Fogo Estranho

Imprimir
O maior problema na Igreja é a ausência de discernimento. Isso porque se você não consegue discernir a verdade, então você está sujeito a morrer de milhares formas de heresias. A heresia é como uma doença. É uma AIDS espiritual. Pessoas que têm AIDS têm a imunidade comprometida e, assim podem morrer de milhares de doenças diferentes.

Parte da responsabilidade no ministério tem o lado positivo que é o de ensinar com grande paciência, como Paulo disse a Timóteo. Mas há o outro lado, o de exortar, repreender, reprovar, usando a Palavra de Deus para isto. E exercitar discernimento é o ponto central do viver cristão, pois esse viver é um reflexo daquilo que o cristão pensa e crê. Assim, o cristão deve ter seu pensamento pautado pela sã doutrina e é aí onde começa o discernimento.

É bastante evidente que uma massiva parte dos cristãos professos não possui discernimento. Sabemos que há muitos mestres enganadores no meio da Igreja hoje e eles sabem que são enganadores. Seu interesse é ganhar dinheiro com a fé. Mas, há também pessoas que estão sendo enganadas e que podem não ter consciência de que estão sendo enganadas.

Há líderes que precisam ser confrontados e expostos. Mas, também, há líderes bem intencionados, mas sem discernimento e que precisam ser ajudados e encorajados a conhecer a Verdade. Nós queremos ser como os cristãos de Beréia, que conferiam tudo na Palavra.

Creio que ninguém se oporia na Igreja se nós confrontássemos as heresias dos mórmons ou do catolicismo. Por que, então, há tanta resistência em se confrontar as heresias do movimento carismático ou neo-pentecostal, o qual tem arrebatado meio bilhão de pessoas até o momento?

Queremos de um modo direto, mas com amor, fidelidade e compaixão, tratar certas questões afeitas ao movimento chamado Carismático.

O maior dever, privilégio e responsabilidade de toda humanidade é adorar a Deus. O Pai procura verdadeiros adoradores e os verdadeiros cristãos são estes verdadeiros adoradores. Adorar é o nosso eterno dever e privilégio. A revelação da eternidade em Apocalipse mostra-nos que santos e anjos estarão glorificando eternamente a Deus. Dando-lhe honra.

E não só no céu, mas também na terra nada é mais importante do que adorar ao Senhor. Temo que na nossa cultura a adoração tenha se tornado algo frívolo, superficial, trivial.

Adorar a Deus é a mais importante atividade sobre todas as demais. Nós fomos chamados para adorá-Lo em espírito, com nossas emoções e faculdades humanas. Mas, também adorá-Lo em verdade, ou seja, de acordo com as Escrituras. Devemos adorá-Lo com toda nossa alma, mente, coração, forças.

No livro de Levíticos está contido como o Senhor estabeleceu a adoração em Israel. Os primeiros responsáveis pela adoração diante do Senhor em favor do povo foram os sacerdotes levitas. Oficialmente começou por Arão. Ele foi primeiro chamado em Êxodo 29. Consagrado em Levíticos 8 e veio a ser o chefe de uma família de sacerdotes.

Em Levíticos 9, Arão oferece sacrifícios pelo povo a Deus, de acordo com aquilo que o Senhor tinha estabelecido. Arão foi instruído que Deus responderia positivamente ao sacrifício feito de acordo com aquilo que tinha sido ordenado pelo Senhor (Levíticos 9:6). Também o versículo 22 do mesmo capítulo mostra que Arão ofereceu adoração ao Senhor como lhe fora ordenado e, assim, Deus respondeu conforme prometera.

Isso nos leva ao capítulo 10:1-3:

“E os filhos de Arão, Nadabe e Abiú, tomaram cada um o seu incensário e puseram neles fogo, e colocaram incenso sobre ele, e ofereceram fogo estranho perante o SENHOR, o que não lhes ordenara.Então saiu fogo de diante do Senhor e os consumiu; e morreram perante o Senhor. E disse Moisés a Arão: Isto é o que o Senhor falou, dizendo: Serei santificado naqueles que se chegarem a mim, e serei glorificado diante de todo o povo. Porém Arão calou-se.”

Ele viu seus filhos incinerados. Moisés também disse a Misael e a Elzafã, filhos de Uziel, tio de Arão:“Chegai, levai a vossos irmãos de diante do santuário, para fora do arraial.” (V. 4).

“Então chegaram, e os levaram nas suas túnicas para fora do arraial, como Moisés lhes dissera.
E Moisés disse a Arão, e a seus filhos Eleazar e Itamar: Não descobrireis as vossas cabeças, nem rasgareis vossas vestes, para que não morrais, nem venha grande indignação sobre toda a congregação; mas vossos irmãos, toda a casa de Israel, lamentem este incêndio que o Senhor acendeu.” (Vv. 5-6)

“Nem saireis da porta da tenda da congregação, para que não morrais; porque está sobre vós o azeite da unção do Senhor. E fizeram conforme à palavra de Moisés.”(v.7).

“E falou o Senhor a Arão, dizendo: Não bebereis vinho nem bebida forte, nem tu nem teus filhos contigo, quando entrardes na tenda da congregação, para que não morrais; estatuto perpétuo será isso entre as vossas gerações; e para fazer diferença entre o santo e o profano e entre o imundo e o limpo, para ensinar aos filhos de Israel todos os estatutos que o Senhor lhes tem falado por meio de Moisés.”(vv. 8-11)

Arão foi obediente e o Senhor consumiu o sacrifício oferecido. Mas seus filhos foram desobedientes e, assim, o Senhor os consumiu!!

Eu não quero entrar em todos os detalhes disto. Mas, creio que é suficiente dizer que quando você vem diante do Senhor, é melhor você honrá-Lo. É melhor você vir de um modo consistente com Sua soberana vontade e revelação. Isso é o que significa adorar em verdade.

Os filhos de Arão eram homens muito honrados e respeitados. Eles eram sacerdotes do verdadeiro Deus. O mais velho tinha o direito por linhagem para a mais elevada responsabilidade sacerdotal. Moisés era seu tio. Seus nomes encabeçavam a lista dos nobres de Israel descrita em Êxodo 24. Eram homens muito respeitados. Fora Moisés e Arão, eles foram os primeiros mencionados como líderes no meio de Israel. Eles não eram ameaçadores, ímpios ou usurpadores.

Eles faziam parte dos 70 que tiveram o privilégio de assistir, a certa distância, quando Deus falava com Moisés no Sinai. Isso era um grande privilégio, porque nem outras pessoas, sequer animais poderiam chegar perto do Sinai (Êxodo 19). Todos deveriam ficar muito longe. As pessoas viam, do deserto, a fumaça e o fogo no Sinai, enquanto Nadabe e Abiú estavam entre os convidados para ver tudo de perto! Homens privilegiados… Além daquele grupo de expectadores, só Moisés chegou mais perto de Deus naquela montanha. Nadabe e Abiú pareciam estar tão seguros…

Então, aconteceu: “saiu fogo da presença do Senhor e os consumiu. Morreram perante o Senhor.” (Lv 10:2). Nós não sabemos o que era o fogo estranho especificamente. Presumimos que era um fogo que vinha de outra fonte, que não era do altar em brasa acendido pelo próprio Deus.

Eles trouxeram fogo que vinha de outra fonte. A fonte de onde vinha o fogo pode parecer um assunto de menor importância para qualquer um de nós. Por que para o Senhor era tão importante a fonte, a procedência do fogo?

Não era um assunto de pequena importância para Deus e a narrativa nos indica que algo mais estava acontecendo ali. No verso 9, Deus faz a seguinte advertência a Arão: “Vo­cê e seus filhos não devem beber vinho nem outra bebida fermentada antes de entrar na Tenda do Encontro, senão vocês morrerão. É um decreto perpétuo para as suas gerações.”

Isso pode indicar que Nadabe e Abiú estavam de fato bêbados, sem controle de seus atos e raciocínio. E isso os levou a seu comportamento blasfemo, agindo em desacordo ao que Deus tinha lhes ordenado.

O mesmo fogo que iniciou o sacrifício (Lv 9:24), os consumiu (Lv 10:2). Terrível! Isso nos faz lembrar quando o Senhor matou Ananias e Safira diante da congregação (Atos 5), por eles terem mentido ao Espírito Santo acerca do valor que tinham ganho com a venda de uma propriedade. Isso também pode parecer ter sido uma reação exagerada da parte de Deus. Mas, deixe-me dizer algo muito importante: a maioria dos graves crimes contra Deus ocorre na adoração corrompida!

Êxodo 32 traz o conhecido relato do bezerro de ouro construído sob a liderança de Arão, que apresentou a imagem ao povo dizendo: “Este é o teu deus, ó Israel, que te tirou da terra do Egito.” O bezerro de ouro era uma falsa representação do verdadeiro Deus. E as pessoas ofereceram sacrifícios e ofertas ao bezerro (v. 6). Ou seja, eles estavam adorando ao verdadeiro Deus representado numa falsa forma, rebaixando a glória do Senhor a uma imagem de algo criado.

Você sabe no que isto deu. Foi um desastre! Houve muita morte. O Senhor ordenou a morte de todos os que tomaram parte naquela falsa adoração e a sentença deveria ser executada por aqueles que não participaram. Irmãos e parentes tiveram que usar a espada contra os seus.

Repetindo: os mais graves crimes cometidos contra Deus são aqueles oriundos de uma adoração corrompida. Isso nos leva ao ponto de declarar que o movimento carismático ou neo-pentecostal continuamente desonra a Deus em suas falsas formas de adoração.

Desonram o Pai, também o Filho, mas principalmente o Espírito Santo com suas idéias e ações irreverentes, falsas crenças, falsas promessas, comportamentos carnais, os quais são todos atribuídos à ação do Espírito Santo. Mas, na verdade, desonram o Santo Espírito. É fogo estranho. E o mais triste é que atrai o julgamento de Deus. Isto é muito sério!

Assim como os líderes judeus atribuíram as obras de Jesus a Satanás, em muitos círculos do movimento neo-pentecostal as obras de Satanás são atribuídas ao Espírito Santo. E é sempre perigoso para quem oferece fogo estranho. É perigoso oferecer adoração corrompida. É perigoso declarar que o Espírito fez ou falou aquilo que não pode ser atribuído a Ele!

Eu estava assistindo outro dia a uns comportamentos dos hindus em um culto chamado kundalini. E eles fazem certos movimentos corporais que muito se assemelham a possessões demoníacas. E estes movimentos são idênticos aos presenciados nos assim chamados ‘reavivamentos’ em cultos neo-pentecostais. Isso é paganismo, obra de Satanás, obra das trevas. Não pode ser atribuído ao Espírito Santo.

É algo trágico e algumas manifestações são tão ridículas que chegam a ser cômicas. Isso é uma trágica e agonizante ironia que aqueles que se dizem mais devotos ao Espírito Santo, que alegam ter acesso livre ao Seu poder e experimentam Sua presença, estão seguindo padrões que blasfemam o Seu Nome, pois tais padrões se assemelham muito aos praticados em cultos sabidamente demoníacos.

Atribuir ao Espírito Santo atos, palavras e manifestações que não são da Sua autoria é um grave crime.

Creio que há pessoas sinceras nesse movimento e que de fato desejam adorar a Deus de modo verdadeiro. Mas eles são levados por engano a uma falsa adoração, porque apenas a boa intenção não vai conduzi-los a uma adoração verdadeira, pois o movimento em si mesmo deturpa a verdadeira adoração.

O movimento neo-pentecostal não se baseia na sã doutrina, mas há uma gama de doutrinas extraídas a partir de falsa interpretação ou revelação das Escrituras. E aquilo que é de acordo com a Palavra não vem da doutrina pregada pelos líderes do movimento, mas das heranças das revelações que chegaram a nós através de cristãos verdadeiros ao longo do tempo, como os apóstolos, reformadores, os puritanos, dentre outros.

Há conversões verdadeiras de pessoas no movimento, mas isso é por causa do poder do Evangelho. Não por causa de suas doutrinas e práticas deturpadas.

Mas também há muitas falsas conversões. Pessoas que não conhecem a Deus que foram atraídas por ambições, desejos carnais e experiências emocionais. Regozijo pelas verdadeiras conversões que ocorrem, a despeito das falsas doutrinas sustentadas pelos seus líderes. Mas temo que a maioria dos convertidos professos ainda permaneça nas trevas…

E esse é o maior dos enganos. É aquilo descrito em Mateus 7: ‘eu fiz isso e aquilo em teu nome… eu preguei, eu batizei, expulsei demônios… Fiz milagres em teu nome… ‘ E a resposta do Senhor será: ‘não vos conheço!’.

Muitos Estão interessados nas falsas promessas, falsas manifestações e satisfação dos seus desejos, suas realizações. Mas poucos são os cristãos professos interessados na sã doutrina e em verdadeiro arrependimento.

O sucesso na pregação dessas falsas doutrinas está na sua inspiração maligna, de um lado, e por outro, pelo fato de falar ao homem o que ele quer ouvir, o que satisfaz as suas ambições e interesses.

Qual é o trabalho, a obra do Espírito Santo? Ele convence, regenera, justifica, ilumina, purifica, santifica, adota, batiza. Ele habita no salvo e lhe concede dons e poder. Ele guia, liberta, produz frutos, protege. Isso é o que as Escrituras dizem.

E isso é o que a Bíblia não diz: o Espírito Santo nos joga no chão, derruba; o Espírito Santo nos faz rir de uma forma tola; amplifica o nosso calor do corpo; que nos faz soluçar; ou nos dá convulsões, coloca-nos em um estado de letargia, entorpecimento, com olhar parecendo bêbados, que nos faz cair, falar palavras sem nexo, fazer sons primitivos, saltar, rolar. Tudo isso e ridículo absolutamente ridículo. John Owen diz:

O ministério do Espírito, consiste em trazer à memória as promessas de Cristo, glorificando a Cristo em nossos corações, em Seu derramamento do amor de Deus em nós, em nos revelar nosso estado espiritual e condição, em nos selar para o dia da redenção, sendo o penhor da nossa herança, em nos consolar, em confirmar nossa adoção, em testificar conosco em nossa súplica.

Ele diz ainda:

O padrão de comunhão regular do crente é com as três pessoas da Trindade em meditação, oração e uma vida devidamente ordenada. Devemos debruçar sobre a misericórdia especial e ministério de cada Pessoa da Trindade em nossa direção, e tornar a nossa resposta adequada de amor e submissão distintamente para cada Um.

Outra puritano, Thomas Goodwin, diz:

Nossa adoração por vezes é com o Pai, e então com o Filho e, em seguida, com o Espírito Santo. Às vezes, seu coração é levado a considerar o amor do Pai por ter te escolhido, ou então a contemplar o amor redentor de Cristo, e então o amor do Espírito Santo em nos revelar as profundezas de Cristo e em nos consolar. E assim o homem vai de um testemunho a outro distintamente. Essa é é a comunhão que devemos ter com Deus.

Ele diz ainda:

Nunca devemos estar satisfeitos até que todas as três Pessoas da Trindade habitem de igual modo em nós, e nós permaneçamos, por assim dizer, no meio Deles até que eles manifestem seu amor por nós. Esta e a maior promessa que Jesus fez a nós. Para que todas as Pessoas da Trindade habitem em nós, e nós lhes demos igualdade de honra.

Há um aviso em Hebreus 10:29: “De quanto maior castigo cuidais vós será julgado merecedor aquele que pisar o Filho de Deus, e tiver por profano o sangue da aliança com que foi santificado, e fizer agravo ao Espírito da graça?”
O texto está dizendo que há um inferno mais quente para as pessoas que espezinham o Filho de Deus.

Ao longo dos últimos 25 anos mais ou menos, houve uma bem pensada extremamente importante defesa do Evangelho através de organizações, instituições, coalizões, grupos. Jim Boice começou a Associação de Evangélicos Confessionais, e todo mundo estava pulando a bordo: temos que defender Cristo, defender a Sua divindade, defender Seu caráter, Sua natureza, defender Sua obra cruz, Sua ressurreição, defender as doutrinas de justificação, e o conjunto de grandes verdades que estão relacionadas com a Sua morte e ressurreição!

Houve um contínuo crescimento da doutrina onde agora tudo está a apontar para a cruz, e tudo é olhar para a cruz, e tudo é para contemplar a cruz. Temos defendido Cristo com vigor e grande dedicação sempre que Ele é atacado.

E nós temos praticamente feito o mesmo quando Deus é atacado. Quando alguns teólogos vieram e sugeriram que Deus não conhece o futuro, não pode planejar o futuro, não tinha idéia do que o futuro ia ser, a chamada “teologia da acessibilidade”, houve uma reação imediata contra essa falsa doutrina e muitos estudiosos, escritores e pregadores começaram a se reunir e capacitar a igreja para responder a este ataque ao Deus Pai.

Mas neste versículo (Hb 10:29), você precisa ser lembrado de que há uma punição mais severa para quem fizer agravo ao Espírito da graça, para quem O insulta. No grego, verbo enubriz, usado neste versículo, significa: audácia, insolência, um insulto violento, ou um insulto ultrajante.

Este é o sopro do Todo-Poderoso. Este é Deus, o Espírito Santo. Todos nós concordaríamos que o inferno estará mais quente para as pessoas que pisoteiam o Filho de Deus (Hb 10:29). Mas, o mesmo aviso é dado às pessoas que estão de forma audaciosa e insolente violentamente insultando o Espírito da graça.

E o próximo versículo diz: “Minha é a vingança, eu retribuirei. E outra vez: O Senhor julgará o seu povo. É uma coisa terrível cair nas mãos do Deus vivo.” (Hb 10:30). Deveríamos ficar aterrorizados, apavorados ao ler isto!

O Novo Testamento nos revela que o Ruach Javé, o sopro de Deus, o Espírito Santo, cria a vida, e transforma a vida, e purifica, conforta e conduz os pecadores a Cristo, e os prepara e capacita, e os selo, e protege, e ilumina. Por tudo isso, Ele deve ser honrado e amado.

Benny Hinn, um dos maiores líderes do movimento neo-pentecostal ou carismático na América, diz isso: “Não, não, nunca vá ao Senhor e diga ‘se for da Tua vontade’. Nunca mais diga isso! A atuação do Espírito Santo é dependente de minhas palavras. Ele não vai passar até que eu diga.” Sério?!! Então, isso quer dizer que Benny Hinn é soberano. O Espírito Santo não é…

Vale acrescentar que Benny Hinn é um falso mestre que diz que ter a unção de Deus. E esta unção ele diz ter recebido durante visitas aos túmulos de duas pregadoras: Semple McPherson e Aimee Kathryn Kuhlman (!!!).

Eu não quero perder tempo passando por todas as afirmações ridículas que eles fazem. Eu só quero destacar o quão sério é isto. Mais uma vez, de volta ao ponto principal, a adoração do Deus Trino é o mais fundamental de todos os direitos e a maior de todas as responsabilidades.

Em Êxodo capítulo 20, somos instruídos a respeito de Deus e na primeira metade dos mandamentos, que se referem a como nos relacionarmos com Ele, há o comando para não fazer uma imagem de escultura. E tudo termina com “Não tomarás o nome do Senhor em vão.” Certo?

O que é isto? É falar de Deus de maneira irreverente. Não é apenas usar o nome de Deus como um palavrão. É falar de Deus de qualquer forma que leve a deturpa-Lo em Sua natureza, em Seus atributos, e Suas obras ou em Suas palavras. Qualquer ato, palavra atribuída a Deus que não é de Deus, é tomar Seu nome em vão.

Deuteronômio 28:58 traz severas punições para aqueles que tomam o Nome do Senhor em vão. O tal não ficará impune, diz Deuteronômio.

Alguns perguntam: “Por que Deus nã põe um fim nisto?” Porque Ele é, por natureza, paciente e não conhecemos Seus propósitos. Eu não sei nada sobre os conselhos secretos de Deus além do que Jó sabia. E Deus não é obrigado a ter que me contar tudo. Mas uma coisa eu sei. O crescimento do movimento carismático com suas falsas doutrinas não vai impedir a mão de Deus em juízo, no tempo de Deus.

Nós não precisamos de uma versão do bezerro de ouro do Espírito Santo. Nós não precisamos de um falso Espírito Santo. Precisamos do Espírito Santo que está revelado nas Escrituras, intitulado “o sopro do Todo-Poderoso”, “Todo-Poderoso” em Jó 33, “Espírito eterno” de Hebreus 9, “o Espírito Generoso” do salmo 51, “o Bom Espírito” do Salmo 143. E, em seguida, todos estes nomes: O Espírito do Deus Vivo, o Espírito de Deus, o Espírito do Pai, o Espírito de Cristo, o Espírito do Filho, do Espírito da Vida, o Espírito de Graça, o Espírito de Sabedoria, Espírito de Conselho, Poder, Entendimento, Conhecimento, e o Temor do Senhor; o Espírito da Verdade, o Espírito de Santidade, o Espírito da Glória, o Consolador, e em Lucas 1, o Poder do Altíssimo.

O Espírito é tão Santo, Soberano, Poderoso, Gracioso, Amoroso, Perfeito quanto o Pai e o Filho. Tudo isso me leva a dizer que a igreja precisa da restauração da adoração ao Espírito Santo. Há um zelo no meu coração a respeito deste assunto. Como eu disse, a igreja muitas vezes tem se levantado para defender o Pai e o Filho, mas por que não há o mesmo zelo em relação ao Espírito Santo?

O movimento carismático, com sucesso, conquistou aceitação na base do amor e tolerância. Por isso, seus líderes têm sido recebidos, corrompendo a igreja, cultivando emotividade ao extremo, confundindo pessoas sobre oração, adoração, louvor, fé, contentamento, humildade, soberania, e uma miríade de outras coisas. Em outros momentos da história da igreja no passado, eles teriam sido rejeitados, tratados como heréticos.

Para finalizar, gostaria de examinar Romanos 8:26-30:

“E da mesma maneira também o Espírito ajuda as nossas fraquezas; porque não sabemos o que havemos de pedir como convém, mas o mesmo Espírito intercede por nós com gemidos inexprimíveis. E aquele que examina os corações sabe qual é a intenção do Espírito; e é ele que segundo Deus intercede pelos santos.
E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito. Porque os que dantes conheceu também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos.
E aos que predestinou a estes também chamou; e aos que chamou a estes também justificou; e aos que justificou a estes também glorificou.”

Romanos 8 é o capítulo do Espírito Santo, tudo sobre o Espírito Santo e seu ministério. Ele começa com o verso 26, “o Espírito Santo ajuda a nossa fraqueza.” Ele faz isso, em primeiro lugar, intercedendo por nós. Ele é nosso intercessor como Cristo é. E Ele sempre intercede de acordo com a vontade de Deus, porque Ele sabe a vontade de Deus. Como resultado da intercessão, do trabalho do Espírito Santo, tudo funciona em conjunto para o bem.

Tudo faz trabalhar junto para o nosso bem eterno como crentes, não só porque Deus diz assim, mas porque o Espírito Santo faz acontecer. O Espírito Santo é quem orquestra todas as coisas para o nosso bem eterno, tudo, absolutamente tudo.

Mas há outro elemento do presente. O que é a essência desta bondade? O que quer dizer, todas as coisas trabalharem juntas para o bem? Qual é o bem? O versículo 29, aqui onde está ‘o bem’: “aqueles a quem de antemão conheceu, também os predestinou para se tornarem conformes à imagem de Seu Filho.” Agora há o último trabalho do Espírito Santo, que é nos conformar a Cristo, ok? O Espírito Santo faz Seu trabalho em nós para que tudo funcione em conjunto para um bem último, e esse bem último é a conformidade com a imagem do Filho de Deus, torná-lo semelhante a Cristo.

Isto é o que Paulo fala em Filipenses, quando disse: “Eu prossigo para o alvo.” E você diz, “Bem, qual é o alvo?” O alvo é o prêmio da soberana vocação. Qual é o prêmio quando somos chamados ao alto? Nós vamos ser como Cristo! O que nos tornaremos quando formos glorificados é o objetivo agora em nossa santificação. Se fomos predestinados e chamados e justificados, seremos glorificados. E quando formos glorificados, então seremos como Cristo – 1 João 3 – “Seremos semelhantes a Ele, porque nós veremos como Ele é”. Esse é o objetivo final e o Espírito Santo vai nos levar lá.

Enquanto isso, até que sejamos glorificados e feitos semelhantes a Cristo, o trabalho do Espírito Santo é cada vez cada vez mais nos ir conformando à Sua imagem. Para entender Sua obra precisamos olhar para Cristo, porque Ele é o alvo do Espírito.

Nunca poderíamos pensar que a obra do Espírito Santo em nos tornar semelhantes a Jesus é nos fazer cair, falar como bêbados, rolar no chão, rir histericamente ou balbuciar sons sem sentido… É bizarro pensar em algo como isto ser a obra do Espírito Santo em nós.

O Espírito Santo foi o companheiro constante de Jesus, o companheiro constante de Jesus. Foi o Espírito de Deus que lhe deu vida no útero de Maria. O Filho de Deus se esvaziou de Suas prerrogativas divinas, voluntariamente submetido à vontade do Pai no poder do Espírito. Jesus restringiu o uso soberano de Suas divinas habilidades, privilégios, e rendeu-Se ao Espírito Santo.

Então, Sua vida foi assim:

▪ De acordo com Lucas 1, Ele foi concebido pelo Espírito Santo e foi amadurecido pelo Espírito Santo, crescendo em sabedoria, estatura, diante de Deus e dos homens.
▪ De acordo com Marcos 1, Ele foi ungido pelo Espírito Santo em Seu batismo.
▪ Em Lucas 4, Ele foi sustentado pelo Espírito Santo em Sua tentação. Ele foi habilitado pelo Espírito Santo, Lucas 4: 14- 15, para ministério.
▪ Ele foi preenchido com o Espírito Santo, de modo que Ele caminhou em perfeita obediência.
▪ Ele foi aperfeiçoado por obediência, forjado em poder do Espírito, e através de sofrimento, pelo qual Ele aprendeu obediência.
▪ Hebreus 9: 14 diz que Ele enfrentou morte triunfante no poder do Espírito Santo.
▪ O Espírito Santo era operante em Jesus. Romanos 1 diz que ele foi ressuscitado pelo poder do Espírito Santo.
▪ Mesmo depois de sua ressurreição, no seu ministério pós- ressurreição, de acordo com Atos 1: 1- 2, foi no poder do Espírito que Ele ensinou coisas acerca do Reino.

Agora, preste atenção, o Espírito Santo foi para Cristo o que Ele é para nós. Se você quiser ver a perfeição do trabalho do Espírito Santo em nós, veja o trabalho que Ele fez no Homem Perfeito.

▪ Jesus foi concebido pelo Espírito Santo, e é o Espírito Santo que nos dá a vida, nascidos do Espírito.
▪ Jesus foi amadurecido pelo Espírito Santo. É o Espírito Santo que nos concede poder para crescer em Cristo.
▪ Ele foi ungido pelo Espírito Santo no batismo. É através do Espírito que somos batizados no corpo de Cristo.
▪ Ele foi apoiado pelo Espírito Santo em suas tentações. É o Espírito que nos fortalece no homem interior, no meio de nossas tentações.
▪ Ele foi capacitado pelo Espírito Santo no ministério. É o Espírito que nos concede dons e nos capacita no ministério.
▪ Jesus era cheio do Espírito Santo. É o Espírito que nos enche e produz fruto em nós.
▪ Ele foi aperfeiçoado pelo poder do Espírito Santo em obediência, e o Espírito faz o mesmo em nós.
▪ Ele enfrentou a morte triunfante no Espírito. É o Espírito de graça e de glória que nos sustenta em nosso sofrimento.
▪ Ele foi ressuscitado dentre os mortos pelo Espírito. É o Espírito que nos dá vida eterna e que um dia nos ressuscitará também.

Se você quiser ver o ministério do Espírito Santo e como Ele opera em nós, olhe para Cristo. Claro que, em Cristo, há o cumprimento perfeito. Mas o Espírito Santo era para o Filho de Deus o que Ele é para nós. O Espírito Santo se comprometeu a fazer em nós a obra que Ele demonstrou em Cristo.

Em João 16:7, temos: há um realmente interessante verso, 7, “Mas eu lhes afirmo que é para o bem de vocês que eu vá. Se eu não for, o Consolador não virá para vocês; mas se eu for, eu O enviarei.” Jesus disse: “é melhor eu ir, melhor eu ir.” Por quê? Por que é melhor para que Ele fosse?” Porque enviaria o Espírito. É como se dissesse: “Melhor, porque o Espírito Santo vai fazer em você que Ele fez em Mim. Isso é ministério Dele. Meu ministério chegou ao final, o Dele irá começar plenamente.

João 14:16: “E eu rogarei ao Pai, e Ele vos dará outro Consolador, para que fique convosco para sempre” Verso 26: “Mas aquele Consolador, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas, e vos fará lembrar de tudo quanto vos tenho dito.” Tanto os apóstolos, que foram ensinados e inspirados pelo Espírito para escreverem o Novo Testamento, como para todos os salvos, foram e têm sido abençoados com esta obra do Espírito de nos ensinar. (No mesmo sentido, João 15:26; 16:13).

Em outras palavras, o ministério do Espírito Santo é levar você para a verdade,divulgar as coisas de Cristo para você, a fim de que você pode ser conformado à semelhança de Cristo. Apenas uma realidade incrível, simples. O Espírito Santo faz em nós o que Ele fez no Filho, nos conforma à própria imagem de Cristo.

Jesus nos demonstra o que é a humanidade perfeita, com o que ela se parece. O Espírito está nos conformando a Cristo, capacitando os eleitos redimidos de Deus para triunfar sobre o poder do pecado, carne, Satanás, mundo, capacitando-nos a sermos mais e mais como o Filho de Deus.

O Espírito Santo está trabalhando em nós o conhecimento da santa doutrina, das Escrituras Sagradas. Ele está operando em nós atitudes santas, santas palavras, caráter santo, santas ações, ambições santas, santos anseios, sentimentos santos.

Que arrogância horrível, o que é um insulto ao Espírito dizer que Ele é responsável pela corrupção e falta de santidade, pela tolice, e até mesmo pelos elementos demoníacos que desonram o Pai, o Filho e o Espírito Santo, pregados e praticados por aqueles que agem num falso culto, falsa adoração, falsas profecias e falsas doutrinas.

A obra do Espírito Santo é tirar de nós a imagem da corrupção, que não pode glorificar a Deus, e que nos conduziria fatalmente a uma eternidade de tormento eterno, sem possibilidade de fuga, para transformar-nos à semelhança de Jesus Cristo.

Vou começar a acreditar que a verdade estará prevalecendo no movimento carismático quando vir seus líderes, que são os responsáveis por disseminar essas falsas doutrinas, tornarem-se parecidos com Jesus.


Este texto é um resumo do sermão “Strange Fire”, de John MacArthur, em 26/10/2013
Você pode ouvi-lo integralmente (em inglês) no link abaixo:
http://www.gty.org/resources/sermons/TM13-1/strange-fire

Tradução e síntese realizadas pelo Site Rei Eterno


 

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Rafaella disse:

    Amém!
    Que possa haver em mim um coração puro diante da face do Senhor, que as palavras dos meus labios e o meditar do meu coração sejam agradáveis ao Senhor.
    Deus me ajude a nao entregar fogo estranho em Seu altar, mas dar a Ele aquilo que Ele quer.

    A palavra do Senhor é luz para nosso caminho, é o nosso guia no deserto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *