor por Ti”.

Isto é tremendo. Quando Jesus disse: “Edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela” (v.18). Ele quis dizer:
“Eu vim a este mundo para fazer a obra redentora e eu vou fazer o que deve ser feito para resgatar todos aqueles que são de meu Pai. Minha morte fará provisão a todos os eleitos, nenhum deles se perderá”.
Foi o que Ele disse em João 10:27-29: “As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu conheço-as, e elas me seguem; E dou-lhes a vida eterna, e nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará da minha mão. Meu Pai, que mas deu, é maior do que todos; e ninguém pode arrebatá-las da mão de meu Pai”.

A igreja é baseada na firme promessa, imutável e absoluta, de Deus, e no poder de Deus para efetuar o cumprimento da promessa.
Por isto Pedro disse: “Porque a promessa vos diz respeito a vós, a vossos filhos, e a todos os que estão longe, a tantos quantos Deus nosso Senhor chamar” (Atos 2:39).
No livro de Atos começa o fluxo, após a ressurreição e glorificação de Cristo, de reunir a humanidade redimida em Cristo.

E assim o Senhor diz: “Eu edificarei a minha igreja”. E é um plano muito maior do que qualquer um de nós jamais poderia conceber. Ele cumpre sua parte como expressão de amor ao Pai.
Será que você poderia entender isso? A principal razão para a sua salvação não é para mantê-lo fora do inferno e não é para te fazer feliz.
A principal razão para a sua salvação é para que você possa glorificar para sempre a Jesus Cristo. Esse é o propósito do Pai. E o propósito do Filho é fazer o mesmo para o Pai. Essa é a infinidade deste plano glorioso.
Satanás não pode impedir o curso deste plano eterno e soberano. Ele se cumprirá até o final.

Isto significa simplesmente que não estamos construindo a igreja. Você entende isso?
Estamos nos esforçando para sermos santos, fiéis e obedientes para que Deus possa fazer o Seu trabalho e possamos ter o privilégio de sermos instrumentos dEle. Há tanta certeza aqui.
Contra toda a oposição e assistência da sabedoria humana, contra todos os esforços da carnalidade, inépcia, indiferença, apatia, apostasia, liberalismo, erro, denominacionalismo, fanatismo e tudo o mais, a verdadeira igreja será construída.
Se Deus vai fazê-lo, poder algum pode impedir.

A igreja é de Cristo

“Eu edificarei a minha igreja”. É Sua por direito, o Pai disse que era sua. O Pai fez uma promessa para dar o Filho a humanidade redimida. Isso é uma tremenda verdade.
Jesus disse: “Eu sou o bom Pastor, e conheço as minhas ovelhas, e das minhas sou conhecido. Assim como o Pai me conhece a mim, também eu conheço o Pai, e dou a minha vida pelas ovelhas.” (João 10:14-15).
E também disse: “As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu conheço-as, e elas me seguem; Meu Pai, que as me deu, é maior do que todos; e ninguém pode arrebatá-las da mão de meu Pai” (João 10:27,29).
Jesus falou aos líderes religiosos sobre este plano eterno do Pai. E que ele veio formar este povo que seria seu e que ninguém o arrancaria das mãos do Pai. Ao invés de gritarem “Aleluia!!”, eles pegaram em pedras para mata-lo (João 10:31).

Paulo escreveu: “Olhai, pois, por vós, e por todo o rebanho sobre que o Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de Deus, que Ele resgatou com seu próprio sangue” (Atos 20:28).
Pedro escreveu: “Apascentai o rebanho de Deus, que está entre vós, tendo cuidado dele… Nem como tendo domínio sobre a herança de Deus, mas servindo de exemplo ao rebanho” (I Pedro 5:2-3).

Quando Jesus disse: “Eu edificarei a minha igreja”, estava dizendo que teria uma relação pessoal com todos os que fariam parte da igreja, afinal de contas, são suas ovelhas.
Ele não é apenas o arquiteto e construtor. Não apenas a pedra angular. Ele é a própria vida da Igreja: “E vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim” (Gálatas 2:20).
Cada membro do corpo de Cristo é um presente do amor do Pai ao Filho, com a finalidade de passar toda a eternidade glorificando-o. Esse é o seu propósito.

Aqueles discípulos estavam sentados lá em cima, em Cesaréia de Filipe, e eles não sabiam de nada mais além daquilo que Jesus os ensinou.
Então, quando Jesus lhes disse “Eu edificarei a minha igreja”, eles não pensaram o que nós pensamos. Foi a primeira utilização da palavra “igreja” na Bíblia. E Jesus falou esta palavra apenas mais uma vez (Mateus 18:17).
Não é uma promessa sobre algo que viria a existir, embora seja verdade que a igreja (do grego “ekklesia”) passou a existir, no seu sentido formal, após o Pentecostes.

Creio que ele disse uma expressão geral, sem o significado preciso, que entra em cena, mais tarde, no livro de Atos e, finalmente, nas epístolas apostólicas.
O Novo Testamento foi dado pelo Espírito Santo na língua grega, mas Jesus, provavelmente, falou em aramaico. Ele teria dito: “Eu edificarei a minha kahoul (??)”, palavra que significa congregação, o corpo de pessoas que se reúnem em nome do Senhor.

A palavra grega “Εκκλησία” (ekklesia), traduzida como “igreja”, significava, basicamente, uma assembleia popular na Grécia. Os judeus usavam este nome para expressar uma reunião de adoração a Deus.
“Ekklesia” é usada em Atos 7:38 para se referir a Israel. Em atos 19:32 e 41 para se referir a uma multidão pagã. Em Hebreus 12:22 e 24 é usada para se referir a todos os redimidos de todas as dispensações.
Creio que Jesus disse, naquele momento, que estava recolhendo os eleitos em uma congregação de redimidos. Mais tarde, haveria uma compreensão mais definida da igreja, algo que, naquele momento, ainda não poderia ser compreendido por eles.

O fundamento da igreja

“Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja” (v.18).

A Igreja Católica Romana diz que este versículo significa que a igreja é construída sobre Pedro e o estabeleceu como o primeiro cabeça da igreja. Eles dizem que esta passagem prova que Pedro foi o primeiro papa.
Papa, na literatura Católica, é coroado com uma tríplice coroa, como o rei do céu, o rei da terra e o rei do inferno.
A Igreja Católica diz que o Senhor conferiu isto a Pedro. Ou seja, o primeiro lugar de honra e jurisdição no governo de toda a Igreja.

E essa mesma autoridade espiritual que estava em Pedro agora é encarnada na sucessão de papas e bispos de Roma, uma vez que sucedem a Pedro.
Para serem verdadeiros seguidores de Cristo, dizem eles, todos os cristãos, tanto entre o clero e os leigos, devem estar em comunhão com a Sé de Roma e que eles precisam entender que Pedro ainda governa na pessoa de seus sucessores.
A Igreja Católica Romana tem usado, hereticamente, este versículo para estabelecer a tradição católica, a autoridade católica e o poder Católico.

Quando Ele diz: “Tu és Pedro e sobre esta pedra” Ele está falando sobre Pedro e o que ele está dizendo. No contexto, Pedro tinha acabado de fazer a declaração de que Jesus é o Filho do Deus vivo, o Cristo ou Enviado de Deus. É sobre essa declaração, essa base, esse rochedo, que a Igreja seria edificada. Lembre que Jesus mudou o nome de Simão para Pedro, que significa pedra ou rocha. No texto original, o Senhor diz ‘tu és petros’, que significa rocha ou pedra, e ‘sobre esta petra’, que significa um rochedo, uma rocha muito maior. Então, o Senhor está dizendo a Pedro que ele era uma rocha, mas havia uma rocha muito maior, um rochedo sobre o qual a igreja seria construída. E ‘esta pedra’ era justamente a declaração que Pedro tinha acabado de fazer sobre Jesus.

A igreja é construída sobre esta base firme, rochosa, ou seja, sobre Jesus ser o Filho do Deus vivo, o Cristo, enviado de Deus. E o próprio Pedro entendeu tanto isso que escreveu mais tarde em sua epístola: “E, chegando-vos para Ele [Jesus], pedra viva, reprovada, na verdade, pelos homens, mas para com Deus eleita e preciosa…” (1Pe. 2:4), referindo-se a Cristo. Logo, Jesus não disse que iria construir a igreja sobre o merecimento ou posição de Pedro.

Cristo construiu a Sua igreja, através de toda a história da redenção, no fundamento da revelação divina.
A igreja não é construída sobre técnicas inteligentes, manipulações ou sobre um plano de marketing estratégico. A igreja é construída sobre aqueles que afirmam a revelação divina, que é o fundamento da igreja.
Pedro era uma dessas pessoas que confessaram a revelação fundamental. O Senhor continua, até hoje, construindo Sua igreja através daqueles que proclamam a doutrina dos Apóstolos, ou seja, a autoridade e glória de Cristo
. (Efésios 2:20; Atos 2:42).

O que a igreja primitiva fazia quando se reunia? Proclamava a doutrina dos Apóstolos. O Senhor ainda está construindo sua igreja sobre aqueles que confessam a mesma doutrina.
O Senhor ainda constrói a Sua igreja sobre aqueles que anunciam que Jesus Cristo é o Filho do Deus vivo e que proclamam a doutrina dos Apóstolos.
Tudo que não está fundamentado nesta verdade eterna, não é a igreja de Cristo, são igrejas de outras pessoas.
Tão firme foi esta afirmação de Jesus quanto ao fundamento da igreja, que imediatamente Ele repreendeu Pedro por tenta-lo a fugir da cruz. E a cruz era parte do plano eterno do Pai.
E foi enfático: “Para trás de mim, Satanás, que me serves de escândalo; porque não compreendes as coisas que são de Deus, mas só as que são dos homens” (Mateus 16:23).

Invencibilidade da Igreja

“E as portas do inferno não prevalecerão contra ela” (v.18)
Bem, para que serve uma porta? Manter alguém retido. A igreja não pode ser contida, aprisionada por nada nem ninguém, nem mesmo pelas forças do inferno. A palavra “prevalecer” tem a ideia de ser dominante, triunfar.
Não existem portas que podem dominar a igreja. Nem mesmo as portas do Hades (inferno). Hades significa a morte.
E o que ele está dizendo é: “Não há qualquer porta que vai trancar a igreja, nem mesmo a morte”
.

O poder da morte em si não pode segurar a igreja. Por quê? Porque Cristo venceu a morte. Esta é a promessa da ressurreição: “Ninguém pode vir a mim, se o Pai que me enviou o não trouxer; e eu o ressuscitarei no último dia” (João 6:44).
Jesus disse: “Porque eu vivo, e vós vivereis” (João 14:19). Como é isto? “Eis que vivo e fui morto, mas eis aqui estou vivo para todo o sempre. Amém. E tenho as chaves da morte e do inferno” (Apocalipse 1:18) .
Jesus destrancou as portas do Hades, para libertar os escolhidos do império da morte.
Esta é a promessa da ressurreição, nada vai impedir que a igreja alcance tudo o que Deus planejou para ela. E qual a garantia que temos? O fundamento que Pedro falou: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo”.

Satanás deseja destruir e devastar a igreja, bem como mantê-la em cativeiro. Ele odeia a realidade de a igreja passar toda a eternidade louvando a Deus. A vida da igreja em Cristo traz ódio às trevas.
Ele deseja manter as almas dos escolhidos na sepultura. Mas ele não pode fazer isto. As almas dos escolhidos nem sequer irão para lá, elas vão imediatamente estar com o Senhor após sua morte física.

E os nossos corpos, algum dia, serão transformados, na grande ressurreição, para se juntarem com os nossos espíritos resgatados, para estarem eternamente na presença de Deus.
Faremos, então, o que estávamos originalmente chamados e eleitos para fazer. A igreja atingirá o ponto mais alto de sua existência e cumprirá com perfeição a sua finalidade.

Autoridade da igreja

“E eu te darei as chaves do reino dos céus” (v.19).
As chaves para o que? Para o Reino. Em outras palavras: ‘Você pode abrir a porta para as pessoas entrarem e pode bloqueá-la e mantê-las fora. Você diz: “Nós temos este tipo de autoridade”? Absolutamente.
Você sabe que eu posso dizer a um homem: “Desculpe, meu amigo, o Reino está fechado para você”.
Você também pode dizer a outro homem, “Sim, amigo, o Reino está aberto para você”.

Você diz: “Espere um minuto, como você pode ter esse poder? Com base no que?”
Com base no que as pessoas fazem com o Evangelho. Se um homem rejeita o Evangelho, eu posso dizer: “Lamento, mas o Reino está fechado para você, você está lá fora”.
Se uma pessoa vem em arrependimento e fé, e afirma Jesus Cristo como Senhor e Salvador, eu posso dizer: “Você está no Reino”.

Não é baseado no que eu penso ou sou, mas na mensagem do Reino. Não fazemos isso o tempo todo?
Quando levamos e apresentamos o Evangelho a alguém, e ele se converte a Cristo, dizemos que esta pessoa entrou no Reino.
E quando o resultado for qualquer coisa diferente disto, não podemos dizer que aquela pessoa está fora do Reino?
O Senhor tem posto seus escolhidos como guardiões no Reino. Podemos dizer as pessoas se elas estão dentro ou fora do Reino com base no que eles respondem ao Evangelho.
Ele disse isto para Pedro, mas não era exclusivo para Pedro. Era verdade para todos os outros apóstolos. É verdade para todos que são parte deste Reino.

[Também sabemos que Jesus estava falando, em termos proféticos, sobre o papel que o apóstolo Pedro iria desempenhar na abertura da porta do Reino dos Céus, uma vez que dentro de algum tempo Pedro seria o responsável por abrir o Reino aos judeus, quando pregou no pentecostes (Atos 2) e uma multidão se converteu, bem como por inaugurar o Reino aos gentios, visto que foi o primeiro a levar o Evangelho aos gentios, através da família de Cornélio, fato descrito em Atos 10].

“E tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus”.

Os rabinos costumavam dizer: “Se você obedecer à Lei, você está livre. Se você desobedecer à Lei, você está preso pelo pecado”.
Em outras palavras, quando você diz a alguém: “Se você não se arrepender, você ficará preso em seu pecado”. O céu está de acordo com isso. Você está fazendo na terra o que foi feito no céu.
A igreja não é chamada para oferecer um caminho mais fácil ao pecador. Isto é a apostasia.

Tudo o que Deus quer de nós é o reconhecimento do que temos sido chamados a sermos guardiões da porta para o Reino.
Fomos chamados a pregar o Evangelho cristalino e não adulterado, de Cristo e, em seguida, dizer aos homens as consequências em crer ou não crer.
Nós somos a autoridade no mundo. Nós somos o padrão no mundo. Nós não estamos aqui apenas para compartilhar pequenas gentilezas com as pessoas.
Não somos agentes de relações públicas para tornar Cristo aceitável a um mundo que o rejeita. Estamos aqui com um ultimato acerca de seu Reino. Temos uma mensagem, a mensagem do Evangelho.

E é urgente. E não é algo que podemos adiar enquanto tentamos suavizar as exigências divinas.

Temos uma enorme responsabilidade. O Senhor vai terminar a construção de sua igreja. A igreja será tudo que Ele deseja que seja. Vai ser completa.
Nenhum dos seus vai ser retido pelas portas do Hades. Ele vai os ressuscitar no último dia.
A verdadeira igreja do Senhor avançará em triunfo eterno, embora, muitas vezes, pareça que ela esteja sendo abalada. Ele é o Senhor.

Pai, nós te agradecemos por esta grande confiança que vem a nós através de Tua Palavra.
Que alegria é nos colocar como esses discípulos, nesse dia, em que ouviram estas palavras emocionantes de esperança e promessa.
Que alegria deve ter sido para eles, mesmo ainda confusos diante de tanta oposição do mundo.
Mas oh, que dia, quando eles viram o Cristo ressuscitado, quando o Espírito veio no Pentecostes!
E, temos visto aquele dia estendido por séculos e milênios nos quais temos visto o triunfo da igreja.

Pai, ajuda-nos apenas a estarmos em linha com o Senhor e nos posicionar ao Teu lado, e fazermos tudo conforme o Senhor deseja que façamos.
Que possamos estabelecer o fundamento da verdade bíblica, sermos guardiões da porta, pregando a mensagem verdadeira do Evangelho.
Mantêm-nos fiéis e cheios de alegria, confiando sempre na marcha triunfal da igreja.
Oramos para a glória de Cristo. Amém.


Este texto é uma síntese do sermão “I Will Build My Church”, de John MacArthur em 21/03/1993.

Você poderá ouvi-la integralmente (em inglês) no link abaixo:

http://www.gty.org/resources/sermons/80-113/i-will-build-my-church

Tradução e síntese feitos pelo site Rei Eterno


Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Rafaella disse:

    Aleluía!!!!!!!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *